Vocal trance

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Vocal trance é um subgénero da música trance. Contém intro/outros e grandes sessões melódicas semelhantes às do Hard Trance e do Progressive Trance. O subgenéro foi criado na década de 1990 quando o próprio género Trance se estava a desenvolver e os vocais a tornarem-se parte do mesmo.

Uma faixa tipíca de Vocal Trance começa com batidas progressivas, seguindo-se de partes melódicas com vocais que na sua maioria são femininos e quando se aproxima o outro, as melodias vocais vão progressivamente desaparecendo e obtemos algo parecido com o Intro, registando apenas algumas diferenças. Para além desta constituição, mais tarde vários artistas optaram por não seguir esta ordem na construção da sua música.

O Vocal Trance utiliza a participação vocal de artistas independentes que já têm o seu próprio género definido, fazendo os "feautures" ou já tem próprios artistas exclusivos e definidos para o género.

O Vocal Trance tornou-se marioritariamente popular na Europa, principalmente nos maiores países produtores do mesmo: Bélgica, Países Baixos, Suécia, Alemanha e Reino Unido.

As primeiras produções de Vocal Trance, assemelhavam-se mais ao Uplifting Trance, Progressive Trance e Progressive House, enquanto que as mais modernas apresentam características mais comerciais e mais parecidas com o Pop.

A adição de vocais às musicas não so permitiu tornar as musicas cantáveis, mas só como em nível de libertação de espírito, tornou as canções com um significado mais profundo,levando o ouvinte numa verdadeira viagem quando ouve as músicas.

Vocal Trance na Europa Durante o período de 1997-2003 o género tornou-se popular por toda a Europa e ganhou bastante airplay em vários canais musicais de toda a Europa. Após 2004, o surgimento do Electro e a ascensão do House fizeram com que o género viesse a perder a sua popularidade, airplay nas rádios e televisões e com que alguns artistas mudassem o seu estilo para uma onda mais Techno e Electro gerando fortes críticas pelos fãs do genéro.

Vocal Trance Nos E.U.A Os únicos artistas notáveis de Vocal Trance a obter algum sucesso na Billboard Hot 100 foram Cascada, Lasgo e Ian Van Dahl, tendo a primeira um Top 10, os Segundos um Top 30 e os terceiros um top 90. De resto o sucesso apenas se contou na Billboard Hot Dance (airplay e vendas) e Billboard Eletronic Albums e nos tops de Pop.

Aristas que antigiram boas posições na Billboard Hot Dance: Kate Ryan, Milk Inc., Fragma, Jessy e ATB.

Vocal Trance em Portugal Em Portugal o Vocal Trance esteve nos respectivos anos que esteve na Europa. Os anos do seu auge foram entre mais ao menos 1999 e 2003. Os artistas a obter maior sucesso no país foram Kate Ryan com Désenchanteé, Libertine e Only If I. Milk Inc. com Walk On Water, Ian Van Dahl com Castles In The Sky, Will I?,Reason e Try. Lasgo também obtiveram bastante airplay com Something e Pray, igualmente como ATB E ATC principalmente no ano 2000 e 2001.

Artistas de Vocal Trance