Vigilância em massa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Vigilância em massa é a vigilância generalizada de toda ou de parte substancial da população.[1] . Geralmente feita por governos, podendo também ser feita por empresas a pedido de governos ou por iniciativa própria, podendo ou não exigir a autorização de um tribunal ou outro órgão independente. Pode ser feita abertamente ou de maneira subrepticia.

Camera de Vigilancia London (Heathrow) Airport

Geralmente, os governos justificam a vigilância em massa sob alegações de ameaças eminentes à segurança da população como para combater terrorismo, ou para combater pornografia infantil ou crime ou por segurança nacional.[2] .

A vigilância em massa atinge profundamente o direito à privacidade [3] , sendo usada também para limitar direitos políticos[4] e liberdades individuais, limitando a liberdade de expressão.[5]

A vigilância em massa tende a levar ao totalitarismo, como no caso dos regimes de Stalin, Hitler e da Stasi da Alemanha Oriental [6] .

Revelações da Vigilância Global (2013–presente)[editar | editar código-fonte]

As revelações feitas por Edward Snowden em junho de 2013 e publicadas por Glenn Greenwald através dos jornais The Guardian e The Washington Post, dando detalhes da vigilância de comunicações e tráfego de informações executada pelo programa de vigilância PRISM dos Estados Unidos em conjunto com os países signatários do Tratado de Segurança UK-USA[7] , trouxeram a tona o sistema de vigilância global que vem sendo executado pelos Estados Unidos através da NSA e com a participação do CSEC do Canadá além dos dos serviços de inteligência da Austrália, da Nova Zelândia e do GCHQ do Reino Unido.[8] [9] [10] .[11] [12]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Vigilância em massa tem sido destaque em uma grande variedade de livros, filmes e outras mídias. Uma das obras mais emblemáticas sobre o tema da vigilância em massa é o romance de George Orwell 1984, tambem adaptado para o cinema e que retrata um Estado de vigilância em massa totalmente distópico.

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [1] Tecnologias de Vigilancia em Massa (em inglês -Mass Surveillance Technologies) pela Electronic Frontier Foundation
  2. Chomsky, Noam. América Rebelde - Entrevista à Daniel Mermet. Le Monde Diplomatique Brasil. 19 de julho de 2010.
  3. Ver o artigo de Warren e Brandeis: The Right to Privacy, originalmente publicado na Harvard Law Review, vol. IV, 15 de dezembro de 1890, n° 51890.
  4. Declaração de direitos do homem e do cidadão - 1789 (em português) Universidade de São Paulo Biblioteca Virtual de Direitos Humanos (1978). Visitado em 16 de marco de 2014.
  5. Proposta do Brasil e da Alemanha à ONU associa espionagem à violação de direitos humanos Carta Capital (01 de novembro de 2013). Visitado em 17 de março de 2014.
  6. Rosenfield, Denis Lerrer. Democracia totalitária Estadão.com.br. 03 de agosto de 2009.
  7. Folha de S.Paulo: Cinco olhos, todos em você - 09/07/2013 - Clóvis Rossi - Colunistas - Folha de S.Paulo
  8. INFO: Brasil sabia sobre espionagem dos EUA desde 2001, diz jornal | INFO
  9. Os “Cinco Olhos” e os cegos Carta Capital (11 de novembro de 2013). Visitado em 17 de março de 2014.
  10. ECHELON: America's Secret Global Surveillance Network. Por Patrick S. Poole.
  11. Brasil é um grande alvo. Documentos revelados neste fim de semana mostram que o governo dos Estados Unidos espionou milhões de telefonemas e e-mails de brasileiros G1 (07 de julho de 2013). Visitado em 14 de março de 2014.
  12. Brasil é um grande alvo. Documentos revelados neste fim de semana mostram que o governo dos Estados Unidos espionou milhões de telefonemas e e-mails de brasileiros G1 (07 de julho de 2013). Visitado em 14 de março de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]