Walking with Dinosaurs

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Walking with Dinosaurs
O Tempo dos Dinossauros (PT)
Caminhando com os Dinossauros (BR)
Informação geral
Formato Série
Género Documentário
Duração 30 min.
Criador(es) Tim Haines
Jasper James
John Lynch
Andrew Wilks
País de origem  Reino Unido
Idioma original Inglês
Produção
Diretor(es) Tim Haines
Jasper James
Narrador(es) Kenneth Branagh
Avery Brooks
Exibição
Emissora de televisão original Reino Unido BBC
Transmissão original 16 de abril de 1999 – 21 de maio de 1999
N.º de episódios 6

Walking with Dinosaurs (Caminhando com os Dinossauros (título no Brasil) ou O Tempo dos Dinossauros (título em Portugal)) é um documentário para televisão, produzido em 1999 pela BBC. O documentário fala sobre os dinossauros e suas eras, de uma forma nunca antes vista, dando ideias até sobre simbiose entre algumas espécies.

Episódios[editar | editar código-fonte]

Assim como os documentários sobre vida selvagem comuns, Walking with Dinosaurs foi dividido em episódios. São eles:

Sangue novo[editar | editar código-fonte]

Data: Há 220 Milhões de anos atrás
Período: Triássico Superior
Local: Arizona, EUA
Local das Filmagens: Nova Caledônia

O primeiro episódio é destinado à apresentação das espécies do Triássico e as origens dos dinossauros. O foco fica por conta de uma celófise fêmea, tentando sobreviver na estação seca. Ela não é a única criatura a ser retratada: outros animais da fauna triássica norte-americana são apresentados, como o predador gigante Postosuchus, os dicinodontes herbívoros Placerias, o pterossauro Peteinosaurus e também os imensos dinossauros herbívoros Plateosaurus, ancestrais dos imensos saurópodes. Além dos dinossauros e pterossauros, o episódio revela a existência de répteis evoluindo para mamíferos (o cinodonte Thrinaxodon).

Era dos titãs[editar | editar código-fonte]

Data: Há 152 Milhões de anos atrás
Período: Jurássico Superior
Local: Colorado, EUA
Local das Filmagens: Califórnia (EUA), Chile, Tasmania, Nova Zelândia

O segundo capítulo da série retrata o final do período Jurássico, novamente na América do Norte. Os continentes começaram a se separar, o mar ganha terreno e o clima se torna mais úmido. Os desertos gigantescos do Triásico deram lugar a enormes bosques de coníferas e pradarias de samambaias, dominadas por toda uma variedade de dinossauros.

O foco fica por conta de saurópodes chamados Diplodocus, passando pelo nascimento até os perigos das planícies, como os terríveis Allosaurus. Precisamente, essa parte é protaganizada por uma jovem Diplodocus que, junta aos irmãos, tenta sobreviver aos perigos do período. Outros animais retratados são os herbívoros Stegosaurus, Dryosaurus e o imenso saurópode Brachiosaurus além do pequeno predador Ornitholestes e o pterossauro Anurognathus.

Stegosaurus

Mar cruel[editar | editar código-fonte]

Data: Há 149 Milhões de anos atrás
Período: Jurássico Superior
Local: Oxfordshire, Grã-Bretanha
Local das Filmagens: Bahamas, Nova Caledônia

Terceiro episódio. Passa-se ao final do período Jurássico, no que um dia se tornaria a Europa que, naquela época, era um pequeno arquipélago, lar de poucos dinossauros, mas berço do maior predador da Terra, o Liopleurodon.

Essa parte retrata o nascimento dos Ophthalmosaurus e a vida do único dinossauro apresentado, o Eustreptospondylus. Também apresentados a vida do pterossauro Rhamphorhynchus e do plesiossauro Cryptoclidus. Também somos apresentados ao mais terrível dos carnívoros, o pliossauro Liopleurodon.

Atenção: O Liopleurodon não tinha esse tamanho. Os maiores espécimes chegam a "apenas" 11 m.

O gigante dos céus[editar | editar código-fonte]

Data: Há 127 Milhões de anos atrás
Período: Cretáceo Inferior
Local: Brasil, América do Norte, Europa
Local das Filmagens: Nova Zelandia, Tasmânia

Início do Cretáceo: Os continentes seguem fragmentando-se lentamente e movendo-se até posições vagamente similares as atuais. O jovem Atlântico continua crescendo, e começam a surgir alguns grupos de recente aparição, como as aves e as plantas com flores. Os pterossauros dominam os ares definitivamente; entre os gigantes, há um que faz os demais parecerem anões: o Ornithocheirus, com seus 13 metros de envergadura. Não só ele é retratado, mas também são exibidos grandes dinossauros americanos e os poucos europeus, como o bem-sucedido herbívoro Iguanodon, o herbívoro blindado Polacanthus e o predador Utahraptor. No episódio também podem ser vistos o pterossauro Tapejara, o pliossauro Plesiopleurodon e Iberomesornis, uma das primeiras aves.

O ponto principal é a viagem de um Ornithocheirus, na expectativa de alcançar as jovens ilhas europeias, local do acasalamento da espécie.

Os espíritos da floresta de gelo[editar | editar código-fonte]

Data: Há 106 Milhões de anos atrás
Período: Cretáceo Médio
Local: Antártida/Austrália
Local das Filmagens: Nova Zelândia

Meados do Cretáceo. Antártica; Ainda unida a Austrália, Nova Zelândia e América do Sul, a Antártida possui um clima estacional com geadas importantes no inverno, mas muito mais quente que o atual, assim a vegetação ainda prospera, abrindo mais uma porta para o império dos dinossauros. Neste ambiente vivem o imenso herbívoro Muttaburrasaurus, o anfíbio gigante Koolasuchus e o mamífero Steropodon.

A narração protagoniza um grupo de Leaellynasaura, sobrevivendo com a chegada do verão. Tudo vai muito bem, até que um Allosaurus mata a fêmea dominante. Daí, a história segue…

A morte de uma dinastia[editar | editar código-fonte]

Data: Há 65 Milhões de anos atrás
Período: Cretáceo Superior
Local: Montana, EUA
Local das Filmagens: Chile, Nova Zelândia

O episódio final retorna a América do Norte próxima da extinção dos dinossauros. Os mares interiores desapareceram, o Atlântico alcança metade de sua extensão atual, os continentes chocam ocasionando múltiplas erupções vulcânicas e novas cordilheiras montanhosas e o clima começa a ficar mais frio, seco e estacional. Desapareceram a maioria dos pterossauros e alguns grupos de dinossauros (como os estegossauros) e répteis marinhos (como os ictiossauros e pliossauros, porém os plesiossauros de pescoço longo ainda nadam nos oceanos cretáceos), outros tiveram a sua diversidade diminuída (saurópodes como o Alamosaurus, não retratado no documentário), mas outros grupos se encontram em pleno apogeu. Mesmo com as condições terrestres, esses répteis expandem seu domínio ainda mais.

Como não poderia deixar de ser, o protagonista é o lendário Tyrannosaurus rex. No episódio também aparecem os herbívoros Torosaurus, Anatotitan, Ankylosaurus, Parksosaurus, o crocodilo gigante Deinosuchus, a serpente Dinylisia, o raptor Dromaeosaurus, o pterossauro Quetzalcoatlus e o mamífero Didelphodon, um ladrão de ovos e também carniceiro. Envolvendo uma família de T-Rex, é narrada a extinção dos dinossauros, pelo meteoro que caiu no Golfo do México.


  • Espécies
Parksosaurus.

Especiais[editar | editar código-fonte]

Devido ao grande sucesso e a boa impressão deixada pelo documentário, a BBC investiu em "seqüencias" para a série, sempre no mesmo contexto.

O primeiro foi lançado em 2000 e contava a história do mais famoso Allosaurus de todos os tempos: o espécime batizado Big All. Mas não parou por aí: mais especiais foram feitos com o tempo e, para melhorar o nível da série.

Walking with Dinosaurs Special - The Ballad of Big Al[editar | editar código-fonte]

O primeiro especial, lançado em 2000, retrata a vida de um Allosaurus fragilis subadulto, chamado "Big Al". Big Al é um dos mais famosos esqueletos descobertos; 95% do esqueleto foi encontrado preservado juntamente com os ferimentos que explicam a causa da sua morte.

Tudo começa com o nascimento da personagem e seus irmãos, com sua mãe os protegendo até a adolescência, quando o protagonista começa a caçar junto aos outros de sua espécie, descobrindo a reprodução e sua trágica morte.

Mesmo sendo continuação de "Walking with Dinosaurs", este trás espécies que não foram documentadas na série original, como o Dryosaurus, Othnielia e o famoso Apatosaurus.

Parte deste episódio foi filmado na Lourinhã, Portugal, devido à descoberta de ovos de do dinossauro Lourinhanosaurus, tendo sido entrevistado o paleontólogo Octávio Mateus.

Sea Monsters – A Walking with Dinosaurs Trilogy[editar | editar código-fonte]

Um especial que se foca nos famosos "monstros marinhos" pré-históricos, lançado em 2003. Nigel Marven apresenta pessoalmente o documentário. É como se se simulasse uma viagem no tempo, onde o apresentador contracena com dinossauros de CG. Além disso, é o único especial de Walking With Dinosaurs que não se passa exclusivamente na Era Mesozoica.

A série de três episódios encontra-se dividida, de acordo com os "7 mais perigosos mares de todos os tempos". O especial apresenta todo o tipo de criaturas desde baleias e moluscos gigantes e concretiza uma viagem que vai desde há 450 M.a. até há 4 M.a..

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]