Vulpes ferrilata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Como ler uma infocaixa de taxonomiaRaposa-do-himalaia
Tibet Fox.jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Canidae
Género: Vulpes
Espécie: V. ferrilata
Nome binomial
Vulpes ferrilata
Distribuição geográfica
Área de distribuição da raposa-do-himalaia
Área de distribuição da raposa-do-himalaia

A raposa-do-himalaia ou raposa-tibetana (Vulpes ferrilata) é uma espécie de raposa-verdadeira endêmica do alto planalto tibetano, também presente no planalto Ladakh, Nepal, Índia, China, Sikkim e Butão.[1] Também é ocasionalmente chamada de raposa-da-areia-tibetana.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A raposa-do-himalaia é um canídeo pequeno e compacto, com pelos macios e densos, focinhos visivelmente estreitos e caudas espessas.[2] A cor da pelagem é cinza-claro ou arenosa, com uma faixa fulva ao longo da região dorsal. As partes frontais das pernas também são fulvas; as partes inferiores são pálidas. O focinho, o topo da cabeça e o pescoço variam do bronzeado ao ruivo. O interior das orelhas é branco, e o lado externo é de cor semelhante ao resto do corpo.[3] A extremidade da cauda é branca, enquanto a parte anterior possui uma faixa de pelos escuros.[4] Entre as patas dianteiras e o tórax existem faixas verticais cinzentas a preta, e também há uma mancha escura na glândula caudal.[3]

Entre as verdadeiras raposas, seu crânio é o mais especializado na direção da carnivoria; é mais longo no comprimento condilobasal e na mandíbula e no comprimento dos dentes da bochecha do que as raposas da montanha.[5] Sua região craniana é mais curta do que a das raposas das montanhas e os arcos zigomáticos são mais estreitos. Suas mandíbulas também são muito mais estreitas e a testa côncava. Seus dentes caninos também são muito mais longos que os das raposas da montanha.[6]

Raposas-do-himalaia adultas têm de 60 a 70 centímetros da cabeça ao corpo e o comprimento da cauda é de 29 a 40 centímetros. O peso dos adultos varia entre 4 e 5,5 kg.[7] A raposa-do-himalaia tem um rosto que parece quadrado, o que é uma ilusão criada por sua grande juba.[carece de fontes?] O cariótipo da raposa-do-himalaia é composto de 36 cromossomos.[3]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

A raposa-tibetana está restrita ao planalto tibetano no oeste da China e ao planalto Ladakh no norte da Índia. Ocorre ao norte do Himalaia, nas regiões fronteiriças mais ao norte do Nepal e da Índia, através do Tibete e em partes das províncias chinesas de Qinghai, Gansu, Xinjiang, Yunnan e Sichuan.[1]

Ocorre em planícies de planalto semiáridas a áridas, em encostas áridas e colinas com altitudes de 2.500 a 5.200 m acima do nível do mar.[8] Os habitats específicos incluem prados alpinos sem árvores, estepes alpinas e estepes desérticas.[2]

O clima dentro da faixa de distribuição de V. ferrilata é caracteristicamente severo; as temperaturas variam de 30 ° C (verão) a −40 ° C (inverno). A precipitação anual é de 100–500 mm, ocorrendo principalmente durante o verão.[2][3]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

A raposa-do-himalaia é ativa ao longo do dia e ao anoitecer, horários que correspondem à atividade de sua presa primária.[9] É majoritariamente solitária, vivendo e caçando sozinha,[2] mas também pode formar pares.[8]

As raposas-do-himalaia não são excessivamente territoriais, e muitos pares de animais foram encontrados vivendo em tocas próximas e compartilhando áreas de caça.[10]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

A raposa-do-himalaia é monogâmica. Os pares permanecem juntos e também podem caçar juntos.[11] Após um período de gestação de cerca de 50 a 60 dias, dois a quatro filhotes nascem em uma cova e ficam com os pais até os oito a dez meses de idade. Suas tocas são feitas na base de pedras, em linhas de praia antigas e encostas baixas. As densas podem ter quatro entradas, com entradas com 25 a 35 cm de diâmetro.[7]

Dieta[editar | editar código-fonte]

A principal presa da raposa-do-himalaia é a pikas-de-lábios-negros, seguida por roedores, marmotas, lebres e lagartos . Também vasculha carcaças de antílopes tibetanos, cervos-almiscaros, ovelhas e gado.

As raposas-do-himalaia podem formar relações comensais com os ursos-pardos durante a caça aos pikas. Os ursos escavam os pikas e as raposas os agarram quando fogem dos ursos.[7]

Referências

  1. a b c Harris, R. (2014). «Vulpes ferrilata». Lista Vermelha da IUCN de espécies ameaçadas da UICN 2021 (em inglês). ISSN 2307-8235. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  2. a b c d Schaller, G.B.; Ginsberg, J.R. (2004). «Tibetan Fox». In: Sillero-Zubiri, C.; Hoffman, M.; MacDonald, D. W. Canids: Foxes, Wolves, Jackals and Dogs (PDF). [S.l.]: IUCN/SSC Canid Specialist Group. ISBN 2-8317-0786-2. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2006 
  3. a b c d Clark, H. O.; Newman, D. P.; Murdoch, J. D.; Tseng, J.; Wang, Z. H.; Harris, R. B. (9 de outubro de 2008). «Vulpes Ferrilata (Carnivora: Canidae)». Mammalian Species (821): 1–6. ISSN 0076-3519. doi:10.1644/821.1. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  4. Clutton-Brock, Juliet; Corbet, Gordon B.; Hills, Michael (1976). «A review of the family Canidae, with a classification by numerical methods». Bulletin of the British Museum (Natural History). 29: 117–199. doi:10.5962/bhl.part.6922 
  5. Heptner, V. G.; Naumov, N. P. (1998). «Genus Vulpes Oken, 1816». Mammals of the Soviet Union. Volume II Part 1a, Sirenia and Carnivora (Sea cows; Wolves and Bears). Washington, D.C.: Smithsonian Institution Libraries and The National Science Foundation. pp. 385–570 
  6. Pocock, Reginald Innes (1941). «Vulpes ferrilata Hodgson. The Tibetan Sand Fox». Fauna of British India: Mammals. 2. Londres: Taylor and Francis. pp. 140–146 
  7. a b c Harris, R. B.; Wang, Z. H.; Zhou, J. K.; Liu, Q. X. (2008). «Notes on biology of the Tibetan fox (Vulpes ferrilata (PDF). Canid News. 11: 1–7 
  8. a b Nowak, R. M. (1999). Walker's mammals of the world 6 ed. Baltimore, Maryland: Johns Hopkins University Press 
  9. Wang, Z.H. (2003). «Characteristics of the summer Tibetan fox (Vulpes ferrilata) den habitats». Acta Theriologica Sinica. 23: 31–38 
  10. Borgwat, Melissa (14 de dezembro de 2001). «Vulpes ferrilata, Tibetan fox» (em inglês). Consultado em 1 de abril de 2015 
  11. Liu, Q.X.; Harris, R. B.; Wang, X.M.; Wang, Z.H. (2007). «Home range size and overlap of Tibetan foxes (Vulpes ferrilata) in Dulan County, Qinghai Province». Acta Theriologica Sinica (em chinês). 27: 370–75 
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Vulpes ferrilata