Vila Aliança

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Vila Aliança (também chamada de V.A ou Vila por seus moradores) é um bairro não-oficial da cidade do Rio de Janeiro, que oficialmente faz parte de Bangu.[1] Devido a circunstâncias históricas e culturais, a Vila Aliança é considerada por muitos como uma favela, ainda que seja totalmente urbanizada. Está localizado na divisa com o bairro de Senador Camará, entre as ruas Belila, Antenor Correia e a Estrada do Taquaral.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1961, o presidente americano John Kennedy, dando seguimento à urbanização da cidade, idealiza a Aliança para o Progresso[1] , projeto de cooperação técnica e financeira com países da América Latina com a clara intenção de impedir que revoluções como a cubana se espalhassem. No Rio de Janeiro, o governo Carlos Lacerda utilizou esse apoio para criar três sub-bairros: Vila Aliança e Vila Kennedy em Bangu, Cidade de Deus, em Jacarepaguá.

A área onde está a Vila Aliança era então um enorme laranjal, que abastecia todo o estado. Na década de 60, as árvores cederam lugar para o primeiro conjunto habitacional da América Latina.

O governo então retirou famílias do Morro do Pasmado no bairro de Botafogo, do Morro do Pinto e da Favela do Esqueleto, realocando-os na nova comunidade.

No dia 7 de janeiro no ano de 1964, a Vila Aliança foi oficialmente inaugurada pelo então governador Carlos Lacerda, sendo seu nome uma homenagem à Aliança para o Progresso, e seguindo padrões arquitetônicos internacionais, com ruas amplas que mais pareciam grandes avenidas e outras mais estreitas com características de vilas que integrariam a vizinhança, tudo com auxilio técnico ao operário e à pequena indústria, visando, segundo seus idealizadores, fomentar o desenvolvimento econômico e social.

Com o decorrer dos anos, a comunidade passou a ser dominada pelo tráfico de drogas, sendo palco de conflitos entre traficantes.[2]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Na Vila Aliança, os nomes das ruas são nomes de profissões, em homenagem ao trabalhador brasileiro.[1] É uma das comunidades mais humildes e de menor poder aquisitivo de Bangu, detendo um dos piores IDH da cidade do Rio de Janeiro. Existem sub-divisões dentro da própria Vila Aliança, que apresentam diferenças culturais e sociais (por mais que façam parte do mesmo local), são elas:

  • Nova Aliança que é a Antiga Boca do Mato, delimitada entre a Rua Belila e Farmacêutico.
  • Caminho do Lúcio, delimitado entre a Rua do Corretor e a Estrada do Engenho.
  • Iraque, próximo ao Caminho do Lúcio (do outro lado do córrego), delimitada entre a Estrada do Taquaral e Rua do Corretor.
  • Beira Linha ou Minha Deusa, que fica próxima à linha do trem, delimitada entre o Colégio Daltro Santos é a Rua do Funcionário.
  • Vacaria, delimitada entre a rua Antenor Correia e a Rua do Funcionário.
  • Pantanal, Localizada entre a Rua do Catequista e a Estrada do Taquaral
  • Mangueiral, ao sopé do Morro do Retiro.
  • Bairro Araújo, que possui casas de classe média.
  • Condomínio Colinas do Retiro.

Cultura[editar | editar código-fonte]

No bairro ficava situado o bloco carnavalesco GRBC Boêmios de Vila Aliança.

Além disso, foi berço do grupo musical Mistura Fina, do grupo caipira Show Da Progresso, além de outras atividades culturais, como a "Blecota", o "Frevo Mulher" e a festa junina da Praça do Aviador.

Músicas em homenagem[editar | editar código-fonte]

Marcelo D2 foi o pioneiro em misturar hip hop com samba,Musica Saudação às Favelas.

Política[editar | editar código-fonte]

Atualmente, exercem influência política no bairro os políticos Carlos Santana, Adilson Pires e Marcelino de Almeida. Já foi também influente no lugar ex-deputado estadual André Luiz.

Escolas Públicas da Vila Aliança[editar | editar código-fonte]

  • Escola Municipal Marieta da Cunha da Silva (Rua do Desenhista,s/n)
  • Escola Municipal Rubem Berta (Rua do Magistrado,s/n)
  • Brizolão Olof Palme

Referências

  1. a b c d Secretaria de Cultura do Estado do RJ (09/02/2011). «Vila Aliança, muito prazer - Centro Cultural conta a história desse pedaço da Zona Oeste em filme, moda e centro de memória». Consultado em 09/06/2011. 
  2. Último Segundo - iG Rio de Janeiro (03/06/2011). «Bope mata suspeito e apreende armas na zona oeste do Rio». Consultado em 09/06/2011. 
  3. Dennis Novaes Saldanha Côrtes (2013). «Funk no Distrito Federal: notas sobre música e pertencimentos» (PDF). p. 25. Consultado em 18/05/2016.  line feed character character in |titulo= at position 48 (Ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]