Vila Belga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Localização da unidade residencial
29° 40' 44.14" S 53° 48' 27.05" O29° 40' 44.14" S 53° 48' 27.05" O
Portal A Wikipédia possui o

Portal Santa Maria
da Boca do Monte


Leitor, participe do projeto

"Vamos todos wikificar Santa Maria."

Distrito.Sede.Santa Maria.RS.v2006.png

Localização da Vila Belga no município
Localização da Vila Belga no município de Santa Maria. Em vermelho o distrito da Sede.
O casario padrão da Vila Belga.

Vila Belga é uma unidade residencial localizada no bairro Centro, distrito da Sede, em Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

Projetada pelo engenheiro belga Gustave Wauthier, a vila foi construida no período de 1901 a 1903 para servir de moradia aos funcionários da companhia belga "Compagnie Auxiliare des Chamins de Fer au Brésil", que vieram para construir as ferrovias.[1] A companhia adquiriu a concessão e finalizou a construção da Estrada de Ferro Porto Alegre - Uruguaiana, concebida como linha-tronco de um projeto de articulação do território e das fronteiras do Estado do Rio Grande do Sul com a Argentina, Paraguai e Uruguai através de ferrovia, tendo, portanto, caráter fundamentalmente estratégico, em especial após a Guerra do Paraguai (1864-1870), que passou a representar uma preocupação para o governo imperial.

Um dos entroncamentos mais importantes da linha estava situado no município, onde foram instalados os escritórios da Auxiliare, assim como oficinas e inúmeros galpões que empregavam um grande número de funcionários, partes dos quais instalados na Vila Belga. Em 1872, pouco após o fim dos conflitos, o engenheiro José Ewbank da Câmara apresentou ao governo imperial o "Projeto Geral de uma Rede de Vias Férreas Comerciais e Estratégicas para a província de São Pedro do Rio Grande do Sul", onde propôs a construção de uma série de ferrovias com linhas-tronco em sentido norte-sul e leste-oeste, que se entroncariam em pontos estratégicos.

Primeiramente, o projeto tinha como base dois centros irradiadores: São Gabriel e Alegrete, entretanto, durante a pormenorização do projeto, os estudos teriam demonstrado uma considerável redução de custos se o trajeto da ferrovia passasse por Santa Maria da Boca do monte, onde o terreno era menos acidentado.

A Auxiliare para abrigar seus funcionários graduados (mas não propriamente de primeiro escalão) que trabalhavem diretamente na operação do pátio ferroviário, adquiriu uma gleba urbana próxima à Estação de Santa Maria e iniciou, na primeira metade do século XX, a construção de uma série de residências, conjunto que ficou conhecido como "Vila Belga".

A Vila Belga é considerada patrimônio histórico e cultural do município (lei municipal nº2983/88, de 6 de janeiro de 1988).

Segundo o tombamento municipal da Vila Belga, das oitenta residências originais, atualmente o conjunto conta com apenas setenta e nove, pois uma foi completamente descaracterizada. As demais mantém ainda suas configurações originais: térreas e geminadas duas a duas (com exceção de uma), configurando quarenta edifícios distribuídos em quatro ruas principais e cinco quadras.

A Vila Belga, apesar de ter sido construída por uma empresa ferroviária não se configura como uma tradicional "Vila Operária" (separado das cidades e construido segundo principios hierárquicos e de organização social), mas sim como uma continuação de Santa Maria[2]

Descrição dos Limites da Unidade Residencial: A unidade residencial urbana cujos lotes estão distribuídos em cinco quarteirões, que confrontam para as Ruas Manoel Ribas, Ernesto Beck, Dr. Wauthier e André Marques;

Foto panorâmica de uma rua da Vila Belga.

Referências

  1. Viero, Lia Margot Dornelles. Atlas Municipal Geográfico.
  2. ROCHA, Ricardo (2012). «O CONJUNTO OPERÁRIO DA VILA BELGA EM SANTA MARIA (RS)» (PDF). IPHAN. Consultado em novembro 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Referências Gerais[editar | editar código-fonte]

  • FINGER, Ana Eliza. Vilas Ferroviárias no Brasil. Os casos de Paranapiacaba em São Paulo e da Vila Belga no Rio Grande do Sul. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Universidade de Brasília. Distrito Federal. Brasil. 27 de novembro de 2009.
  • LOPES, Caryl Eduardo Jovanovich. A Vila Belga. Anais do seminário: Território, patrimônio e memória. Santa Maria, 2001, p. 122-147.
  • ROCHA, Ricardo de Souza. O conjunto operário da Vila Belga em Santa Maria RS. In: Anais VI COLÓQUIO LATINO-AMERICANO SOBRE RECUPERAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO INDUSTRIAL, São Paulo, 2012. Disponível no site do IPHAN http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/VI_coloquio_t6_conjunto_operario.pdf
  • ROCHA, Ricardo de Souza. A Vila Belga e o Traité d'Architecture de Louis Cloquet. Cadernos de Arquitetura Ritter dos Reis v. 3, p. 191-199, Porto Alegre: Uniritter, 2001.
  • SCLEE, Andrey. Processo de tombamento da Vila Belga

Ver Também[editar | editar código-fonte]

  1. Paranapiacaba - uma vila ferroviaria que é um distrito de Santo André, no estado de São Paulo.
  2. Centro (Santa Maria) - Centro do município de Santa Maria, onde está localizada a unidade residencial Vila Belga.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

  1. Vídeo da Vila Belga no site da Prefeitura Municipal