Vira Lata (telenovela)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vira Lata
Logotipo da novela.
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 50 min
Criador(es) Carlos Lombardi
País de origem Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Rogério Gomes
Jorge Fernando
Elenco Andréa Beltrão
Glória Menezes
Humberto Martins
Betty Lago
Marcello Novaes
Carolina Dieckmann
Deborah Secco
Georgiana Góes
Vanessa Lóes
Thalma de Freitas
Murilo Benício
e grande elenco
Tema de abertura Cachorro Vira-Lata - Baby do Brasil
Transmissão original 1 de abril de 199627 de setembro de 1996
N.º de episódios 155 capítulos

Vira Lata é uma telenovela brasileira produzida e exibida no horário das 19 horas pela Rede Globo entre 1 de abril e 27 de setembro de 1996, substituindo Cara e Coroa e sendo substituída por Salsa e Merengue, com 155 capítulos, sendo a 53ª "novela das sete" exibida pela emissora.

Foi escrita por Carlos Lombardi, com a colaboração de Vinícius Vianna e Maurício Arruda. Teve a direção de Rogério Gomes, Marcelo Travesso e Alexandre Boury, e a direção geral de Rogério Gomes e Jorge Fernando.

Apresentou Andréa Beltrão, Glória Menezes, Humberto Martins, Marcello Novaes, Carolina Dieckmann, Déborah Secco, Vanessa Lóes, Mário Gomes, Patrícia Travassos, Maria Zilda Bethlem, Cinira Camargo, Betty Lago e Murilo Benício nos papéis principais.

Numa trama considerada "forte" pela crítica, a telenovela abordou temas pouco tradicionais ao gênero, como homossexualidade, racismo, sexo, drogas, corrupção e violência, e foi rejeitada pela parcela mais conservadora do público, especialmente entre os seguidores do evangelicalismo; alguns deputados da bancada evangélica chegaram inclusive a promover boicotes à produção. Sendo assim, Vira Lata amargou a menor média de toda história do horário das 19 horas na Grande São Paulo: 35 pontos;

Os seus maus resultados, no entanto, não são atribuídos somente aos polêmicos temas abordados — uma vez que a telenovela das 20 horas, Explode Coração, exibida no mesmo período, obteve sucessivos recordes de audiência para o seu horário mesmo apresentando uma trama com país exótico —, mas também ao roteiro considerado inconsistente pela imprensa.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Quando o promotor Bráulio Vianna descobre que sua mulher Helena lhe ocultava que seu pai Moreyra é um estelionatário procurado pela polícia, exige que ela escolha entre suas pequenas filhas, Geovana e Juliana, ou seu pai. Helena então viaja para Florianópolis para refletir e tomar uma decisão. Lá ela conhece Lenin, por quem se apaixona. Ao saber que seu pai era traído por seu cunhado Ítalo, e que sua família lutava pelo poder, Helena decide ajudar o pai que corria perigo de vida, e assim some com ele.

Enquanto isso, Pietra volta a vida dos irmãos Wanderpetroviktz, seduzindo Lenin e Fidel, que se debate entre o amor pela doce Renata e a paixão por Pietra. O caçula Mussolini é apaixonado secretamente por Renata e conta com o apoio de Pietra, que cria situações de conflito entre Lenin e Renata. Mas o conflito maior acontece quando o encrenqueiro Lenin envolve o certinho Fidel em uma enrascada, e faz de tudo para livrar o irmão da cadeia. Para completar aparece a mãe dos irmãos Lenin e Fidel, Laura, que os abandonou e agora ambiciona a herança da família, lutando para os separar. E na família há um estigma, um dos irmãos devera morrer portador de uma doença congênita.

Ainda há as peripécias do atrapalhado Ângelo, na sua tentativa de fugir da mulher Stella, louca para pôr a mão no marido que só faz aprontar.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Andréa Beltrão Maria Helena Moreira Vianna ()
Humberto Martins Lênin Botelho Wanderpetrokovtz ()
Marcello Novaes Fidel Botelho Wanderpetrokovtz (Del)
Murilo Benício Bráulio Vianna / Dráuzio
Glória Menezes Stella Beatriz Gouveia Visconti
Vanessa Lóes Pietra Visconti Olga
Carolina Dieckmann Renata Evangelina Olga
Cláudio Marzo Lupércio Botelho Wanderpetrokovtz
Mário Gomes Ângelo Visconti
Cinira Camargo Dra. Antígone da Silva
Maria Zilda Cassandra Moreira
Rômulo Arantes Ítalo Batalha
Betty Lago Walkíria Voss (Val)
Susana Vieira Laura
Deborah Secco Maria da Silva (Taú)
Luciano Vianna Mussolini Botelho Wanderpetrokovtz
Ary Fontoura Aurélio Botelho Wanderpetrokovtz
Nair Bello Antônia Botelho Biscaia (Nieta)
Jorge Dória Aderbal Pinto Moreira
Felipe Martins Emeraldo Gigante
Roberto Bataglin Aquiles Moreira
Patrycia Travassos Penélope Rocha (“Pê”)
Bruno Leão Túlio
Kadu Moliterno Romeu Buonaventura
Mário Cardoso Basílio Brochado
Ivone Hoffman Herr Aliança para o Progresso do Pacífico Bauen
Eduardo Moscovis Federico Botelho Biscaia
Luana Piovani Wânia
Tuca Andrada Tadeu Evangelino Olga (“Toco”)
Eduardo Caldas Tadeu Evangelino Olga (“Toquinho”)
Duda Ribeiro Obséquio
Kananda Raia Julianna Vianna
Alessandra Aguiar Giovanna Vianna
João Rebello Danilo Voss Visconti (“Nilo”)
Eri Johnson Ralf
Virgínia Novick Sílvia
Luiz Guilherme Custódio
Cleyde Blota Francisca
Raquel Nunes Duda
Catarina Abdalla Rosa Leitão
Rejane Goulart Maria Clara Botelho
Georgiana Góes Celina Botelho
Talita Castro Bianca Bártolo
Thalma de Freitas Dolores Nascimento
Matheus Carrieri Flávio Augusto Biscaia Botelho (“Cratera”)
Frederico Biscaia Botelho (“Cacetada”)
Inês Galvão Marilyn Efigênia Fonseca Biscaia
Rosane Gofman Odete
Gerson Brenner Amadeu
Dalmo Cordeiro Cosme
Marcelo Barros Damião
Jarbas Toledo Batman
Antônio Entriel Robin
Paulo Reis Celso
Lúcia Helena Canário Joana
Lyla Collares Márcia

Participações especiais

Audiência[editar | editar código-fonte]

Teme média geral de 35 pontos.[1]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • O título da novela é referência aos cachorros da protagonista Helena (Andréa Beltrão).[2]
  • A trama causou muitas polêmicas em relação ao seu conteúdo. Pelo fato dos personagens apresentarem comportamento de má conduta na trama, muitos telespectadores temeram que eles influenciassem as pessoas na vida real. Além disso, temas como sexo, drogas, corrupção e violência, também incomodaram muito os telespectadores.[3]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora nacional[editar | editar código-fonte]

Capa: Humberto Martins

  1. "A Queda" - Lobão
  2. "Devagar, Devagarinho" - Martinho da Vila
  3. "Baby" - Paulo Ricardo
  4. "Tango Para Teresa" - Ângela Maria e Agnaldo Timóteo
  5. "Templo" - Renata Arruda
  6. "Só Quem Amou Demais" - Chitãozinho & Xororó
  7. "Cachorro Vira-Lata" - Baby do Brasil (tema de abertura)
  8. "Na Estrada" - Marisa Monte
  9. "Contigo en la Distância" - Caetano Veloso
  10. "Jardins da Babilônia" - Barão Vermelho
  11. "Linhas Tortas" - Marina Lima
  12. "Fica" - Bantus
  13. "Na Rua, Na Chuva, Na Fazenda (Casinha de Sapé)" - Kid Abelha
  14. "Detalhes" - Erasmo Carlos

Trilha sonora internacional[editar | editar código-fonte]

Capa: Marcello Novaes

  1. "Wonderwall" - Oasis
  2. "How Deep Is Your Love" - Take That
  3. "Lunes Martes" - Ambra
  4. "Gonna Be My Baby" - Double You
  5. "Before You Walk Out Of My Life" - Monica
  6. "I Love To Love" - Randy Bush
  7. "Crying In The Rain" - Culture Beat
  8. "La Mia Storia Tra le Dita" - Gianluca Grignani
  9. "Monalisa" - Rob'n'Raz
  10. "The Lions Sleeps Tonight" - Ally & Jo
  11. "Land Of Dreaming (Radio US Mix)" - Masterboy
  12. "Salvation" - The Cranberries
  13. "I Found Faith" - Silent
  14. "Ride On The Rhythm" - BlackWood

Referências

  1. Jeferson Cardoso (5 de janeiro de 2012). «IBOPE, IBOPE E MAIS IBOPE!». O Planeta TV. Consultado em 7 de agosto de 2015. 
  2. Fernanda da Escóssia (21 de janeiro de 1996). «Dilema é ponto de partida de "Vira-Lata"». Folha de S.Paulo. Consultado em 7 de agosto de 2015. 
  3. Cristina Rigitano (1 de setembro de 1996). «'Vira Lata' revolta pais e religiosos». Folha de S.Paulo. Consultado em 7 de agosto de 2015. 
Ícone de esboço Este artigo sobre telenovelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.