Waldomiro Diniz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O ex-assessor da Casa Civil, Waldomiro Diniz, depõe na CPI dos Bingos (Antonio Cruz/ABr).

Waldomiro Diniz (Década de 1960) é um empresário brasileiro, ex-assessor da Casa Civil da Presidência da República.[1]

Diniz ganhou notoriedade no Brasil e internacional em 2004, após a divulgação da fita gravada pelo empresário e bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira e ter sido privô da primeira cise do Governo Lula.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Em 2002, foi presidente da Loterj, autarquia do governo do Rio de Janeiro responsável pela administração, gerenciamento e fiscalização do jogo no estado.

No mesmo ano, por indicação de Antony Garotinho, se tornou Subchefe de Assuntos Parlamentares da Presidência da República (1º de janeiro de 2003 a 13 de fevereiro de 2004), tornando-se homem de confiança do ministro da Casa Civil, José Dirceu, durante o primeiro governo do Presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva.

Caso Waldomiro Diniz[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Escândalo dos bingos

Foi a primeira crise política do Governo Lula, durante o ano de 2004. A divulgação do vídeo com imagens de Waldomiro Diniz extorquindo o bicheiro Carlinhos Cachoeira enfraqueceu a posição do então ministro José Dirceu no governo.[3] No mesmo dia, Waldomiro foi exonerado do cargo.[4] Este fato se incluiu ao caso do Mensalão, que ficou conhecido como o escândalo do Mensalão.[5]

Condenação[editar | editar código-fonte]

Em 1º de março de 2012, Waldomiro Diniz foi condenado pela Justiça estadual do Rio de Janeiro a 12 anos de reclusão e multa por corrupção passiva e ativa.[6]

Referências

  1. 11 de julho de 2011. «Procuradoria denuncia Waldomiro Diniz por crimes tributários». Folha.com. Consultado em 1 de maio de 2012 
  2. «O PT na berlinda, Entenda o caso Waldomiro Diniz». Uol Educação. Consultado em 1 de maio de 2012 
  3. «2004: escândalo dos bingos é primeira crise política do governo Lula». CBN. Globo.com. 5 de fevereiro de 2016. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  4. Liz Batista (3 de fevereiro de 2014). «Escândalo Waldomiro Diniz completa 10 anos». Acervo Estadão. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  5. «Dos bingos ao STF, saiba a ligação de Cachoeira com o mensalão». Terra. 2 de agosto de 2012. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  6. Folha de S. Paulo (1 de Março de 2012). «Justiça do Rio condena Waldomiro Diniz por corrupção» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Waldomiro Diniz
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.