Volume (computação)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Em armazenamento de dados computacionais, um volume ou unidade lógica é uma única área de armazenamento acessível com um único sistema de arquivos, geralmente (embora não necessariamente) residente em uma única partição do disco rígido. Embora um volume possa ser diferente de uma unidade de disco física, ainda pode ser acessado com a interface lógica de um sistema operacional. No entanto, um volume difere de uma partição.

Diferenças entre volume e partição[editar | editar código-fonte]

Um volume não é a mesma coisa que uma partição. Por exemplo, um disquete pode estar acessível como um volume, mesmo que não contenha uma partição, pois os disquetes não podem ser particionados com o software de computador mais moderno. Além disso, um sistema operacional pode reconhecer uma partição sem reconhecer nenhum volume associado a ela, como quando o sistema operacional não pode interpretar o sistema de arquivos armazenado nela. Essa situação ocorre, por exemplo, quando sistemas operacionais baseados no Windows NT encontram discos com partições de sistemas operacionais não Microsoft, como o sistema de arquivos ext3, comumente usado no Linux. Outro exemplo ocorre no mundo da Intel com a "Partição estendida". Embora sejam partições, elas não podem conter diretamente um sistema de arquivos. Em vez disso, "unidades lógicas" (também conhecidas como volumes) devem ser criadas dentro delas. Esse também é o caso dos volumes NetWare que residem dentro de uma única partição. Em resumo, os volumes existem no nível lógico do SO e as partições no nível físico, específico da mídia. Às vezes, há uma correspondência individual, mas isso não é garantido.

No Microsoft Windows Server 2008 e em diante, o termo "volume" é usado como um superconjunto que também inclui "partição".[1][2][3]

Não é incomum ver um volume compactado em um único arquivo. Os exemplos incluem imagens de disco ISO9660 (imagens de CD/DVD, comumente chamadas "ISOs") e volumes do instalador para Mac OS X (DMGs). Como esses volumes são arquivos que residem em outro volume, certamente não são partições.

Exemplo[editar | editar código-fonte]

Este exemplo refere-se a um sistema Windows XP com dois discos rígidos físicos. O primeiro disco rígido possui duas partições, o segundo possui apenas uma. A primeira partição do primeiro disco rígido contém o sistema operacional. Os pontos de montagem foram deixados com os padrões.

Disco físico Partição Sistema de arquivos Letra da unidade
Disco Rígido 1 Partição 1 NTFS C:
Partição 2 FAT32 D:
Disco Rígido 2 Partição 1 FAT32 E:

Neste exemplo,

  • "C:", "D:" e "E:" são volumes.
  • Disco Rígido 1 e Disco Rígido 2 são discos físicos.
  • Qualquer um desses pode ser chamado de "unidade" ("drive").

Referências

  1. «Understanding Disk Terminology». Microsoft Corporation. Consultado em 10 de junho de 2014. Partition A portion of the hard disk. In many cases, this is the entire hard disk space, but it needn't be. Volume A unit of disk space composed of one or more sections of one or more disks. Prior versions of Windows Server used volume only when referring to dynamic disks, but Windows Server 2008 uses it to mean partitions as well. 
  2. «Partitions and Volumes». Microsoft Corporation. Consultado em 10 de junho de 2014. In Windows Server 2008 the distinction between volumes and partitions is somewhat murky. When using Disk Management, a regular partition on a basic disk is called a simple volume, even though technically a simple volume requires that the disk be a dynamic disk. 
  3. «Use Built-In Tools to Create Partitions and Volumes in Windows Server». Microsoft Corporation. 18 de junho de 2008. Consultado em 10 de junho de 2014. Windows Server 2008 simplifies the Disk Management user interface by using one set of dialog boxes and wizards for both partitions and volumes.