Vipera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Como ler uma infocaixa de taxonomiaVipera
Víbora-áspide, V. aspis
Víbora-áspide, V. aspis
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Família: Viperidae
Género: Vipera
Laurenti, 1768
Sinónimos [1]
  • Vipera Laurenti, 1768
  • Pelias Merrem, 1820
  • Chersea Fleming, 1822
  • Rhinaspis Bonaparte, 1834
  • Rhinechis Fitzinger, 1843
  • Echidnoides Mauduyt, 1844
  • Mesocoronis A.F. Reuss, 1927
  • Teleovipera A.F. Reuss, 1927
  • Acridophaga A.F. Reuss, 1927
  • Mesovipera A.F. Reuss, 1927
  • Mesohoronis A.F. Reuss, 1927
  • Mesohorinis A.F. Reuss, 1927
  • Latastea A.F. Reuss, 1929
  • Tzarevcsya A.F. Reuss, 1929
  • Latasteopara A.F. Reuss, 1935
Nomes-comuns: víboras-paleárticas,[2] víboras-eurasiáticas.[3]

Vipera é um género de víboras venenosas. Tem ampla distribuição geográfica, podendo ser encontrado desde o Norte da África até ao Círculo Polar Ártico e desde a Grã-Bretanha até à região Ásia-Pacífico.[3] Esta designação é possivelmente derivada dos termos latinos vivus e pario, significando "vivo" e "dar à luz" ou "parir"; provavelmente uma referência ao facto de a maioria das víboras dar à luz juvenis vivos.[4] Actualmente são reconhecidas 23 espécies.[5]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Os membros deste género tendem a ser corpulentos e de tamanho pequeno, o maior deles, V. ammodytes, pode atingir um comprimento máximo de 95 cm e o menor, V. monticola, atinge um comprimento máximo de 40 cm.
As cabeças dos membros deste género são claramente separadas do corpo, de forma triangular e na maioria das espécies cobertas por pequenas escamas, embora nalgumas espécies, notavelmente V. berus, tenham pequenas placas no cimo das suas cabeças. Estas víboras do Velho Mundo tendem a ter uma única escama nasal que pode por vezes estar fundida com uma escama pré-nasal como no caso de V. albicornuta. A maioria das espécies tem grandes escamas supra-oculares que tendem a estender-se para além da margem posterior do olho. Algumas espécies têm também algum tipo de "chifre" na cabeça, atrás da escama nasal ou por detrás das escamas supra-oculares.
A cor e camuflagem dos membros deste género variam muito, desde fundo cinzento com faixas transversas castanho-escuro no caso V. albizona até cores mais acastanhadas com faixas transversas cinzentas com orlas negras como no caso de V. ammodytes.[3]

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

Podem ser encontradas por todo o Velho Mundo, daí o nome-comum deste género, "Víboras do Velho Mundo". Podem ser encontradas sobretudo na Europa, desde Portugal até à Turquia. Também podem ser encontradas em algumas ilhas do Mar Mediterrâneo (Sicília, Elba e Montecristo), no Reino Unido. Podem ser também encontradas na região africana do Magrebe com espécies que vivem em Marrocos (V. monticola) e parte do norte da Argélia e Tunísia no caso de V. latastei. Muitas espécies podem também ser encontradas nas Montanhas do Cáucaso, em partes do Iraque, Jordânia, Israel e Síria. Apenas uma espécie até ao momento encontrada (V. berus) vive na Ásia Oriental (Coreia do Norte, China setentrional, e norte da Mongólia[3].

Habitat[editar | editar código-fonte]

A maioria das espécies prefere ambientes mais frescos. Aquelas encontradas em latitudes mais baixas tendem a preferir zonas de maior altitude e habitats mais secos e rochosos, enquanto que as espécies que ocorrem em latitudes mais setentrionais preferem elevações mais baixas e ambientes mais húmidos e com mais vegetação.[3]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Todas as espécies são terrestres.[3]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Todos os membros são vivíparos, dando à luz juvenis vivos.[3]

Veneno[editar | editar código-fonte]

A maioria das espécies de Vipera produz um veneno que contém componentes neurotóxicos e hemotóxicos. A gravidade das mordeduras é muito variável.
V. ammodytes é provavelmente a que possui o veneno mais tóxico. Num estudo envolvendo somente ratos, Brown (1973) demonstra que LD50 é aproximadamente 1.2/mg/kg IV, 1.5 mg/Kg quando injetado no peritoneu (IP) e 2.0 mg/kg quando administrado subcutaneamente (SC).[6]
O veneno de V. berus é considerado o menos tóxico, (Minton, 1974) sugere que os valores de LD50 para ratos são aproximadamente 0.55 mg/kg IV, 0.80 mg/kg IP e 6.45 mg SC.[7] O volume de veneno produzido tende a ser menor nesta espécie, citando Minton 10–18 mg por mordedura em espécimes de 48–62 cm enquanto Brown sugere apenas 6 mg para espécimes do mesmo tamanho.
Contudo, as mordeduras de espécies de Vipera raramente são tão graves como as do géneros maiores Macrovipera ou Daboia.[3]

Espécies[editar | editar código-fonte]

Imagem Espécies[1] Autoridade[1] Subsp.* Nome-comum Distribuição geográfica[1]
V. albicornuta Nilson & Andrén, 1985 0 Víbora-de-montanha-iraniana Vale de Zanjan e montanhas vizinhas no noroeste do Irão.
Vipera albizona.jpg V. albizona Nilson, Andrén & Flärdh, 1990 0 Víbora-de-montanha-da-turquia-central Turquia Central
Vipera ammodytes.jpg V. ammodytes (Linnaeus, 1758) 4 Víbora-cornuda Noreste da Itália, sul da Eslováquia, oeste da Hungria, Eslovénia, Croácia, Bósnia e Herzegovina, Sérvia, Montenegro, Albânia, República da Macedónia, Grécia, Roménia, Bulgária, Turquia, Geórgia e Síria.
Vipera aspis Lothringen 151.jpg V. aspisT (Linnaeus, 1758) 4 Víbora-áspide França, Andorra, nordeste da Espanha, extremo sudoeste da Alemanha, Suíça, Mónaco, ilhas de Elba e Montecristo, Sicília, Itália, San Marino e noroeste da Eslovénia.
V. barani Böhme & Joger, 1984 0 Víbora-de-baran Noroeste da Turquia
Loch Shin adder.JPG V. berus (Linnaeus, 1758) 2 Víbora-europeia-comum Desde a Europa Ocidental (Grã-Bretanha, Escandinávia, França, passando pela Europa Central (Itália, Albânia, Bulgária e norte da Grécia) e Europa Oriental até a norte do Círculo Polar Ártico, Rússia e Oceano Pacífico, Ilha Sacalina, Coreia do Norte, norte da Mongólia e norte da China.
Vipera bornmuelleri.JPG V. bornmuelleri F. Werner, 1898 0 Víbora-de-bornmueller Montes Golan, sul do Líbano e Síria.
Vipera bulgardaghica.jpg V. bulgardaghica Nilson & Andrén, 1985 0 Víbora-de-bulgardagh Montanhas Bulgar Dagh, Província de Niğde, centro-sul da Anatólia, Turquia.
Darevsky's Viper.jpg V. darevskii Vedmederja, Orlov & Tuniyev, 1986 0 Víbora-de-darevsky Sudeste das Montanhas Dzavachet na Arménia e áreas adjacentes na Geórgia.
BennyTrapp Vipera dinniki.jpg V. dinniki Nikolsky, 1913 0 Víbora-de-dinnik Rússia (Montanhas do Cáucaso) e Geórgia (bacia de alta montanha do rio Inguri), para leste até ao Azerbaijão.
Vipera kaznakovi (2).jpg V. kaznakovi Nikolsky, 1909 0 Víbora-do-cáucaso Nordeste da Turquia, Geórgia, e Rússia (costa oriental do Mar Negro).
Lataste's viper.jpg V. latastei Boscá, 1878 1 Víbora-cornuda Sudoeste da Europa (França, Portugal e Espanha) e noroeste da África (região mediterrânica de Marrocos, Argélia e Tunísia).
V. latifii Mertens, Darevsky & Klemmer, 1967 0 Víbora-de-latifi Irão: Vale de Lar na Cordilheira Elburz
V. lotievi Nilson et al., 1995 0 Víbora-dos-prados-do-cáucaso As montanhas mais altas do Grande Cáucaso: Rússia, Geórgia e Azerbaijão.
V. monticola Saint-Girons, 1954 0 Víbora-dos-montes-atlas Alto Atlas, Marrocos.
BennyTrapp Vipera nikolskii.jpg V. nikolskii Vedmederja, Grubant & Rudajewa, 1986 0 Víbora-de-nikolsky Ucrânia central.
V. orlovi [8] Tuniyev & Ostrovskikh, 2001 0 Víbora-de-Orlov[9] Cáucaso Ocidental
Vipera palaestina.jpg V. palaestinae F. Werner, 1938 0 Víbora-da-palestina Síria, Jordânia, Israel e Líbano.
Vipera pontica GNM7373-001.jpg V. pontica Billing, Nilson & Sattler, 1990 0 Víbora-pôntica Conhecida somente no vale de Coruh, província de Artvin, nordeste da Turquia.
Armenian viper.jpg V. raddei Boettger, 1890 0 Víbora-das-pedras Turquia Oriental, noroeste do Irão, Arménia, Azerbaijão, e provavelmente Iraque.
Vipera seoanei 05.jpg V. seoanei Lataste, 1879 1 Víbora-de-seoane Extremo sudoeste da França, e regiões setentrionais de Espanha e Portugal.
Vipera ursinii macrops.jpg V. ursinii (Bonaparte, 1835) 0 Víbora-dos-prados Sudeste da França, Áustria oriental (extinta), Hungria, Itália central, Croácia, Bósnia e Herzegovina, norte e nordeste da Albânia, Roménia, norte da Bulgária, Grécia, Turquia, noroeste do Irão, Arménia, Azeerbaijão, Geórgia, Rússia e estepes do Cazaquistão, Quirguistão e Uzbequistão oriental até à China (Xinjiang).
Montivipera wagneri.jpg V. wagneri Nilson & Andrén, 1984 0 Víbora-de-montanha-ocelada Montanhas do leste da Turquia e noroeste do Irão.
Benny Trapp Montivipera xanthina.jpg V. xanthina (Gray, 1849) 0 Víbora-das-pedras Extremo nordeste da Grécia, ilhas gregas de Simi, Cós, Calímnos, Leros, Lipsos, Patmos, Samos, Quios e Lesbos, Trácia Oriental, metade ocidental da Anatólia, e ilhas da plataforma continental da Turquia (e.g. Halki, Castelorizo [Meis Adasi]).

* Sem incluir a espécie nominativa. T: espécie-tipo

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d McDiarmid RW, Campbell JA, Touré TA. 1999. Snake Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference, Volume 1. Washington, District of Columbia: Herpetologists' League. 511 pp. ISBN 1-893777-00-6 (series). ISBN 1-893777-01-4 (volume).
  2. Spawls S, Branch B. 1995. The Dangerous Snakes of Africa: Natural History, Species Directory, Venoms and Snakebite. Sanibel Island, Florida: Ralph Curtis Books/Dubai: Oriental Press. 192 pp. ISBN 0-88359-029-8.
  3. a b c d e f g h Mallow D, Ludwig D, Nilson G. 2003. True Vipers: Natural History and Toxinology of Old World Vipers. Malabar, Florida: Krieger Publishing Company. 359 pp. ISBN 0-89464-877-2.
  4. Gotch AF. 1986. Reptiles -- Their Latin Names Explained. Poole, UK: Blandford Press. 176 pp. ISBN 0-7137-1704-1.
  5. «Vipera» (em inglês). ITIS (www.itis.gov). Consultado em 13 August 2006  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  6. Brown JH. 1973. Toxicology and Pharmacology of Venoms from Poisonous Snakes. Springfield, Illinois: Charles C. Thomas. 184 pp. LCCCN 73-229. ISBN 0-398-02808-7.
  7. Minton SA Jr. 1974. Venom Diseases. Springfield, Illinois: CC Thomas Publ. 256 pp. ISBN 978-0-398-03051-3.
  8. "Vipera orlovi ". The Reptile Database. www.reptile-database.org.
  9. Beolens B, Watkins M, Grayson M. 2011. The Eponym Dictionary of Reptiles. Baltimore: Johns Hopkins University Press. xiii + 296 pp. ISBN 978-1-4214-0135-5. (Vipera orlovi, pp. 196-197).

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Arnold EN, Burton JA. 1978. A Field Guide to the Reptiles and Amphibians of Britain and Europe. London: Collins. 272 pp. ISBN 0-00-219318-3. (Genus Vipera, pp. 211, 214.)
  • Boulenger GA. 1896. Catalogue of the Snakes in the British Museum (Natural History). Volume II., Containing the...Viperidæ. London: Trustees of the British Museum (Natural History). (Taylor and Francis, printers.) xiv + 727 pp. + Plates I.- XXV. (Genus Vipera, pp. 471–472.)
  • Laurenti JN. 1768. Specimen medicum, exhibens synopsin reptilium emendatam cum experimentis circa venena et antidota reptilium austriacorum. Vienna: "Joan. Thom. Nob. de Trattern". 214 pp. + Plates I.- V. (Genus Vipera, p. 99.)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Vipera