Viseu (Pará)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Município de Viseu
"Pérola do Gurupi"
Bandeira de Viseu
Brasão de Viseu
Bandeira Brasão
Hino
Gentílico viseuense
Lema Paz e amor
Prefeito(a) Isaías José Silva Oliveira Neto (PR)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Viseu
Localização de Viseu no Pará
Viseu está localizado em: Brasil
Viseu
Localização de Viseu no Brasil
01° 11' 49" S 46° 08' 24" O01° 11' 49" S 46° 08' 24" O
Unidade federativa Pará Pará
Mesorregião Nordeste Paraense IBGE/2008 [1]
Microrregião Guamá IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Bragança, Carutapera (MA), Nova Esperança do Piriá, Cachoeira do Piriá, Santa Luzia do Pará e Augusto Corrêa.
Distância até a capital 320 km
Características geográficas
Área 4 915,073 km² [2]
População 59 735 hab. IBGE/2017[3]
Densidade 12,15 hab./km²
Altitude 15 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,515 baixo PNUD/2010[4]
PIB R$ 414 141,78 mil IBGE/2014[5]
PIB per capita R$ 7 055,95 IBGE/2014[5]
Página oficial
Prefeitura http://prefeituramunicipaldeviseu.com.br/

Viseu é um município brasileiro do estado do Pará. Localiza-se a uma latitude 01º11'48" sul e a uma longitude 46º08'24" oeste, estando a uma altitude de 15 metros. Sua população estimada em 2017 era de 59.735 habitantes segundo o IBGE. Possui uma área de 4.915,073 km² e, portanto, densidade demográfica de 12,09 hab./km². A maioria da sua população (45.582 pessoas) é adepta da religião Católica, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O IDH municipal é de 0,515. As terras viseuenses foram descobertas por volta de 24 de junho de 1531 pelo navegador Diogo Leite.

Também há a Vila Nazaré conhecida como vila do km 74 que faz parte de Viseu. É onde se encontra algumas madeireiras da região. Com duas Escolas, Correio, Posto Médico, CRÁS, ADEPARÁ, A belíssima igreja de São Benedito, Um dos fundadores da Vila ainda vivo " Sr Alves" Patrono da Família Alves.

História[editar | editar código-fonte]

O primeiro navegador que chegou às terras viseuenses foi o português Diogo Leite, em 1531, a mando de Martim Afonso de Sousa, que adentrou até a barra dos rios Gurupi e Turiaçu, comandando duas embarcações de nomes Princesa e Rosa, fato corroborado pelos historiadores Francisco Adolfo de Varnhagen (Visconde Porto Seguro) e Maurício Martins Meireles.

Diogo Leite deu seu nome a uma abra, que até hoje é objeto de discussões entre historiadores, que têm dúvidas sobre a localização desta abra: para alguns (como o Visconde de Porto Seguro) ela estaria na foz do rio Gurupi; para outros como Jaime Cortesão D’Avezac, ela seria localizada no rio Turiaçu. Discute-se, portanto, a localização da abra e não a chegada daquele navegador à foz do rio Gurupi ainda em 1531, já que eles são bastante plausíveis ao afirmar que ele de fato chegou às atuais terras do município de Viseu, portanto, 85 antes da fundação da cidade de Belém e 103 anos antes da fundação de Sousa do Caeté (atual Bragança, que foi fundada apenas em 1634).

Situado na zona do Gurupi, foi habitado primitivamente, pelos índios Tupinambás, Tremembés e Apotiangas. No século XIX, migraram para o Gurupi os índios Urubus-Kaapor, considerados uma nação bélica e violenta, tendo sido registrados numerosos conflitos envolvendo estes índios, os negros quilombolas da região e os brancos.

Os franceses começaram a se fixar no Maranhão por volta de 1594 e lá permaneceram até serem expulsos e saírem definitivamente em 3 de novembro de 1615, após serem cercados pelas tropas sob o comando de Alexandre de Moura. Antes, em 1613, o então Governador-Geral Gaspar de Sousa enviou para a região uma expedição sob o comando de Diogo de Campos, que convenceu Jerônimo de Albuquerque a construir um forte no rio Piriá para assim estabelecer alianças com os índios Tremembés.

Após a vitória dos portugueses na região, o Reino começou um verdadeiro processo de ocupação da região para evitar novas invasões. Foi desta forma que através da Carta Régia de 9 de fevereiro de 1622, o rei Felipe III, da Espanha (lembre-se da União Ibérica), doou a Capitania do Gurupi a Gaspar de Sousa, a qual ia do rio Caeté até o rio Turiaçu, tendo 20 léguas de fundo. Conforme os arquivos do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, a Carta Régia de Felipe III de 1622 dava a Gaspar de Sousa o legítimo direito de escolher um local ou sítio da Capitania para que a beneficiasse e a fizesse povoar. No entanto, Gaspar de Sousa morreu sem definir o local ou sítio em que ele preferisse fixar a sua concessão.

Em 1624, um Alvará (de 19 de março de 1624) do rei Felipe III ordenou a Francisco Coelho de Carvalho (então Governador do Maranhão) que ele repartisse as terras do Maranhão aos povoadores e cultivadores que as quisessem.

O primeiro povoado na margem do rio Gurupi, que recebeu o nome de Vera Cruz, só foi definitivamente fundado em abril de 1627, por ordens de Francisco Coelho de Carvalho, sendo composta de índios Apotiangas e moradores que foram levados do Pará e Maranhão. Vera Cruz do Gurupi ficava onde hoje é a vila de São José do Gurupi e não na cidade de Viseu como se supunha. A cidade, apesar de ter suas origens ao início do século XVII com a chegada dos franceses, só foi fundada no século XVIII. Em 1758, foram fundadas três freguesias no município de Viseu, as quais ficavam onde hoje é a cidade de Viseu, São José do Gurupi e São José do Piriá (fundada em 1751 pelo governador Francisco Xavier de Mendonça Furtado).

Em 1655, o padre Antônio Vieira fundou no rio Gurupi (mais precisamente na povoação de Vera Cruz) a missão jesuíta de São João Batista, que ficou naquela povoação até 1672, quando foi transferida para o Caeté.

Vera Cruz foi fundada para ser uma cidade de ligação entre Belém e São Luis. Devido ao porto de Vera Cruz ter ficado bastante raso, a povoação acabou sendo abandonada pelos governantes. Esse fato, ajudou na migração das pessoas de Vera Cruz para Sousa do Caeté.

Apesar de suas terras serem conhecidas desde 1531 e tendo recebida a visita de franceses e portugueses em 1613, a cidade de Viseu só foi definitivamente ocupada no século XVIII, tendo em 1758, sido fundada uma freguesia. Em 1781, foi oficializada a fundação da atual cidade de Viseu, conforme o ofício de 27 de janeiro de 1781, do Governador do Pará, José de Nápoles Tello de Menezes ao Ministro e Secretário de Estado, Martinho de Melo e Castro.

Características[editar | editar código-fonte]

A cidade de Viseu conta com 3 agências bancárias: Bradesco, BanPará e Banco do Brasil, além de uma lotérica. Possui 1 agência do INSS. Há 6 bairros na cidade: Centro, Mangueirão, Alto, Prainha, Piçarreira, Cidade Nova. Existe a região chamada APEVI, que algumas pessoas na cidade consideram como bairro mas isso não é oficial. O bairro maior e mais populoso é o Mangueirão, onde se encontra escolas, mercados, posto de saúde, sendo o mesmo bastante residencial. Há uma área de invasão adjacente a este bairro que ainda carece de uma boa infraestrutura.

A cidade conta com hotéis, restaurantes, supermercados, hospitais, feira, igrejas de diversas religiões. Infelizmente, o patrimônio histórico da cidade não é preservado da forma como deveria, sendo muitas construções antigas simplesmente jogadas ao chão sem que o poder público municipal interfira para manter e preservar estas construções históricas que muito contam sobre a história da cidade de Viseu. Os exemplos dessa falta de preservação são a antiga Igreja de São Sebastião, o antigo coreto da praça da Matriz, a antiga prefeitura que foi construída entre as décadas de 1950/1960 e diversos casarões antigos.

A cidade pode ser acessada tanto pelo transporte aéreo, pois há um capo de aviação próximo da comunidade de Caetecoeira, quanto por barcos. Mas o meio mais usado é o rodoviário. Para isso, pode-se usar a PA-102, a BR-308, sendo esta última a principal. Há praças como a praça da Matriz, praça da Prefeitura, praça da escola Mariano Antunes, praça do Hospital das Bem-Aventuranças, praça São Benedito, praça Madre Zariffe.

Clima[editar | editar código-fonte]

Dados climatológicos para Viseu Pará
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Temperatura máxima média (°C) 29,9 28,7 29,8 30,3 30,6 30,6 31,0 31,5 32,0 32,3 32,2 31,0
Temperatura média (°C) 26,2 25,7 26,3 26,0 26,3 26,2 26,5 26,8 27,1 27,3 27,5 26,7
Temperatura mínima média (°C) 22,6 22,7 22,8 21,7 22,1 21,9 22,1 22,2 22,2 22,4 22,8 22,4
Precipitação (mm) 182 312 431 376 296 222 159 65 13 5 8 50
Fonte: Climate Data.[6]

Tem clima equatorial Amazônico. De acordo com a Köppen e Geiger a classificação do clima é Aw. A temperatura média anual em Viseu é 26.5 °C. Pluviosidade média anual de 2119 mm.

Hino do município[editar | editar código-fonte]

Letra: Adriano Fernandes Gonçalves
Musica: Maestro Aniceto Cirino da Silva
I

Trazes contigo Viseu,

A origem varonil,

O sangue bravo da terra,

Dos maiores do Brasil

II

No verde das tuas matas,

Na imensidão do Gurupi,

No canto dos teus pássaros,

O futuro nos sorrir

III

Na galhardia da tua gente,

A expressão juvenil,

Tudo nos faz confiar,

Na grandeza do Brasil

IV

Invocando nossos maiores,

Cantamos a nossa história,

Certos de que um dia,

Viseu terá sua Gloria.

Povoados[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ABREU, J. Frontiers Beyond Abolition: the Legacy of Fugitive Slave Communities in Northern Brazil 1878-1950. Congress of the Latin American Studies Association, San Juan, Puerto Rico, May 27 - 30, 2015
  • ALMANAK ADMINISTRATIVO, MERCANTIL E INDUSTRIAL DO RIO DE JANEIRO. Estado do Pará: Municípios (Vizeu). Volume III, Rio de Janeiro, pág. 796 - 797, 1927.
  • ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PÚBLICO DO PARÁ. Tomo nono, Typ. E Encadernação do Instituto Lauro Sodré, Belém, 1916.
  • ANICETO, H. A. R. Corpos luminosos: uma operação militar em busca de respostas. 2ª ed., 249 p., Niterói, RJ, 2014.
  • AMORIM, M. A. Os Franciscanos no Maranhão e Grão-Pará. Missão e Cultura na Primeira Metade de Seiscentos. Lisboa, 2005.
  • ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO BRASIL. Acessado em 13 de dezembro de 2015. Disponível em <http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil_m/viseu_pa#ca racterizacao>.
  • BARROS, A. Vida do apostolico padre Antonio Vieyra da Companhia de Jesus, chamado por antonomasia o Grande : acclamado no mundo por principe des oradores evangelicos, prégador incomparavel dos augustissimos reys de Portugal, varão esclarecido em virtudes, e letras divines, e humanas; restaurador das missões do Maranhaõ, e Pará. Nova Officina Sylviana. Lisboa, M.D.C.C.X.L.V.I [1746].
  • BERREDO, B.P. Annaes Historicos do Estado do Maranhão, em que se dá Noticia do seu descobrimento, e tudo o mais que nelle tem sucedido desde o anno em que foy descuberto ate o de 1718: offerecidos ao augustissimo monarca D. Joao V. Nosso Senhor. Officina de Francisco Luiz Ameno, Lisboa, 1749.
  • BOLETIM DO MUSEU DO ÍNDIO. Relatórios do Antropólogo Darcy Ribeiro 1949/1950. N° 6, Rio de Janeiro, abril de 1997.
  • BORDALLO, B. Cronologia Bragantina: um capítulo na história da Amazônia (1500 – 1954).1ª edição, Coleção Bolívar Bordallo, Belém.
  • CASTRO, E. de. Diário da navegação de Pero Lopes de Sousa (de 1530 a 1532). Volumes I e II. Rio de Janeiro, Typographia Leuzinger, 1927.
  • CHAVES, Aloysio. Aspectos geo-humanos do Vale do Gurupi. Belém: Revista da Veterinária, 1946. 88 p.
  • CINTRA, J. P. Reconstruindo o Mapa das Capitanias Hereditárias. Anais do Museu Paulista. N. Sér. v.21. n.2. p. 11-45. jul.- dez. São Paulo, 2013.
  • CLEARY, D. Se fosse só na coragem: Quintino, bandido social e messias paraense. Anuário Antropológico /85, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1986.
  • COIMBRA, C. A Revolução de 30 no Pará: análise, crítica e interpretação da história. Conselho Estadual de Cultura, Belém, 1981.
  • COLEÇÃO ITERPA DE SESMARIAS. Volumes 1 a 20. Instituto de Terras do Pará. Belém, 2010.
  • COMISSÃO CAMPONESA DA VERDADE. Relatório Final: Violações de Direitos no Campo (1946 -1988), Brasília, 2014.
  • COSTA, J.L. et al. Projeto Gurupi. Relatório Final de Etapa, Volume I, Departamento Nacional de Produção Mineral, Superintendência Regional de Belém, 1975.
  • COSTA, M. L. Geologia, Mineralogia, Geoquímica e Gênese dos Fosfatos de Jandiá, Cansa Perna, Itacupim no Pará e Pirocaua e Trauira no Maranhão. Tese de Mestrado. Núcleo de Ciências Geofísicas e Geológicas, Universidade Federal do Pará, Belém, 1979.
  • COSTA, M.L & SOUZA, V.S. O Encanto da Crosta Laterítica da Pedra Grande. Anais do III Simpósio de Geologia da Amazônia, Belém, Pará, 1991.
  • COSTA, M.L., FERNÁNDEZ, O.C., TOLEDO, M.C.M., PASSOS, C.M. & PEREIRA, P.F. A turquesa de Itacupim, Pará. R. Esc. Minas, 57(4): 261 – 266, out – dez, Ouro Preto, 2004.
  • CRUZ, M.S. Cururupu: origem e evolução: cultura, ambiente, história e economia. Cururupu, Maranhão, 2009.
  • DODT, G. L. G. Descrição dos rios Parnaíba e Gurupi. Editora da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1981.
  • DONATO, H. Dicionário das Batalhas Brasileiras. Editora Bibliex Ibrasa, 2ª ed., São Paulo, 2001.
  • ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. Planejada e orientada por Jurandyr Pires Ferreira, Presidente do IBGE. 1957.
  • FARIAS, R. H. M. de. Civilizar e Desenvolver: duas faces da Intervenção Militar em Áreas Internas do Brasil. Séculos XIX e XX. CLIO – REVISTA DE PESQUISA HISTÓRICA n. 29.2, 2011.
  • FERNANDES, L.S., CARVALHO, P.S. & FIGUEIRA, N. Uma nova ara votiva de Viseu (Beira Alta, Portugal). Sylloge Epigraphica Barcinonensis (SEBarc), VI, pp. 185-189, Barcelona, 2008.
  • FERREIRA, O.N.P. O Município de Viseu e seus Administradores. Em comemoração ao Centenário de Emancipação Política da Cidade. 1995.
  • FONSECA, A.R. da. Análise histórica e prospectiva do interesse internacional sobre a região amazônica e seus reflexos para a reestruturação das organizações militares do Comando Militar da Amazônia e do Norte, à luz da Estratégia Braço Forte. Trabalho de Conclusão de Curso. Escola de Comando e Estado-Maior do Exército. Rio de Janeiro, 2014.
  • GOMES, F. S. A hidra e os pântanos: mocambos, quilombos e comunidades de fugitivos no Brasil (Séculos XVII-XIX). São Paulo: Unesp; Polis, 2005.
  • HURLEY, Jorge a. Nos sertões do Gurupy. Belém: Off.Graphicas do Instituto Lauro Sodré, 1928. 70 p.
  • ____________b. Rio Gurupy: (terceiro capitulo, inédito, do livro Nos Sertões de Gurupy, publicado em 1928). Belém, PA: Off. Graphicas do Instituto D. Macedo Costa, 1922. 42 p.
  • HUXLEY, F. Selvagens amáveis: uma antropologista entre os índios Urubu do Brasil. Tradução Japi Freire. São Paulo: Companhia Editora Nacional; 1963. 321 p.
  • IGREJA, H. L. S. Estudo Geológico da Sequência Camiranga, Nordeste do Pará. Tese de Doutorado. Curso de Pós-Graduação em Ciências Geofísicas e Geociências. Universidade Federal do Pará. Belém, 1985.
  • INSTITUTO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO-SOCIAL DO PARÁ; SERVIÇO FEDERAL DE HABITAÇÃO E URBANISMO (BRASIL). Relatório preliminar de desenvolvimento integrado do Município de Viseu. Belém: IDESP, 1970. 92p.
  • INSTITUTO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, SOCIAL E AMBIENTAL DO PARÁ. Acessado em 13 de dezembro de 2015. Disponível em <http://www.idesp.pa.gov.br/index.php/todas-as-publicacoes/9-fapespa-divulga/155-sintese-de-idhm-para>.
  • O ESTADO DE SÃO PAULO. Guerra do Gatilheiro Quintino (2010). Acessado em 9 de dezembro de 2015. Disponível em < http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,guerra-do-gatilheiro-quintino-imp-,655612>.
  • KLEIN,E.L. & MOURA, C.A. Síntese Geológica e Geocronológica do Cráton São Luís e do Cinturão Gurupi na Região do Rio Gurupi (NE-Pará / NW-Maranhão). Revista do Instituto de Geociências – USP, v. 3, p. 97-112, São Paulo, 2003.
  • KLEIN,E.L. Evolução Geológica Pré-Cambriana a Aspectos da Metalogênese do Ouro do Cráton São Luís e do Cinturão Gurupi, NE-Pará / NW-Maranhão, Brasil. Tese de Doutorado, Centro de Geociências, Universidade Federal do Pará, 2004.
  • LE COINTE, P. O Estado do Pará: a terra, a água e o ar, a fauna e a flora, minerais. Companhia Editora Nacional, Rio de Janeiro, 1945.
  • LEITE, S. História da Companhia de Jesus no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1943. t. 3
  • LIMA, J. A. Saúde e População da Região do Gurupi (Pará-Maranhão).Boletim DNPM nº 42. Rio de Janeiro, 1939.
  • LISBOA, M.A. A bacia do Gurupi e as suas minas de ouro. Boletim DNPM/SFPM, Rio de Janeiro, n.7, 1935.
  • LOUREIRO, V. R.. Estado, bandidos e heróis: utopia e conflito na Amazônia. Belém: Ed. Cejup, 2001.
  • MANESCHY, M. C. Ajuruteua, uma comunidade pesqueira ameaçada. Universidade Federal do Pará/Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Belém, 1995.
  • MAPA DE JOÃO TEIXEIRA (1640). Disponível em <http://www.brasil-turismo.com/para/imagens/para-albernaz.jpg>. Acessado em 04 de dezembro de 2015.
  • MEIRELES, M., João de Barros, Primeiro Donatário do Maranhão. São Luís, 1996, p. 50.
  • MICHAELIS: Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. Companhia Melhoramentos, São Paulo, 1998.
  • MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Caderno da Região Hidrográfica Atlântico Nordeste Ocidental. Secretaria de Recursos Hídricos, Brasília, 2006.
  • MORAES, A.J.M. Corographia historica, chronographica, genealogica, mobiliaria e politica do Império do Brasil. Typographia Brasileira, Tomo III, Rio de Janeiro, 1859.
  • MOURA, P. de: Rio Gurupy. Boletim nº 78, Serviço Geológico e Mineralógico, Ministério de Agricultura. Rio de Janeiro 1936.
  • NEVES, J. d ‘Arc de V. Projetos vividos representações construídas: as representações sociais que mulheres e homens do assentamento CIDAPAR possuem sobre os saberes que buscam na escola para os seus projetos de vida. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Pará, 2007.
  • PAIVA. G., SOUZA, H.C.A. & ABREU, S.F. Ouro e Bauxita na Região do Gurupy. Boletim do Serviço de Fomento da Produção Mineral, Rio De Janeiro: n. 13, 1937.
  • PREFEITURA MUNICIPAL DE VISEU. Estudo e Proposta para Tratamento de Resíduos Sólidos da Cidade de Viseu. Belém, 1997.
  • Relatorio apresentado ao Exm. Sr. dr. Francisco Maria Corrêa de Sá e Benevides pelo exm. senr. dr. Pedro Vicente de Azevedo, por occasião de passar-lhe a administração da província, no dia 17 de janeiro de 1875. Pará: Typ. de F. C. Rhossard, 1875.
  • RIBEIRO, D. Diários índios. Os Urubus-Kaapor. São Paulo, Companhia das Letras, 1996. 627 páginas.
  • SALLES, V. O Negro no Pará, sob o regime da escravidão. Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1971.
  • ____________.Memorial da Cabanagem: esboço do pensamento político-revolucionário no Grão-Pará. Belém: Cejup, 1992. p.160.
  • SANTOS, J.U.M., AMARA, D.D., GORAYEB, I.S., BASTOS, M.N.C., SECCO, R.S., NETO, S.V.C. & COSTA, D.C.T. Vegetação da área de proteção ambiental Jabotitiua-Jatium, município de Viseu, Pará, Brasil. ACTA Amazônia 2003.
  • SANTOS, G.M.O. Um saber semioticamente construído: a visão de mundo no léxico do Quilombo Jamary dos Pretos – Turiaçu/Ma. Tese de Doutorado, Departamento de Letras Vernáculas, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2013.
  • SANTOS, A.M. Políticas públicas educacionais em áreas de RESEX Marinha: caso Gurupi – Piriá/Viseu-Pa. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Pará, Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, Belém, 2015.
  • SIADE, J.V. A ordem social de Apeú Salvador/Pará e a problemática do tradicional e do moderno na Amazônia. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 2, n. 3, p. 63-95, set-dez, Belém, 2007.
  • SILVA, M. E. P. Socialização de Agricultoras no Movimento de Mulheres do Nordeste Paraense. Dissertação de Mestrado, Núcleo de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural. EMBRAPA, Belém, 2008.
  • SILVA, R.G. Entre o tambor e a aparelhagem: mudanças sonoras na Festividade de São Benedito de João Grande em Viseu na década de 80. Plano de Formação de Professores, Universidade Federal do Pará, Bragança, 2014.
  • SOUSA, Pêro Lopes de. Diário da navegação da armada que foi á terra do Brasil em 1530 sob a Capitania-Mor de Martin Affonso de Souza. Lisboa: Publicação de Francisco Adolpho Varnhagen, 1839.
  • SOUSA, I.S. Aviamento e Reciprocidade: estudo da vila de pescadores Apeú Salvador – Viseu. Dissertação de Mestrado, Departamento de Antropologia, Universidade Federal do Pará, Belém, 2000.
  • SOUZA, E.L., KOTSCHOUBEY, B. & LIMA, W. N. Indicadores geoquímicos do intemperismo atual na Serra do Piriá, Nordeste do Pará. Geochimica Brasiliensis,15 (1/2): 049-063, 2001.
  • TAVARES, M. G. C. A formação territorial do espaço paraense: dos fortes à criação de municípios. Revista Acta Geográfica, ano II, n° 3 jan/jun, p. 59-83, 2008.
  • TOLEDO, M.C.M., OLIVEIRA, S.M.B. COSTA, M.L.,PASSOS,C.M. & ALMEIDA,H.D.F. Evolução do manto de intemperismo laterítico rico em fosfatos na Ilha de Itacupim (PA) – Mineralogia, Micromorfologia e Geoquímica. Pesquisas em Geociências, 33(2): 109 – 122, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.
  • TRIBUNA OPERÁRIA. Ano V, n° 180, de 13 a 19 de agosto de 1984.
  • TRIBUNA OPERÁRIA. Ano VI, n° 199, de 7 a 13 de janeiro de 1985.
  • VIEGAS, Gaspar. Mapa (1534). Disponível em: <http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_cartografia/cart376284/cart376284.jpg>, acesso em 25 de Novembro de 2015.
  • VIEIRA, A. CARTA XVI Ao Rei D. João IV. Disponível em http://www.consciencia.org/carta-de-padre-antonio-vieira-ao-rei-d.joao-iv-1655. Acessado em 25 de novembro de 2014.
  • YVES D’EVREUX. Viagem ao Norte do Brasil feita nos anos de 1613 e 1614. Traduzida por Cezar Augusto Marques. Maranhão, 1874.}}

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010. 
  3. «Estimativa populacional 2017» (PDF). Estimativa populacional 2017. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2017. Consultado em 2 de janeiro de 2017. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 22 de setembro de 2013. 
  5. a b «PIB Municipal 2010-2014». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 2 jan. 2017. 
  6. «Clima: Viseu». Climate Data. Consultado em 23 de outubro de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]