Wikipédia:Como construir uma caixa taxonómica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Recomendação
O que se segue é uma recomendação do livro de estilo.
As recomendações são elaboradas através da experiência da comunidade e auxiliam no crescimento e na prosperidade do projeto.
Prefira utilizar a página de discussão antes de uma modificação que altere o contexto.
Ver também: Wikipédia:Como ler uma caixa taxonómica

Esta página serve como guia para construção de uma caixa taxonómica (ou taxocaixa). Estas caixas são colocadas no topo dos artigos que versam sobre seres vivos: espécies, géneros, famílias, filos etc. A taxocaixa utiliza a predefinição {{Info/Taxonomia}}.


Exemplos simples[editar código-fonte]

Apresentam-se a seguir alguns exemplos de taxocaixas.


Espécies de plantas[editar código-fonte]

Como ler uma caixa taxonómicaOleandro
Nerium oleander

Nerium oleander
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Gentianales
Família: Apocynaceae
Género: Nerium
Espécie: N. oleander
Nome binomial
Nerium oleander
L.




Espécies de animais[editar código-fonte]

Como ler uma caixa taxonómicaTexugo europeu
Meles meles

Meles meles
Estado de conservação
Status iucn2.3 LC pt.svg
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Mustelidae
Subfamília: Melinae
Género: Meles
Espécie: M. meles
Nome binomial
Meles meles
Linnaeus, 1758
Distribuição geográfica
Mapa de distribuição
Mapa de distribuição
{{Info/Taxonomia
| nome = Texugo europeu
| imagem =Dachs.jpg
| imagem_legenda = ''Meles meles''
| estado = LR/lc
| reino = [[Animalia]] 
| filo = [[Chordata]] 
| classe = [[Mammalia]] 
| ordem = [[Carnivora]] 
| família = [[Mustelidae]] 
| subfamília = Melinae
| género = '''''Meles'''''
| espécie = '''''M. meles'''''
| binomial = ''Meles meles''
| binomial_autoridade = [[Linnaeus]], [[1758]]
| mapa = Meles species range map.jpg
| mapa_legenda = Mapa de distribuição
}}


Espécies de vírus[editar código-fonte]

Os vírus seguem um sistema ligeiramente diferente. Não são colocados em táxones acima da ordem. São classificados em sete grupos, baseados no tipo de ácido nucleíco que contêm. Estes grupos são escritos em numerais romanos, de I até VII. Poderão ser incluidos na taxocaixa utilizando o argumento grupo_viral. Ao se utilizar este argumento, o link para classificação científica é alterado para classificação viral.

| grupo_viral = IV


Como ler uma caixa taxonómicaVírus de Marburg
Vírus de Marburg, ampliado cerca de  100.000x

Vírus de Marburg, ampliado cerca de 100.000x
Classificação científica
Grupo: Grupo II (ssDNA)
Família: Filoviridae
Género: Marburgvirus
Espécie: Lake Victoria marburgvirus
{{Info/Taxonomia
| nome = Vírus de Marburg
| imagem =Marburg virus.jpg
| imagem_legenda =  Vírus de Marburg, ampliado cerca de  100.000x
| grupo_viral = II
| família = [[Filoviridae]]
| género = ''[[Marburgvirus]]''
| espécie = ''''' Lake Victoria marburgvirus '''''
}}


Galeria de predefinições[editar código-fonte]

Se encontrar um artigo sem taxocaixa, adicione {{sem-infotaxo}} no mesmo, antes das categorias; em alternativa, poderá colocar um esqueleto de taxocaixa, ainda não preenchido, adicionando {{SUBST:Taxocaixa-esqueleto}} no topo do artigo.
Se adicionar {{SUBST:Taxocaixa-esqueleto}} no topo do artigo (e não preencher a taxocaixa), coloque {{falta-preenchercaixa}} no fundo do artigo.
Adicione novos parâmetros nos locais apropriados sem retirar as já existentes.
Utilize a predefinição relativa a pedido de imagem quando se tratar de espécie conspícua ou de relevante importância.

Nomes[editar código-fonte]

  • O nome deve ser sempre o nome comum quando existir um bastante conhecido, ou o nome científico, no caso contrário.
  • O nome comum deve ser grafado na forma pinheiro-do-brasil ou erva-de-santa-maria, isto é, totalmente hifenizado e em minúsculas, ainda que incluam nomes próprios.

Cor da caixa taxonómica[editar código-fonte]

A cor da caixa taxonómica indica o tipo de organismo que está a ser descrito:

Tabela de cores
Animalia pink
Archaeplastida ("plantas") lightgreen
Bacteria goldenrod
Archaea orange
Fungi lightblue
Protista khaki
Virus cyan
Chromalveolata #ADFF2F (greenyellow)
Rhizaria #E6E6FA (lavender)
Excavata #BC8F8F (rosybrown)
Amoebozoa #F5DEB3 (wheat)
Eucariotas, incluindo incertae sedis #E0D0B0
Extintos lightgrey
O nome da cor tem que ficar em inglês para ser reconhecido pelo sistema.

Classificação científica[editar código-fonte]

A secção correspondente à classificação científica, tem normalmente, no caso de uma espécie, os seguintes itens:

| reino =
| filo =
| classe =
| ordem =
| família =
| género =
| espécie =

Cada linha corresponde ao grupo taxonómico que contém os grupos em linhas que lhe estão abaixo. Apenas o último, neste caso a espécie, corresponde ao assunto do artigo propriamente dito. Note que o nome dos parâmetros está em língua portuguesa e não em latim.

As taxocaixas deverão ter todos os grupos taxonómicos principais acima indicados, mais aqueles grupos intermédios que são importantes para a compreensão da classificação científica do táxon que é assunto do artigo ou aqueles grupos que são alvo de abordagem no próprio texto do artigo. Outros grupos taxonómicos intermédios devem ser omitidos.

Os grupos intermédios são incluídos da mesma forma:

| classe = ...
| subclasse = ...
| superordem = ...
| ordem = ...

No caso de artigos sobre espécies e subespécies, o nome científico destas deve ser colocado em formato abreviado. Como exemplo, no caso do gato-doméstico, a espécie deverá ser colocada como F. silvestris e a subespécie como F. silvestris catus. Os epítetos não devem ser colocados isoladamente. A forma por extenso apenas deverá ser colocada na secção referente ao nome binomial e nome trinomial.

Divisões e secções[editar código-fonte]

Os termos divisão e secção têm significados diferentes na zoologia e na botânica.

Na botânica:

  • use divisão : acima de classe e abaixo de reino
  • use secção : acima de espécie e abaixo de género

Em zoologia:

  • use zoodivisão : acima de família e abaixo de ordem
  • use zoosecção : acima de família e abaixo de ordem

taxa sem classificação[editar código-fonte]

Para cada taxa principal, de família até ao filo, pode ser introduzida um entrada de sem classificação à taxocaixa. A entrada sc_X aparece acima da classificação X, por exemplo sc_família aparece acima da família e superfamília e abaixo de ordem, subordem, infraordem, etc:

| ordem = 
| sc_família = 
| família = 

Use taxa sem classificação de maneira moderada. A necessidade de incluir taxa sem classificação indica que você está a seguir uma taxonomia filogenética. É usualmente melhor abreviar a classificação aos itens principais e então discutir a classificação em mais detalhe no corpo do artigo.

Vírus[editar código-fonte]

Os vírus seguem um sistema ligeiramente diferente. Não são colocados em táxons acima de ordem, e são tratados em sete grupos com base no tipo de ácido nucleico que contêm, referidos em numerais romanos, de I a VII. Estes podem ser colocados na taxocaixa usando o campo "grupo_viral". Isto também muda a ligação de classificação científica para Classificação viral, de tal forma que não deva aparecer em taxocaixas para não-vírus, mesmo que deixado em branco.

| grupo_viral = IV

Negrito e itálico[editar código-fonte]

O itálico deverá ser feito manualmente. Géneros, espécies e subspécies deverão sempre ficar em itálico, de acordo com o padrão utilizado em ciências biológicas. Por exemplo, nós falamos no género Homo, na espécies Homo sapiens e na subespécie Homo sapiens sapiens.

  • Em botânica, é importante colocar a categoria abaixo do nível de espécie. A categoria não se coloca em itálico, p. ex. Género espécie subsp. subspecies var. variedade.
  • Algumas bactérias que foram caracterizadas mas não formalmente nomeadas, é-lhes dado nomes Candidatus. Devem ser escritos na forma Candidatus Género espécie, em vez do itálico normal.

Táxons superiores como famílias, podem ou não estar em itálico em diferentes publicações. O padrão da Wikipédia é não os colocar em itálico, excepto no caso de vírus ou partículas infecciosas.

O negrito é usado para indicar o assunto do artigo. Os argumentos nome, binomial e trinomial tornam-se em negrito automaticamente. O táxon final deve estar em negrito, assim como grupos superiores que apenas incluem o táxon final. Ver Ginkgo para um exemplo. No artigo, o nome do grupo deverá estar a negrito se for o título do artigo:

  • Enxaluto (Enxalutus domesticus) é um peixe de águas doces.
  • Snagotoothus unkillabilis é uma planta parasita sem nome comum.

Subdivisões[editar código-fonte]

Grupos acima de espécies (e mesmo espécies se tiverem subespécies notáveis) deverão incluir uma lista de subgrupos. Use o argumento subdivisão para fazer a lista, separando os elementos com as tags <br/> tags, e o argumento subdivisão_nome para dizer em que grupo os subgrupos estão incluidos. Por exemplo, para famílias numa ordem:

| subdivisão = Famílias
| subdivisão =
[[Família1]]<br/>
[[Família2]]<br/>
[[Família3]]

Alternativamente:

| subdivisão = Famílias
| subdivisão =
*[[Família1]]
*[[Família2]]
*[[Família3]]

Nos casos onde a lista torne a taxacaixa demasiado longa, ou onde a classificação for demasiado variável para permitir um breve sumário, a lista deverá ser substituída por um comentário como Ver texto. ou a secção de subdivisão deve ser omitida. De maneira geral, onde houver mais de 20 subgrupos, eles deverão ser vertidos para o corpo do artigo, e quando houver mais de 100, poderão ser colocados em artigo separado.

Em casos onde a classificação é variável, uma descrição como Ordens típicas ou Ordens notáveis pode ser usado.

No caso em que o grupo seja incerto, uma descrição como Subgrupos ou Taxa é preferível.

Todos os parâmetros[editar código-fonte]

Nesta secção são apresentados todos os parâmetros pela ordem na qual aparecem na taxocaixa. No entanto, nenhuma taxocaixa deve conter todos estes parâmetros. A taxocaixa deverá ser o mais curta possível.



Estado de conservação[editar código-fonte]

  • Utilize apenas uma predefinição referente ao estado de conservação.
  • Disponha a informação do estado de conservação apenas nos artigos referentes a espécies, uma vez que dentro de um mesmo grupo pode haver várias situações distintas.
  • Recomenda-se que se utilize como referência para definir o estado de conservação a Lista Vermelha da IUCN, através do mecanismo de busca basica ou avançada.

A lista vermelha da IUCN pode ser utilizada para encontrar o estado de conservação de muitos organismos. É incluída através do argumento estado, que leva um dos códigos abaixo descriminados. Não é apropriado para organismos pré-históricos - o parâmetro período_fóssil poderá ser uma opção mais sensível.

| estado = código

ou

| estado = EX
| extinta = ano

Use a primeira sintaxe (com um dos códigos abaixo) excepto para animais extintos quando queira mostrar o ano da extinção. O código pode ser em maiúsculas ou minúsculas.

Categorias da Lista Vermelha da IUCN[editar código-fonte]

Categorias de baixo risco
Descrição Categorias e critérios de 2001
(versão 3.1)
LC - Segura ou pouco preocupante: categoria de risco mais baixo. Não qualificável para uma categoria de maior risco. Os táxons abundantes e amplamente distribuídos são incluídos nesta categoria. Status iucn3.1 LC pt.svg
NT - Quase ameaçada: perto de ser classificada ou provavelmente qualificável para ser incluída numa das categorias de ameaça num futuro próximo. Status iucn3.1 NT pt.svg
Descrição Categorias e critérios de 1994
(versão 2.3)
LR/lc - Segura ou pouco preocupante: categoria de risco mais baixo. Não qualificável para uma categoria de maior risco. Os táxons abundantes e amplamente distribuídos são incluídos nesta categoria. Status iucn2.3 LC pt.svg
LR/nt - Quase ameaçada: perto de ser classificada ou provavelmente qualificável para ser incluída numa das categorias de ameaça num futuro próximo. Status iucn2.3 NT pt.svg
LR/cd - Dependente de medidas de conservação: realce para um continuado programa de conservação, específico para um determinado táxon ou habitat. A cessação desse programa poderá levar a que o táxon qualifique para uma das categorias de ameaça listadas abaixo, num período de cinco anos. Status iucn2.3 CD pt.svg
Categorias de ameaça
Descrição Categorias e critérios de 2001
(versão 3.1)
VU - Vulnerável: considerada como estando a sofrer um risco elevado de extinção na natureza. Status iucn3.1 VU pt.svg
EN - Em perigo: considerada como estando a sofrer um risco muito elevado de extinção na natureza. Status iucn3.1 EN pt.svg
CR - Em perigo crítico: considerada como estando a sofrer um risco extremamente elevado de extinção na natureza. Status iucn3.1 CR pt.svg
Categorias de Extinção
Descrição Categorias e critérios de 2001
(versão 3.1)
EW - Extinta na natureza: apenas conhecida como sobrevivendo por cultivo, em cativeiro ou como população naturalizada, fora da sua área de distribuição conhecida. Status iucn3.1 EW pt.svg
PE - Possivelmente extinta: uma categoria dada pela BirdLife International. Subcategoria de Em perigo crítico (CR). Status none PE.svg
PEW - Possivelmente extinta na natureza: termo usado na Lista Vermelha da IUCN. Subcategoria de Em perigo crítico (CR). Status none PEW.svg
EX - Extinta: não existe dúvida razoável que o último indivíduo morreu. Status iucn3.1 EX pt.svg
Falta de informação
Descrição Categorias e critérios
DD - Dados insuficientes: informação inadequada para fazer assessoria directa ou indirecta do risco de extinção. Dados insuficientes
NE - Não avaliada: Não foi ainda avaliada em função dos critérios. Não avaliada

Outras Categorias[editar código-fonte]

Outra categorias
Descrição Categorias e critérios
SE - Segura Segura
FÓSSIL - fósseis Extinta (fóssil)
PRE - Animais Pré-históricos Pré-histórica
texto Ver texto

Artigos sem caixa (com predefinição Sem-infotaxo)[editar código-fonte]

Artigos com caixa escondida, ainda por preencher[editar código-fonte]

Ver também[editar código-fonte]