Vila Nova de São Bento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Portugal Vila Nova de São Bento 
  Freguesia portuguesa extinta  
Localização
município primitivo Serpa
História
Extinção 28 de janeiro de 2013
Características geográficas
Área total 241,69 km²
Outras informações
Orago São Bento

Vila Nova de São Bento é uma antiga freguesia portuguesa do município de Serpa, com 241,69 km² de área e 3.072 habitantes (2011). A sua densidade populacional era 12,7 hab/km².
Foi extinta e agregada à freguesia de Vale de Vargo, criando a União das freguesias de Vila Nova de São Bento e Vale de Vargo.

Foi elevada a vila em 19 de Abril de 1988; até aí, chamava-se Aldeia Nova de São Bento. O seu santo padroeiro é S. Bento e as suas festas anuais alternam entre os meses de Maio e Setembro.

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Aldeia Nova de São Bento (1864 – 2011) [1]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
2 771 2 839 3 317 3 390 4 192 5 522 7 181 8 038 8 842 7 678 5 406 4 615 3 799 3 430 3 072

Nos censos de 1864 a 1930 figura com o nome de Aldeia Nova. Pelo decreto lei nº 27.424, de 31/12/1936, passou a ter a actual designação.

Lenda[editar | editar código-fonte]

Em Dezembro de 1640, em plena guerra da Restauração, levada a cabo pelos Portugueses para por fim ao domínio dos espanhóis, que durava há sessenta anos. A campanha arrastou-se por 27 anos, tendo por palco principal o Alentejo, visto as suas planuras serem propícias à acção da cavalaria, decisiva por essa época.

A lenda, por sua vez, fala-nos de uma jovem da Aldeia da Fonte do Canto, enamorada de um rapaz de uma Aldeia vizinha, Cabeço de Vaqueiros. Como este parecia não corresponder ao seu amor, a jovem acabou por aceitar o pedido de casamento dum soldado espanhol. Sabendo do casamento, logo o jovem alentejano se apressou a declarar o seu amor e a prometer tudo fazer para se livrar dos espanhóis das duas aldeias. A jovem, por seu lado, invoca São Bento, por quem tinha grande crença, para que lhe valesse em tão grande aflição, temendo pela vida do seu amado.

O espanhol, repudiado, chama mais tropas e a luta surge sem tréguas entre os combatentes rivais: de um lado, os soldados liderados pelo espanhol preterido, do outro, um grupo formado por todos os homens das duas aldeias, chefiados pelo jovem alentejano, unidos da mesma intenção: derrotar os espanhóis e libertar as aldeias da Fonte do Canto e de Cabeça de Vaqueiros. A verdade, porém, é que a bravura dos portugueses, juntos na sua força e na sua coragem, conseguiu pôr em debandada as tropas espanholas. Logo o pensamento das gentes se voltou para São Bento. Para as preces que lhe haviam feito. "São Bento tinha concedido um milagre", era a opinião geral. Já o povo não quis separar as duas aldeias. Numa só, unidas, tinham lutado contra o inimigo, numa só continuaram a estar dali em diante.

Que nome dar-lhe, então? Pensando um pouco, não era uma aldeia nova que nascia? Pois esse seria o seu nome: "Aldeia Nova" - a que acrescentaram "de São Bento" em honra e agradecimento ao Santo que os tinha ajudado a conquistar, pela fé, a paz e a liberdade.

Numa outra lenda, S. Bento apareceu a um crente, pessoa de posses da região, e comunicou-lhe que pretendia que erigissem uma igreja em sua homenagem. Essa pessoa mandou construir a igreja, e assim se fez, iniciou-se a construção de uma igreja na herdade da Abobada. Durante a construção da referida igreja todos os dias quando os construtores voltavam para iniciar os trabalhos as ferramentas não se encontravam lá, mas sim no local onde esta construída a Igreja de S. Bento, este facto repetiu-se varias vezes levando a que os obreiros erguessem a igreja na sua atual localização, estando o altar mor construído sobre o tronco da arvore onde S. Bento apareceu.

Património e locais interessantes[editar | editar código-fonte]

Festas e feiras[editar | editar código-fonte]

  • Festa de S. Sebastião, festa essencialmente religiosa, realizada no dia 20 de Janeiro, dia de São Sebastião e que inclui procissão e oferendas de ramos de laranjas a S. Sebastião, bolos, frangos, leitões, etc. Para além da missa, tem lugar uma procissão e um leilão das oferendas.
  • Festa das Santas Cruzes no início de Maio, inclui procissão (com rosmaninho espalhado no chão) ao Cruzeiro, onde há missa e por vezes garraida. Em diversas casas da vila é enfeitada uma divisão com a Santa Cruz, um altar em degraus coberto de tecido claro, normalmente com bordados e enfeitado com flores, figuras de culto e velas, culminado com a "Santa Cruz". Os visitantes são bem recebidos e canta-se à Santa Cruz.
  • Feira anual no último fim de semana de Julho. A Feira foi criada em 1899 com a finalidade de manifestar a sua profunda adoração ao Santo Padroeiro desta freguesia.

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

  • Mangotes da Aldeia Nova - enchido de Porco de Raça Alentejana, de fabrico artesanal, servido no Natal e nas matanças dos porcos.

Personalidades[editar | editar código-fonte]

Alguns nomes de naturais desta vila:

Referências

  1. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.