Vincent Matthews

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Vincent Matthews
campeão olímpico
Atletismo
Modalidade 400 m
Nascimento 16 de dezembro de 1947 (70 anos)
Nova York, Estados Unidos
Nacionalidade norte-americano
Medalhas
Jogos Olímpicos
Ouro Munique 1972 400 m
Ouro Cidade do México 1968 4x400 m
Jogos Pan-Americanos
Ouro Winnipeg 1967 4x400 m
Prata Winnipeg 1967 400 m

Vincent "Vince" Edward Matthews (Nova York, 16 de dezembro de 1947) é um ex-velocista e campeão olímpico norte-americano.

Foi segundo lugar em Winnipeg 1967, para Evans nos 400 m, com a prata, e os dois ganharam a medalha de ouro no revezamento 4x400 metros.[1]

Em 1968, durante uma competição de aquecimento para as seletivas norte-americanas de atletismo com vistas aos Jogos da Cidade do México, Matthews quebrou o recorde mundial dos 400 m – 44s4 – mas sua marca não foi oficializada por causa do formato de escova dos pinos da sola de suas sapatilhas de corrida da Puma, que não eram aceitas pela IAAF para a homologação de recordes. Nas seletivas propriamente ditas, ele acabou ficando apenas em quarto lugar, após Evans, Larry James e Ron Freeman;[2] isto o tirou da disputa dos 400 m mas o colocou integrando o 4x400 m. Nos Jogos, ele correu a primeira 'perna' do 4x400 m, que ganhou a medalha de ouro e quebrou o recorde mundial, em 2m56s16, marca que duraria por 24 anos até Barcelona 1992.[2]

Em 1972, as seletivas americanas, derrotou seu velho rival Evans, conseguindo um terceiro lugar nos 400 m enquanto o adversário teve que se contentar com o quarto. Na final em Munique, depois que o favorito americano John Smith distendeu um músculo na altura dos 80 m e teve que abandonar, Matthews conseguiu finalmente sua medalha de ouro olímpica individual, vencendo a prova em 44s66.[2] Depois da prova, entretanto, um fato causou seu banimento e o do medalha de prata Wayne Collett dos Jogos. Na cerimônia de premiação, durante a execução do Hino dos Estados Unidos, Matthews e Collett, com os agasalhos de premiação abertos, ficaram o tempo todo conversando e se mexendo e nem olharam o hasteamento da bandeira. A atitude, considerada um protesto nos moldes do de Tommie Smith e John Carlos nos Jogos anteriores no México, foi considerada um desrespeito pelo COI e os dois foram obrigados a se retirar de Munique. A Associated Press descreveu assim o momento:

"Collett, descalço, saltou do lugar do nº2 no pódio para o de nº 1, ficando ao lado de Matthews; os dois ficaram de lado para o hasteamento da bandeira, girando suas medalhas, com Matthews coçando o queixo. Ele nem permaneceu ereto nem olhou para a bandeira. A medida que os assobios e vaias se sucederam, Collett ergueu o punho fechado para a multidão antes de entrar pela porta dos vestiários".[3]

Com a expulsão dos dois dos Jogos e com John Smith contundido, os EUA, que tinha levado seis velocistas dos 400 m para Munique, agora só tinham três e com isso não tinham uma equipe e acabaram não disputando o revezamento 4x400 metros.[4]

Em março de 1973, a revista especializada em atletismo dos Estados Unidos, Track & Field News, colocou a foto de Matthews e Collett na capa, com a chamada "Nem Todo Ouro Brilha".[5]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Pan American Games». gbrathtletics. Consultado em 16 de agosto de 2015. 
  2. a b c «Vince Matthews». Sportsreference. Consultado em 16 de agosto de 2015. 
  3. «Milburn, Matthews win gold but US Trails». The Associated Press. Consultado em 16 de agosto de 2015. 
  4. «Athletics at the 1972 München Summer Games: Men's 4 × 400 metres Relay». Sportsreference. Consultado em 16 de agosto de 2015. 
  5. «1973 Covers». Track & Field News. Consultado em 16 de agosto de 2015.