Voo Metrojet 9268

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Voo Metrojet 9268
Acidente aéreo
Airbus A321-231 MetroJet EI-ETJ.JPG
Aeronave envolvida no acidente, fotografada em agosto de 2014, em Bangkok.
Sumário
Data 31 de outubro de 2015 (1 ano)
Causa Explosão a bordo, sob investigação[1]
Local Sinai
 Egito
Coordenadas 30° 15' 06" N 34° 17' 08" E
Origem Egito Aeroporto Internacional de Sharm el-Sheikh
Destino Rússia Aeroporto de Pulkovo
Passageiros 217[2]
Tripulantes 7[2]
Mortos 224[3][4]
Sobreviventes nenhum[5]
Aeronave
Modelo Airbus A321-231
Operador Metrojet
Prefixo EI-ETJ
Primeiro voo 1997

Voo Metrojet 9268 (IATA: 7K9268, ICAO: KGL9268) foi um voo comercial fretado,[6] operado pela companhia aérea russa Metrojet, que caiu no norte do Sinai em 31 de outubro de 2015 as 06:13 UTC+2 (04:13 UTC),[7] após sua saída do Aeroporto Internacional de Sharm el-Sheikh, Egito, em rota para o Aeroporto de Pulkovo, Rússia.[8][9][10] A aeronave, um Airbus A321-231, estava carregando 217 passageiros e sete tripulantes.[11][12]

A bordo havia 219 russos, quatro ucranianos e um bielorrusso.[11] A possibilidade de que uma bomba foi colocada na aeronave levou várias companhias a suspender voos para esse aeroporto.[13] Com a morte de 224 pessoas,[11] o acidente é o mais mortal na história da aviação russa[14] e ocorrido em território egípcio.[15] É também o acidente aéreo mais mortal envolvendo uma aeronave da família Airbus A320, o acidente aéreo mais mortal em 2015[16] e o segundo atentado terrorista em aeronaves mais mortífero, após o voo Pan Am 103 em 1988.[17]

Logo após o acidente, o ramo do Sinai do grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante, anteriormente conhecido como Ansar Bait al-Maqdis, reivindicou a responsabilidade pelo incidente, que ocorreu nas imediações da insurgência no Sinai.[18][19] Quatorze dias após o acidente, o Estado Islâmico executou os ataques de novembro de 2015 em Paris. O grupo terrorista reivindicou a responsabilidade no Twitter, em vídeo, e em uma declaração feita por Abu Osama al-Masri, o líder do grupo.[20][21] Em 8 de novembro de 2015, um membro anônimo da equipe de investigação egípcia disse que os investigadores tinham de 90% de certeza de que o jato foi derrubado por uma bomba.[13] O Serviço Federal de Segurança da Rússia anunciou, em 17 de novembro de 2015, ter certeza que a queda do avião foi um ataque terrorista causado por uma bomba improvisada, contendo o equivalente a cerca de 1,5 kg de TNT, detonada durante o voo. Os russos também declararam terem encontrado, como prova, resíduos de explosivos nos destroços da aeronave.[1]

Aeronave[editar | editar código-fonte]

A aeronave quando usada por outras companhias: primeiro pela Middle East Airlines (topo), após pela Onur Air (meio) e pela Metrojet, com a pintura da TUI (base)

A aeronave era um Airbus A321-231, número de série 663.[22] Ela foi entregue a Middle East Airlines em maio de 1997, registrada como F-OHMP. Mais tarde, serviu para a Onur Air e para a Saudi Arabian Airlines como TC-OAE, até outubro de 2011. Em abril de 2012, a Kolavia adquiriu o avião com registro de EI-ETJ e transferiu-o para a Kogalymavia em maio.[23] A aeronave era equipada com dois motores IAE V2533 e configurada para transportar 220 passageiros em uma configuração de única classe econômica.[24] No momento do acidente, a aeronave era pertencente a AerCap e arrendada a Kolavia.[25] A aeronave tinha acumulado 56 000 horas de voo em quase 21 000 voos.[22]

Em 16 de novembro de 2001, enquanto era operada pela Middle East Airlines, a aeronave sofreu um tailstrike durante um pouso no Cairo. Ela foi reparada e voltou em serviço com a companhia aérea em 2002.[26]

Acidente[editar | editar código-fonte]

Trajetória da aeronave. O ponto preto indica o local de partida do voo; o ponto vermelho indica a última posição na qual a aeronave foi identificada.

A aeronave partiu do Aeroporto Internacional de Sharm el-Sheikh, em Sharm el-Sheikh, as 03:50 UTC (05:50 UTC+2),[7] com destino o Aeroporto de Pulkovo, em São Petersburgo, com 217 passageiros e sete tripulantes a bordo. A aeronave não fez contato com o controle de tráfego aéreo de Chipre.[27] A Agência Federal de Transporte Aéreo da Rússia confirmou que o voo havia desaparecido do radar de rastreamento.[28]

Meios de comunicação russos afirmaram que o piloto relatou problemas técnicos e solicitou um pouso de emergência no aeroporto mais próximo antes do desaparecimento da aeronave, mas as autoridades egípcias contestaram essa afirmação.[29] [30] Outras fontes afirmaram que não havia pedidos ou sinais de socorro.[31] O ministério da aviação civil do Egito emitiu um comunicado em que indicava que o voo estava a uma altitude de 31 000 pés (9 400 metros) quando desapareceu das telas de radar, após uma descida íngreme de 5 000 pés (1 500 metros) por minuto. O site Flightradar24 mostra a aeronave subindo para 33 500 pés (10 200 metros) a uma velocidade de 404 kN (748 km/h; 465 mph) antes de descer para 28 375 pés (8 649 metros) a uma velocidade de 62 kn (115 km/h; 71 mph), cerca de 50 quilômetros (31 milhas) ao nordeste de Nekhel, Sinai do Norte, onde o contato com o radar foi perdido.[32] Todos os 224 passageiros e tripulantes morreram.[30] A aeronave havia desaparecido em uma área montanhosa no centro de Sinai com as condições meteorológicas ruins, o que tornou difícil que as equipes de resgate chegassem ao local do acidente.[32]

A Reuters citou um oficial de segurança que afirmou que a aeronave tinha sido completamente destruída ainda em voo.[33] Os destroços foram espalhados por uma área de 20 quilômetros quadrados, com a secção dianteira da aeronave encontrada a cerca de 5 quilômetros (3,1 milhas) de distância da cauda, o que indica que a aeronave havia se partido durante o voo.[34] Imagens aéreas dos destroços indicaram que as asas estavam intactas até o impacto.[35] O padrão dos destroços, combinado com uma interpretação inicial das abruptas mudanças de altitude e velocidade do ar, reforçaram a presunção de que a cauda da aeronave separou-se da aeronave e colidiram com o solo em locais diferentes.[35]

Resgate[editar | editar código-fonte]

Gráfico do site Flightradar24 mostrando a altitude e velocidade da aeronave até a perda do contato de radar.[36]

Autoridades egípcias anônimas indicaram que as primeiras partes dos destroços haviam sido localizadas no Sinai.[8] Cinqüenta ambulâncias foram enviadas ao local do acidente,[33] perto de Housna, a 300 quilômetros (190 milhas) de Sharm el-Sheikh.[37] Autoridades egípcias não identificadas informaram que a aeronave havia se partido em duas e a maioria dos corpos haviam sido encontrados amarrados a seus assentos. Relatos iniciais indicaram que vozes de passageiros podiam ser ouvidos em uma seção da aeronave.[38] Pelo menos 150 corpos foram inicialmente encontrados, incluindo pelo menos cinco crianças.[3]

Passageiros e tripulação[editar | editar código-fonte]

Pessoas a bordo por nacionalidade[39]
Nacionalidade Passageiros Tripulantes Total
russos 212 7 219
ucranianos 4 4
bielorrussos 1 1
Total 217 7 224

A aeronave estava transportando um total de 224 pessoas, sendo 217 passageiros – dos quais dezessete eram crianças – e sete membros da tripulação.[11] A maioria dos passageiros eram russos, de acordo com a embaixada russa,[40] e que a maioria era do sexo feminino.[41] Havia também quatro ucranianos e um bielorrusso a bordo.[42] A maioria dos passageiros eram turistas que retornam de resorts no Mar Vermelho.[43] A Associação dos Operadores Turísticos da Rússia divulgou a lista de passageiros um dia após o acidente.[44] A maioria dos passageiros residiam no noroeste da Rússia, em oblasts como São Petersburgo, Leningrado, Novgorod e Pskov.[11]

De acordo com a Kogalymavia, o comandante do voo, Valery Yurievich Nemov, tinha mais de 12 000 horas de voo, incluindo 3 800 horas neste tipo de aeronave.[8] O primeiro oficial era Sergei Trukachev, que as horas de voo não foram divulgadas.[45]

Investigação[editar | editar código-fonte]

O investigador al-Muqaddam, que foi nomeado para investigar a causa do acidente, afirmou que o piloto havia feito contato com o controle de tráfego aéreo e pediu para pousar no aeroporto mais próximo. Ele sugeriu que o avião poderia ter tentado um pouso de emergência em Al-Arish, ao norte de Sinai.[40] Ele caiu 35 quilômetros ao sul da cidade costeira.[46] As especulações de um possível bombardeio da aeronave por causa da Insurgência no Sinai havia sido feitas por várias agências de notícias, mas não havia relatos sobre se o avião havia sido abatido, segundo autoridades egípcias.[47]

Em 17 de Novembro de 2015, o chefe do Serviço Federal de Segurança russo, Alexander Bortnikov, anunciou que sua investigação concluiu que um "ato terrorista" derrubou voo depois que vestígios de explosivos foram encontrados em meio aos destroços. A técnica de análise espectral foi usada, entre outros métodos, para examinar a substância encontrada.[48] De acordo com as autoridades russas, um artefato explosivo improvisado com potência equivalente de até 1 kg de TNT derrubou o avião.[49][50][51][52] A Rússia ofereceu um 50 milhões de dólares de recompensa para mais informações.[1][51] Suspeita-se que funcionários do aeroporto de Sharm el-Sheikh, no Egito, tenham colocado uma bomba a bordo o voo. As autoridades egípcias negaram esta versão.[53] Em 18 de Novembro de 2015, o grupo terrorista Estado Islâmico do Iraque e do Levante publicou fotos do que alega ser a bomba usada no atentado contra o avião na Daqib, a revista on-line da organização.[54]

Reações[editar | editar código-fonte]

  •  Egito: O primeiro-ministro egípcio Sherif Ismail confirmou a queda da aeronave e cancelou suas reuniões e compromissos ao receber a notícia.[8][28] Ele visitou o local do acidente, juntamente com outros ministros em um jato particular.[33]
  •  Rússia: O presidente Vladimir Putin expressou suas condolências às famílias das vítimas e convocou uma investigação oficial.[3][40][55] O ministério de emergências enviou três aeronaves para o local do acidente.[3]
  • A Airbus postou uma nota no Twitter que afirmavam que estavam cientes dos relatos da mídia e que iriam avaliar a situação, além de prometer fornecer mais informações assim que estiverem disponíveis.[33][56]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Russia Offers £33m Reward Over Jet Bombing». Sky News. 17 de novembro de 2015. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  2. a b «Russian passenger plane crashes in Egypt's Sinai, country's Prime Minister says». cnn. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  3. a b c d «Egypt plane crash live: Crew of Kogalymavia Flight 9268 'had complained about engine problems'». Independent. 31 de outubro de 2015 
  4. «Egypt crash: 100 bodies pulled from wreckage after Russian plane 'splits in two'». Express. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  5. «No survivor on Russian passenger plane crashes in Egypt's Sinai, said country's Prime Minister says». Consultado em 31 de outubro de 2015 
  6. «Technical issues before losing contact: Putin sends rescue teams to wreckage of Russian airliner 'split in two' with 224 on board». South China Morning Post. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  7. a b «Crash of Metrojet Flight 7K9268». Flightradar24 
  8. a b c d «Crash: Metrojet A321 over Sinai on Oct 31st 2015, disappeared from radar in climb over Sinai». The Aviation Herald 
  9. «Информация по рейсу 7К-9268 Шарм-Эль-Шейх» (em russo). 31 de outubro de 2015 
  10. «Крушение российского лайнера в Египте.». RIA Novosti (em russo) 
  11. a b c d e «Список пассажиров и экипажа самолета Airbus A321 авиакомпании "КогалымАвиа" 7К9268» [The list of passengers and crew of Airbus A321 "KogalymAvia" 7K9268] (em russo). Consultado em 4 de novembro de 2015 
  12. Sawer, Patrick (31 de outubro de 2015). «Russian airliner crashes in Egypt's Sinai peninsula with 219 or 224 people on board». The Daily Telegraph. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  13. a b Hassan, Ahmed Mohamed; Georgy, Michael (9 de Novembro de 2015). «Investigators "90 percent sure" bomb downed Russian plane». Reuters U.S. ed. Consultado em 11 de Novembro de 2015 
  14. «No Survivors Found at Crash Site of Russian Plane». Sputnik News. Consultado em 2 de novembro de 2015 
  15. Al-Atrush, Samer; Antonova, Maria (1 de novembro de 2015). «Investigators probe deadly Russian plane crash in Egypt». AFP. Yahoo News. Consultado em 1 de novembro de 2015 
  16. «Search & recovery operation underway in Egyp t after Russian plane crashes killing all 224 on board». RT.com. 31 de outubro de 2015. Consultado em 1 de novembro de 2015 
  17. «Commercial Airline Bombing History». aerospaceweb.org. aerospaceweb.org. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  18. «Updates: Russian airliner crashes in Egypt's Sinai peninsula». BBC News. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  19. «Russian plane that crashed in Egypt 'broke up in air'». France 24 News. Consultado em 2 de novembro de 2015 
  20. «Plane bombing mastermind unmasked as Egyptian cleric». The Sunday Times. 8 de novembro de 2015. Consultado em 8 de novembro de 2015 
  21. «Abu Osama al-Masri: Portrait of the Egyptian terrorist suspected of downing Russian plane». www.leaderpost.com. Consultado em 9 de novembro de 2015 
  22. a b «Metrojet A321-200 flight 7K-9268 accident over Sinai Peninsula» (Nota de imprensa). Airbus group. 31 de outubro de 2015. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  23. «Metrojet Russia EI-ETJ (Airbus A321 – MSN 663) (Ex F-OHMP TC-OAE ) – Airfleets aviation». airfleets.net. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  24. «EI-ETJ Metrojet Airbus A321-231 – cn 663». planespotters.net. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  25. «MetroJet A321 crashes in Sinai while en route to St Petersburg». Flightglobal. 31 de outubro de 2015. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  26. Harro Ranter (16 de novembro de 2001). «ASN Aircraft accident Airbus A321-231 F-OHMP Cairo International Airport (CAI)». aviation-safety.net. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  27. «Russian airliner crashes in central Sinai – Egyptian PM». BBC News. 31 de outubro de 2015. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  28. a b «Russian Airliner With 224 on Board Crashes in Egypt». Sputnik. 31 de outubro de 2015 
  29. Jethro Mullen, Arwa Damon and Catherine E. Shoichet (2 de novembro de 2015). «Russian plane crash in Sinai: Questions swirl as 224 aboard are mourned». CNN. Consultado em 2 de novembro de 2015 
  30. a b Thomas, Merna; MacFarquhar, Neil (31 de outubro de 2015). «Russian Plane Crash in Sinai Peninsula Kills 224». The New York Times. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  31. «Crashed Russian Airliner Pilot Did Not Seek Traffic Control Help». Consultado em 1 de novembro de 2015 
  32. a b «EI-ETJ – Aircraft info and flight history». FlightRadar24. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  33. a b c d «Updates: Russian airliner crashes in Egypt's Sinai peninsula». BBC News. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  34. Kramer, Andrew E. (1 de novembro de 2015). «Russia Mourns as Officials Work to Determine Cause of Jet Crash». The New York Times. Consultado em 1 de novembro de 2015 
  35. a b Irving, Clive (2 de novembro de 2015). «Don't Believe Russian Airline's New Excuse For Crash». The Daily Beast. Consultado em 2 de novembro de 2015 
  36. Gráfico publicado pelo Flightradar24
  37. «Russian plane crashes in Sinai, reportedly killing all 224 people on board». CNN. 31 de outubro de 2015 
  38. «No survivors – Egyptian officials». Blog Post. The Guardian. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  39. «Russian plane crash in Egypt: Airline blames 'external influence'». CNN News 
  40. a b c Jessica Elgot. «Russian passenger plane crashes in Egypt's Sinai - latest». The Guardian. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  41. «'We are flying home:' Grief & disbelief in Russia over shocking Sinai air crash». 31 de outubro de 2015. Consultado em 1 de novembro de 2015 
  42. «Sinai plane crash: The victims». BBC News. 4 de novembro de 2015 
  43. Dearden, Lizzie (31 de outubro de 2015). «Egypt plane crash: What we know so far about Metrojet flight 9268». The Independent. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  44. «Списки пассажиров и экипажа рейса 9268 "Когалымавиа"». atorus.ru (em russo). ATOR. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  45. Fantz, Ashley and Nico Robertson. "Russian airliner victims: 'It's a horror ... to lose so many children' ." CNN. 2 de novembro de 2015. Página visitada em 18 de novembro de 2015.
  46. Mohammed, Yusri; Farouk, Ehab. «Russian airliner with 224 aboard crashes in Egypt's Sinai». Reuters. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  47. Jessica Best (31 de outubro de 2015). «Egypt plane crash: Live updates as Russian passenger jet carrying 224 people crashes in Central Sinai». Mirror 
  48. «Следы взрывчатки на обломках А321 выявил спектральный анализ» (em russo). Interfax. 17 de novembro de 2015. Consultado em 18 de novembro de 2015 
  49. «Egypt plane crash: Russia says jet was bombed in terror attack». The Guardian. 17 de Novembro de 2015. Consultado em 17 de Novembro de 2015 
  50. «Metrojet Flight 9268: Russia confirms bomb destroyed plane in Egypt». CBC News. 17 de Novembro de 2015. Consultado em 17 de Novembro de 2015 
  51. a b «Russian plane crash in Sinai a terrorist attack - Russian Security Service». Russia Today. 17 de novembro de 2015. Consultado em 17 de Novembro de 2015 
  52. Gianluca Mezzofiore (17 de novembro de 2015). «Russian plane crash: 'Terror act' brought down Metrojet flight 9268 in Sinai». International Business Times. Consultado em 17 de Novembro de 2015 
  53. «Exclusive: Egypt detains two airport staff over Russian air crash - security sources». Reuters. Consultado em 18 de Novembro de 2015 
  54. «Isis claims 'Schweppes can bomb' blew up Russian Metrojet flight 9268 in Egypt's Sinai - Dabiq». 18 de Novembro de 2015. Consultado em 18 de Novembro de 2015 
  55. Bush, Jason (31 de outubro de 2015). «Russia's Putin declares day of mourning after airliner crash in Egypt». Reuters. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  56. «METROJET A321-200 FLIGHT 7K-9268 ACCIDENT OVER SINAI PENINSULA». Airbus. Consultado em 31 de outubro de 2015