Reino de Wessex

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Wessex)
Ir para: navegação, pesquisa



Westseaxna rīce (Inglês Antigo)
Reino de Wessex
Flag of Sussex.svg
 
Flag of Kent.svg
 
Flag of Essex.svg
 
Labarum.svg
519 – 1066 Flag of England.svg

Bandeira de Wessex

Serpe de Wessex

Localização de Wessex
Território de Wessex, em verde, em 879.
Continente Europa
Capital Winchester
(após o século IX)
Língua oficial Inglês Antigo
Religião Paganismo (antes do século VII)
Cristianismo (após o século VII)
Governo Monarquia Absoluta
Monarca
 • 519-534 Cerdico
 • 688-726 Ine
 • 802–839 Egberto
 • 871-899 Alfredo
 • 925-927 Etelstano
Legislatura Witan
História
 • 519 Fundação
 • século V-VI Ocupação
 • século X Unificação Inglesa
 • 1016 Condado
 • 1066-1088 Conquista normanda
 • 1066 Dissolução
Moeda Sceat

Wessex (em anglo-saxão: Westseaxna rīce, IPA[wæstseˈaksna ˈriːke]) foi um dos sete reinos anglo-saxões (a chamada Heptarquia) que precederam o Reino da Inglaterra. Seu nome advém dos saxões ocidentais (West Saxons, daí "Wessex"). Situado no sul e sudoeste da Grã-Bretanha, o reino existiu do século VI até o surgimento do Estado inglês, no IX. Perdurou como um condado (earldom) entre 1016 e 1066, deixando de existir oficialmente desde então.

Simbolos[editar | editar código-fonte]

Dragão[editar | editar código-fonte]

A bandeira de Wessex desenhada por William Crampton na década de 1970

Wessex é geralmente simbolizado por uma serpe ou por um dragão. Tanto Henrique de Huntingdon como Mateus de Westminster falaram sobre o dragão dourado sendo erguido na Batalha de Burford no ano 752 pelos Saxões do Oeste. A Tapeçaria de Bayeux retrata um dragão dourado caído, bem como um dragão vermelho/dourado/branco na morte do Rei Haroldo II, que antes fora Conde de Wessex. Estandartes de dragão foram largamente usados em toda a Europa durante esse período, sendo derivado da insígnia dos soldados romanos.[1]

Referências

  1. J. S. P. Tatlock, The Dragons of Wessex and Wales in Speculum, Vol. 8, No. 2. (Apr., 1933), pp. 223–235.