Vipasca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Vipasca
Vista geral de Aljustrel, em 2007.
Nomes alternativos Metalis Vispacensis / Vispasca
Construção Roma antiga
Geografia
País Portugal Portugal
Local Aljustrel
Coordenadas 37° 52' 00.3" N 8° 09' 40.0" O
Localização do sítio em mapa dinâmico

Vipasca, igualmente conhecida como Metalis Vispacensis ou Vispasca, foi uma povoação romana, situada nas imediações da moderna vila de Aljustrel, na região do Alentejo, em Portugal.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Composição e localização[editar | editar código-fonte]

Consistia numa povoação mineira de grandes dimensões,[1] que estava situada principalmente na moderna área de Vale da Oca, nas imediações do jazigo de Algares.[2] Naquela zona foram descobertos vários núcleos da antiga povoação, incluindo um edifício residencial conhecido como Casa do Procurador,[3] que fazia parte de um conjunto maior de estruturas ligadas à produção mineira, e que se prolongavam até aos terrenos onde a Companhia Transtagana construiu posteriormente as suas infraestruturas para a transformação do minério, principalmente três chaminés para a queima das pirites.[4]

Em relação às minas em si, os romanos exploraram principalmente a área de Algares,[5] tendo sido descobertos vários vestígios de mineração romana no chapéu de ferro.[6] Na obra A Tabula de Bronze de Aljustrel em 1889, o arqueólogo Estácio da Veiga referiu que existem provas de trabalhos romanos nos jazigos de São João do Deserto,[7] embora estes tenham provavelmente sido feitos com um grau de desenvolvimento muito inferior em relação a Algares.[5] A presença de vestígios de trabalhos romanos em São João também é referida numa reportagem que o jornalista Eduardo Coelho escreveu em 1876 para o Diário de Notícias.[8] Era principalmente produzido cobre, e em menor quantidade a prata.[5]

De especial interesse também é uma área sepulcral, conhecida como Necrópole da Valdoca, que estava situada junto ao povoado.[4] A povoação romana também contou com um complexo de banhos públicos (thermae), que é referido numa das duas Tábuas de Bronze de Aljustrel,[9] e que segundo Estácio da Veiga poderia ter estado localizado no mesmo local do que as Termas de São João do Deserto, que ao longo de vários séculos foram utilizadas para curar várias doenças de pele.[10] o arqueólogo avançou a teoria de que a Ermida de São João do Deserto poderia ter sido construída em cima dos alicerces do edifício romano, podendo a fonte no seu interior sido um dos vestígios da antiga estrutura.[11] Porém, a ermida foi demolida na segunda metade do século XIX, devido a trabalhos de mineração.[12] De acordo com as regras de funcionamento escritas na Tábua de Aljustrel, as termas romanas dispunham de banheiras para água quente, que era aquecida com recurso a lenha, e poderia ser utilizada tanto por homens como por mulheres.[9]

Segundo Estácio da Veiga, a cidade romana mais próxima das minas seria Arandis, que era habitada pelos povos aranditanos, tendo avançado a teoria de que estes poderiam ter sido os principais responsáveis pela mineração em Aljustrel.[13] Estas não foram as únicas minas exploradas pelos romanos na área do moderno concelho de Aljustrel, tendo sido igualmente descobertos indícios de mineração numa jazida de cobre na Herdade do Montinho, nas imediações da aldeia de Rio de Moinhos.[14] O concelho de Aljustrel encontra-se numa área de grandes potencialidades mineiras, conhecida como Faixa Piritosa Ibérica, que se estende ao longo do Alentejo e da Andaluzia.[15] Os romanos aproveitaram extensamente os recursos naturais da faixa piritosa, tendo Vipasca sido um de vários centros mineiros na região, estando os outros situados em Castro Verde, Neves-Corvo e Mértola.[16]

Mapa das zonas onde foram encontrados vestígios romanos, na área de Algares. Estão indicados a localização provável do povoado, a necrópole de Valdoca, o conjunto de edifícios residenciais conhecidos como "Casa do Procurador", e o chapéu de ferro, um grupo de rochas muito oxidadas, que constituem a parte à superfície de um jazigo mineral, que foi explorado pelos romanos.

Espólio[editar | editar código-fonte]

Um dos principais indícios da intensidade que a produção mineira atingiu durante o período romano foi a grande quantidade de escórias que foram descobertas na área de Aljustrel, com concentrações em Vale de Oca, Malpique e Feitais.[5] Num artigo publicado em 1931, o investigador Aboim Inglêz calculou o volume das escórias em mais de 120.000 m³, o que poderia corresponder a mais de meio milhão de toneladas de minério.[5] Uma parte considerável dos depósitos de escórias já desapareceu devido ao seu reaproveitamento, que se iniciou ainda durante a fase romana, como pode ser constatado pela presença de escórias nas paredes de um conjunto de tanques.[17] Estes materiais continuaram depois a ser reutilizados em épocas posteriores, por exemplo no empedramento das estradas e para encher depressões no terreno.[5] Uma parte considerável destas escórias apresentavam ainda um grande teor de cobre, motivo pelo qual foram trabalhadas pela operadora belga que era responsável pelas minas de Aljustrel, tendo conseguido produzir alguns milhares de toneladas de cobre metálico.[5] Aboim Inglêz avançou a teoria que durante o período romano a exploração era centrada principalmente na produção de prata, motivo pelo qual teriam ficado por aproveitar estas escórias ricas em cobre.[5]

O espólio encontrado na antiga povoação inclui igualmente fragmentos de cerâmica de construção romana, como tégulas e e imbrices, e de outras peças, como ânforas e cerâmica doméstica comum, terra sigillata de tipologia hispânica, moedas e outras peças metálicas, vidros, e utensílios líticos.[1] Estácio da Veiga interpretou duas moedas de ouro como sendo dos reinados dos imperadores Nero e Arcádio, tendo reportado a existência de outras em prata e cobre.[18] As outras moedas pertencem aos reinados de Augusto, Tibério, Vespasiano e Adriano, sendo um testemunho da longa ocupação do local durante o período romano,[5] desde o período de Augusto, no século I d.C., até Arcádio, quando a civilização romana já se encontrava em decadência.[19] A origem das peças cerâmicas é tanto local como regional, tendo sido todas produzidas com recurso a torno, e são principalmente tonalidades que oscilam entre o vermelho e o castanho, fora as caçarolas, cujas pastas são em tons esbranquiçados.[4] As peças em geral apresentam uma boa depuração e cozedura, sem vestígios evidentes de desengordurantes, e algumas delas têm acabamentos com tratamento, como os espatulados interiores nos alguidares, os vidrados transparentes nas caçarolas, e as pinturas em tons pretos e brancos nos jarros e nas tigelas.[4] Também foram descobertas ferramentas de trabalho em galerias e poços antigos, além de candeias em argila (lucernae - lucernas).[18] Algumas peças de especial interesse, como uma roldana de madeira de azinho e um martelo mineiro de dolerito, foram preservadas no Museu Nacional de Arqueologia.[15]

Tanques do cemento de cobre em Aljustrel, na área de Algares. O sinal + indica o sítio onde foi descoberta uma das tábuas romanas. Fotografia retirada da obra Album Alentejano, de 1931.

Tábuas de Aljustrel[editar | editar código-fonte]

Entre as peças romanas de maior valor histórico em Aljustrel contam-se duas placas de bronze, conhecidas como Vipasca I e II, onde foram escritas várias regras sobre a exploração mineira, com os impostos e penalidades a aplicar.[12] A primeira foi encontrada em 1876 na área de Algares, enquanto que a segunda foi recolhida em 1906 nos escoriais de Malpique, nas imediações de Algares.[5] O arqueólogo alemão Emil Hübner datou a primeira tábua nos finais do século I d.C., devido ao tipo de letra.[20] Segundo o investigador Custódio Magueijo, a segunda é ligeiramente posterior à primeira, sendo provavelmente do período do imperador Adriano, entre 117 e 138 d.C., uma vez que nela se faz referência ao imperador como uma pessoa viva (sacratissimus) em vez de falecida (diuus).[20] Caso a hipótese de datação avançada por Hübner para a tábua I esteja certa, então ambas têm uma diferença temporal de duas ou mais décadas, tornando uma relação textual pouco provável.[20] Porém, o processo de datação de Hübner foi contestado por outros investigadores como incerto, podendo a primeira ser igualmente da época de Adriano, além que a tábua II poderia ter sido uma cópia alterada de um texto primitivo, que fosse contemporâneo da tábua I.[20] Além disso, há a considerar a circunstância que a primeira está escrita em ambos os lados, com ligeiras diferenças entre os textos, pelo que foi trabalhada em duas fases distintas, correspondentes ao texto original e à sua correcção ou actualização na face oposta.[20] Estácio da Veiga considerou esta alteração no texto como um possível testemunho das várias mutações pelo qual passou a administração romano da Península Ibérica, com a fragmentação das províncias e a formação de vários governos de curta duração, processo que teve decerto um forte impacto na legislação regional.[21] Estácio da Veiga descreveu a primeira tábua como sendo composta por uma lâmina de bronze com 78,5 cm de altura e 52 cm de largura, e possuindo vários orifícios, provavelmente para pregar a peça num local público.[22] Desta forma, seria uma continuação da prática romana de colocar pranchas metálicas em locais públicos, informando a população sobre as leis vigentes, tradição que teve origem nas doze tábuas de Roma, que constituíram a base da legislação romana.[23]

O texto da tábua I consiste num conjunto de regras sobre diversos temas, divididas em cláusulas, embora cada uma abranja apenas parcialmente o assunto, pelo que certamente faria parte de um conjunto maior, onde estaria escrito o resto do texto.[20] Porém, a tábua II provavelmente não faria parte deste conjunto, uma vez que se concentra principalmente da mineração, ao contrário da primeira, que se dedica a vários tópicos.[20] Mesmo na primeira a temática da mineração assume uma expressão destacada, o que é um reflexo da grande importância daquela indústria, além que as minas eram legalmente consideradas como ager publicus (propriedade pública), com regras fiscais próprias.[20] A tábua I não era a primeira do seu conjunto, uma vez que está escrita como uma carta ou mensagem (epistola), com um cabeçalho (praescriptio) onde normalmente eram colocados dois nomes, o remetente e o destinatário.[20] A própria configuração da frase (VLPIO AELIANO SVO SALUTEM - Saúda o seu caro Úlpio Eliano) indica que esta é a metade direita do cabeçalho, identificando o destinatário como Úlpio Eliano, que muito provavelmente ocupava o posto de Procurator ou subprocurator (procurador ou subprocurador), um tipo de oficial responsável por uma província romana.[20] De acordo com Magueijo, o seu sobrenome (Aelianus) indica que era um liberto, um antigo escravo de uma família influente de Roma (Aelia Gens - família Aelia) (en) da qual fazia parte do imperador Adriano (cujo nome completo era Publius Aelius Hadrianus).[20] O seu primeiro nome também faz referência a outra destacada família romana, os Úlpios (Ulpia Gens).[20] Trata-se assim de um exemplo de um escravo liberto que conseguiu atingir uma elevada posição social.[20]

Vipasca I[editar | editar código-fonte]

Entre os vários tópicos retratados na tábua I destacam-se os direitos para os indivíduos que compraram o direito de cobrar imposto, conhecidos como conductores.[20] Isto refere-se a um processo legal onde os responsáveis pelo fisco vendiam o direito de cobrar os impostos, enquadramento que tinha vantagens tanto para os fiscais, porque os libertavam do moroso trabalho de recolher os impostos, como para os arrematantes, que ganhavam os juros sobre o capital dispendido.[20] Com efeito, tanto na primeira como na segunda tábua está bem expressa a intenção dos fiscais de não exercerem de forma directa alguns dos seus direitos, resultando numa desburocratização do processo, reduzindo desta forma as despesas e o número de pessoal necessário.[20] A primeira cláusula refere-se ao imposto sobre vendas (centesimae argentariae stipulationis), tendo sido interpretada por Estácio da Veiga como o direito do arrematante das rendas fiscais, ou o rendeiro, ou o seu sócio ou agente (conductor socius actorve ejus) de receber um por cento do valor de todas as arrematações que fossem feitas em leilão dentro da área mineira de Vipasca (intra fines metalli vipascensis), embora esta regra não se aplicasse às vendas que eram feitas pelo administrador das minas (procurator metallorum).[9] Porém, caso este faça a venda de poços de minas, o comprador é que seria responsável pelo pagamento da centésima.[9] Entre outras condições, o valor devido ao rendeiro seria duplicado se não fosse pago dentro de três dias.[9] A segunda é o imposto sobre o pregão (scripturae praeconii), determinando que o rendeiro tinha direito a duas centésimas do valor de todas as vendas por arrematação, caso fossem interiores a cinquenta dinheiros e não ultrapassassem o dobro, sendo então esta pertencentagem reduzida a uma centésima.[9] Estabelece igualmente vários valores fixos a pagar ao rendeiro sobre a venda de escravos, minas e animais.[9] A terceira consiste nos deveres dos rendeiros dos banhos públicos e as suas regras de funcionamento (balinei fruendi), determinando os horários de funcionamento distintos para homens e mulheres, ordenando a abertura dos banhos a partir do primeiro dia de Julho até ao final do ano, e obrigando o arrendatário do edifício (conductor) a manter o fornecimento de água quente nas banheiras próprias.[9] Proíbe igualmente o rendeiro de vender lenha própria para as fornalhas, e relata as multas a aplicar caso não mantivesse as termas em funcionamento.[9] Indica também os preços, sendo de um Asse para as mulheres e meio asse para os homens, e gratuito para os menores, libertos, funcionários públicos e soldados.[9] A quarta incide sobre os sapateiros (sutrini), e ordena que quem fabrique ou venda peças de calçado ou correaria, ou pregue ou venda pregos normalmente utilizados no calçado dos soldados, além de praticar outras funções comuns aos sapateiros, pague o dobro do que ganhou ao rendeiro, e determina que só este tem o monopólio sobre a comercialização dos pregos e a venda e reparação de calçado.[9] A quinta refere-se os barbeiros (tonstrini), e determina que só o rendeiro é que podia exercer a profissão, sendo os prevaricadores multados e privados das suas ferramentas de trabalho.[9] Esta regra não se aplicava aos escravos que tratassem dos seus senhores ou dos seus companheiros.[9] A sexta apresenta condições semelhantes sobre os profissionais de tinturaria e lavagem do vestuário (tabernarum fulloniarum), permitindo apenas ao rendeiro o serviço da preparação de vestuário, e dando-lhe autorização para multar e penhorar todos os outros que exercessem esta profissão.[9] A sétima refere-se à venda de minério e de ardósia e sobre o pessoal empregado (scripturae scauriorum et testariorum), especificando um preço a pagar ao rendeiro pelos trabalhadores empregues nas pedreiras de ardósia, e pela preparação e venda das escórias de cobre, prata e outros minerais.[9] Estácio da Veiga avançou a teoria de que além do uso tradicional para as ardósias como material de construção nas paredes e nas calçadas, também poderia ter sido empregue para o fabrico de recipientes nas fundições, que poderiam ser produzidos a partir de fragmentos de xisto.[9] A oitava isenta do imposto os mestres-escola (ludi magistri) (en), e a nona refere-se ao imposto por ocupação das minas (usurpationes puteorum siue pittaciarium).[20] Esta última é de especial interesse por se referir ao regime legal já citado, ou seja, o interessado em ocupar uma mina (occupator) pagava o imposto de ocupação (pittaciarium) não aos fiscais mas ao indivíduo que comprou o direito de cobrar os impostos.[20] Magueijo adianta que os valores em causa seriam fixos e relativamente baixos, devido aos riscos em abrir uma nova mina ou ocupar uma já existente, que poderia não se revelar suficientemente produtiva.[20]

Vipasca II[editar | editar código-fonte]

A tábua II centra-se apenas sobre vários assuntos ligados à exploração mineira, sendo considerado de grande importância não só devido à grande raridade deste tipo de textos, mas porque permitiu um grande desenvolvimento nos conhecimentos sobre a legislação mineira no período romano.[20] A inscrição também está incompleta, faltando pelo menos uma coluna.[20] Os primeiros cinco capítulos referem-se a dois contextos legais sobre a exploração das minas, um relativo aos poços que foram ocupados, enquanto que o outro trata dos poços que foram comprados ao fisco.[20] No primeiro caso, um indivíduo ou uma sociedade (occupator) que abria um novo poço ou ocupava um já existente mas em estado de abandono tinha um curto prazo para pagar o correspondente imposto (pittaciarium), de forma a poder continuar a exploração, e caso atingisse um filão, poderia ficar com metade do minério que fosse produzido (pars occupatoris), enquanto que a outra metade seria para o fisco (pars ad fiscum pertinens), de acordo com as regras estabelecidas pelo imperador Adriano.[20] Porém, antes de poder levar a sua parte para a fundição, o occupator era forçado a comprar a metade devida ao fisco, ou seja, a pagar em dinheiro o valor correspondente ao minério que supostamente pertencia ao estado.[20] Desta forma, os fiscais ficavam desde logo com o dinheiro, evitando a necessidade de transportar, fundir e vender o minério, simplificando assim todo o processo.[20] De forma a garantir uma produção constante, a legislação impedia que um poço sob regime de concessão estivesse parado durante dez ou mais dias consecutivos.[20] O segundo caso corresponde à venda um poço por parte do fisco, do qual o occupator anterior tinha perdido a concessão, o que poderia suceder por vários motivos, como falência ou descumprimento da legislação.[20] Na tábua em si não estão descritos os pormenores do processo de venda, mas provavelmente o direito de concessão não era vitalício, especialmente tendo em conta que seria pago de uma só vez, além que o ager publicus era de natureza inalienável.[20] Assim, Magueijo apresentou a hipótese que se trataria de um contrato de arrendamento com um prazo certo, que muito provavelmente podia ser prolongado, concedendo ao interessado o direito a todo o minério que podia ser encontrado no poço, libertando-o dos pagamentos periódicos que eram feitos no regime de ocupação.[20] Ambos os sistemas de concessão aplicavam-se às minas de cobre e de prata.[20] Porém, no caso das explorações de prata que estivessem no regime de ocupação e os rabalhadores atingissem um jazigo, deviam pagar de uma só vez um imposto suplementar de 4000 sestércios, valor que Magueijo considerou bastante razoável, tendo em conta o valor daquele minério.[20] Após o pagamento desta taxa o resto da concessão fazia-se nos moldes normais, com o occupator a comprar a metade pertencente ao estado, como nas minas de cobre.[20] Caso o ocupante perdesse a concessão, o fisco também podia colocar à venda um novo aluguer do poço, embora a preços ajustados para um jazigo de prata.[20] Desta forma, o pagamento do imposto sobre a descoberta de um novo filão de prata até poderia ser considerado como uma vantagem em relação àqueles que obtinham a concessão através de leilão, porque estes tinham de comprar desde logo os seus direitos sobre uma mina que já tinha começado a ser explorada, enquanto que os primeiros puderam aproveitar um novo filão.[20]

Os capítulos 6 a 8 determinam várias regras sobre a exploração em sociedade, enquanto que o nono proíbe o transporte de minério entre o pôr e o nascer do sol, como forma de defender os interesses do fisco, uma vez que durante a noite era difícil vigiar o movimento.[20] O décimo regula as penas a aplicar sobre ladrões de minério, e os capítulos 11 a 13 listam várias medidas necessárias contra a ocorrência de desprendimentos de terras e de rochas no interior dos poços e das galerias.[20] As cláusulas 14 a 18 aplicam várias regras para garantir a manutenção do canal de escoamento da água, como a obrigatoriedade de deixar um espaço inexplorado de cerca de 4,5 m em redor do canal nas minas de cobre, e de 18 m para as de prata.[20] A última impede igualmente o concessionário de ultrapassar os limites legais no seu poço, tanto no subsolo como à superfície.[20]

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes e fundação[editar | editar código-fonte]

A riqueza mineral de Aljustrel foi aproveitada desde tempos muito remotos, tendo a primeira povoação na área de Aljustrel, fundada provavelmente durante o calcolítico e situada na colina do castelo, sido precisamente um centro mineiro, onde se produzia cobre.[24] Um outro importante núcleo populacional em Aljustrel durante a proto-história foi o Cerro da Mangancha, um povoado fortificado que foi habitado desde os finais da Idade do bronze e depois ao longo da Idade do Ferro, até aos princípios da época romana.[25]

Por volta do século I d.C., o Cerro da Mangancha foi abandonado e foi fundada uma nova povoação, com o nome de Vipasca.[26] A transferência das populações de uma povoação fortificada para um centro urbano poderá ter acontecido devido à pacificação do território pelas tropas romanas, processo conhecido como Pax Romana.[27] A nova povoação foi instalada na área de Vale da Oca, mais próxima dos filões de Algares.[2] Porém, esta não foi a primeira tentativa de povoamento na zona de Algares, já que no chapéu de ferro ali situado foram encontrados alguns indícios do calcolítico.[6]

Mina dos Algares, uma das mais antigas em Aljustrel, explorada desde o calcolítico até à época contemporânea. Fotografia retirada da Album Alentejano, de 1931.

Expansão[editar | editar código-fonte]

Durante o período romano, a exploração mineira desenvolveu-se consideravelmente, podendo ter chegado a ser a mina mais importante na província da Lusitânia.[12] A produção mineira romana em Aljustrel conheceu grandes variações ao longo da sua história, acompanhando a situação económica de Roma, tendo o seu ponto mais elevado sido atingido logo nos séculos I e II.[28]

Algumas das residências romanas encontradas durante os trabalhos arqueológicos feitos entre 1981 e 1982 demonstram sinais de várias fases de construção, tendo as estruturas mais antigas contado com alguns materiais perecíveis, como peças em madeira.[1] Embora a maior parte dos elementos de construção pertencessem ao século III, o espólio no local era mais disperso do ponto de vista cronológico, entre os séculos I a.C. e IV d.C.[1]

Declínio e abandono[editar | editar código-fonte]

A produção mineira parou quase completamente no período entre os séculos IV[2] e V, devido à decadência e extinção da civilização romana,[28] e à ocorrência de uma grande crise na indústria mineira.[29] Com o declínio das minas, a povoação de Vipasca perdeu a sua importância.[29]

Por volta do século XVI foi construído um templo cristão com cemitério nas imediações das ruínas romanas, que poderá corresponder à Capela de São Bartolomeu, e que funcionou até ao século XVIII.[1]

Redescoberta[editar | editar código-fonte]

Ao longo do século XIX foram encontrados vários vestígios das explorações mineiras romanas em Aljustrel, como antigas galerias e poços, grandes depósitos de escórias e ruínas de edifícios.[1] Em 1876 foi feita uma das descobertas históricas mais importantes, quando foram recolhidas duas tábuas de bronze de um escorial, onde estavam escritas várias regras sobre a exploração mineira, e que foram atribuídas ao período do imperador Adriano.[1] Os trabalhos arqueológicos prosseguiram no século XX, tendo em 1954 sido escavado um conjunto de estruturas, que é conhecido como Casa do Procurador.[4] Em 1981 e 1982 sido feitas escavações de emergência num local que iria ser ocupado por estruturas da empresa Pirites Alentejanas, e onde se calculava que estariam ruínas da cidade romana.[1] Com efeito, foram encontrados os vestígios de vários edifícios residenciais, incluindo paredes em pedra, canalizações e um pavimento em opus signinum.[1] Também foram descobertos os vestígios de um templo, possivelmente a Capela de São Bartolomeu, cujos azulejos foram removidos.[1] No ano seguinte foi investigada a galeria de uma mina e o chapéu de ferro, tendo sido recolhidos fragmentos de vasos cerâmicos, telhas de rebordo, ímbrices, escórias e um prego.[1] A área de Vipasca foi novamente alvo de trabalhos arqueológicos em 1989, 1990 e 1995, tendo estes últimos sido motivados por destruições causadas por obras na mina.[1] Em 2011 foram feitas novas sondagens, como parte de um programa de reabilitação ambiental nas áreas mineiras abandonadas de Algares, São João do Deserto e Pedras Brancas, tendo sido descoberto um escorial de grandes dimensões, além de um conjunto de estruturas ligadas à produção de cobre, nas imediações da barragem.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m «Vipasca». Portal do Arqueólogo. Direcção-Geral do Património Cultural. Consultado em 20 de Setembro de 2022 
  2. a b c «História da Mineração». Câmara Municipal de Aljustrel. Consultado em 12 de Agosto de 2022 
  3. «Casa do Procurador». Portal do Arqueólogo. Direcção-Geral do Património Cultural. Consultado em 20 de Setembro de 2022 
  4. a b c d e «Casa do Procurador». Câmara Municipal de Aljustrel. Consultado em 21 de Setembro de 2022 
  5. a b c d e f g h i j INGLÊZ, Aboim (1931). «Minas do Distrito de Beja». Album Alentejano: Distrito de Beja. Volume I de II. Lisboa: Imprensa Beleza. p. 30-37. Consultado em 21 de Setembro de 2022 – via Biblioteca Digital do Alentejo 
  6. a b «Chapéu de Ferro». Portal do Arqueólogo. Direcção-Geral do Património Cultural. Consultado em 20 de Setembro de 2022 
  7. VEIGA, 1889:35
  8. COLAÇO, Francisco (1 de Setembro de 2020). «Visita às Minas de Aljustrel, reportagem de Eduardo Coelho, publicada no "Diário de Notícias" em 1876». Câmara Municipal de Aljustrel. Consultado em 28 de Setembro de 2022 
  9. a b c d e f g h i j k l m n o p VEIGA, 1889:23-27
  10. VEIGA, 1889:36-37
  11. VEIGA, 1889:40
  12. a b c GOUVEIA, João (Novembro de 1907). «As minas de Aljustrel». Serões (29). Lisboa: Livraria Ferreira. p. 317. Consultado em 20 de Setembro de 2022 – via Hemeroteca Municipal de Lisboa 
  13. VEIGA, 1889:55
  14. «Herdade do Montinho». Portal do Arqueólogo. Direcção-Geral do Património Cultural. Consultado em 28 de Setembro de 2022 
  15. a b ENCARNAÇÃO, José d' (31 de Março de 2021). «Arqueologia: Encontraste prata? Então toma atenção!». Diário do Alentejo. Consultado em 25 de Setembro de 2022 
  16. CAVALEIRO, Robert Knight (9 de Agosto de 2021). «Uma História Enevoada de Portugal Romano - Parte 6 - A Economia». Sol. Consultado em 28 de Setembro de 2022 
  17. «Escórias do Azinhal». Portal do Arqueólogo. Direcção-Geral do Património Cultural. Consultado em 24 de Agosto de 2022 
  18. a b VEIGA, 1889:43-44
  19. VEIGA, 1889:44-45
  20. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al MAGUEIJO, Custódio (1970). «A Lex Metallis Dicta (117-138 d.C.) (VIP. II desc. 1906)» (PDF). O Arqueólogo Português. Série III (Volume IV). Lisboa: Museu Nacional de Arqueologia e Etnologia. p. 125-163. Consultado em 23 de Setembro de 2022 – via Direcção-Geral do Património Cultural 
  21. VEIGA, 1889:13
  22. VEIGA, 1889:10-11
  23. VEIGA, 1889:28-29
  24. «História Social e Política». Câmara Municipal de Aljustrel. Consultado em 10 de Agosto de 2022 
  25. «Cerro da Mangancha». Portal do Arqueólogo. Direcção Geral do Património Cultural. Consultado em 20 de Setembro de 2022 
  26. MARTINS, A. «Cerro da Mangancha». Património Cultural. Direcção Geral do Património Cultural. Consultado em 31 de Julho de 2020 
  27. PORTUGAL. Portaria n.º 401/2011, de 15 de Fevereiro. Gabinete do Secretário de Estado da Cultura. Publicado no Diário da República n.º 43, Série II, de 2 de Março de 2011.
  28. a b DIAS, 2013:31-32
  29. a b MACÍAS, Juan Aurelio Pérez; MARTINS, Artur; RIVERO, Josefa Lagares (2013). «Sequência arquitectónica do Castelo de Aljustrel». VII Encuentro de Arqueología del Suroeste Peninsular. Aroche - Serpa. p. 1115-1142. Consultado em 20 de Setembro de 2022 – via Academia 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Leitura recomendada[editar | editar código-fonte]

  • COFFYN, André (1983). «La fin de l'Age du Bronze dans le Centre-Portugal». O Arqueólogo Português. Lisboa 
  • DOMERGUE, Claude; ANDRADE, Rui Freire de (1971). Sondage 1967 et 1969 a Aljustrel (Portugal). Note preliminaire, Conimbriga. Nova História de Portugal. Coimbra: [s.n.] 
  • JORGE, Vítor de Oliveira (1990). Complexificação das sociedades e sua inserção numa vasta rede de intercâmbios. Nova História de Portugal. Lisboa: [s.n.] 
  • LOBATO, João Rodrigues (1983). Aljustrel monografia. Aljustrel: Câmara Municipal de Aljustrel 
  • MAIA, Manuel Maria da Fonseca Andrade (1978). «Fortalezas romanas do sul de Portugal». Zephyrus. Salamanca 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]