Walter Eucken

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Walter Eucken
Nascimento 17 de janeiro de 1891
Jena
Morte 20 de março de 1950 (59 anos)
Londres
Cidadania Alemanha
Progenitores
Alma mater
Ocupação economista, membro da resistência
Empregador Universidade de Tubinga

Walter Eucken (Jena, 17 de janeiro de 1891 - 20 de março de 1950) foi um economista alemão da escola de Freiburg e pai do ordoliberalismo. Ele está intimamente ligado ao desenvolvimento do conceito de "economia social de mercado".[1][2]

Walter Eucken nasceu em 17 de janeiro de 1891 em Jena em Saxe-Weimar-Eisenach (atual Turíngia), filho do filósofo Rudolf Eucken (1846–1926), que ganhou o Prêmio Nobel de Literatura de 1908 e sua esposa, Irene (1863–1941, nascido em Passow). Walter tinha uma irmã e um irmão, o químico e físico Arnold Eucken.[3][1]

Walter cresceu em um ambiente intelectualmente estimulante. Seu pai foi um dos filósofos mais influentes do Império Alemão e leu Aristóteles com seus filhos no original. Os visitantes da villa da família incluíram Stefan George, Hugo von Hofmannsthal, Ernst Ludwig Kirchner, Edvard Munch e Ferdinand Hodler. Walter Eucken estudou Economia em Kiel, Bonn e Jena e concluiu seu doutorado em Bonn em 1914. Serviu como oficial na Primeira Guerra Mundial em nas frentes oeste e leste.[4][1]

Teorias[editar | editar código-fonte]

O ordoliberalismo de Eucken é uma variante alemã especial do neoliberalismo e, em sua definição tradicional, argumenta que o estado tem a tarefa de fornecer a estrutura política para que a liberdade econômica floresça. Em contraste com o liberalismo laissez-faire, que na década de 1930 deu origem a cartéis e a uma concentração indevida de poder, o ordoliberalismo visa colocar limites ao poder econômico de indivíduos, empresas e associações.[3][5]

Isso é alcançado por meio de uma estrutura legal e institucional, incluindo a manutenção da propriedade privada, a aplicação de contratos privados, responsabilidade, entrada livre nos mercados e estabilização monetária. Nesse sentido, o estado deve abster-se de dirigir ou intervir nos processos econômicos das práticas cotidianas, como em uma economia planejada centralmente, mas sim fornecer uma ordem competitiva que funcione bem e na qual os agentes privados possam atuar sem a frequente influência discricionária do estado. A ideia do ordoliberalismo foi introduzida pela primeira vez em 1937 na obra "Ordnung der Wirtschaft", um periódico publicado por Walter Eucken, Franz Böhm e Hans Großmann-Doerth. A partir de 1948, as teorias foram sendo desenvolvidas na revista "ORDO".[3][5]

Referências

  1. a b c Biographie, Deutsche. «Eucken, Walter - Deutsche Biographie». www.deutsche-biographie.de (em alemão). Consultado em 15 de julho de 2021 
  2. Biographie, Deutsche. «Eucken, Rudolf - Deutsche Biographie». www.deutsche-biographie.de (em alemão). Consultado em 15 de julho de 2021 
  3. a b c Plickert, Philip (2 August 2015). "Der Ökonom des Widerstands". Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung (in German). p. 29.
  4. «Walter Eucken» (PDF) 
  5. a b Josef Molsberger, 2008[1987]. "Eucken, Walter (1891–1950)," The New Palgrave Dictionary of Economics, 2nd Ed.
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) economista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.