Violência étnica no Sudão do Sul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A violência étnica no Sudão do Sul tem um longo histórico entre os diversos grupos étnicos sul-sudaneses. O Sudão do Sul tem 64 tribos [1] com a maior sendo os dinkas, que constituem cerca de 35% da população, [2] e predominam no governo. A segunda maior são os nueres. Os conflitos são frequentemente agravados entre os grupos nômades pela questão do gado e das terras de pastagem e faz parte dos conflitos nômades sudaneses mais amplos.

Em 2010, Dennis Blair, o Diretor de Inteligência Nacional dos Estados Unidos, emitiu um alerta de que "nos próximos cinco anos, ... um novo assassinato em massa ou genocídio é mais provável de ocorrer no sul do Sudão." [3][4] Em abril de 2017, Priti Patel, secretária do Departamento de Desenvolvimento Internacional do Reino Unido, declarou a violência no Sudão do Sul como genocídio. [5]

Contexto[editar | editar código-fonte]

Incursões nômades[editar | editar código-fonte]

Os procedentes dos murles e Lou Nueres são, em grande parte, criadores de gado nômades. O gado é usado como alimento e como reserva de riqueza. São necessárias vinte vacas para comprar uma noiva se um jovem deseja se casar, o que incentiva o abigeato. A violência entre os dois grupos remonta a gerações, exacerbada por tensões sobre a terra e a água. Os ataques costumam ter como alvo uma aldeia inteira, por meio de incêndios nas cabanas redondas de palha. As milícias frequentemente sequestram crianças durante as incursões, que são criadas como se fossem suas. Isto é visto como um método, nomeadamente entre os murles, para aumentar os números do pequeno grupo minoritário. Nas gerações passadas, os ataques utilizavam machetes e paus. No entanto, após décadas de guerra civil, a região está repleta de armas e os jovens agora estão armados com armas de alta potência. [6] Em 2017, organizações locais disseram que mais de 5.000 pessoas foram mortas desde 2011 em incursões no Sudão do Sul. [7]

Exército de Libertação do Povo do Sudão[editar | editar código-fonte]

O partido governante, o Movimento de Libertação do Povo do Sudão (SPLM), e a sua força armada, o Exército de Libertação do Povo do Sudão (SPLA), foram acusados de serem dominados pelos dinkas. Muitos se referem ao domínio dos dinkas como a "Dinkocracia". [8] Um grupo de lobbying dinka conhecido como "Conselho de Anciãos de Jieng" é frequentemente acusado de estar por trás das políticas linha dura do Movimento de Libertação do Povo do Sudão.[9][10] Embora o exército costumava atrair homens de todas as tribos, durante a Guerra Civil Sul-Sudanesa, o SPLA se tornou em grande parte uma milícia de soldados do reduto dinka de Bahr el Ghazal, região natal do Presidente Kiir e do Chefe do Estado-Maior, [11] e o exército era frequentemente referido dentro do país como "o exército Dinka". [12] Muitas das piores atrocidades cometidas foram atribuídas a um grupo conhecido como "Mathiang Anyoor" (lagarta marrom) ou "Dot Ke Beny" (resgatar o presidente), uma milícia de dinkas formada para proteger Kiir e Paul Malong Awan, embora o SPLA reivindique que seja apenas mais um batalhão.[13][12]

Movimento Democrático do Sudão do Sul[editar | editar código-fonte]

O Movimento Democrático do Sudão do Sul (SSDM) é um grupo rebelde fundado em 2010 por George Athor depois que ele perdeu uma eleição contestada. O grupo também incorpora e apoia outras facções como parte de uma ampla coalizão daqueles que se queixam da negligência do SPLA dominado pelos dinkas. Isso inclui notavelmente aqueles compostos por minorias étnicas, como o povo murle que lidera a Facção Cobra e o povo shilluk que lidera a Facção do Alto Nilo. Em uma estratégia de cooptação conhecida como "grande tenda", o governo muitas vezes compra milícias comunitárias e perdoa seus líderes. [14] Outros chamam o uso de rebelião para receber cargos públicos como "má cultura" [15] e um incentivo para se rebelar. [16]

Conflito Murle-Nuer[editar | editar código-fonte]

Massacre de Uror (2011)[editar | editar código-fonte]

Em 18 de agosto de 2011, um ataque no condado de Uror, no norte de Jonglei, teria sido lançado por membros da tribo murle depois de grupos armados se infiltrarem nos distritos de Peiri e Pulchuol (Payams) por volta das cinco da manhã. Acredita-se que o ataque tenha sido uma operação de vingança contra a tribo Lou Nuer após um ataque aos murles em junho anterior no condado de Pibor. Pelo menos 640 pessoas foram mortas e os agressores incendiaram mais de 3.400 casas e o hospital administrado pelos Médicos Sem Fronteiras. Uma estimativa inicial mostrou que 38.000 cabeças de gado foram roubadas e 208 crianças foram sequestradas. [17]

Massacre de Pibor (2011–2012)[editar | editar código-fonte]

Em 25 de dezembro de 2011, o Exército Branco Nuer divulgou um comunicado declarando sua intenção de "eliminar toda a tribo murle da face da terra como a única solução para garantir a segurança a longo prazo do gado dos nueres" e atacar o pessoal das Nações Unidas e do SPLA caso interferirem. [18] A Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul (UNMISS) enviou capacetes azuis para Pibor em 30 de dezembro em um esforço para evitar um ataque de 6.000 jovens armados Lou Nueres. O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e a chefe da UNMISS, Hilde Johnson, conclamaram os combatentes Lou Nueres e Murles a depor as armas e permitir que o governo do Sudão do Sul trabalhe com eles em direção a uma solução duradoura para a crise. [19] Ativistas, incluindo o Minority Rights Group International, alertaram sobre o genocídio no conflito. [20]

Às 15h do dia 31 de dezembro, entre 3 e 6.000 membros da tribo Lou Nuer atacaram uma parte de Pibor não protegida pelos capacetes azuis da ONU. [21][22] Foi relatado que casas foram incendiadas e grande parte da cidade, incluindo o aeroporto e o hospital principal, foram ocupados. [21] Os Lou Nueres teriam perseguido membros dos murles que fugiam para o sul. [23] O governo do Sudão do Sul prometeu enviar mais militares e 2.000 policiais à cidade para reforçar as 800 tropas que já estavam lá.[23][24] A instituição beneficente de assistência médica Médecins Sans Frontières (MSF) disse que perdeu contato com 130 de seus funcionários, que foram forçados a fugir para a mata devido ao ataque. [23] Os MSF declararam que um hospital e duas clínicas outreach foram invadidas, com alguns relatos afirmando que o hospital foi incendiado.[25] Também ocorreram saques nas instalações dos MSF.[25]

Em 2 de janeiro, a maioria das forças dos Lou Nueres teriam deixado Pibor e começado a se mover para o sudeste com um porta-voz da ONU dizendo que eles estavam "quase certamente à procura de gado".[26] A ONU disse que manteve com sucesso a maior parte de Pibor ao lado das tropas do exército sul-sudanês.[26] Também aconselhou as pessoas na área a "se dispersarem no mato para sua segurança".[26] As estimativas para o número de deslocados variam de até 50.000, e mais de 30 foram mortos e cerca de 80 ficaram feridos. O SPLA despachou 3.000 soldados e 800 policiais para apoiar a guarnição do governo em Pibor.[27] Em 5 de janeiro, Joshua Konyi, o comissário do condado de Pibor e um murle, estimou que 2.182 mulheres e crianças e 959 homens foram mortos, 1.293 crianças foram sequestradas e 375.186 vacas foram roubadas.[28] As Nações Unidas estimaram um total de 900 mortos entre dezembro de 2011 e fevereiro de 2012 como resultado dos confrontos nueres-murles, antes da campanha de desarmamento do governo sul-sudanês em março.[29][30]

Um acordo de paz foi assinado em maio de 2012 por representantes de seis comunidades étnicas no estado de Jonglei. [31]

Ataque no condado de Akobo (2013)[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2013, um ataque por um grupo de jovens murles armados matou mais de 100 civis [32] e 14 soldados do SPLA. [33]

Guerra Civil Sul-Sudanesa[editar | editar código-fonte]

As Forças da Grande Pibor se separaram da Facção Cobra, que havia assinado um acordo de paz com o governo. Eles se juntaram às forças de oposição e um de seus desacordos com o governo foi o alegado incentivo aos murles, como um método de dividir e governar, para lutar contra os grupos nueres em Jonglei, já que alguns grupos como o Exército Branco Nuer lutaram contra o governo. [34]

Incursão em Gambela em 2016[editar | editar código-fonte]

Em 15 de abril de 2016, combatentes murles no Sudão do Sul cruzaram para as áreas de Jikawo e Lare da região de Gambela (que acolhe cerca de 300.000 refugiados sul-sudaneses) na Etiópia e mataram pelo menos 208 pessoas, roubaram 2.000 cabeças de gado e sequestraram pelo menos 108 mulheres e crianças da tribo nuer. [35][36] As tropas etíopes mataram cerca de 60 homens armados e cruzaram a fronteira com a permissão do governo sul-sudanês para rastrear os sequestradores no que alguns consideraram ser o transbordamento dos combates para a Etiópia. [37] Em 2017, cerca de 100 crianças foram resgatadas. [38]

Incursão em Gambela em 2017[editar | editar código-fonte]

Em março de 2017, cerca de 1.000 homens armados murles do estado de Boma invadiram a região de Gambela, na Etiópia, e sequestraram 43 crianças. Eles foram perseguidos pelos militares etíopes.[38]

Massacre do condado de Uror em 2020[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2020, em Jonglei, acredita-se que mais de 200 mulheres e crianças foram sequestradas. [39] Pelo menos 287 pessoas foram mortas nos confrontos murles-nueres a partir de 16 de maio de 2020. Como parte do acordo para encerrar a guerra civil, o número de estados foi reduzido para dez. No entanto, houve desacordos sobre quem seriam os novos governadores e, embora o acordo diminuísse a violência política, o aumento da violência intercomunitária foi atribuído ao vácuo de poder resultante. [40][41]

Conflito Dinka-Nuer[editar | editar código-fonte]

Segunda Guerra Civil Sudanesa[editar | editar código-fonte]

Durante a Segunda Guerra Civil Sudanesa, várias facções se separaram do SPLA, muitas vezes ao longo de linhas étnicas e foram financiadas e armadas por Cartum. [42] A mais notável foi o Exército Popular de Libertação do Sudão - Nasir (SPLA-Nasir), fundado em 1991 por Riek Machar como uma tentativa dos nueres de substituir John Garang.

O Movimento de Libertação do Sudão do Sul foi formado em 1999 como uma facção dominada pelos nueres na Guerra Civil.

Massacre de Bor (1991)[editar | editar código-fonte]

Como resultado dos conflitos internos, mais sulistas morreram nas mãos uns dos outros do que foram mortos por nortistas durante a guerra. [42] No massacre de Bor em 1991, estima-se que 2.000 civis foram mortos pelo SPLA-Nasir e pelo Exército Branco Nuer e outros estimados 25.000 morreram da fome resultante nos anos seguintes. [43]

Guerra Civil Sul-Sudanesa[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2011, o Exército de Libertação do Sudão do Sul, agora liderado por Peter Gadet, anuncia sua formação como um exército rebelde lutando contra as principais forças do SPLA.[44] Em 2011, o Exército de Libertação do Sudão do Sul confrontou com criadores de gado tribais no estado de Warrap, ao sul de Abyei. As autoridades sulistas acusam os rebeldes de serem apoiados pelo governo de Cartum de al-Bashir e afirmaram que os rebeldes estavam mobilizando os Misseriya contra o SPLA no Estado de Unidade. [44] Para reprimir a rebelião, foi alegado que o SPLA incendiou mais de 7.000 casas no estado de Unidade em maio de 2011. [45]

Pogroms anti-nueres (2013)[editar | editar código-fonte]

Em 2013, após um ano de agravamento das mudanças no governo e no partido, incluindo a demissão do vice-presidente Riek Machar e de todo o gabinete em junho, os combates entre soldados nueres e dinkas do SPLA eclodiram em Juba em dezembro, provocando a Guerra Civil Sul-Sudanesa. Uma rebelião rapidamente se espalhou por todo o país, com tropas desertadas leais a Machar e o Exército de Libertação do Sudão do Sul assumindo Bentiu, Malakal e Bor. [46][47]

Imediatamente após o motim inicial em Juba, os soldados nueres, sobrepujados e em fuga, partiram em direção a Terekeka, ao norte de Juba, não deixando nenhum soldado nuer na cidade. As tropas dinkas do SPLM, lideradas pelo Tenente General Marial Chanuong,[48] foram auxiliadas por guias internos para buscas de casa em casa por nueres nas áreas nueres de Juba.[49] No bairro de Gudele, cerca de 200-400 homens nueres foram cercados em uma sala em uma delegacia de polícia e eram alvejados pelas janelas durante dois dias caso os soldados notassem sinais de vida. [50] Houve cerca de doze sobreviventes.[51][52] Um relatório da União Africana citou tortura aos nueres, tais como sendo forçados a comer carne e sangue humanos e saltarem sob o fogo.[53] O número oficial de mortos não foi divulgado, pois a Human Rights Watch notou que as tropas do governo sul-sudanês bloquearam o acesso e estavam protegendo fortemente Gudele e outros afetados, agora subúrbios abandonados de Juba.[54] O The Guardian também relatou que 21 jovens nueres, bem como três mulheres, foram mortos em dois outros incidentes[50], enquanto a Human Rights Watch cita relatos de testemunhas oculares de caminhões com corpos transportados para um local não revelado em 18 de dezembro de 2013.[49] Os funcionários do governo não anunciaram uma lista dos mortos ou a localização dos corpos [54] e negaram ter conhecimento de quaisquer assassinatos.[52] Muitas das mortes foram cometidas pelo Mathiang Anyoor.[13][53] Buscas de porta a porta similares de membros da etnia nuer foram relatados na capital detida pelo governo do estado do Alto Nilo, Malakal. [55]

Massacre de Bentiu (2014)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Massacre de Bentiu em 2014

Durante a Guerra Civil Sul-Sudanesa, forças identificadas pela ONU como Movimento Popular de Libertação do Sudão na Oposição (SPLM-IO) massacraram cerca de 200 civis, em sua maioria não nueres, em abril de 2014.

Massacre de Mapel (2014)[editar | editar código-fonte]

Em 25 de abril de 2014, as tensões étnicas entre os recrutas nueres do SPLA e os civis dinkas escalaram em Mapel, na época parte de Bahr al-Ghazal Ocidental, resultando em altercações e assassinatos. Em resposta, os soldados dinkas da 5.ª Divisão do SPLA, liderados por Bak Akoon Bak, massacraram seus colegas nueres no centro de treinamento local, matando entre 40 e 200 nueres. Os soldados sobreviventes fugiram para o mato, alguns se juntando aos rebeldes locais do SPLM-IO ou começando a fugir para o norte. Juntamente com centenas de outros desertores nueres de Wau e mais tarde de Bahr al-Ghazal do Norte, os desertores nueres marcharam até o Sudão para escapar de processos étnicos e das forças leais ao SPLA. [56]

Conflito Murle-Dinka[editar | editar código-fonte]

Guerras Civis Sudanesas[editar | editar código-fonte]

Já em 1963, durante a Primeira Guerra Civil Sudanesa, Cartum começou a armar a tribo murle, tradicional inimiga dos dinkas e nueres, para lutar contra a rebelião sulista. Às vezes, territórios tribais inteiros eram afiliados a um lado ou ao outro, e a violenta guerra norte-sul tornou-se um fator determinante nas relações entre as tribos, infundindo antigas hostilidades com uma nova dimensão política. Com o acordo de paz em 2005, as milícias tribais escolheram entre ser absorvidas pelo SPLA ou seguir para o norte e se juntar às forças armadas lá. A maioria optou aderir aos seus antigos inimigos do SPLA como uma questão de sobrevivência. Outros, como os combatentes da tribo murle, optaram por se juntar ao exército do norte. Hoje, há muitos oficiais do exército murle em Cartum, e eles dizem que a tribo está sendo punida por isso. [4]

Rebelião da Facção Cobra[editar | editar código-fonte]

A Área Administrativa da Grande Pibor (destacada) foi criada como parte de um acordo de paz entre o governo e o grupo rebelde majoritariamente murle, a Facção Cobra, em 2014.
A bandeira da Facção Cobra, dominada pelos murles; uma dissidência do mais amplo Exército de Defesa do Sudão do Sul, foi liderada por David Yau Yau e depois por Khalid Boutros.

David Yau Yau liderou uma facção do Movimento Democrático do Sudão do Sul (SSDM) dominado pelos murles, conhecida como Facção Cobra, contra o governo em 2010. Ele assinou um cessar-fogo com o governo sul-sudanês em junho de 2011, o qual integrou sua milícia ao SPLA. No entanto, desertou novamente em abril de 2012, citando abusos do SPLA no condado de Pibor na campanha de desarmamento de março a outubro de 2012 que se seguiu aos confrontos murles-nueres, chamada Operação Restore Hope. Ele agora afirmava estar lutando por um estado separado para os murles.[57] Durante a Guerra Civil em janeiro de 2014, o governo assinou um acordo de paz com a Facção Cobra, que criou em maio daquele ano uma área semiautônoma chamada Área Administrativa da Grande Pibor para aumentar as populações minoritárias dentro de suas fronteiras e David Yau Yau foi nomeado administrador-chefe, equivalente ao governador do estado.[58][59] Nem todos os generais da Facção Cobra ficaram satisfeitos e um grupo dissidente chamado Forças da Grande Pibor se formou, alegando que o SPLM estava incitando os murles a atacar os Lou Nueres como uma forma de dividir para governar. Além disso, na véspera de Natal de 2015, Salvar Kiir anunciou um aumento no número de estados de 10 para 28 e, cinco dias depois, empossou todos os novos governadores nomeados por ele. [60] As novas fronteiras dão aos dinkas de Kiir uma maioria em localizações estratégicas.[60] Isso substituiu a Área Administrativa da Grande Pibor pelo Estado de Boma e substituiu Yau Yau por Baba Medan Konya, enfurecendo a Facção Cobra. Em setembro de 2016, a Facção Cobra, agora liderada por Khalid Boutros declarou guerra contra o governo[15], mas em março de 2017, Boutros dissolveu a facção para incorporá-la à facção mais ampla, a Frente de Salvação Nacional liderada por Thomas Cirillo.[61]

Conflito Jonglei-Boma[editar | editar código-fonte]

As incursões para capturar gado entre os dinkas no estado majoritariamente dinka de Jonglei e dos murles no estado majoritariamente murle de Boma levaram a um acordo de paz entre os dois estados em 5 de dezembro de 2016 e à formação de uma força policial conjunta recrutada nos estados de Jonglei, Boma e Bieh. No entanto, os ataques entre estados continuaram.[62] Em março, jovens armados e soldados do estado de Jonglei atacaram e capturaram Kotchar, no estado de Boma.[63] As autoridades do estado de Boma, assim como Khalid Boutros da Facção Cobra, acusam o SPLA de apoiar os ataques ao estado de Boma.[61][64] Em novembro de 2017, homens armados murles atacaram uma aldeia dinka do condado de Duk Payuel em Jonglei, matando 45 pessoas e sequestrando cerca de 60 mulheres e crianças.[65]

Ataques retaliatórios na Grande Jonglei em 2020[editar | editar código-fonte]

No início de 2020, os militantes tribais Lou Nueres lançaram ataques contra os murles na região de Pibor, matando muitos e fazendo com que milhares fugissem para a mata ou procurassem abrigo em uma base da UNMISS em Pibor. Esses ataques foram possivelmente motivados por casos de roubo de gado e desejo de vingança por confrontos e massacres anteriores.[66][67] Em maio, os militantes murles responderam atacando e destruindo as aldeias Lou Nueres na área, massacrando até 211 pessoas. A violência se concentrou na cidade de Pieri, onde três trabalhadores humanitários foram assassinados em meio aos combates. A UNMISS prontamente implantou mais capacetes azuis na área para restaurar a ordem.[67] Outra onda de violência estourou em 15 de junho, quando as forças Lou Nueres se aliaram aos militantes dinkas de Bor para atacar os murles. No decorrer de diversos raides e combates pesados, vários assentamentos foram destruídos ou danificados, milhares foram forçados a fugir e um grande número de gado foi roubado. Soldados uniformizados foram avistados durante os confrontos, sugerindo que o exército ou antigas forças rebeldes haviam se juntado às milícias irregulares. O presidente Kiir respondeu formando um comitê de alto nível incumbido de controlar a situação em Jonglei.[68]

Conflito Shilluk-Dinka[editar | editar código-fonte]

Campanha de desarmamento shilluk (2010)[editar | editar código-fonte]

Muitos do povo shilluk sustentam que os soldados dinkas, bem como os dinkas e nueres do Exército de Libertação do Povo do Sudão cometeram abusos na tentativa de desarmá-los no verão de 2010. O SPLA incendiou dezenas de aldeias, estuprou centenas de mulheres e meninas e matou um número incontável de civis no Reino de Shilluk.[4] Mais de 10.000 pessoas foram deslocadas em meio à estação chuvosa e afugentadas para a floresta, muitas vezes nuas, sem cama, abrigo ou comida, com muitas crianças morrendo de fome e frio. Civis que alegam tortura pelo SPLA afirmaram que unhas eram arrancadas, sacos plásticos ardentes gotejados sobre as crianças para fazer seus pais entregarem armas e aldeões queimados vivos em suas cabanas caso rebeldes fossem suspeitos de passar a noite lá. O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas relatou muitas dessas violações e o frustrado diretor de uma agência de ajuda internacional com sede em Juba chamou-as de "abusos dos direitos humanos na escala Richter". [4]

Rebeliões das Forças Agwelek, das Novas Forças da Facção Tigre e da Mudança Democrática[editar | editar código-fonte]

John Uliny, do povo shilluk, liderou a Facção do Alto Nilo do Movimento Democrático do Sudão do Sul na rebelião. Em março de 2011, nos confrontos entre a Facção do Alto Nilo de Uliny e o SPLA ao norte de Malakal, o Movimento Democrático do Sudão do Sul alegou que o SPLA matou 168 civis e nomeou seis aldeias que o SPLA incendiou. [69] Mais tarde, a Human Rights Watch confirmou que mais de 60 shilluks foram mortos e mais de 7.000 deslocados. O relatório oficial das Nações Unidas contabilizou 62 mortos, 70 feridos e 7.625 deslocados, mas não se sabe quantas pessoas foram realmente mortas.[70] Durante a guerra civil, em fevereiro de 2016, 18 pessoas foram mortas, incluindo dois membros da equipe dos Médecins Sans Frontières, em confrontos entre jovens shilluks e dinkas em um local de "proteção de civis", que muitas vezes são divididos por grupos étnicos para evitar combates.[71]

Uliny entrou em negociações de paz e aceitou uma anistia do governo em 2013. No entanto, durante a guerra civil, depois que Kiir propôs a ideia de criar novos estados (que dariam aos dinkas de Kiir maiorias fortes) e os shilluks sentirem que dividiriam sua terra natal, Uliny mudou de lado para lutar com SPLM-IO em abril de 2015.[60] Suas forças eram agora conhecidas como o exército "Agwelek". Em 16 de maio de 2015, as forças Agwelek e elementos do SPLM-IO capturaram a capital do Alto Nilo, Malakal, bem como Anakdiar e áreas ao redor de Fashoda.[72] O grupo disse que pretende dirigir seus assuntos de forma autónoma dos demais no estado do Alto Nilo e o SPLM-IO afastou-se das alegações de que fosse o responsável pelo grupo de Olony e afirmou que os interesses de Olony simplesmente coincidem com os seus.[73] O SPLM-IO afirmou que entendia o sentimento da comunidade shilluk de procurar um nível de independência e que essa foi a razão pela qual o SPLM-IO no ano anterior criou o estado de Fashoda para o reino de Shilluk e nomeou Tijwog Aguet, um shilluk, como governador.[74]

Uma vez que as forças Agwelek predominantemente shilluk aderiram, em julho de 2016, ao SPLM-IO, que celebrou um acordo de paz com o governo, alguns shilluks se sentiram insatisfeitos. Após o estabelecimento dos novos estados, um novo grupo composto principalmente por shilluks formou as "Novas Forças da Facção Tigre" (TFNF), liderada pelo General Yoanes Okij, alegando que os novos estados dão poder sobre as terras dos shilluks aos dinkas.[75] Também rejeitaram a adesão ao SPLM-IO ou o acordo de paz e pediram a restauração das fronteiras originais de 1956 dos territórios dos shilluks.[76] Em setembro de 2016, o político shilluk Lam Akol, líder do maior partido da oposição, o Mudança Democrática, anunciou uma nova facção chamada Movimento Democrático Nacional (NDM) para depor Kiir. [77] Yohanis Okiech então juntou-se ao Movimento Democrático Nacional, predominantemente shilluk,[78] como vice-chefe do estado-maior. Em janeiro de 2017, as forças de Olony trabalhando para o SPLM-IO emboscaram e mataram Yohanis Okiech. [79]

Na região do Alto Nilo, grande parte dos combates em 2016–2017 foi entre o SPLA e a Facção do Alto Nilo de Uliny aliada ao SPLA-IO. Durante este conflito, os shilluks em Wau Shilluk foram forçados a deixar suas casas e Yasmin Sooka, diretora da Comissão de Direitos Humanos no Sudão do Sul, afirmou que o governo estava se engajando em "engenharia social" depois de transportar 2.000 pessoas, em sua maioria dinkas, para as áreas abandonadas.[80] O rei do Reino de Shilluk, Kwongo Dak Padiet, afirmou que seu povo estava em risco de extinção física e cultural. [81] Também alegou que o SPLA destruiu várias aldeias e que seus advogados estavam preparando um caso perante o Tribunal Penal Internacional contra oficiais superiores do SPLA e membros do Conselho de Anciãos de Jieng. [82]

Conflito Fertit-Jur-Dinka[editar | editar código-fonte]

Segunda Guerra Civil Sudanesa[editar | editar código-fonte]

Durante a Segunda Guerra Civil Sudanesa, muitos dos fertits, que se referem aos vários grupos bantus na região de Bahr el Ghazal, como os bandas e os bingas,[83] lutaram em nome do governo central em Cartum contra o SPLA. [84] As milícias fertits frequentemente atacavam civis dinkas, com a força policial em Wau, composta por dinkas, lutando pelos dinkas.[85]

Outro grupo que tradicionalmente habita o Bahr El Ghazal é o povo Jur. Em março de 2011, um confronto entre pastores dinkas do estado de Lagos [86] e agricultores Jur da Equatória Ocidental por questões de terra deixou sete mortos e cinco feridos. Isso aconteceu após um confronto semelhante por pastagens que matou dez pessoas no mês anterior. [87] As duas comunidades assinaram um memorando de entendimento em setembro de 2011.

Guerra Civil Sul-Sudanesa[editar | editar código-fonte]

Em 2016, cerca de um ano após a assinatura do Acordo de Paz de Compromisso, grupos de jovens da etnia dinka e o SPLA alvejaram membros dos fertits em Wau, matando dezenas e forçando mais de 120.000 a fugir de suas casas. [88]

Em abril de 2017, Mathiang Anyoor liderado pelo General Thayip Gatluak [89] atacou Wau, visando os povos Jur e Fertit, matando pelo menos dezoito pessoas. [90]

Conflito Equatoriano-Dinka[editar | editar código-fonte]

Guerra Civil Sul-Sudanesa[editar | editar código-fonte]

Após o Acordo de Paz de Compromisso, alguns observadores sentiram que o governo estava se apegando ao acordo de paz para manter a ajuda internacional enquanto apoiava campanhas para aumentar o controle dinka sobre a terra e os recursos tradicionalmente mantidos por outros grupos. Na Equatoria Ocidental, depois que criadores de gado dinkas, supostamente apoiados pelo SPLA, ocuparam terras agrícolas, jovens zandes insurgiram-se em grupos armados, notadamente os Arrow Boys.[1] Uma nova facção rebelde que se autodenomina Partido Democrático Federal do Sudão do Sul (diferente, mas relacionado à facção rebelde maior, de nome semelhante, liderada por Peter Gadet, Gabriel Chang e Gathoth Gatkuoth), composta principalmente por lotukos formados durante este tempo devido a percepções crescentes de maus-tratos pelo governo "dinka" e assumiu um posto avançado do SPLA na Equatória Oriental. [91]

Durante a maior parte da Guerra Civil Sul-Sudanesa, os combates se concentraram na região do Grande Nilo Superior. Após os confrontos em Juba em 2016, os combates se espalharam para o refúgio anteriormente seguro de Equatoria, onde a maior parte das forças do SPLM-IO estavam abrigadas. [92] Os relatos apontam que ambos os lados alvejaram civis em linhas étnicas entre os dinkas e as dezenas de grupos étnicos entre os equatorianos que estão historicamente em conflito com os dinkas, como os Karos, que incluem os baris.[93] Testemunhas relataram que os soldados dinkas ameaçaram os aldeões dizendo que matarão todos os Kakwa, outro povo Karo, por seu suposto apoio a Machar e a chacina do povo pojulu, embora poupem aqueles que possam falar a língua dinca.[94] Muitas das atrocidades em torno de Yei são atribuídas ao Mathiang Anyoor.[12] Uma investigação da ONU afirma que o estupro estava sendo usado como uma ferramenta de limpeza étnica [95] e Adama Dieng, o Conselheiro Especial da ONU para a Prevenção do Genocídio, alertou sobre genocídio após visitar áreas de conflito em Yei.[96] Em 4 de abril de 2017, uma milícia pró-governo supostamente liderada pelo major-general Gildo Oling atacou principalmente os acholis[97] em Pajok e o SPLA-IO afirmou que 200 civis foram mortos.[89]

Muitas das facções de autodefesa formadas entre os equatorianos têm como alvo civis dinkas,[98] incluindo em um caso em que um comboio de veículos comerciais ao longo da estrada Juba-Yei foi parado, os seus ocupantes separados em dinkas e não-dinkas, e os dinkas foram executados, com até 21 pessoas mortas. [99] Entre os refugiados fugindo da violência também estão alguns dinkas, que enfrentaram a violência dentre os equatorianos nos campos de refugiados como retaliação.[94] As autoridades ugandenses frequentemente abrigam refugiados dinkas separadamente para minimizar a violência.[100]

Conflito Dinka-Árabe[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2011, confrontos entre árabes misseriya nômades e o povo dinka mataram 'dezenas' em Abyei antes do referendo da independência. Uma fonte de tensão teria sido o atraso na realização de um referendo separado para a região de Abyei. Os dinkas apoiaram amplamente a independência do Sudão do Sul durante a Segunda Guerra Civil Sudanesa. [101] Em fevereiro, em um mercado em Abyei, três pessoas morreram e 300 buscaram refúgio em um complexo da missão das Nações Unidas (UNMIS).[101] No mesmo mês, em Todach, Abyei, dez pessoas morreram quando milícias armadas invadiram um posto policial. As autoridades do sul-sudanesas relataram que alguns dos agressores eram Misseriya, mas alegaram que o ataque em si estava conectado a uma milícia patrocinada pelo governo de Cartum. Em março, outro ataque da milícia em uma cidade de Abyei matou 30 pessoas, enquanto a milícia incendiava centenas de moradias e cerca de 25.000 pessoas fugiam da cidade de Abyei, migrando para o sul.[101] As Nações Unidas, em seguida, enviaram em 100 capacetes azuis.[102] As forças armadas do norte e do sul do Sudão implantaram armas pesadas na região.[102] Em abril, o presidente do Sudão, Omar al-Bashir, emitiu um comunicado dizendo que não aceitará a independência do Sudão do Sul conforme votada no referendo de janeiro, a menos que o norte assuma o controle da região rica em petróleo de Abyei. Um esboço de proposta do sul reivindica Abyei.[102] Em maio, os tanques do Sudão entram em Abyei, em uma tentativa de expulsar as forças do sul. A ONU, os EUA e o Reino Unido condenaram esta ação.[102] No final do mês, a União Africana divulga que um acordo provisório foi alcançado, estabelecendo uma linha de cessar-fogo preliminar de 20 quilômetros e uma região desmilitarizada em Abyei.[103] Em junho, a ONU informa que 146.000 pessoas foram deslocadas na região de Abyei, na zona fronteiriça disputada.[104]


Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Horrific attacks prompt South Sudan's communities to form armed groups». the guardian. 7 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2016 
  2. South Sudan. The World Factbook. Central Intelligence Agency.
  3. Abramowitz, Michael; Lawrence Woocher (26 de fevereiro de 2010). «How Genocide Became a National Security Threat». Foreign Policy. Cópia arquivada em 23 de Julho de 2014 
  4. a b c d «Sudan: Transcending tribe». Al Jazeera English. Cópia arquivada em 17 de Março de 2011 
  5. «UK goes beyond UN to say South Sudan violence 'is now genocide'». The Independent. 12 Abril 2017. Cópia arquivada em 15 Abril 2017 
  6. «Why hundreds of people are dying over cattle in East Africa». Los Angeles Times. Cópia arquivada em 22 Novembro 2016 
  7. «Thousands killed in cattle raids since 2011». Al Jazeera. 5 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2017 
  8. «South Sudan teeters on the brink». Aljazeera. 17 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 7 Maio 2017 
  9. «Dinka council of elders welcomes Kiir's decision firing ministers allied to Machar». Radio Tamazuj. 4 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 15 de Março de 2017 
  10. «Jieng Council of Elders caused "coup" in SPLM-IO: official». Sudan Tribune. 24 Julho 2015. Cópia arquivada em 12 Março 2017 
  11. «South Sudan must not be allowed to collapse». New York Times. 20 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2017 
  12. a b c Leithead, Alastair (9 Março 2017). «South Sudan conflict: 'Soldiers will kill you for no reason in Yei'». BBC. Cópia arquivada em 9 Março 2017 
  13. a b «Who's behind South Sudan's return to fighting?». African arguments. 11 Julho 2016. Cópia arquivada em 12 Julho 2016 
  14. «South Sudan's never ending war.». Irinnews. 12 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2016 
  15. a b «Militant Faction Vows Again to Fight S. Sudan Government». Voice of America. 27 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 2 Novembro 2016 
  16. «Who's to blame in South Sudan?». Boston Review. 28 de Junho de 2016. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2017 
  17. «Hundreds dead' in South Sudan cattle raids». Sudan Tribune. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2011 
  18. Ferrie, Jared (27 de dezembro de 2011). «United Nations Urges South Sudan to Help Avert Possible Attack». Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2012 
  19. «South Sudan: UN blue helmets deploy to deter ethnic violence in key town». UN News Service. 30 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2012 
  20. «Activists warn of "genocide" in S.Sudan's Jonglei conflict». Sudan Tribune. 16 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2011 
  21. a b «BREAKING NEWS: Lou-Nuer armed youth enter Pibor town». Sudan Tribune. 31 de dezembro de 2011. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2011 
  22. Kushkush, Isma'il (1 de janeiro de 2012). «Report: Fighters attack South Sudan town despite presence of U.N. peacekeepers». CNN. Cópia arquivada em 9 de Março de 2012 
  23. a b c «South Sudan 'sends more troops' to strife-torn town Pibor». BBC News. 1 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2012 
  24. «MSF fears for South Sudan staff caught in Pibor violence». Angola Press. 1 de janeiro de 2012 
  25. a b Squires, Nick (2 de janeiro de 2012). «Fears for MSF staff after South Sudan tribal clashes». The Telegraph. London. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2012 
  26. a b c «UN warns South Sudanese to flee deadly ethnic vendetta». BBC News. 2 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2012 
  27. «Thousands flee South Sudan tribal conflict». Al Jazeera. 2 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2012 
  28. Gettleman, Jeffrey (5 de janeiro de 2012). «In South Sudan, Massacre of 3,000 is reported». The New York Times. New York Times. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2016 
  29. «World Report 2013: South Sudan (Events of 2012)». Human Rights Watch. Cópia arquivada em 27 de Abril de 2016 
  30. «Incidents of intercommunal violence in Jonglei state» (PDF). UNMISS. Cópia arquivada (PDF) em 24 de Novembro de 2016 
  31. «President Kiir witnesses signing of Jonglei peace deal». Sudan Tribune. 5 de Maio de 2012. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2017 
  32. «Jonglei: MSF treats civilians wounded in Akobo county attack». Sudan Tribune. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2017 
  33. «Jonglei: Hundreds feared dead or missing in Akobo county attack». Sudan Tribune. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2017 
  34. «Murle faction announces defection to S. Sudan rebels». Sudan Tribune. 14 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2017 
  35. Reporters, The Telegraph (17 Abril 2016). «Armed men massacre 140 civilians in Ethiopia cross-border raid». Cópia arquivada em 17 Abril 2016 
  36. «Ethiopia army seeks to rescue Gambella's abducted children». BBC. Cópia arquivada em 19 Abril 2016 
  37. «Ethiopia attack: 'I took my wife and child and ran'». aljazeera. 22 Abril 2016. Cópia arquivada em 20 Julho 2016 
  38. a b «Ethiopia reports deadly raid by gunmen from South Sudan». aljazeera. 15 Março 2017. Cópia arquivada em 17 Março 2017 
  39. «South Sudan: To achieve lasting peace, localized violence must end, says Bachelet». United Nations. 20 Março 2020 
  40. «Hundreds killed in inter-communal clashes in South Sudan». al jazeera. 20 Maio 2020 
  41. «Floods, fighting, famine: Inside South Sudan's triple crisis». The New Humanitarian. 8 de fevereiro de 2021 
  42. a b «Deadly clashes on South Sudan's path to freedom». time.com. 12 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 24 de dezembro de 2013 
  43. «Riek Machar in tears as he admits to 1991 Bor massacres». thelondoneveningpost.com. 16 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2013 
  44. a b Richmond, Matthew (10 Maio 2011). «Southern Sudan Clashes in Warrap State Kill 72, Army Says». BusinessWeek 
  45. «SPLA set fire to over 7,000 homes in Unity says Mayom county official». Sudan Tribune. 24 de Maio de 2011. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2017 
  46. «South Sudan president says coup has been repulsed». Yahoo News. 16 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 26 de outubro de 2014 
  47. «South Sudan rebel Riek Machar 'controls key state'». BBC News. 22 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2018 
  48. «U.S., Britain, U.N. wary of South Sudan ceasefire announcement». Reuters. 24 de Maio de 2017. Cópia arquivada em 12 de Junho de 2017 
  49. a b South Sudan: ethnic targeting, widespread killings, Human Rights Watch, cópia arquivada em 27 de outubro de 2016 
  50. a b «South Sudan, the state that fell apart in a week», UK, The Guardian, 23 de dezembro de 2013, cópia arquivada em 4 de janeiro de 2017 
  51. Copnall, James (24 de dezembro de 2013). «South Sudan sees 'mass ethnic killings'». BBC. Cópia arquivada em 24 de dezembro de 2013 
  52. a b UN rights chief zeroes on Gudele massacre, Ratio Tamazuj, cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2014 
  53. a b «Mass Graves, Rape Cannibalism in South Sudan». Al Jazeera. 28 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 4 de Maio de 2017 
  54. a b Dispatches: the truth on limits: Juba, South Sudan, Human Rights Watch, 18 de fevereiro de 2014, cópia arquivada em 13 de janeiro de 2017 
  55. Sudan troops go 'door to door' in seized town, Yahoo, cópia arquivada em 26 de janeiro de 2014 
  56. Small Arms Survey (2014).
  57. «SSDM/A-Cobra faction». 15 de Março de 2016. Cópia arquivada em 5 de Março de 2016 
  58. «Real but Fragile:The Greater Pibor Administrative Area» (PDF). small arms survey. Março de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 5 de Março de 2016 
  59. «South Sudan President Gives 'Marginalized' Pibor County Special Status». Voice of America. 25 de Julho de 2014. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2016 
  60. a b c «South Sudan's next civil war is starting». foreignpolicy.com. 22 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2016 
  61. a b «SSDM-Cobra Faction dissolved, merged with Cirillo's rebels». Radio Tamazuj. 9 de Março de 2017. Cópia arquivada em 9 de Março de 2017 
  62. «21 killed, 5 children abducted in Jonglei state: officials». Sudan Tribune. 20 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 13 de Março de 2017 
  63. «Boma deputy governor says gunmen from Jonglei captured Kotchar». Radio Tamazuj. 8 de Março de 2017. Cópia arquivada em 13 de Março de 2017 
  64. «Gunmen attack on Boma villages displaced residents: Official». Radio Tamazuj. 8 de março de 2017. Cópia arquivada em 13 de Março de 2017 
  65. «"Horrific killing of innocent civilians" in South Sudan condemned by UN Special Representative». Relief Web. 29 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2017 
  66. «Thousands flee clashes in South Sudan». The New Humanitarian. 17 de Março de 2020 
  67. a b «Three Aid Workers Killed as South Sudan Clashes Leave 'Many' Dead». Defense Post. 20 de maio de 2020 
  68. «Thousands Flee 'Intense Fighting' in Eastern South Sudan: MSF». Defense Post. 26 de Junho de 2020 
  69. Tribune, Sudan (8 de Março de 2011). «South Sudan army clashes with rebel group, over 100 dead». Sudan Tribune. Cópia arquivada em 29 de Novembro de 2011 
  70. HRW, WN (19 de Abril de 2011). «Southern Sudan: Abuses on Both Sides in Upper Nile Clashes». World News. Cópia arquivada em 13 de Maio de 2011 
  71. Dumo, Denis (19 de fevereiro de 2016). «Fighting at U.N. compound in South Sudan kills 18: MSF». Cópia arquivada em 20 de Junho de 2017 
  72. «S Sudan rebels: Johnson Olony is on our side». radiotamazuj.org. 17 de Maio de 2015. Cópia arquivada em 23 de Junho de 2015 
  73. «Machar backs away from claim to loyalty of 'independent' Shilluk forces». radiotamazuj.org. 18 de Maio de 2015. Cópia arquivada em 23 de Junho de 2015 
  74. «Johnson Olony's forces prefer independent command in Upper Nile state». sudantribune.com. 17 de Maio de 2015. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2016 
  75. «New rebel group formed in South Sudan against the creation of 28 states». Sudan Tribune. 30 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2016 
  76. «Tiger faction of ethnic Shilluk kingdom dismisses integration into SPLM-IO». Sudan Tribune. 11 de Março de 2016. Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2016 
  77. «Lam Akol forms rebel movement to fight South Sudan government». Radio Tamazuj. 27 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 14 de Março de 2017 
  78. «S.Sudan rebel commander says rivalry undermines struggle». Sudan Tribune. 10 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2017 
  79. «Another rebel commander shot dead in war-torn South Sudan». Sudan Tribune. 7 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2017 
  80. «South Sudan: UN warns of 'social engineering' amid looming threat of genocide». ABC news. 14 de Março de 2017. Cópia arquivada em 17 de Março de 2017 
  81. «South Sudan experiencing ethnic cleansing, UN report says». Star Tribune. 7 de Março de 2017. Cópia arquivada em 8 de Março de 2017 
  82. «South Sudan experiencing ethnic cleansing, UN report says». Star Tribune. 7 de Março de 2017. Cópia arquivada em 8 de Março de 2017 
  83. «Famine in Sudan, 1998». Human Rights Watch. 14 de dezembro de 1998. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2017 
  84. «Wau displaced tell of death and horrifying escapes». aljazeera. 21 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2016 
  85. «Famine in Sudan, 1998». Human Rights Watch. 14 de dezembro de 1998. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2017 
  86. «WES's Mvolo and Lake's state Yirol West reconciliation». Sudan Tribune. 19 de setembro de 2011. Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2016 
  87. Mayom, Manyang (16 de março de 2011). «7 Killed as Yirol West and Mvolo Clashes Ends in Sudan». Oye! Times. Cópia arquivada em 12 de março de 2012 
  88. «South Sudan: Dozens killed as violence flares in Wau». aljazeera. 3 de Julho de 2016. Cópia arquivada em 3 de Julho de 2016 
  89. a b «South Sudan's silent slaughter: Dinka massacre unchecked by regional, international groups». Fox News. 13 de Abril de 2017. Cópia arquivada em 15 de Abril de 2017 
  90. «South Sudan: Civilians killed in Wau fighting». aljazeera. 10 de Abril de 2017. Cópia arquivada em 15 de Abril de 2017 
  91. «South Sudan's South:Conflict in the Equatorias». International Crisis Group. 25 de Maio de 2016. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2016 
  92. «Who can stop the threat of genocide in South Sudan?». irinnews.org. 14 de Novembro de 2016. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2016 
  93. «South Sudanese flee as country edges closer to 'genocide'». reuters. 1 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 3 de Julho de 2017 
  94. a b «US seeks sanctions on South Sudan rebel leader, army chief». washington post. 19 de Novembro de 2016. Cópia arquivada em 20 de Novembro de 2016 
  95. «UN:Rape used as a tool of ethnic cleansing in South Sudan». CBS news. 2 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 5 de dezembro de 2016 
  96. «Hatred spills beyond South Sudan along with refugees». Reuters. 15 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2017 
  97. «NDM condemns targeted killings in Wau town». Radio Tamazuj. 13 de Abril de 2017. Cópia arquivada em 16 de Abril de 2017 
  98. «Who can stop the threat of genocide in South Sudan?». IRIN news. 14 de Novembro de 2016. Cópia arquivada em 13 de Março de 2017 
  99. «Dinka Council of Elders condemns Juba- Yei ambush attack». Radio Tamazuj. 10 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 13 de Março de 2017 
  100. «The war in Equatoria». Irinnews. 12 de Julho de 2017. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2017 
  101. a b c IRIN, AllAfrica (18 de Março de 2011). «Sudan: Timeline Since the Referendum». allAfrica.com. Cópia arquivada em 21 de Março de 2011 
  102. a b c d Cutler, David (23 de Maio de 2011). «Timeline: Sudan's disputed Abyei region». Reuters. Cópia arquivada em 26 de Julho de 2012 
  103. Gettleman, Jeffrey; Josh Kron (31 de Maio de 2011). «North and South Sudan Tentatively Agree to Demilitarize Disputed Border». The New York Times. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2012 
  104. Mazen, Maram. «Sudan's Abyei Clashes Displace 113,000 People, UN Reports». BusinessWeek. Cópia arquivada em 23 de Julho de 2012 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]