Wiedźmin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Capa da edição brasileira do livro O Último Desejo, o primeiro da série lançado no país.

Wiedźmin (em inglês: The Witcher; em português: A Saga do Bruxo Geralt de Rívia) é uma série literária de contos e romances de fantasia escritos pelo polonês Andrzej Sapkowski que seguem a história do mítico Geralt de Rívia, um dos últimos bruxos restantes na Terra. No universo de Sapkowski, bruxos são caçadores de monstros geneticamente modificados que desenvolvem habilidades sobrenaturais quando jovens para combater ameaças mortais. O sucesso dos livros gerou diversas adaptações das histórias para outros meios, como quadrinhos, cinema, televisão, tabuleiros, jogos de mesa, jogos de cartas e, principalmente, videogames, que expandiram a marca mundialmente. Os cinco romances desta série formam o arco intitulado Saga o wiedźminie (A Saga do Bruxo).

Decurso[editar | editar código-fonte]

Os primeiros contos foram publicados na revista polonesa Fantastyka a partir de meados dos anos 1980. O primeiro deles, chamado "Wiedźmin" ("O bruxo"), de 1986, foi escrito exclusivamente para um concurso realizado por esta revista, ficando no terceiro lugar. Posteriormente, em 1990, as quatro primeiras histórias abordando o bruxo Geralt foram apresentadas, na forma de livro, em uma coleção de contos também intitulada Wiedźmin (hoje fora de catálogo). Esta coleção continha adicionalmente o conto "Droga, z której się nie wraca" (tradução direta: "Caminho Sem Retorno"), que fala sobre Visenna, a mãe de Geralt, e é situado antes das histórias do bruxo.

A segunda coleção de contos publicada foi Miecz przeznaczenia (A Espada do Destino), de 1992, e subsequentemente, em 1993, foi lançada a terceira, intitulada Ostanie życzenie (O Último Desejo), que embora tenha vindo após A Espada do Destino, se passa antes dessa cronologicamente. O Último Desejo então substituiu Wiedźmin como o primeiro livro depois que incluiu todos os contos presentes neste (exceto "Droga, z której się nie wraca", o único sem Geralt). Ainda que novos contos tenham sido adicionados nesta coleção, estes também situam-se antes de A Espada do Destino.

A partir daí, Sapkowski começou a escrever romances que davam segmento aos acontecimentos dos contos presentes nestas coleções, com o primeiro deles sendo Krew elfów (O Sangue dos Elfos), publicado em 1994, e o último Pani Jeziora (A Senhora do Lago), publicado em 1999 e fechando o arco iniciado por O Sangue dos Elfos.

Foi mais tarde publicado então Coś się kończy, coś się zaczyna (tradução direta: Algo Termina, Algo Começa), uma coleção contendo um final alternativo à série acerca do casamento de Geralt e Yennefer, escrito inicialmente para amigos de Sapkowski, incluindo outras histórias sem ligação à série. Em algumas edições polonesas, os contos "Droga, z której się nie wraca" e "Coś się kończy, coś się zaczyna" (que dá nome à coleção) foram adicionados a O Último Desejo e A Espada do Destino.

Por fim, foi publicado em 2013 o romance Sezon burz (Tempo de Tempestade), que situa-se cronologicamente antes de O Sangue dos Elfos e não faz parte oficialmente do arco original de romances, apesar de também ter sido escrito por Sapkowski.

Universo[editar | editar código-fonte]

Cenário[editar | editar código-fonte]

Os contos e romances situam-se em um continente não identificado, o qual foi povoado a milhares de anos atrás por elfos de outra dimensão. Quando chegaram, estes elfos encontraram apenas gnomos e anões na região. Após um período de guerra entre eles, os anões se retiraram para as montanhas e os elfos se estabilizaram nas planícies e nas florestas. Colonos humanos chegaram cerca de 500 anos antes dos acontecimentos retratados nos contos, acendendo uma série de guerras. Os seres humanos, que saíram vitoriosos, tornaram-se então dominantes na área; as raças não-humanas, cidadãos agora considerados de segunda classe, passaram a viver em pequenos guetos dentro de assentamentos humanos. Aqueles que não residem nestes guetos vivem em regiões desérticas ainda não reivindicadas pelos seres humanos. Entre as outras raças do continente, estão os Metadílios e as Dríades; lobisomens e vampiros surgiram depois do evento mágico conhecido como a Conjunção das Esferas.

Kovir&Poviss COA.svg

Kovir e Poviss
Caingorn COA.svg

Hengfors
Kaedwen COA.svg

Kaedwen
Redania COA.svg

Redânia
Mahakam COA.svg

Mahakam
Aedirn COA.svg

Aedirn
Cintra COA.svg

Cintra
Temeria COA.svg

Teméria
Lyria&Rivia COA.svg

Lyria e Rívia
Nilfgaard COA.svg

Nilfgaard

Durante os séculos anteriores aos contos, a maioria das regiões do sul do continente foram tomadas pelo Império de Nilfgaard; o norte pertence aos fragmentados Reinos do Norte. A série decorre após a primeira grande guerra entre o Império de Nilfgaard e os Reinos do Norte, com uma segunda guerra começando no meio da saga.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Apesar de nenhum mapa do universo criado por Sapkowski ter sido oficialmente lançado, vários deles foram criados por fãs. De acordo com o escritor, estes mapas são "quase exatos", e ele usa uma versão criada pelo tradutor checo Stanislav Komárek.[1]

O continente divide-se em quatro regiões. Os Reinos do Norte (onde se passa a maior parte da saga) consistem de Aedirn, Cidaris, Cintra, Aliança de Hengfors, Kaedwen, Kerack, Kovir e Poviss, Lyria e Rívia, Redânia, Teméria e Verden, além de vários ducados menores e principados como Bremervoord ou Ellander. O Império de Nilfgaard ocupa a maior parte da área ao sul dos Reinos do Norte. A parte oriental do continente, como o deserto Korath, Zerrikânia, Hakland e as Montanhas do Fiery, é desconhecida em sua grande parte. A série ainda menciona países estrangeiros que ocasionalmente negociam com o comércio dos Reinos do Norte, incluindo Zangwebar, Ofir, Hannu e Barsa.

Linguagem[editar | editar código-fonte]

Sapkowski também criou uma linguagem exclusiva para a série.[2][3] Conhecida como "Linguagem ancestral", tem como base o inglês, o francês, o galês, o irlandês, o latim, e outras línguas. Um importante dialeto derivado desta língua é falado nas ilhas de Skellige e pelos Nilfgaardianos.

Traduções[editar | editar código-fonte]

Os contos e romances foram traduzidos para o inglês, português, tcheco, alemão, russo, lituano, estônio, finlandês, francês, espanhol, italiano, búlgaro, ucraniano, sérvio, sueco, húngaro, holandês, chinês e georgiano.

Traduções brasileiras[editar | editar código-fonte]

Título Data de publicação Editora
O Último Desejo
(Ostanie życzenie)
2011 Editora WMF Martins Fontes
A Espada do Destino
(Miecz przeznaczenia)
2012 Editora WMF Martins Fontes
O Sangue dos Elfos
(Krew elfów)
2013 Editora WMF Martins Fontes
Tempo do Desprezo
(Czas pogardy)
2014 Editora WMF Martins Fontes
Batismo de Fogo
(Chrzest ognia)
2015 Editora WMF Martins Fontes
A Torre da Andorinha
(Wieża Jaskółki)
2016[4] Editora WMF Martins Fontes
A Senhora do Lago - Volume 1
(Pani Jeziora)
2017 Editora WMF Martins Fontes
A Senhora do Lago - Volume 2
(Pani Jeziora)
por anunciar Editora WMF Martins Fontes
Tempo de Tempestade
(Sezon burz)
por anunciar Editora WMF Martins Fontes

O termo "The Witcher"[editar | editar código-fonte]

Embora o nome Wiedźmin tenha ficado mundialmente conhecido como "The Witcher", a tradução escolhida por Sapkowski para o inglês era inicialmente "The Hexer" (o título internacional de sua adaptação para o cinema). Hexe e hexer são os termos em alemão para "bruxa" e "bruxo"; a desenvolvedora CD Projekt RED foi a primeira a difundir a expressão "The Witcher" ao escolher esta como título de seu primeiro jogo para o mercado internacional,[5] com Danusia Stok também a usando na sua tradução da coleção Ostanie życzenie (O Último Desejo), publicada em 2007. Sapkowski já havia usado o termo "The Witcher" em seu livro Historia i Fantastyka, de 2005, contudo, foi Adrian Chmielarz a pessoa responsável pela tradução inglesa, como mostram as cartas trocadas por ele e o autor em meados dos anos 80.[6] O americano Michael Kandel, por sua vez, utilizou a expressão "spellmaker" em sua tradução de 2010 para o conto "Wiedźmin".

Livros lançados[editar | editar código-fonte]

Coleções[editar | editar código-fonte]

As coleções reúnem contos publicados anteriormente por Andrzej Sapkowski e antecedem a saga de romances subsequente. No Brasil, estes dois compilados foram lançados sob o título principal A Saga do Bruxo Geralt de Rívia e "integrados" à saga de romances publicada em seguida.

  • Miecz przeznaczenia (A Espada do Destino) (1992, edição brasileira: 2012)
  • Ostatnie życzenie (O Último Desejo) (1993, edição brasileira: 2011). Note que, embora O Último Desejo tenha sido originalmente publicado depois de A Espada do Destino, os contos presentes em O Último Desejo se passam primeiro cronologicamente, e muitas destas histórias individuais foram publicadas antes de A Espada do Destino.

Saga o wiedźminie[editar | editar código-fonte]

Saga o wiedźminie (tradução direta: Saga do bruxo) constitui-se de cinco romances concentrados nos personagens Geralt de Rívia e Ciri, uma criança de sangue ancestral que, sendo princesa de um país recentemente conquistado e uma peça da política internacional, inicia treinamento para se tornar uma caçadora de monstros. Geralt é então arrastado para um turbilhão de problemas na tentativa de protegê-la. No Brasil, este arco de romances vem sendo publicado de forma conjunta às duas coleções de contos anteriores, com todas as obras sendo lançadas sob o título principal A Saga do bruxo Geralt de Rívia (a partir de 2014, no entanto, a editora WMF Martins Fontes optou por acrescentar o termo The Witcher ao título principal).

Romances independentes[editar | editar código-fonte]

  • Sezon burz (Tempo de Tempestade) (2013; ainda não lançado no Brasil) – "história paralela" situada entre contos de O Último Desejo.

Coleções paralelas[editar | editar código-fonte]

  • Coś się kończy, coś się zaczyna (tradução direta: Algo Termina, Algo Começa) (2000) – Coleção de contos de Sapkowski que inclui duas histórias não-canônicas sobre o bruxo.
  • A Polish Book of Monsters (tradução direta: Um Livro Polonês de Monstros) (2010) – Coleção em inglês publicada e traduzida por Michael Kandel, com o termo "Spellmaker" usado no lugar de "The Witcher" para Wiedźmin. A tradução desta coleção para o conto de introdução do bruxo também aparece numa edição em inglês diferenciada de O Último Desejo.

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Os livros foram descritos como clássicos cults[7] da Polônia, Rússia e outros países do Leste Europeu.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:

Referências

  1. «"Nie bądź, kurwa, taki Geralt" - interview on author's page» (em Polish). Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2007 
  2. Marek, Ruszkowski (2004). Wielojęzyczność w perspektywie stylistyki i poetyki. [S.l.]: Wydawnictwo Akademii Swiętokrzyskiej. p. 98. ISBN 83-7133-232-7 
  3. «Projekt słownika Starszej Mowy». Consultado em 6 de março de 2013 
  4. «"A Torre da Andorinha" chega ao mercado brasileiro em agosto!». WMF Martins Fontes. 25 de fevereiro de 2016 
  5. «The Witcher game that never was». Eurogamer. 19 de maio de 2015. Consultado em 22 de maio de 2015 
  6. http://www.eurogamer.es/articles/2016-07-10-el-juego-de-the-witcher-que-nunca-existio
  7. Ewa Mazierska (2007). Polish postcommunist cinema: from pavement level. [S.l.]: Peter Lang. p. 17. ISBN 978-3-03910-529-8 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]