Vladimir Netto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Vladimir Netto
Vladimir Netto (cropped).png
Biografia
Nascimento
Conhecido por
Publicar um livro sobre o juiz federal Sergio Moro e pelas coberturas jornalísticas à Operação Lava Jato.
Cidadania
Alma mater
Atividades
Mãe

Vladimir de Almeida Leitão Netto (Caratinga, 3 de agosto de 1973) é um jornalista brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Vladimir é filho dos jornalistas Marcelo Netto e Miriam Leitão, irmão do também jornalista Matheus Leitão.[1] Vladimir nasceu em Caratinga, Minas Gerais.[2] Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), passou pelas redações de Jornal do Brasil, Veja e O Globo.[3][4]

Em 2009, conseguiu um furo de reportagem sobre o esquema chamado Mensalão do DEM, onde vídeos do então governador José Roberto Arruda mostraram ele recebendo maços de dinheiro em seu gabinete.[5]

Ganhou notoriedade ao escrever e publicar em 21 de junho de 2016 um livro sobre o juiz federal Sergio Moro e pela cobertura à Operação Lava Jato.[6][7][8] A obra de Netto tornou-se a mais popular dentre as que foram lançadas a respeito do juiz e em agosto de 2016 foi o livro mais vendido na categoria não ficção, posto que pertencia ao Padre Marcelo Rossi desde janeiro.[9] Vladmir é repórter da Rede Globo e vice-presidente da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji).[3]

No mesmo mês, o cineasta José Padilha comprou os direitos da obra de Vladimir, sendo que o conteúdo foi usado no roteiro da série "O Mecanismo" da Netflix. Tal seriado apresenta o escândalo de corrupção na Petrobras, estreando em 2018.[6][10]

Atualmente mora em Brasília com a esposa e também jornalista, Giselly Siqueira,[2] e as duas filhas, Manuela e Isabel.[3]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Vaza Jato

Vladimir é citado no livro Vaza Jato (lançado pela Intercept Brasil com base em material recebido de fonte anônima contendo conversas trocadas pelos procuradores e juízes envolvidos na Operação Lava Jato no aplicativo Telegram), a citação[11] revela que Deltan Dallagnol se consultou com Vladimir sobre pedindo uma orientação sobre uma nota que seria divulgada pelos procuradores da operação Lava Jato. Por ajudar uma fonte, o livro aponta desvio de conduta do jornalista além de demonstrar como os procuradores agiam para dar publicidade às ações vazando informações para a imprensa. O diálogo faz parte do material apreendido pela Polícia Federal no curso da chamada operação "spoofing"[12].

O jornalista nega a autenticidade das conversas com Dallagnol, todavia, no julgamento da suspeição do ex-juiz Sérgio Moro, no Supremo Tribunal Federal (STF), o Ministro Gilmar Mendes citou especificamente o jornalista, dizendo que “havia um tipo de consórcio com a mídia, um tipo de assessoria de imprensa fornecida pela mídia em relação à força tarefa”[13].

Em março de 2020, o Supremo julgou a suspeição do então juiz da Lava-Jato, Sérgio Moro nos processos que envolviam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).[14] Ao votar pela suspeição de Moro no caso, o ministro Gilmar Mendes citou uma conversa de Vladimir com Deltan Dallagnol para evidenciar o que Gilmar chamou de "um consórcio com a mídia, um tipo de assessoria de imprensa fornecida pela mídia em relação à força tarefa."[15]

Premiações[editar | editar código-fonte]

  • Embrapa de Reportagem, em 2008;[3]
  • Rede Globo de Jornalismo, em 2009;[3]
  • Rede Globo de Grande Furo de Reportagem, em 2012;[3]
  • Jornalistas & Cia/HSBC de Imprensa e Sustentabilidade, em 2013;[3]
  • Furo de Reportagem, no Jornal Nacional, em 2013;[3]
  • Melhor Reportagem no Bom Dia Brasil, em 2014;[3]
  • Prêmio de Melhor Reportagem do Jornal Hoje, 2015, por ter revelado documentos de contas no exterior atribuídas a Eduardo Cunha e, em equipe, o de Grande Cobertura pelo noticiário sobre a Operação Lava Jato.[3]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rondinelli Tomazelli (22 de agosto de 2014). «"Eu poderia nem ter nascido", diz filho de Miriam Leitão». Gazeta Online. Consultado em 22 de setembro de 2016 
  2. a b Racy, Sonia (2019). «Assessora de imprensa de Moro pede demissão do Ministério da Justiça». Estadão. Cópia arquivada em 9 de julho de 2019 
  3. a b c d e f g h i j Ricardo Brandt e Fausto Macedo. «A Lava Jato, detrás das câmeras». Estadão. Consultado em 18 de dezembro de 2016 
  4. Lacerda, Lu (8 de julho de 2016). «Vladimir Netto lança 'Lava Jato' no fervor da Operação». Lu Lacerda. iG. Consultado em 10 de março de 2021 
  5. «Há exatos 10 anos, começava a Operação Caixa de Pandora». Metrópoles. 27 de novembro de 2019. Consultado em 15 de novembro de 2021 
  6. a b «Repórter da Globo, Vladimir Netto revela bastidores da Lava Jato em livro». Terra. 22 de junho de 2016. Consultado em 18 de dezembro de 2016 
  7. «Jornalista Vladimir Netto lança livro sobre Sergio Moro e os bastidores da Lava-Jato». Correio Braziliense. 5 de julho de 2016. Consultado em 18 de dezembro de 2016 
  8. Estelita Hass Carazzai (21 de junho de 2016). «Lançamento de livro vira celebração para Moro e Lava Jato». Folha de S. Paulo. Consultado em 18 de dezembro de 2016 
  9. Leonardo Neto (14 de setembro de 2016). «Moro derruba padre Marcelo na lista Nielsen PublishNews». PublishNews. Consultado em 18 de dezembro de 2016 
  10. «José Padilha: O mecanismo agradece». Folha de S.Paulo. 1 de abril de 2018 
  11. Simonard, Juca (23 de novembro de 2020). «Livro sobre Vaza Jato mostra assessoria de jornalistas da Globo para Dallagnol». Brasil 247. Consultado em 28 de dezembro de 2020 
  12. «Conversa entre procuradores da "lava jato" mostra uso estratégico de vazamentos». Consultor Jurídico. Consultado em 9 de março de 2021 
  13. Nogueira, Kiko (9 de março de 2021). «VÍDEO: Gilmar expõe diálogos da Lava Jato com Vladimir Netto, filho de Míriam Leitão». Diário do Centro do Mundo. Consultado em 9 de março de 2021 
  14. «Gilmar e Lewandowski votam pela suspeição de Moro; decisão é adiada após pedido de Nunes Marques». G1. 9 de março de 2021. Consultado em 10 de março de 2021 
  15. Nogueira, Kiko (9 de março de 2021). «VÍDEO: Gilmar expõe diálogos da Lava Jato com Vladimir Netto, filho de Míriam Leitão». Diário do Centro do Mundo. Consultado em 10 de março de 2021 
  16. «Lava Jato». Editor Sextante. Consultado em 18 de dezembro de 2016 
  17. Programa do Jô | Vladimir Netto fala sobre o livro com histórias dos bastidores da Operação Lava Jato | Globoplay, consultado em 10 de março de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]