Viva (Camisa de Vênus)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Viva
Álbum ao vivo de Camisa de Vênus
Lançamento 1986
Gravação 8 de Março de 1986
Gênero(s) Punk rock
Duração 44:29 (LP)
59:49 (CD)
Idioma(s) Português
Formato(s) LP, CD (relançamento)
Gravadora(s) RGE
Produção Pena Schmidt e Camisa de Vênus
Cronologia de Cronologia ao vivo por Camisa de Vênus
Plugado!
(1995)

Viva é o primeiro álbum ao vivo da banda brasileira Camisa de Vênus, lançado em 1986. O disco é o registro parcial da gravação de um show da banda no "Caiçara Music Hall", em Santos, no dia 8 de março de 1986.[1] Este álbum foi realizado como forma de encerrar o contrato que a banda tinha com a gravadora RGE, conforme ficou acordado com o que viria a ser a nova gravadora deles, a WEA.[2]

Este é um dos primeiros discos nacionais a conter palavrões e imperfeições técnicas, como microfonia, tendo em vista que ele não passou por técnicas de remixagem (como overdubs, por exemplo).[3] Possui 5 músicas não lançadas em álbuns de estúdio até então: Homem Forte, Solução Final, Rotina, My Way e Silvia.

Histórico[editar | editar código-fonte]

André Midani (diretor da gravadora WEA, na época) assistiu a um show da banda e, impressionado, foi ao camarim perguntar o que ele tinha de fazer para "contratar aquele insulto". A banda percebe que poderia ter liberdade para fazer o que realmente desejava na gravadora de Midani e acerta a realização de um álbum ao vivo gravado a partir de um show da turnê de 1986, que seria produzido por alguém indicado pelo diretor, como forma de encerrar o contrato que tinham com o selo RGE.[2]

Pena Schmidt acabou sendo o indicado, iniciando uma parceria que duraria até o fim do Camisa de Vênus em 1987 (entretanto, ele acabaria produzindo ainda o primeiro disco da carreira solo de Marcelo Nova).[2]

Censura[editar | editar código-fonte]

Como já tinha alguma experiência com músicas suas sendo censuradas[4], Marcelo Nova decide, aproveitando a redemocratização em 1985, não enviar o álbum à apreciação da Censura. O álbum foi lançado em meados de 1986 e, quando já encontrava-se com cerca de 40 mil cópias vendidas, foi recolhido pela Polícia Federal por ordens da Censura. O próprio Marcelo Nova presenciaria a ação da Polícia Federal enquanto olhava as novidades em uma loja de discos de São Paulo.[4]

Após este episódio, o álbum teve oito de suas dez músicas censuradas por conterem linguagem inapropriada. Entretanto, apesar da proibição de execução radiofônica e, talvez, devido ao impulso conseguido com as notícias da censura do álbum, suas vendas atingem a marca de 180 mil.[4] É o segundo álbum ao vivo mais vendido do rock nacional dos anos 80, só perdendo para o disco Rádio Pirata Ao Vivo, do RPM.[5]

Relançamento em CD[editar | editar código-fonte]

Em 1992, o álbum foi relançado em CD, entretanto foi retirada a música Rotina, bem como foi cortado o discurso que Marcelo Nova fazia antes de Silvia, em "homenagem" ao Dia Internacional da Mulher (o show ocorreu no dia 8 de março de 1986).[1]

Foram adicionadas faixas como bônus, entretanto elas são apenas as versões de estúdio já presentes no primeiro e no segundo álbuns da banda.

Faixas[editar | editar código-fonte]

LP Original[editar | editar código-fonte]

N.º Título Compositor(es) Duração
1. "Eu Não Matei Joana D'Arc"   Gustavo Mullem / Marcelo Nova 4:28
2. "Hoje"   Karl Hummel / Marcelo Nova 4:28
3. "Homem Forte"   Karl Hummel / Marcelo Nova 3:49
4. "Solução Final"   Karl Hummel / Marcelo Nova 3:22
5. "Rotina"   Karl Hummel/ Gustavo Mullem / Marcelo Nova 4:42
6. "My Way"   Anka / François / Revaux / Thimbault / Marcelo Nova 4:43
7. "Bete Morreu"   Marcelo Nova / Robério Santana 2:50
8. "Silvia"   Marcelo Nova / Robério Santana 5:16
9. "Metástase"   Karl Hummel / Marcelo Nova 5:04
10. "O Adventista"   Karl Hummel / Marcelo Nova 5:42

Relançamento em CD[editar | editar código-fonte]

N.º Título Compositor(es) Duração
1. "Eu Não Matei Joana D'Arc"   Gustavo Mullem / Marcelo Nova 4:25
2. "Hoje"   Karl Hummel / Marcelo Nova 5:30
3. "My Way"   Anka / François / Revaux / Thimbault / Marcelo Nova 4:44
4. "Bete Morreu"   Marcelo Nova / Robério Santana 2:49
5. "Silvia"   Marcelo Nova / Robério Santana 4:15
6. "Metástase"   Karl Hummel / Marcelo Nova 5:15
7. "O Adventista"   Karl Hummel / Marcelo Nova 5:28
8. "Solução Final"   Karl Hummel / Marcelo Nova 3:20
9. "Homem Forte"   Karl Hummel / Marcelo Nova 3:46
10. "Negue"   Adelino Moreira / Enzo de Almeida Passos 4:04
11. "Dogmas Tecnofacistas"   Karl Hummel / Marcelo Nova 1:59
12. "Lena"   Karl Hummel / Marcelo Nova 4:49
13. "Gothan City"   Capinan / Macalé 3:30
14. "Ladrão de Banco"   Gustavo Mullen / Karl Hummel / Marcelo Nova 3:32
15. "Batalhões de Estranhos"   Karl Hummel / Marcelo Nova 2:27
16. "Coiote no Cio (Tema da Pantera Cor-de-Rosa)"   Henry Mancini 0:56

Banda[editar | editar código-fonte]

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

  • Produzido por - Pena Schmidt e Camisa de Vênus
  • Gravado no Caiçara Music Hall - Santos SP - 8 Março 1986
  • Som - Roberto Ramos
  • Instrumentos - Baca
  • Gravação - Unidade Móvel "Nas Nuvens"
  • Engenharia de Gravação - Pena Schimidt e Ricardo Garcia
  • Assistente - Arthur Bello
  • Mixagem - Estúdio Mosh
  • Engenheiro - Ricardo Franja Carvalho
  • Assistente - Luis Paulo e Rui
  • Capa - Isabelle Van Oost
  • Foto - Rui Mendes

Referências

  1. a b «Ficha técnica». Consultado em 06 de maio de 2011  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. a b c «Citações de Camisa de Vênus». Consultado em 06 de maio de 2011  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. Luis Augusto Conde. «Depoimento: Marcelo Nova por Luis Augusto Conde». Consultado em 06 de maio de 2011  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  4. a b c FARIA, Tiago (27 de abril de 2010). «Especial calem-se - A tesoura enfrenta a guitarra». Correio Braziliense. Consultado em 6 de maio de 2011 
  5. Wladimyr Cruz. «Camisa de Vênus - Viva». Consultado em 6 de maio de 2011