Wieliczka

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wieliczka
POL Wieliczka COA 1.svg
Wieliczka Park.JPG
Parque em Wieliczka com a igreja ao fundo.
Voivodia Pequena Polónia
Powiat Wielicki
Governo municipal Wieliczka
Administrador municipal Józef Duda
Área 13,40 km²
População (2006) 18 849 habitantes
Densidade 1426,3 hab/km²
Fundação 1290
Código telefônico (+48) 12
Matrículas de automóveis KWI
Website http://www.wieliczka.gmina.pl/
Localização
Localização de Wieliczka na Polónia 49° 59' 22" N 20° 03' 58" E
Cidade da Polónia Flag of Poland.svg
Pix.gif Mina de sal de Wieliczka *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Wieliczka-saltmine-kinga.jpg
Capela na mina de sal de Wieliczka.
País Polónia
Critérios (iv)
Referência 32 en fr es
Coordenadas N49 58 45 E20 03 50
Histórico de inscrição
Inscrição 1978  (2.ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

Wieliczka é uma cidade do sul da Polónia, na área metropolitana de Cracóvia, situada na região de Pequena Polónia. Foi fundada em 1290.

Sob a cidade de Wieliczka, existe uma das mais antigas minas de sal do mundo, ainda em funcionamento.

A mina de sal de Wieliczka[editar | editar código-fonte]

A mina é famosa por ter uma longa tradição de visitas turísticas. Foi visitada por diversas figuras culturais proeminentes, tais como Nicolau Copérnico, Goethe, Alexander von Humboldt, Dmitri Mendeleev, Robert Baden-Powell, Karol Wojtyła (mais tarde papa João Paulo II), Bill Clinton, assim como por inúmeras pessoas anónimas.

Durante a segunda guerra mundial, as minas de sal foram ocupadas pelos alemães, como armazém para fábricas de produtos militares.

Em 1978, as minas de sal de Wieliczka passaram a figurar na lista do património da humanidade, da Unesco. Para esta eleição contribuiu a capela de Santa Cunegunda, onde é possível encontrar diversas esculturas feitas em sal, entre as quais se destaca uma estátua do papa João Paulo II. Nas visitas guiadas, é possível contemplar diversas capelas mais pequenas, assim como estátuas nos corredores, sendo a que retrata Nicolau Copérnico uma das mais populares. As minas são visitadas anualmente por mais de um milhão de turistas.

A muitos metros de profundidade, as minas oferecem uma loja de recordções, onde é possível adquirir pequenas esculturas feitas em sal. Nas suas galerias subterrâneas, realizam-se também diversos eventos sociais, tais como banquetes, concertos e provas desportivas. Existe ainda um sanatório, onde pessoas com problemas alérgicos ou respiratórios podem desfrutar dos benefícios de uma temporada subterrânea.

Lenda[editar | editar código-fonte]

Reza a lenda que Santa Cunegunda, filha de um rei húngaro, foi prometida ao rei da Polónia. Ao receber do pai, como dote, muito ouro e pedras preciosas, recusou-as, dizendo que tinham origem nas lágrimas e no sangue do povo. Em vez de riquezas, pediu sal, um bem essencial. Seu pai, ofereceu-lhe então uma mina de sal na Transilvânia. Em homenagem ao presente, Cunegunda atirou o seu anel para dentro da mina. Mais tarde, já na Polónia, realizou uma viagem por Cracóvia, chegando à zona de Wieliczka, onde pediu aos seus súbditos que cavassem um buraco profundo. Para espanto de todos, o buraco continha sal em abundância. E continha também o anel que Cunegunda deixara na Transilvânia. A partir dessa altura, as minas passaram a ser exploradas e tornaram-se da maior importância na Europa. Esta lenda está representada numa das galerias da mina, através de esculturas realizadas pelo mineiro Mieczyslaw Kluzek

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Wieliczka