Voo Ukraine International Airlines 752

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Voo Ukraine International Airlines 752
Acidente aéreo
O avião de prefixo UR-PSR envolvido no acidente, fotografado em outubro de 2019.
Sumário
Data 8 de janeiro de 2020
Causa Abatido acidentalmente pelo GRI com uso de míssil antiaéreo[1]
Local Teerã, Irão
Origem Aeroporto de Tehran-Imam Khomeini, Teerã
Destino Aeroporto Internacional de Kiev-Boryspil, Kiev
Passageiros 167
Tripulantes 9
Mortos 176 (todos) [2]
Sobreviventes 0 (nenhum)
Aeronave
Modelo Boeing 737-8KV
Operador Ukraine International Airlines
Prefixo UR-PSR
Primeiro voo 21 de junho de 2016

O Voo Ukraine International Airlines 752 (ICAO: AUI 752) foi a identificação da rota aérea de passageiros regular e internacional, operada pela Ukraine International Airlines, entre Teerão, no Irão, e Kiev, na Ucrânia. Em 8 de janeiro de 2020, um Boeing 737-800 da companhia caiu logo após a decolagem no Aeroporto de Tehran-Imam Khomeini.[3][4]

Horas após o incidente, autoridades dos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido começaram a afirmar que a provável causa da queda do avião ucraniano tenha sido um míssil terra-ar disparado, possivelmente por engano, pelos iranianos.[5][6] Inicialmente, o Governo do Irã negou responsabilidade pelo acidente e afirmou que o motivo da queda do avião foi provavelmente falha mecânica. Três dias depois, contudo, autoridades do país voltaram atrás e confirmaram que realmente abateram a aeronave da companhia aérea ucraniana por engano.[7][8]

Após a admissão de culpa pelas autoridades, os iranianos tomaram as ruas para protestar contra a morte dos 176 passageiros, 82 deles iranianos, e contra o fato do Governo ter mentido sobre o assunto.[9]

Aeronave[editar | editar código-fonte]

A aeronave envolvida era um Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines, prefixo UR-PSR. Seu primeiro voo foi em 21 de junho de 2016, sendo entregue para a companhia aérea em 19 de julho de 2016.[10] Foi a primeira aeronave 737 Next Generation adquirida pela companhia aérea e passou por uma manutenção de rotina dois dias antes do acidente.[11][12][13]

Acidente[editar | editar código-fonte]

O voo foi operado pela Ukraine International Airlines, decolando do Aeroporto de Tehran-Imam Khomeini, da capital iraniana, com destino ao Aeroporto Internacional de Kiev-Boryspil, da capital ucraniana. Autoridades confirmaram que o avião transportava 167 passageiros e 9 tripulantes, sendo 70 homens, 81 mulheres e 15 crianças.[14]

O voo 752 deveria decolar às 05:15 horário local, mas teve um atraso de uma hora. Mais tarde, decolou de Teerã às 06:12, e tinha pouso estimado em Kiev às 08:00.[15][2] Os dados de voo do Flightradar24 não mostram discrepâncias nos dados de velocidade e altitude em relação a um voo normal. Os dados finais ADS-B recebidos foram às 06:14, menos de três minutos após a decolagem. Segundo os dados, a última altitude registrada foi 2.415 m (7.925 pés) a uma velocidade de 260 nós (480 km/h; 300 mph).[16] A aeronave estava em razão de subida quando o registro de altitude terminou abruptamente.[17]

Um vídeo divulgado nas mídias sociais supostamente registrou o momento do acidente. O vídeo sugere que o avião estava em chamas quando iniciou o mergulho, com algumas partes se desintegrando no ar.[18] O ISNA não confirmou a validade do vídeo, mas afirmou que o avião estava em chamas antes do acidente.[19]

Logo após a queda da aeronave, equipes de emergência chegaram ao local com 22 ambulâncias e um helicóptero, mas os fortes incêndios impediram uma tentativa de resgate. Os destroços estavam espalhados por uma vasta área, sem sobreviventes visíveis.[20]

A televisão estatal do Irão informou que todos os que estavam a bordo da aeronave morreram após a queda às 06:22.[21][22]

O incidente ocorreu em meio ao aumento das tensões entre o Irã e os Estados Unidos, quando os americanos mataram um general iraniano em Bagdá e então o governo do Irã revidou, poucos dias depois, atacando uma base militar dos Estados Unidos também no Iraque.[23]

Três dias depois do acidente, o governo iraniano confirmou que eles, de fato, haviam derrubado o avião da companhia aérea ucraniana, por engano. Amir Ali Hajizadeh, o comandante das forças aeroespaciais da Guarda Revolucionaria Iraniana, afirmou que o país aceitava a responsabilidade plena pelo incidente. A Guarda Revolucionaria explicou que o operador do sistema de defesa se confundiu, imaginando que o avião poderia ser míssil de cruzeiro americano. O Voo 752 foi derrubado por um míssil de curto alcance, segundo Hajizadeh.[24]

Passageiros e tripulação[editar | editar código-fonte]

Passageiros por nacionalidade
Nacionalidade Passageiros Tripulantes
 Irão 82 0
 Canadá 63 0
 Ucrânia 2 9
 Suécia 10 0
 Afeganistão 4 0
 Reino Unido 3 0
 Alemanha 3 0
Total 167 9

Segundo o porta-voz da Organização de Aviação Civil do Irão, o número exato de pessoas a bordo era de 167 passageiros e nove tripulantes. A mídia estatal informou inicialmente que o avião levava 180 pessoas. A Agência de Notícias Estudantil Iraniana (ISNA) afirmou que a maioria dos passageiros eram iranianos, mas alguns estrangeiros também estavam a bordo.[25] Autoridades confirmaram que pelo menos 130 pessoas a bordo eram iranianas,[26] sendo a maioria estudantes retornando a países europeus e Canadá via Ucrânia, após as férias de inverno.[27]

O portal Obozrevatel informou que, dos 167 passageiros, 82 foram confirmados como iranianos, 63 eram canadenses, 3 eram britânicos, 6 eram afegãos, 8 eram suecos e 4 eram alemães. Também foi relatado a presença de 15 ucranianos a bordo.[28] A discrepância se deve ao fato de muitos serem cidadãos de dupla nacionalidade e o Irão reconhece cidadãos de dupla cidadania como iranianos. O Conselho de Segurança da Ucrânia confirmou que 11 ucranianos, incluindo os 9 membros da tripulação,[29] foram mortos no acidente.[30][31]

O Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia divulgou o manifesto dos passageiros e da tripulação do voo da seguinte forma: 82 iranianos, 63 canadenses, 11 ucranianos, 10 suecos, 4 afegãos, 3 alemães e 3 britânicos.[29]

Investigação[editar | editar código-fonte]

Corpos recolhidos das vítimas do Voo 752.

Em 8 de janeiro, o Ministério iraniano de Estradas e Desenvolvimento Urbano divulgou uma declaração de que a aeronave pegou fogo após um incêndio começar em uma de suas turbinas, fazendo o piloto perder o controle e o avião acabou caindo.[32] De acordo com a Organização para Mitigação e Gerenciamento de Desastres iraniana, uma investigação preliminar indicou que houve problemas mecânicos em uma das turbinas da aeronave.[33] O governo iraniano mudaria esta posição pouco depois.[7]

A Suécia e o Canadá foram chamados para se juntar a investigação do incidente.[34] O Conselho Nacional de Segurança nos Transportes dos Estados Unidos também teria sido convidado a auxiliar as investigações, mas isso não foi confirmado.[35]

Em 9 de janeiro, autoridades dos Estados Unidos afirmaram que eles acreditavam que o avião pode ter sido derrubado por engano pelos iranianos por um míssil Tor (SA-15),[36] baseado em evidências tiradas de imagens de um satélite de reconhecimento.[5] Justin Trudeau, o Primeiro-Ministro do Canadá, disse que havia evidências, de múltiplas fontes, incluindo dos serviços de inteligência canadenses, que sugeriam que foi de fato um míssil iraniano que derrubou o avião.[6]

Em 11 de janeiro, após três dias de negação, o governo iraniano voltou atrás em sua posição oficial e confirmou que eles, por engano, realmente abateram a aeronave ucraniana. O presidente do país, Hassan Rouhani, chamou o desastre de um "erro imperdoável".[37]

A 14 de janeiro, o Irã anunciou a prisão dos militares envolvidos na derrubada da aeronave, contudo não foram detalhados quantas pessoas foram detidas, nem seus nomes e cargos.[38][39]

A princípio as autoridades iranianas se recusaram a entregar as caixas-pretas do avião à Boeing.[40] Cogitou-se que o material seria enviado à Ucrânia para análise, [41] mas a informação foi desmentida logo em seguida.[42]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Irã admite que derrubou avião ucraniano por engano; presidente diz que tragédia é 'imperdoável'». G1. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  2. a b «Ukrainian Boeing plane crashes in Iran, 176 people dead» (em inglês). CNN. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  3. «Ukrainian airplane with 180 aboard crashes in Iran: Fars» (em inglês). Reuters. 7 de janeiro de 2020. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  4. «Ukrainian airliner crashes near Tehran: Iranian media» (em inglês). Al Jazeera. 8 de janeiro de 2020. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  5. a b [1] Arquivado em 10 de janeiro de 2020 no Wayback Machine.
  6. a b Tunney, Catharine (9 de janeiro de 2020). «Trudeau says evidence suggests Iranian missile brought down Ukrainian flight». cbc.ca. CBC Canada. Consultado em 10 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2020 
  7. a b «Irã admite que derrubou avião ucraniano por engano; presidente diz que tragédia é 'imperdoável'». G1. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  8. «"Preferia ter morrido do que assistir a tal acidente". General iraniano assume responsabilidade pela queda do avião ucraniano» 
  9. «Irã tem protestos contra o governo por 'mentir' sobre queda de avião». R7.com. 11 de janeiro de 2020. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  10. «Ukraine International Airlines UR-PSR (Boeing 737 NG / Max - MSN 38124) | Airfleets aviation». www.airfleets.net. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  11. Baker, Sinéad. «Ukrainian Flight 752 was on fire and seemed to be turning back before it crashed in Iran and killed 176 people, the first report into the disaster said». Business Insider (em inglês). Consultado em 10 de janeiro de 2020 
  12. «Iran Plane Crash: Did Iran Behind the Ukrainian Crash?» (em inglês). 10 de janeiro de 2020 
  13. Baker, Sinéad. «Ukrainian Flight 752 was on fire and seemed to be turning back before it crashed in Iran and killed 176 people, the first report into the disaster said». Business Insider (em inglês) 
  14. «Ukrainian airplane with over 170 aboard crashes in Iran; no survivors» (em inglês). Mehr News. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  15. Safi, Michael. «Iran plane crash: Ukraine Boeing with more than 160 on board comes down near Tehran» (em inglês). The Guardian. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  16. «Boeing 737 Bound for Ukraine Crashes in Iran; No Survivors» (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  17. «Live Flight Tracker - Real-Time Flight Tracker Map». Flightradar24 (em inglês) 
  18. «Ukrainian airplane crashes near Tehran's Imam Khomeini Int'l Airport» (em inglês). The Sydney Morning Herald. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  19. «Ukraine International Airlines plane crashes in Tehran shortly after takeoff» (em inglês). CNN. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  20. «All 170 On Board Ukrainian Plane That Crashed In Iran Killed: Report». NDTV.com (em inglês). Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  21. «'No survivors' after Ukrainian airliner crashes near Tehran». www.aljazeera.com (em inglês) 
  22. «Boeing 737 passenger jet with 170 aboard crashes in Iran; all killed». Livemint (em inglês). 8 de janeiro de 2020. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  23. Redação, Da (8 de janeiro de 2020). «Após retaliação do Irã aos EUA, avião com 176 passageiros cai em Teerã». Jornal CORREIO | Notícias e opiniões que a Bahia quer saber. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  24. "Iran admits shooting down Ukrainian airliner 'unintentionally'", The Guardian, 11 de janeiro de 2020.
  25. «Ukrainian airplane crashes near Tehran's Imam Khomeini Int'l Airport» (em inglês). Iranian Students News Agency. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  26. «130 out of 167 passengers of crashed Ukrainian airplane are Iranian, citizens» (em inglês). Trend News Agency. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  27. «Iran state TV says Ukrainian airplane crashes near Tehran» (em inglês). WBAL. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  28. «Iran plane crash: All 176 passengers killed as Ukraine Boeing 737 crashes near Tehran» (em inglês). The Telegraph. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  29. a b «Live Updates: Boeing 737 with 167 Passengers Aboard Crashes After Take-Off from Tehran Airport©» (em inglês). Sputnik News. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  30. «Three Brits feared dead after Ukrainian Airlines plane crash kills 176» (em inglês). LBC News. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  31. «Ukrainian airplane with over 170 aboard crashes in Iran; no survivors». Mehr News Agency (em inglês). 8 de janeiro de 2020 
  32. «176 people killed in Boeing 737 crash in Iran, state TV reports». ABC News (em inglês). 8 de janeiro de 2020. Consultado em 9 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2020 
  33. «Experts 'surprised' after Iranian authorities quickly attribute Boeing crash to engine failure». finance.yahoo.com. Consultado em 9 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2020 
  34. John, Tara (9 de janeiro de 2020). «Ukrainian Boeing plane crash in Iran, investigators hunt for clues». CNN. Consultado em 9 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2020 
  35. Troianofski, Anton; Kitroeff, Natalie. «U.S. Has 'Confidence' Ukrainian Plane Was Shot Down by Iranian Missile». The New York Times. Consultado em 9 de janeiro de 2020 
  36. Jamali, Naveed; Laporta, James; Da Silva, Chantal; O'Connor, Tom (9 de janeiro de 2020). «Iranian Missile System Shot Down Ukraine Flight, Probably By Mistake, Sources Say». Newsweek.com. Newsweek. Consultado em 9 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2020 
  37. «Iran admits to shooting down Ukrainian passenger plane unintentionally». CNN. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  38. «Irã anuncia prisão de envolvidos em derrubada acidental de avião». Folha de S.Paulo. 14 de janeiro de 2020. Consultado em 14 de janeiro de 2020 
  39. «Irã diz ter feito prisões relacionadas a desastre de avião; protestos continuam». noticias.uol.com.br. Consultado em 14 de janeiro de 2020 
  40. «Irã não entregará caixas-pretas de avião ucraniano à Boeing, diz agência». noticias.uol.com.br. Consultado em 8 de janeiro de 2020 
  41. «Irã afirma ter enviado caixa preta de avião derrubado para a Ucrânia». VEJA. Consultado em 18 de janeiro de 2020 
  42. «Irã não enviará para Ucrânia caixas pretas de avião abatido». Gazeta do Povo. Consultado em 19 de janeiro de 2020