Vinci Airports

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Vinci Airports
Slogan Abrimos-lhe o mundo
Sede França Rueil-Malmaison, Île-de-France França
Pessoas-chave Nicolas Notebaert (Chairman)
Empregados 11 000 (2016)
Acionistas Vinci S.A
Website oficial http://www.vinci-airports.com

A Vinci Airports, filial do Grupo Vinci, é uma empresa francesa operadora aeroportuária. Sendo um player global, a empresa desenvolve, financia, constrói e opera uma rede de 36 aeroportos: 13 na França, 10 em Portugal, três no Camboja, dois no Japão, seis na República Dominicana, um no Chile e Brasil.

Está entre os cinco maiores operadores do mercado aeroportuário, o conjunto dos aeroportos sob sua gestão representa um tráfego anual total de mais de 132 milhões de passageiros e é servido por mais de 200 companhias aéreas.[1] Em 2016, o volume de negócios da VINCI Airports ultrapassa os mil milhões de euros.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1995, a Vinci Airports obtém a primeira concessão aeroportuária. Através da filial Camboja Airports, é celebrado um contrato até 2040 para os aeroportos de Phnom Penh e de Siem Reap. Desde dezembro de 2011, a VINCI Airports também detém a concessão de um terceiro aeroporto internacional no Camboja: o aeroporto de Sihanoukville.[3]

A França abre a gestão aeroportuária nacional à delegação de serviço público. Em 2003, a VINCI Airports ganha a sua primeira adjudicação para a operação do aeroporto de Grenoble, e a segunda em 2004, para o aeroporto de Chambéry.[4] A VINCI Airports expande a sua operação através de licitações públicas e torna-se concessionária de 13 aeroportos em França em 2016 (ordenados em função do tráfego de passageiros):

  • Lyon-Saint-Exupéry;
  • Nantes Atlantique;
  • Rennes;
  • Toulon-Hyères;
  • Clermont-Ferrand Auvergne;
  • Grenoble-Isère;
  • Chambéry – Savoie;
  • Dinard;
  • Poitiers-Biard;
  • Saint-Nazaire – Montoir;
  • Le Castellet;
  • Lyon-Bron;
  • Pays d'Ancenis.

A VINCI Airports é também acionista do grupo Aéroports de Paris (ADP), com uma participação de 8 % no capital social.[5]

A aquisição da ANA Aeroportos de Portugal, em 2013, pela Vinci Airports, representa um ponto de partida para uma maior internacionalização das atividades do Grupo.[6][7] Com esta aquisição, a Vinci Airports obtém a concessão em Portugal dos seguintes aeroportos (ordenados em função do tráfego de passageiros):

A VINCI Airports instala-se no Chile em 2015, sua primeira incursão na América do Sul. O consórcio Nuevo Pudahuel, constituído pela VINCI Airports (40 %) e pelos grupos Aéroports de Paris (45 %) e Astaldi (15 %), assume a operação do aeroporto de Santiago do Chile por um período de 20 anos.[8]

Ainda em 2015, o consórcio Vinci Airports com a empresa japonesa ORIX é designado candidato principal à concessão dos aeroportos internacionais de Kansai e de Osaka para um período de 44 anos a partir de 1 de abril de 2016.[9] Em 2016, a Vinci Airports adquire a empresa AERODOM, concessionária de seis aeroportos na República Dominicana até março de 2030.[10] A VINCI Airports assume a concessão dos seguintes aeroportos (ordenados em função do tráfego de passageiros):

  • Las Americas;
  • Gregorio Luperon;
  • Presidente Juan Bosch;
  • Arroyo Baril;
  • Dr. Joaquín Balaguer;
  • Maria Montez.

Vinci Airports é designada como a representante do futuro e controverso Aeroporto do Grande Ouest,[11] localizado em Notre-Dame-des-Landes, no norte de Nantes, para substituir o actual aeroporto que se tornou muito pequeno.

Ainda em 2016, os aeroportos operados pela Aéroports de Lyon (ADL) são integrados na rede VINCI Airports.[12] O consórcio constituído pela VINCI Airports, pela Caisse des Dépôts e pelo Crédit Agricole Assurances adquire 60 % do capital da ADL, titular de um contrato de concessão para os aeroportos de Lyon Saint-Exupéry e de Lyon Bron até 31 de dezembro de 2047. O aeroporto de Lyon-Saint Exupéry, com um tráfego de 9 milhões de passageiros, é o maior aeroporto da rede na França.[13]

Em 16 de março de 2017, continuando sua expansão internacional, a VINCI Aiports arrematou em leilão o Aeroporto Internacional de Salvador - Deputado Luís Eduardo Magalhães, localizado na cidade de Salvador, no Brasil, por R$ 1,59 bilhão. A empresa ficará responsável pela administração do aeroporto pelos próximos 30 anos.[14]

Filiais[15][editar | editar código-fonte]

  • Sociedade concessionária de aeroportos (SCA) no Camboja[16]100,00 %
  • SEAGI – aeroporto de Grenoble 99,00 %
  • SEACA – aeroporto Chambéry 99,00 %
  • SEACFA – aeroporto de Clermont-Ferrand 99,00 %
  • SEAQC – aeroporto de Quimper-Cornouaille 99,00 %
  • Parkazur (Estacionamento das companhias de aluguer do Aeroporto de Nice) 100,00 %
  • Cambodia Airports 70 %
  • Aerodom 100 %
  • Nuevo Pudahuel 40 %
  • ANA 100 %
  • Kansai Airports 40 %
  • Concessionária do Aeroporto de Salvador S.A. 100,00 %

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Guerin, Jean-Yves (8 de fevereiro de 2017). «Vinci en grande forme grâce aux aéroports et aux autoroutes». Le Figaro (em francês). ISSN 0182-5852 
  2. Gallois, Guy Dutheil et Dominique (8 de fevereiro de 2017). «Le Grand Paris et les aéroports portent la croissance de Vinci». Le Monde.fr (em francês). ISSN 1950-6244 
  3. eTN, Luc Citrinot, (6 de abril de 2011). «Air France: a present for Phnom Penh Airport's anniversary - eTurboNews (eTN)». eTurboNews (eTN) (em inglês) 
  4. «Vinci Airports prend de l'envergure». Challenges (em frances). 22 de outubro de 2015 
  5. «AEROPORTS DE PARIS : le trafic a augmenté de 7,2% en janvier». Capital.fr (em francês). 14 de fevereiro de 2017 
  6. «Subscribe to read». Financial Times. Consultado em 24 de julho de 2017 
  7. lefigaro.fr. «Vinci investit dans les aéroports portugais». Le Figaro (em francês) 
  8. «Aéroports de Paris et Vinci remportent l'appel d'offre pour l'aéroport de Santiago du Chili». lesechos.fr. 4 de fevereiro de 2015. Consultado em 24 de julho de 2017 
  9. «Vinci remporte les aéroports japonais d'Osaka». lesechos.fr. 11 de novembro de 2015. Consultado em 24 de julho de 2017 
  10. lefigaro.fr. «République dominicaine: Vinci exploite 6 aéroports». Le Figaro (em francês) 
  11. «Vinci». www.nantes.futuraeroport.fr. Consultado em 25 de julho de 2017 
  12. «Privatisation de l'aéroport de Lyon : le consortium mené par Vinci finalise l'acquisition». Le Monde.fr (em francês). 10 de novembro de 2016. ISSN 1950-6244 
  13. «L'aéroport de Lyon franchit le cap des 9 millions de passagers». Challenges (em francês) 
  14. «VINCI Airports remporte la concession de l'aéroport de Salvador, au Brésil» (em francês). Vinci Aiports 
  15. «VINCI relatório anual 2015» (PDF) (em francês). Vinci Airports 
  16. Présentation de SCA[ligação inativa]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em francês, cujo título é «Vinci Airports».