Vissarion Belinski

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Vissarion Belinski
Nascimento 30 de maio de 1811
Fortaleza de Suomenlinna
Morte 26 de maio de 1848 (36 anos)
São Petersburgo
Sepultamento Literatorskie mostki
Cidadania Império Russo
Etnia Russos
Alma mater Universidade Estatal de Moscou
Ocupação filósofo, escritor, crítico literário, jornalista
Causa da morte tuberculose
Assinatura
Vissarion Belinsky (signature).jpg

Vissarión Grigórievitch Belínski (em russo: Виссарио́н Григо́рьевич Бели́нский; Sveaborg, 30 de maio de 1811São Petersburgo, 26 de maio de 1848) foi um ensaísta, escritor, crítico literário e filósofo russo.

Filho de um médico militar no Exército Russo de guarnição no território finlandês. Fez os estudos secundários em Penza e ingressou, em 1829, na Universidade de Moscovo. Foi expulso três anos depois, por ter escrito Dmitri Kalinin, uma peça de teatro que atacava a instituição da servidão. Começou então a trabalhar como jornalista, escrevendo artigos críticos para os jornais mais proeminentes da época.

Tendo adoecido gravemente com tuberculose, passou uma temporada em convalescença, no Cáucaso e, de regresso a Moscovo, tornou-se editor do Moskovski Nabliudatel, entre 1838 e 1839. Mudou-se depois para São Petersburgo, publicando em 1841 um ensaio em que exprimia as suas ideias sobre a arte, utilitária no seu modo de ver e potencial reformadora da sociedade. Juntou-se a uma tertúlia de escritores progressistas, que incluía nomes como Ivan Turgenev e Ivan Goncharov.

Entre 1843 e 1846 publicou onze ensaios sobre Pushkin, louvando o seu poema Evgueni Onegin como uma verdadeira "enciclopédia da vida russa". Procurando adivinhar na obra de Nicolai Gogol um ataque aos valores conservadores, desiludiu-se ao confirmar que este recusava o modernismo. Escreveu, pois, uma carta aberta a Gogol, que foi censurada pelas autoridades, acabando no entanto por ter grande circulação a nível privado, e tornando-se num verdadeiro manifesto dos liberais russos. Dostoiévski foi preso na altura em que procedia a um leitura no círculo de Petrashevski. Por esses crimes Dostoiévski foi preso e condenado à morte em 1849, uma sentença mais tarde comutada para quatro anos de encarceramento em campos de prisioneiros da Sibéria. [1]

Continuando a sofrer de tuberculose, Belínski partiu para Berlim em Maio de 1847, regressando a São Petersburgo em Novembro do mesmo ano. Escreveu ainda durante algum tempo para o Sovremennik, vindo a falecer da doença a 7 de Junho de 1848. Embora tivesse profetizado a vinda da grande era da literatura russa, não sobreviveu para presenciar o grande triunfo das obras de Fiódor Dostoiévski, Liev Tolstói e Ivan Turgueniev. Sepultado no Cemitério de Volkovo, em São Petersburgo.

Referências

  1. "Dostoevsky", Joseph Frank, paginas 157-173.
  • Wahba, Magdi (1978). Vissarion Belinsky and the Dilemma of Nationality. Cairo, Egito: Cairo Studies in English, vol. XXXII