Wikipédia Discussão:Versões da língua portuguesa/Arquivo/4

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Distinção entre as diferentes variantes do português utilizado na Wikipédia portuguesa[editar código-fonte]

Bem, para começar gostaria de expressar a minha opinião de que sou muito a favor de existir UMA Wikipédia para a língua portuguesa. Penso que seria pena, se se começassem a criar uma Wikipédia para o português de Portugal, uma Wikipédia para o português do Brasil, uma Wikipédia para o português de Cabo Verde, e assim por adiante. Já que falamos todos o mesmo idioma, há que tirar proveito desse facto. Uma única Wikipédia da língua portuguesa é uma oportunidade de fortalecer os laços entre todos os países lusófonos e também de fortalecer uma identidade global entre os povos de idioma português.

Por outro lado acho importante de que se informe em cada página da Wikipédia portuguesa sobre a variante do português utilizada nessa página. Não só para esclarecer futuros editores dessas páginas qual variante do português a utilizar, mas também (e principalmente) para esclarecer consultadores "estrangeiros" ao idioma português sobre qual a variante do português em que se encontra editada o documento.

Pessoalmente seria capaz de distinguir o português brasileiro e o português de Portugal, mas já não seria capaz de distinguir o português cabo-verdiano do português de outros países africanos. Neste sentido seria interessante até mesmo para utilizadores da língua portuguesa que houvesse uma indicação em cada página sobre qual a variante do português utilizada.

Penso que uma forma de traduzir esta ideia na prática seria de colocar a bandeira (por exemplo em forma de icon) do país da variante do português em causa no início do documento.

Bem, fica aqui uma proposta que a meu ver seria positiva.

De resto desejo sucesso para a versão portuguesa da Wikipédia e que esta seja um meio de unir todos os povos lusófonos.

Abraço

PR

concordo. Mas isso mesmo os contribuidores já podem começar a fazê-lo 217.129.253.186 22:54, 10 Dezembro 2006 (UTC)

Aiaiai, The Return of the Flags (part 2). PARG 23:14, 10 Dezembro 2006 (UTC)

Defendo a criação da Wikipédia brasileira[editar código-fonte]

O texto que aqui estava foi movido para: Wikipedia:Temas recorrentes/Cisão da Wikipédia lusófona/Arquivo 2#Defendo a criação da Wikipédia brasileira

Não precisamos de outra Wikipédia, apenas de uma parser function[editar código-fonte]

Li o artigo postado por Sérgio Domingues e ele disse que criou uma wiki com uma parser function e uma pré-definição para selecionar a forma da palavra (brasileira ou lusitana) de acordo com o idioma definido no navegador do usuário. E que um leitor brasileiro leria de acordo com a sua versão do português, um lusitano com a sua versão e etc. Eu concordo com ele e também acho que deveriamos instalar isso na Wikipédia. E por um lado defendo o acordo ortográfico de 1990 porque seria mais fácil para os lusófonos se entenderem entre si na ortografia, mas por outro sou contra porque já acostumei com a forma que se escreve no Brasil, como lingüiça, assembléia, vôo, etc. Seria difícil no começo escrever linguiça, assembleia, voo, etc. Mas logo a gente se acostumaria com a nova ortografia, como fizemos antigamente ao longo dos anos 1910.

Porque o Brasil não foi colonizado em mirandês[editar código-fonte]

Em Portugal, além do português, existe uma segunda língua oficial, o mirandês, então se o mirandês também é falado em Portugal, porque os portugueses não colonizaram o Brasil usando esse idioma? A resposta é óbvia, porque o português foi e é mais falado em Portugal do que o mirandês, a língua portuguesa é a primeira língua oficial de Portugal, por isso, o Brasil e os outros países lusófonos foram colonizados em língua portuguesa, em consequência disso, a língua portuguesa se tornou o idioma oficial desses países, ex-colônias portuguesas.

Mas algo semelhante ocorreu nas colonizações espanhola e inglesa:

Na Espanha, além do castelhano (ou espanhol), também se falam o catalão, o basco e o galego, então porque a América Latina e a Guiné Equatorial não foram colonizadas com um desses três idiomas? Porque o castelhano foi e ainda é a língua oficial da Espanha, embora em algumas comunidades autônomas se falem o catalão, basco e/ou galego.

Na Inglaterra, além do inglês, temos também o gaélico escocês, o galês e outros idiomas de origem céltica. Então por que os Estados Unidos e os outros países anglófonos não foram colonizados em gaélico, ou galês, etc. Porque o inglês, por ser mais falado, foi e é de fato a língua oficial da Grã-Bretanha, por isso os Estados Unidos e os outros países anglófonos foram colonizados em língua inglesa.

Influência Brasil X Portugal[editar código-fonte]

O fato é que o português brasileiro sem dúvida alguma é mais influente que o potuguês euroupeu atualmente. Isso se deve ao fato do Brasil se destacar no cenário mundial mais que Portugal, visto que possui a 5ª maior população do mundo, 5º maior território do planeta, 9ª maior economia (segundo o FMI e Banco Mundial)…

Além disso, regionalmente o Brasil tem peso político, é a 2ª maior economia das Américas… Um exemplo disso, foi que o Brasil sepultou a ALCA, que os EUA tanto insistiam. E por ter influência enorme nos demais países da América Latina…

O português brasileiro pode ser facilmente estudado em qualquer país americano, inclusive na América do Norte, diferentemente do português europeu…

A cultura brasileira também possui mais destaque no cenário mundial. Desde o esporte, música, passando pelo meio acadêmico, artes....

Diante destes fatos é notório que o padrão brasileiro do português está muito mais difundido mundialmente que o padrão português euroupeu, e também pelo fato que a maioria absoluta dos falantes do português, o tenham como língua materna o padrão brasileiro…

Sou a favor que os artigos da versão portuguesa respeitem a versão materna da cada autor… Agora é ridículo afirmar que o português europeu seja o correto… e dizer que o português falado no Brasil é um português adulterado…

Alexsanderxm 11:10, 30 Janeiro 2007 (UTC)

Agora é ridículo afirmar que o português europeu seja o correto… e dizer que o português falado no Brasil é um português adulterado…
Para mim afirmar isso é quase tautológico visto que por definição o Português é a língua oficial falada em Portugal logo qualquer discrepância é uma adulteração. Não quer dizer que seja melhor ou pior mas por esta definição é certamente uma adulteração.
Quanto a "Desde o esporte, música, passando pelo meio acadêmico, artes....", tirando o desporto (e devido à imensa valorização do futebol) todas as outras categorias são muito mais dúbias de comparar. De qualquer modo, isso é irrelevante.

Não entendo porque os portugueses insistem em chamar o "Português de Portugal" de "Português Europeu" - existem outros países da Europa cujo português seja língua oficial? (atenção: *galego* é uma língua, não uma "mistura" de português com espanhol) Se for assim então, que chamemos o "Português do Brasil" de "Português Americano"…


Marinhopaiva

Jovens, uma vez que a língua portuguesa é uma das línguas oficiais da União Europeia, pode-se sim dizer que o português falado em Portugal é o português europeu. O brasileiros tem todo o direito de chamar o português que falam de português americano, português brasileiro ou até português chinês, se assim desejarem. O que convém é não misturar as duas coisas. Ambas as versões são dadas como correctas mas isso não significa que a versão brasileira, por ser falada por mais pessoas é a mais adequada ou a que tem mais projecção internacional. Isso não passa de uma piada. Isso sim é ridículo.

A reforma ortográfica já está em vigor![editar código-fonte]

Desde que são tomé e príncipe ratificou o protocolo modificativo no fim do ano passado, o tratado entrou automaticamente em vigor. Considerando a particularidade da wikipédia, de ter um editorial luso-brasileiro, sugiro que adotemos a nova ortografia imediatamente. Que acham?--200.103.134.149 21:06, 13 Abril 2007 (UTC)

De facto Brasil, Cabo Verde e São Tomé e Principe poderão desde já concertar posições quanto à adopção do acordo. Os restantes países da CPLP certamente manterão cláusulas de reserva quanto à aplicação dos mesmos nas suas ordens jurídicas internas. Se o Brasil adoptar já essas normas não vejo porque não seja aceite essa grafia aqui, eliminando-se desde já as palavras que estarão mal escritas. A variante europeia continuará certamente até que Portugal subscreva o acordo. António 18:22, 24 Abril 2007 (UTC)
Recomendo cautela na "correção" de textos tendo-se em vista as normativas recém-aprovadas, que ainda são muito polêmicas mesmo entre lingüistas brasileiros, por exemplo. Além do que, o novo Acordo Ortográfico não é concenso na CPLP, o que pode causar certo conflito de edições. Ainda batalha-se cá na Uiquipédia para serem observadas normas adotadas no Acordo de 1943 e que, via de regra, ainda estão em vigor. Imagino que o mais prudente, no que toca à correção textual, seja sempre alterar apenas o que é consenso, adotado por acordos anteriores e já consagrados, levando-se em consideração as variantes. --Tonyjeff ¿Uíqui-o-quê? 13:11, 2 Maio 2007 (UTC)
Polêmicas à parte, o Acordo Ortográfico já foi ratificado pelo Brasil e por Portugal. O único obstáculo que ainda existia à sua adoção imediata era a não-ratificação pela totalidade dos países da CPLP. Esse obstáculo foi removido porém pelo protocolo modificativo de 2004. É compreensível que os países afetados desejem um período de transição para implementar plenamente a reforma ortográfica, mas não há motivo nenhum para que não se comece a empregá-la imediatamente. A Wikipédia poderia ser pioneira, saindo à frente de outras mídias e incorporando imediatamente a nova ortografia como norma do seu Manual de Redação e Estilo. Um paralelo interessante pode ser traçado com duas outras reformas ortográficas atualmente em curso entre as línguas europeias, especificamente a reforma ortográfica alemã de 1996 e as chamadas "retificações ortográficas do francês" de 1990. Göedel 14h48min de 5 de Junho de 2007 (UTC)
Mas esse Protocolo Modificativo de que fala não foi assinado ou rectificado por vários PALOP, entre eles Angola, pelo que a sua suposta entrada em vigor aí não passa de uma pretensão. 2.80.11.40 (discussão) 08h42min de 21 de julho de 2011 (UTC)

ESTADA E ESTADIA[editar código-fonte]

A discussão abaixo foi O texto seguinte foi movido de: Discussão:Página principal#ESTADA_E_ESTADIA --Lgrave ? 16:13, 24 Abril 2007 (UTC)

QUAL A DIFERENÇA ENTRE ESTADA E ESTADIA ?

  • Estada é o tempo de estar; tempo durante o qual alguém se demora em algum lugar. Estadia é a parada forçada que fazem os navios no porto; permanência de avião no aeroporto ou hangar, de automóvel, ônibus, etc. em garagem ou estacionamento. Laobc 14:47, 23 Abril 2007 (UTC)
  • Com os devidos respeitos, houve confusão da parte do colega Laobc, a despeito da evidente boa intenção. Eis a distinção correta:
  1. ESTADA: [De estar + -ada] (Substantivo feminino) Ato de estar; demora, permanência, estância: "Depois de sua estada na prisão, Oscar Wilde dizia -- oh! -- que a sua rota era a de São Francisco de Assis…" (Álvaro Lins, Literatura e Vida Literária, p. 39.);
  2. ESTADIA: [De estada + -ia ¹] (Substantivo feminino) (1) [Mais empregado em marinha mercante] Prazo concedido para carga e descarga do navio surto em um porto; estalia. (2) [Sinônimo de] Estada, permanência. [Muitos condenam o uso, freqüentíssimo, da palavra nesta última acepção. Reforce-se: deve-se evitar o uso de estadia para significar estada!]

Assim, ESTADA refere-se ao ato de estar, enquanto ESTADIA refere-se ao tempo de permanência de [algo, alguém…, por extensão: não necessariamente no âmbito da marinha mercante] Ver: FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000. Também Dicionário Universal, em Portugal mostra o mesmo entendimento.

EgídioCamposDiz! 12:55, 24 Abril 2007 (UTC)

  • Com o devido respeito, até porque não sou da área, não entendo onde esteja a confusão na primeira formulação, apenas me parece que peca por defeito.

Fui consultar o meu Houaiss acerca dos termos referidos[1]:

Estada(s.f.): Acto de estar, de permanecer em algum lugar <repensou a sua vida durante a estada na ilha>(Etimologia: feminino substantivado do particípio estado, de estar)
Estadia(s.f.):1.Permanência, estada por tempo limitado<a estadia no campo descansou-o> 2.(Termo de marinha,jurídico) período de tempo autorizado de um navio mercante num porto para carregamento e descarga, estalia. (Etimologia: estado + -ia)

No mesmo sentido vai o Priberam acrescentando-lhe mais alguns significados, mas não deixando de integrar "estada" na definição de "estadia".

[1]Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, Antônio Houaiss, Tomo III, pág.1612, Lisboa: Círculo de Leitores, 2003, ISBN 972-42-2809-6

Do exposto não me parece que esteja difundida a opinião de evitar o uso de estadia como uma estada limitada no tempo. Posso estar a interpretar mal, mas não vejo que o Dicionário Universal ou o Houaiss sigam esse entendimento. António 17:53, 24 Abril 2007 (UTC)

  • Sobre o mais recente comentário, da parte do colega António (logo acima…), passo a considerar:
  1. "(…) não me parece que esteja difundida a opinião de evitar o uso de estadia como uma estada limitada no tempo. Posso estar a interpretar mal, mas não vejo que o Dicionário Universal ou o Houaiss sigam esse entendimento." Nota bene: dada a dinâmica intrínseca e inexorável do fenô(ó)meno lingü(u)ístico, pode ser que assim venha a ser. Não o é ainda;
  2. "No mesmo sentido vai o Priberam acrescentando-lhe mais alguns significados, mas não deixando de integrar "estada" na definição de "estadia"." Nota bene: feita a mesma consideração que à nota anterior, também pode ser que assim venha a ser. Não o é ainda. Qualquer que seja a fonte consultada, inclusive o renomado e respeitado Houaiss, além dos primeiramente alinhados Aurélio e Priberam (Universal) Portugal.
  3. Para refletir: uma ESTADA (ato) implica necessariamente uma ESTADIA (tempo), e vice-versa, embora nenhum dos dois significados ou significantes esteja logica ou semiologicamente incluído no outro. Novamente: pelo menos por enquanto…

A propósito, deveriam os wiki-novatos, quando do regist(r)o, ser saudados com "(…) [uma boa] ESTADA (…)", numa alusão [atualmente a lingüísticamente correta…) à hospedagem na Wikipédia, à semelhança de hospedagem (estada) num bom hotel ou pousada. É fato — a bem da verdade duma compreensão maior — que desejar "(…) [uma boa] ESTADIA (…)", numa alusão ao tempo de passagem na Wikipédia, não é, per se, incorreto, conquanto exprima primordialmente (até o presente…) uma idéia de tempo e, a ser assim, de… "certa transitoriedade", o que não me parece ser de boa hospitalidade. (Este último comentário é de foro apenas pessoal)

EgídioCamposDiz! 13:31, 29 Abril 2007 (UTC)

O António tem razão. No Brasil não sei, mas em português europeu a distinção entre as duas palavras, se alguma vez fez sentido, há muito que se tornou num preciosismo extremamente marcado. Ozalid 18:49, 29 Abril 2007 (UTC)

Estada (s. f.):

  1. acto de estar;
  2. permanência;
  3. demora;
  4. detença;

[ant.],

  1. estábulo, cavalariça, compartimento;
  2. solstício.

Estadia (s. f.):

  1. estada;
  2. demora que o navio fretado é obrigado a ter no porto de descarga sem direito a indemnização.

Note-se, destarte, que o conceituado dicionário em citação consigna para Estada uma primeira acepção, precisamente a de "acto de estar". E as demais, a seguir, fazendo constar, sim, demora (acepção temporal, que remete a "Estadia"). Registra, ainda, acepções antigas.
Sobre Estadia, observe-se que o mesmo dicionário remete-a a Estada (deixando claro que — ao menos até o presente, na dinâmica lingüística — Estadia vem a ser subordinada a Estada, no cenário léxico-semântico, e não o contrário, como foi sugerido acima).
De qualquer e de toda forma, deixo claro que não sou eu o autor da dinâmica lingüística (melhor: não o sou apenas eu, somos todos os praticantes do complexo fenômeno lingüístico). Assim, o que vier a ser acolhido dentro do equilíbrio dinâmico versus estático desse fenômeno será naturalmente por todos acolhido. Por que refiro o aspecto "estático"? Pelo fato de haver necessidade de "certa permanência, ainda que constantemente sujeita a mudanças — o que não é, de forma alguma, conflitante, embora pareça paradoxal…
Ex positis et meritum citatum, se — e quando — vierem a ser recorrentemente sinônimos os dois termos, assim os acolherei.
Os termos não são sinônimos. Não o são ainda. Não no Brasil, nem em Portugal. As fontes referidas provam-no suficientemente.

EgídioCamposDiz! 20:04, 30 Abril 2007 (UTC)

Caro Egidiofc, parece-me muito bem o seu interesse pela linguística, mas olhe que é preciso prudência ao usar conceitos que apenas se acabou de conhecer superficialmente. Por exemplo, as palavras não se subordinam umas às outras, não há umas mais importantes do que outras, nem há relações de dependência semântica de umas em relação a outras (a não ser, e mesmo isso é uma simplificação, se estivermos a falar de flexão morfológica). Assim, quando num dicionário, uma palavra aparece remetida para outra, isso não significa necessariamente que uma tenha origem na outra (a indicação etimológica, quando existe, o que não é o caso, está sempre bem identificada). Quando, num dicionário descritivo, uma palavra aparece remetida para outra, isso significa que estamos perante aquilo a que geralmente se chamam sinónimos. Concluindo, as fontes citadas provam ― tanto quanto seja possível provar seja o que for ― que as duas palavras são, efectivamente, ― tanto quanto elas existem ― palavras sinónimas. Digo tanto quanto elas existem, porque, se anda a ler coisas sobre linguística, não quero correr o risco de me vir dizer que, em rigor, não existem palavras sinónimas, o que é verdade, mas não tem implicações neste assunto. Abraço, Ozalid 22:25, 30 Abril 2007 (UTC)
Aliás, caro Egidiofc, pelos vistos, no Brasil a situação é mais ou menos a mesma. É que, se ler com atenção o Aurélio, ele não pode ser mais claro: (2) [Sinônimo de] Estada, permanência.. É curioso que, logo a seguir, surja o deve-se, mas isso seria uma conversa sobre os dicionários e sobre a sua autoridade que daria pano para mangas (já começou a ler alguma coisa sobre gramática descritiva e gramática normativa? É um assunto parecido…) Abraço, Ozalid 22:31, 30 Abril 2007 (UTC)

eu uso a palavra Customizada[editar código-fonte]

O texto seguinte foi movido de: Discussão:Página principal

Gostaria de saber a opinião sobre está palavra, eu já ouvi falar, até em texto, mais não encontrei no Aurélio, nem por aqui, vou aguardar Customizar, customizada, customização… Samuel o comentário precedente não foi assinado por 200.96.232.93 (discussão • contrib.)

É um neologismo pobre do termo inglês custom. Prefira o termo personalizar, esse sim está no dicionário. Leonardo Stabile msg 20:58, 13 Abril 2007 (UTC)

Status do Acordo Ortográfico de 1990[editar código-fonte]

O Acordo Ortográfico de 1990 já foi ratificado pelo Brasil, Portugal, Cabo Verde e São Tomé. Pelo protocolo modificativo de 2004, o Acordo passa a entrar automaticamente em vigor nos países que já o ratificaram. Não há motivo portanto para adiar o seu uso imediato na Wikipédia lusófona. No mínimo, dever-se-ia adotar uma política de uso do Acordo em todos os novos artigos criados a partir deste ano. Penso também que se deveria ao menos compilar uma lista de artigos existentes cujos títulos terão de ser modificados em função da reforma ortográfica (a exemplo do que foi feito na Wikipédia francesa, ver texto vinculado, em resposta às "Rectifications orthographiques du français, coincidemente também aprovadas em 1990). Göedel 11h57min de 5 de Junho de 2007 (UTC)

Português Portugal x Português Brasil[editar código-fonte]

O texto seguinte foi movido de: Discussão:Página principal#Português Portugal x Português Brasil --Lgrave ? 00h28min de 11 de Junho de 2007 (UTC)

Estou usando o Wikipedia com m aior freqüência e, as vezes, observo muitos problemas em relação ao Português falado em Portugal e ao falado no Brasil.

Sabemos que muitas vezes essas diferenças podem ser superadas, mas seria muito complicado ter uma página do wikipedia.br, para os brasileiros, copiando os artigos e ficando a cargo dos brasileiros a tradução.

Ou vamos contar com a boa vontade dos amigos brasileiros e portugueses de conseguirem escapar de algumas diferenças.

Tentamos evitar o uso de palavras que não sejam de uso comuns aos dois povos. Não haverá no futuro uma separação da Wikipédia.--OS2Warp msg 01:24, 25 Maio 2007 (UTC)

O problema não é somente localizda nas palvras. É a própria construção frásica e semântica da língua que separa as duas vertentes da língua. De não esquecer que o português não é somente a língua oficial de Portugal mas também de Angola, Moçambique, Timor-Leste, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. PTJoel 11:14, 25 Maio 2007 (UTC)

Português[editar código-fonte]

O texto que aqui estava foi movido para: Wikipedia:Temas recorrentes/Cisão da Wikipédia lusófona/Arquivo 2#Português

Deve existir uma Wikipedia brasileira[editar código-fonte]

O texto que aqui estava foi movido para: Wikipedia:Temas recorrentes/Cisão da Wikipédia lusófona/Arquivo 3#Deve existir uma Wikipedia brasileira

Brasil se prepara para reforma ortográfica[editar código-fonte]

Vejam isso! Acaba com um monte de discussão, não é mesmo? http://www1.folha.uol.com.br/folha/educacao/ult305u321371.shtml http://www1.folha.uol.com.br/folha/educacao/ult305u321373.shtml

Entre outras, achei óptimo isto: GRAFIA No português lusitano: 1. desaparecerão o "c" e o "p" de palavras em que essas letras não são pronunciadas, como "acção", "acto", "adopção", "óptimo" -que se tornam "ação", "ato", "adoção" e "ótimo" 2. será eliminado o "h" de palavras como "herva" e "húmido", que serão grafadas como no Brasil -"erva" e "úmido" o comentário precedente não foi assinado por 200.247.100.129 (discussão • contrib.) 16h34min de 20 de Agosto de 2007

Portugal não está preparado pelas seguintes razões:
  • A - A Comunicação Social e o Governo não dão importância a este assunto.
  • B - Os portuguseses já estão acostumados à grafia em vigor neste preciso momento.
  • C - As Editoras não estão preparadas para re-editar os seus livros.
  • D - Hà falta de consenso perante os linguístas pelo que nem todas as consoantes consideradas "mudas" são relamente mudas e também proque não concordem com a retirada do "h" em certas palavras.
O acordo só entrará em vigor em Portugal se o governo o ratificar. Até lá, continuar-se-á a escrever da maneira como está legalmente em vigor em Portugal. E como estão as coisas, duvido muito que venha a acontecer.
PTJoel 20h05min de 20 de Agosto de 2007 (UTC)
Portugal também não está preparado porque:
E - O acordo ortográfico é uma farsa que não resolve nenhum problema da
"deriva continental" do português do Brasil…
A única solução seria declarar o brasileiro como língua oficial de Portugal!!!
Paptm (discussão) 06h30min de 17 de Maio de 2008 (UTC)


Bagno (2000) acredita que existe no Brasil o que chama de "polarização diglóssica" (2000, p. 300):

Fruto dessa ideologia lingüística é a inegável situação de polarização diglóssica que vigora no senso comum. De um lado, temos a norma padrão, associada, como ficou claro, à escrita mais monitorada, ocupando o pólo positivo dessa diglossia. Do outro, apresenta-se o português brasileiro de ponta, que reúne as características gramaticais compartilhadas por todas as variedades do português do Brasil, inclusive as sociolingüisticamente classificáveis de urbanas e cultas. Essas regras gramaticais, no entanto, por não pertencerem à norma padrão conservadora, são consideradas "erradas" e rejeitadas por aqueles que empregam elas diariamente e fartamente em seu uso da língua. O português brasileiro de ponta (PBP) ocupa o pólo negativo da diglossia, sobretudo por ser associado à língua falada, tradicionalmente acusada de ser "caótica", "desconexa", "incoerente" etc. (negrito nosso).

Geographical names[editar código-fonte]

Hello! Sorry to write in English. I come from the Russian Wikipedia. We are currently discussing what standard to use for the articles about cities and other geographical objects in former Soviet republics, such as Kazakhstan. The problem is that some of those cities have traditional Russian names, but have been recently renamed by Kazakhstan authorities, including in the Russian language (which is one of the two official languages in Kazakhstan). However, in Russia traditional names of those cities continue to be used. So, the question is whether the Russian Wikipedia should use the standard adopted in Russia or the standard adopted in the Russian language in Kazakhstan.

I wonder whether there have been similar cases in Portuguese. For instance, are there cities in Brazil, Angola etc. that have been renamed but that continue to be named in the original version by the Portuguese in Portugal? What standard is applied in the Portuguese Wikipedia? Thank you in advance. Ivan Volodin.

Remetido PTJoel 20h30min de 20 de Agosto de 2007 (UTC)
Obrigado. Ivan Volodin.
Quick answer to Ivan

Actually the Capital city of Mozambique used to be Lourenço Marques, now is Maputo. Mozambicans changed the name to their local name, we portuguese use both.--Jfarinhote 23h45min de 31 de Agosto de 2007 (UTC)

A minha opinião sobre a discussão Português vs Português…[editar código-fonte]

O texto que aqui estava foi movido para: Wikipedia:Temas recorrentes/Cisão da Wikipédia lusófona/Arquivo 3#A minha opinião sobre a discussão Português vs Português…

Wikipédia em português não é um caso isolado[editar código-fonte]

O texto que aqui estava foi movido para: Wikipedia:Temas recorrentes/Cisão da Wikipédia lusófona/Arquivo 3#Wikipédia em português não é um caso isolado

influência do francês[editar código-fonte]

Já agora, leio muitas vezes que o fenómeno do fechamento das vogais átonas que se estendeu a todo o Portugal a partir do século XVIII, mas não chegou a atingir o português brasileiro, foi uma importação do francês. Como é isto possível? Um país vasto com uma grande diversidade dialectal, cheia de analfabetos que não saem da sua aldeia, ser influenciado em bloco por uma língua com a qual não está em contacto!

  • O curioso é que também não há UM português de Portugal!!! O que há é um país centralista e macrocéfalo… O "português-padrão" foi uma criação dos gramáticos de Coimbra!!! Esses sim, falantes de francês!!! Não se fala da mesma forma no Minho, em Trás-os-Montes, no Douro Litoral, no Alentejo e no Algarve!!! O que há é um centralismo macrocéfalo na vetusta capital do império – e que agora, por razões escusas, pretende impôr aos portugueses um acordo em que eles nada de seu vêem!!! Paptm (discussão) 06h23min de 17 de Maio de 2008 (UTC)

Minha opinião a respeito[editar código-fonte]

O texto que aqui estava foi movido para: Wikipedia:Temas recorrentes/Cisão da Wikipédia lusófona/Arquivo 3#Minha opinião a respeito

Rapariga[editar código-fonte]

Acerca de toda esta questão da Língua Portuguesa gostaria de partilhar algo com todos vós; o meu sentimento em relação a um caso específico que é a palavra Rapariga. Eu não sou um estudioso de Línguas, mas acho que isso, chamem-lhe o que lhe chamarem; evolução, transformação, etc., nada mais é que uma conspurcação do sentido original da palavra, um desvirtuamento de uma palavra tão bonita como é a palavra Rapariga. Só espero que nunca aconteça à palavra Mãe ou Mulher o mesmo que aconteceu à palavra Rapariga. Independentemente disso tudo, acho que podemos ser os melhores amigos do mundo, se é que não somos já.

Um abraço a todos os interlocutores e que este seja um ano prometedor para todos. --Bluedenim 14h59min de 3 de Janeiro de 2008 (UTC)

Pra falar a verdade, eu acho que já tinha ouvido falar desse significado negativo da palavra (ou então talvez eu tenha lido em algum livro do Machado de Assis pro vestibular). De qualquer jeito, essa palavra não é muito usada por aqui, nem no sentido negativo nem no sentido neutro original. Então não se preocupe, que a reputação da rapariga não está tão mal assim… E feliz ano novo! Eumedemito (discussão) 16h37min de 3 de Janeiro de 2008 (UTC)

Rapariga é uma meretriz: Amor de rapariga não vinga não, não tem sentimento, não tem coração.

Rapariga = puta. (garota de programa). Puto = puto. (garoto de programa). o comentário precedente não foi assinado por Linda Martens (discussão • contrib.)

Iugoslávia[editar código-fonte]

Ao contrário do que informa a página, não existe diferença na grafia da palavra Iugoslávia.

Existe sim: Iugoslávia no Brasil e Jugoslávia em Portugal. Manuel de Sousa (discussão) 21h23min de 8 de Março de 2008 (UTC)
  • Mais uma amostra de como o acordo ortografico não vem resolver nada!!! Porque é que vamos poder continuar a dizer e escrever "Iugoslávia" e "Jugoslávia", "Israelenses" e "Israelitas" e não podemos escrever "atual" e "actual" ??? Paptm (discussão) 06h14min de 17 de Maio de 2008 (UTC)

A Wikipédia e o Acordo Ortográfico de 1990[editar código-fonte]

O usuário LPedroMachado eliminou a secção "A Wikipédia e o Acordo Ortográfico de 1990" deste artigo argumentando Citação: LPedroMachado escreveu: «A secção sobre o Acordo Ortográfico era extremamente parcial e vazia de informação, pelo que a eliminei.» Eu discordo desta eliminação, porque não considero o trecho "extremamente parcial", nem "vazio de informação". Vejamos o que diz o 1.º parágrafo:

«O facto de presentemente existirem duas ortografias oficiais diferentes dentro do espaço da língua portuguesa (uma no Brasil e outra nos restantes países lusófonos) prejudica grandemente um projecto transnacional como é a Wikipédia. Basta ver que muitas das intermináveis discussões e dos pontos de conflito entre wikipedistas centram-se nestas diferenças de escrita.»

Há aqui alguma mentira? É ou não verdade que muito do que se discute e das alterações pontuais e consequentes reversões são devidas às diferenças de grafia entre pt-pt e pt-br? Vejamos, agora, o 2.º parágrafo:

«Assim sendo, a Wikipédia é adepta natural de uma norma gráfica o mais unificada possível. Espera-se que o Acordo Ortográfico de 1990, que tem exactamente esse propósito, venha a ser adoptado por todos os países lusófonos dentro de um prazo razoável. No entanto, estas novas normas ortográficas só serão admissíveis na Wikipédia quando entrarem legalmente em vigor em, pelo menos, um dos países signatários.»

Ora se a Wikipédia lusófona é um projecto que se pretende único em toda a língua portuguesa, e se a Wikipédia é obrigada a comportar no seu seio as duas ortografias oficiais divergentes que a língua portuguesa actualmente tem, e se esse facto é uma fonte de intermináveis conflitos estéreis, qual é o problema de dizer que a Wikipédia «é adepta natural de uma norma gráfica o mais unificada possível»? E não é útil lembrar que o Acordo Ortográfico ainda não está em vigor em nenhum país e que só será admissível na Wikipédia quando isso acontecer em, pelo menos, um dos oito países lusófonos? É que, como saberão, já tem havido propostas de várias pessoas para que as normas do Acordo Ortográfico fossem adoptadas de imediato na Wikipédia. Não vejo onde possa estar aqui a tal parcialidade extrema! E o 3.º parágrafo diz:

«Na eventualidade de não haver uma adesão simultânea por parte de todos os oito países de língua portuguesa e de, ainda que provisoriamente, serem oficiais duas ou três normas ortográficas diferentes, todas serão válidas na Wikipédia, enquanto esta hipotética situação se mantiver. É claro que todos desejamos que este eventual período transitório seja tão breve quanto possível.»

É dita alguma banalidade ou é cometido algum erro crasso? E o último parágrafo:

«Seja como for, talvez seja importante lembrar que as normas do Acordo Ortográfico de 1990 admitem um conjunto relativamente alargado de ortografias duplas (António/Antônio, facto/fato, secção/seção, etc.), pelo que haverá que continuar a respeitar a opção dos autores por uma ou outra forma.»

Vem algum mal ao mundo em apelar ao respeito mútuo?

Por tudo isto, não vejo razão que justificasse a eliminação deste trecho, a não ser uma aversão visceral ao próprio Acordo Ortográfico. Mas isso já é outra questão…

Num artigo sobre as versões da língua portuguesa onde são escalpelizadas as diferenças entre a norma A e a norma B, onde se explica como lidar com as diferenças, onde até se fala da variante galega, faz algum sentido que não haja uma palavra sequer sobre o Acordo Ortográfico que está prestes a ser uma realidade? Cabe na cabeça de alguém tal ausência?

Aliás, do ponto de vista prático, acho que a Wikipédia deve começar já a planear como irá "migrar" para o Acordo Ortográfico à medida que ele se for tornando oficial. O Brasil já está ponto e, como saberão, o parlamento português aprovou hoje o segundo protocolo modificativo, pelo que (cumprida a ratificação do acordo e dos dois protocolos) Portugal está também em condições de começar a avançar definitivamente neste domínio. Um abraço lusófono, Manuel de Sousa (discussão) 16h13min de 16 de Maio de 2008 (UTC)

Vamos lá então parágrafo a parágrafo:

«O facto de presentemente existirem duas ortografias oficiais diferentes dentro do espaço da língua portuguesa (uma no Brasil e outra nos restantes países lusófonos) prejudica grandemente um projecto transnacional como é a Wikipédia. Basta ver que muitas das intermináveis discussões e dos pontos de conflito entre wikipedistas centram-se nestas diferenças de escrita.»

Não prejudica coisa nenhuma, por vários motivos. Primeiro, os utilizadores da Wikipédia não são obrigados a usar a grafia oficial do seu país. Segundo, mesmo que a ortografia fosse única, continuaria a haver muitas diferenças a outros níveis linguísticos: lexicais, sintácticos, pragmáticos, etc.
Depois, o Acordo não vai resolver esses problemas (que são mais provocados por quem quer desentender-se e chatear os outros do que por outra coisa), também por vários motivos: Primeiro, o Acordo não unifica a ortografia: mantêm-se inúmeras divergências (facto, António, amnistia, etc.) e surgirão novas divergências inexistentes neste momento (aspeto, respetivo, conceção, infeção, receção, caraterística, etc.) Segundo, o Acordo não resolve as diferenças extra-gráficas. Terceiro, as intermináveis discussões tem carácter político, cultural e histórico. A grafia é apenas uma desculpa. A Wikipédia inglesa (que também é "um projecto transnacional") convive bem com as inúmeras diferenças entre o inglês britânico e o americano. As discussões na pt.wiki são motivadas por mesquinhez; não há acordo ortográfico que resolva isso.

«Assim sendo, a Wikipédia é adepta natural de uma norma gráfica o mais unificada possível.

A Wikipédia não é adepta natural de nada porque a Wikipédia não é uma pessoa para ser adepta disto ou daquilo. A "vontade" da wiki é a vontade dos seus utilizadores. Grande parte da sociedade é contra o AO; essa proporção reflecte-se na comunidade WP.


Espera-se que o Acordo Ortográfico de 1990, que tem exactamente esse propósito, venha a ser adoptado por todos os países lusófonos dentro de um prazo razoável.

 ??! Espera-se? Quem? O senhor Jimmy Wales da Silva?

No entanto, estas novas normas ortográficas só serão admissíveis na Wikipédia quando entrarem legalmente em vigor em, pelo menos, um dos países signatários.»

Porquê? A Wikipédia está sujeita à legislação ortográfica?
"Em pelo menos um país?" Mas a ideia do Acordo não é este ser aceite (ou aceito, dizem os brasileiros, e muito bem) por todos? Que raio de acordo é esse que basta um aceitar para que se considere que os outros aceitaram? Mas que lindo acordo…

«Na eventualidade de não haver uma adesão simultânea por parte de todos os oito países de língua portuguesa e de, ainda que provisoriamente, serem oficiais duas ou três normas ortográficas diferentes, todas serão válidas na Wikipédia, enquanto esta hipotética situação se mantiver.

Outra vez… Repito que aqui é válido o que a comunidade WP decidir, e não os deputados dos parlamentos, que, graças a Deus, ainda não mandam na WP.

É claro que todos desejamos que este eventual período transitório seja tão breve quanto possível.»

É claro? Para quem? Todos? Quem? Eu não? Parece que já não somos todos… Quem lhe conferiu o direito e o poder de ser o fiel intérprete da vontade de todos (nem digo da maioria, porque você nem fala de maioria, mas de todos!)?

«Seja como for, talvez seja importante lembrar que as normas do Acordo Ortográfico de 1990 admitem um conjunto relativamente alargado de ortografias duplas (António/Antônio, facto/fato, secção/seção, etc.), pelo que haverá que continuar a respeitar a opção dos autores por uma ou outra forma.»

Pois… Se o problema se mantém, o que é que o Acordo resolve? Se é possível "respeitar a opção dos autores", porque é que tal não é possível agora, sem o tal acordo?


Num artigo sobre as versões da língua portuguesa onde são escalpelizadas as diferenças entre a norma A e a norma B, onde se explica como lidar com as diferenças, onde até se fala da variante galega, faz algum sentido que não haja uma palavra sequer sobre o Acordo Ortográfico que está prestes a ser uma realidade? Cabe na cabeça de alguém tal ausência?

Não disse que não deve haver tal secção. Apaguei-a porque ela não tinha ponta por onde se lhe pegasse.


Por tudo isto, não vejo razão que justificasse a eliminação deste trecho, a não ser uma aversão visceral ao próprio Acordo Ortográfico. Mas isso já é outra questão…

A isso posso responder que o conteúdo da secção só se justificava com muito "wishful thinking"…

Aliás, do ponto de vista prático, acho que a Wikipédia deve começar já a planear como irá "migrar" para o Acordo Ortográfico à medida que ele se for tornando oficial.

Não consigo compreender essa ânsia em ir obedecer sem demoras ao modo em que os políticos acham que nós devemos escrever. Metam uma coisa na cabeça: nós somos livres de escrever como quisermos! Na minha opinião, cada utilizador devia escrever da forma que se costuma usar no seu país. Só isso.
Se quiser manter a secção, escreva algo menos subserviente ao poder político, menos parcial e com mais valor informativo. --LPedroMachado (discussão) 07h04min de 17 de Maio de 2008 (UTC)


Caro Luís Pedro,
Na sequência dos seus comentários, acima, procedi a algumas reformulações ao texto contestado. Gostava, no entanto, de comentar alguns dos seus comentários:
  1. Antes de mais, no cabeçalho do artigo Versões da língua portuguesa está a seguinte indicação «O que se segue é um artigo informativo sobre a Wikipédia lusófona. Prefira utilizar a página de discussão antes de fazer uma modificação que altere o contexto.» Logo, apagar pura e simplesmente uma secção do artigo porque discorda do seu conteúdo, não é de bom-tom.
  2. A secção "A Wikipédia e o Acordo Ortográfico de 1990" foi escrita há muito tempo, bastante antes de certas cabeças pensantes portuguesas terem começado a demonizar o AO. E pretendia, acima de tudo, traçar algumas directrizes sobre a postura da Wikipédia, tentando agrupar e ordenar o que ia sendo escrito nas diversas discussões que decorriam.
  3. Diz você que «os utilizadores da Wikipédia não são obrigados a usar a grafia oficial do seu país». Pois não, mas só podem optar entre a de Portugal ou a do Brasil. Não sei se já frequentava a Wikipédia nesse tempo, mas chegou a haver um forte movimento de alguns galegos para que fosse admissível a grafia galega da AGAL nesta Wikipédia. E não foi aceite. Daí o trecho sobre a "Variante galega". Já se sabe que as diferenças ortográficas entre Portugal e o Brasil não são o único ponto de fricção entre wikipedistas dos dois países mas são, sem dúvida, um importante pomo de discórdia.
  4. A grande diferença entre a situação actual de duas ortografias diferentes (e que não se reconhecem mutuamente) e a situação que iremos ter no futuro, é que, com o AO todas diferenças que permanecerão (que serão muitíssimo menos do que as que temos hoje) serão aceites como correctas. Todas constarão dos dicionários, quer portugueses, quer brasileiros. Hoje em dia, se alguém escrever polêmica em Portugal está a cometer em erro ortográfico. O mesmo acontece no Brasil escrevendo polémica. Com o AO, um brasileiro pode passar a escrever, em Portugal, como escreve no seu país, sem que isso seja considerado errado. E vice-versa, claro. É esta a situação que se passa na anglofonia. Escrever nos EUA theatre (à inglesa), em vez de theater, pode ser pedantismo, mas não é erro ortográfico. Ambas as palavras estão em todos os dicionários de língua inglesa e são variantes perfeitamente admissíveis.
  5. Ao dizer-se que «Espera-se que o Acordo Ortográfico de 1990 […] venha a ser adoptado…» queria dizer apenas «é espectável que…», «prevê-se que…», percebe? Seja como for, já alterei para evitar mal-entendidos.
  6. Você discorda de as novas normas só sejam «admissíveis na Wikipédia quando entrarem legalmente em vigor em, pelo menos, um dos países signatários». Não percebo porquê! É esse o princípio que tem sido seguido até ao momento. As ortografias admissíveis na Wikipédia são aquelas que são oficiais nos países que têm a língua portuguesa por idioma oficial. Logo se um (ou dois, ou três, ou quatro,… ou oito) desses países aceitar(em) oficialmente outra ortografia diferente das duas que presentemente existem, logo essa nova grafia terá de ser também aceite como legítima pela WP. É evidente que a ideia do AO é que ele venha a ser adoptado por todos, mas não estamos aqui a discutir a bondade do AO, mas apenas como é que a WP deve lidar com ele.
  7. Manifestou, também, o seu desagrado pela alegada «ânsia em ir obedecer sem demoras ao modo em que os políticos acham que nós devemos escrever». Embora isto já seja entrar na discussão do AO (que não deve ter cabimento aqui), lembro apenas que quem fez o acordo foram as academias que, supostamente, são as entendidas na matéria. Lembro, também, que há políticos e não políticos dos dois lados da "barricada". Diz que «nós somos livres de escrever como quisermos». Não é bem assim. Se você escrever na WP mãi-dágua ou rehaver (como preconizava o acordo de 1931) pode ter a certeza que alguém o vai corrigir. Obviamente que haverá bom-senso e a convivência entre grafias diferentes será uma realidade durante um período transitório. Mas tudo isto precisa de ser pensado (daí o meu apelo para que se comece a estudar o assunto) para que se defina o que fazer e se aprovem algumas políticas sobre o assunto.
  8. Por último, se quiser ajudar a escrever «algo menos subserviente ao poder político, menos parcial e com mais valor informativo» será muito bem-vindo. Cortar tudo porque não tem ponta por onde se lhe pegue é que não é bonito… Um abraço lusófono, Manuel de Sousa (discussão) 15h45min de 17 de Maio de 2008 (UTC)

Um píer à beiramar???[editar código-fonte]

Na página principal, acabo de ler a seguinte legenda de uma imagem:

"Píer de um local de repouso à beiramar em Nordvorpommern, na Alemanha…"

Quando é que percebem que a questão da uniformização da grafia entre o PTE e o PTB é perfeitamente irrelevante???

O problema de fundo não se relaciona com questões ortográficas… a questão mais grave é que o português do Brasil está em evolução muito rápida por via de assimilação de estrangeirismos (um português dificilmente verá um píer no cais… à beira-mar). O mesmo se verifica nos restantes artigos… com frequência, os textos redigidos por falantes brasileiros apropriam-se "levianamente" dos termos estrangeiros, esquecendo que têm uma tradução em português… (e nem falo aqui das difereças morfossintácticas ou semânticas)…

Acho perfeitamente natural e até louvável que os brasileiros tenham uma visão tão flexível da língua… mas que não se coaduna muito com o espírito português, bastante mais conservador (afinal, a língua é um tesouro "nosso" ;-)

O que é certo é que estamos perante um processo de rápida divergência entre o "português" e o "brasileiro" – e não se passa nada de novo debaixo do Sol!!! Nós, os portugueses, não nos podemos esquecer que no século XIV também falávamos GALEGO!!!

Na altura, deviam ser os galegos que olhavam para nós como "desvairados"…

Enfim, acho é que está chegada a altura de reconhecer a independência linguística aos nossos irmãos transatlânticos!!!

… sob pena de sermos nós objecto de uma "desflorestação cultural" de proporções amazónicas…

Não vejam nisto qualquer censura ao Brasil ou aos brasileiros, que muito respeito e admiro!!!

… mas não é por isso que me poderão obrigar a falar "estrangeiro"!!!

Paptm (discussão) 06h53min de 17 de Maio de 2008 (UTC)

  • A frase que originou o comentário está apenas mal traduzida de The pier of the seaside resort Prerow in Nordvorpommern, Germany, não é brasileiro, apesar de provavelmente ter sido traduzida por um. Acho que enquanto os lusófonos discutem qual versão é a melhor, deixam passar os anglicismos. Não duvido nada que, num futuro próximo, travemos estas discussões na língua oficial dos nossos países, a língua inglesa.-- Jo Lorib d 19h01min de 17 de Maio de 2008 (UTC)
  • Jo Lorib, obrigado pela tua precisão! Reconheço que tens grande dose de razão… Tal como tu, só quero fazer ver que as discuções sobre o acordo ortográfico são basicamente estéreis… a verdadeira questão relaciona-se com a pragmática da língua, sendo que as culturas dos povos (sejam eles quais forem) estão em grande parte a ser subjugadas pela colonização anglo-saxónica – o que tem a sua razão de ser, pois neste momento a língua inglesa é a mais produtiva em termos de conhecimento… basta ver pelo volume de artigos na wiki. No entanto, o processo de convergência com o inglês parece-me muito rápido no Brasil – que é uma sociedade muito mais dinâmica que a portuguesa… Além disso, a sociedade brasileira tem uma abordagem muito mais informal relativamente à língua – que em Portugal é um "território" ainda sob algum controlo académico (e político)… Se genuinamente aspiramos a uma comunidade lusófona global, a sugestão que eu faria é que em vez de andarmos a discutir o patético acordo ortográfico – que nada resolve –, nos dedicassemos a aprofundar o "Livro de Estilo" e a encontrar pontes que nos unam de um lado e outro do Atlântico… e sem esquecer o resto dos falantes da nossa língua em África e no Oriente (que estranho até nem serem ouvidos nestas questões…) Paptm (discussão) 19h52min de 17 de Maio de 2008 (UTC)

Tens razão quanto à informalidade brasileira quanto à língua. Não esqueças também o tamanho do pais e que existem diferenças regionais grandes. O povo está a ser bombardeado com tantos termos ingleses que já nem sabe mais o que está dizendo, usam mouse, site e pensam que são palavras em português. A televisão é um grande inimigo a combater, por divulgar esses termos. A Wikipédia lusófona é uma das poucas pontes sobre o Atlântico, mas ao contrário da lenda, tem muito poucos editores constantes, certamente menos que duzentos, e destes pouquíssimos são de África (um ou dois), alguns mais dos Açores (sabes o que é uma fajã?, eu agora sei) e nenhum da Ásia. A maioria é de brasileiros, incluindo muitos na diáspora, muitos portugueses, mais que o percentual populacional indicaria e só. Penso que nesses outros lugares ainda é difícil uma conexão com a Internet, mesmo dentro do Brasil em alguns locais é difícil e caro ainda se conectar. Gostaríamos muito de ouvir esses povos com quem temos tanto em comum, eles é que não conseguem ainda fazer sua voz chegar aqui.-- Jo Lorib d 20h44min de 17 de Maio de 2008 (UTC)

  • Jo Lorib, fico muito contente por conseguirmos manter um diálogo afável com tanto mar pelo meio! Penso que os problemas que identificas no Brasil são, de forma geral, os que se encontram aqui em Portugal… com as atenuantes da nossa ínfima dimensão e de estarmos limitados por um sistema social e político muito mais centralista, que tende a apagar a imensa diversidade que também existe neste pequeno rectângulo (há uns anos comecei a trabalhar aqui no Porto com uma moça que vinha de Coimbra, e ela teve de fazer um pequeno dicionário para poder perceber as particularidades do "falar nortenho"!!!)… Mas enfim… ao que interessa: mais do que as diferenças linguísticas entre variantes do português, o que mais me incomoda é encontrar artigos "frankensteinianos", em que a mistura das variantes dificulta a compreensão do texto (e, às vezes, não só pela grafia). Não seria melhor estabelecer uma precedência de variante conforme a criação dos artigos? (ressalvando, como é evidente, o caso de artigos de relevância nacional – e tendo presente que, num futuro que ambicionamos próximo, os nossos amigos africanos e asiáticos também o poderão "reclamar") (além disso, a mim não me incomoda nada ler português do Brasil - desde que seja claro e escorreito! Aliás, prefiro um bom artigo em pt-Br que um mau em pt-Eu) Paptm (discussão) 23h04min de 17 de Maio de 2008 (UTC)
  • Existe a tradição aqui na Wikipédia de respeitar a variante da língua, editores mais experientes procuram respeitar a variante em que o artigo começou, mas se estiver muito confuso é possível reescrever o artigo todo. Mas é sempre bom ir até a aba história e dar uma olhada. Alguns editores anônimos têm a mania de copiar trechos de outros sítios para cá, o que às vezes parece uma ótima adição ao artigo na verdade é pura cópia que deve ser apagada ou reescrita.-- Jo Lorib d 00h45min de 19 de Maio de 2008 (UTC)
  • Acho que finalmente poderei começar a ver como é que me entendo por aqui :-) Descobri o programa de tutoria e vou ver se por lá consigo dissipar as minhas dúvidas… de qualquer maneira, obrigado, Jo Lorib… o nosso "intercâmbio" deu, pelo menos, para eu ficar um pouco menos "neurótico" ;-))))) … é que acho que a wiki em português ainda tem um trabalho colossal pela frente – uma vez que a inglesa me parece ter atingido um nível de consistência muito mais elevado. De qualquer maneira, o mais importante no meio disto tudo seria tentarmos estar centrados naquilo que nos une e não naquilo que nos separa – como sugeriste muito bem, em vez de nos dedicarmos à traulitada estéril por causa do AO, bem podemos usar melhor o tempo a "arrumar" a casa!!! Saudações! Paptm (discussão) 22h18min de 19 de Maio de 2008 (UTC)

A adoção do Acordo Ortográfico de 1990 pela Wikipédia em Português[editar código-fonte]

Como será o processo de adoção do Acordo Ortográfico de 1990, já que com a aprovação do Parlamento português do Acordo Ortográfico a adoção é praticamente automática nos outros países lusófonos, assim a Wikipédia passará a ser escrita em uma variante só. Como isso será feito? Já há propostas para isso? Ou apenas os arquivos escritos a partir de determinada época é que obedecerão o Acordo? o comentário precedente não foi assinado por 200.153.218.231 (discussão • contrib.)

Há um novo projecto que pretende reunir os wikipedistas interessados em discutir, propor e executar tarefas relacionadas com a aplicação das normas do Acordo Ortográfico de 1990 na Wikipédia de língua portuguesa. Mais informações e inscrições: Wikipedia:Projetos/Acordo ortográfico. Um abraço lusófono, Manuel de Sousa (discussão) 16h54min de 21 de Maio de 2008 (UTC)

Abaixo os estrangeirismos excessivos na língua portuguesa[editar código-fonte]

Eu não estou criticando as variantes do português brasileiro ou do luso-africano, só estou aqui criticando o excesso de estrangeirismos na língua portuguesa, principalmente na variante brasileira, sou brasileiro, mas às vezes acho que os portugueses e demais lusófonos possuem mais respeito ao idioma português (que eu recuso a chamar de lusitano, pois, a "língua lusitana" é uma língua céltica que não tem nada a ver com o português, uma língua neolatina, e hoje é também uma língua morta, que foi dizimada com a conquista romana) que nós brasileiros, por exemplo, no caso da sigla AIDS (Adquired Immunodeficiency Syndrome) para se referir à Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, ou da sígla DNA para se referir ao ácido desoxirribonucleico, outros exemplos são: Shopping center (Centro comercial em Portugal), e outros, não estou querendo ser xenófobo, nem o sou, só critico o excesso de xenofilia do brasileiro no idioma, pois eu acho que nós, brasileiros, devemos respeitar o idioma, assim como os demais lusófonos o fazem (apesar de OTAN - Organização do Tratado do Atlântico Norte, como se escreve no Brasil, ser uma sigla em português, enquanto que os demais lusófonos falam e escrevem NATO), mais uma vez deixo bem claro que não sou xenófobo e nem a favor da xenofobia pelo contrário, sou contra a xenofobia, mas também sou contra o excesso de estrangeirismos desnecessários na língua portuguesa (quando usamos vocábulos estrangeiros, principalmente da língua inglesa, quando já possuímos palavras equivalentes em nosso idioma) pois nós somos lusófonos e não anglófonos, e devemos respeitar nosso idioma, pois com isso respeitamos nossa cultura.

Viva a língua portuguesa!

outros exemplos de estrangeirismos desnecessários:

Drive thru - entrada fast food - comida rápida site - sítio ou portal

E nós temos muitos outros desses estrangeirismos desnecessários.o comentário precedente não foi assinado por Ciclope2000 (discussão • contrib.) 22h13min de 5 de Junho de 2008

Sugiro a leitura de "A Wikipédia não é um fórum". A propósito do assunto em questão, é óbvio que, pelo menos na maioria dos casos, se estes estrangeirismos são usados, é precisamente porque são necessários; como traduzir drive-thru, por exemplo (não, não é "entrada")? Saudações, RafaAzevedo msg 13h41min de 6 de Junho de 2008 (UTC)

Razão pela que acho que o Português Standard é mais correcto (não totalmente)![editar código-fonte]

Isto é apenas uma opinião pessoal de "alguém muito perfeccionista" XD

Estive a ler so um bocadinho da discussão e lembrei-me de explicar de porque é que acho que o Português standard é mais correcto.

1. Em primeiro lugar, escrevendo em Português do Brasil, as palavras "ação", "correto", "objeto", seriam cá lidas "âssão", "currêto" e "ôbjêto". Os "C's" e os "P's" servem para que a vogal tenha um tom tónico (aberto). Vós, brasileiros, acentuais todas as vogais, <excepto as nasais, claro>, logo não vos serve de nada a utilização de vogais mudas, mas a não utilização destas para os portugueses implicaria uma leitura distinta.

2. Palavras como "ato" de "atuar", seriam confundidas com ATO do verbo ATAR.

3. Agora a parte boa do português brasileiro: ¨ → o trema: no português standard palavras como "conseqüente" escrevemos "consequente" o que se leria como "com-ç-quen-t" (ler separado e ler o t como tal, nao como "tchi"). São palavras que se leem assim fugindo às regras. Para o Português Standard ser completamente correcto era preciso haver apenas a introdução dos tremas em tais palavras.

4. Outras palavras: Há palavras que na minha opinião no Português Standard deveriam levar as vogais mudas como completo, que, pela maneira como é escrita se deveria dizer "complêto".

5. Creio que no "brasileiro" palavras como "estresse" não deveriam alterar a escrita da sua língua original original (do Inglês: stress). Também não concordo com palavras/expressões "indígenas" (desculpem a expressão) no Português, seja este do Brasil, Portugal, Cabo Verde, Macau…

Não me levem a mal, mas é apenas uma opinião. E lá porque os Brasileiros são mais, não quer dizer o Português de Portugal tenha de ser esquecido.

o comentário precedente não foi assinado por 85.243.176.71 (discussão • contrib.) PTJoel (discussão) 01h31min de 1 de Julho de 2008 (UTC)

Caro utilizador anónimo. Sugiro-lhe o seu registo na comunidade da Wikipédia para que possamos saber um pouco de si e contribuir também no projecto.
Sobre o que escreveu acima deixe-me fazer um reparo: Não existe um português mais correcto que o outro. As duas variantes tiveram a sua evolução natural ao longo dos tempos. O Português Europeu teve uma evolução mais europeia seguindo as outras mais ou menos as outras línguas faladas no continente europeu. Já o Português do Brasil teve uma evolução diferente adoptando termos indíginas dada as comunidadade indígenas presentes no território daí ser normal a sua difusão pelo território brasileiro.
Em relação à primeira parte do seu texto, o assunto é um dos mais contraditórios sobretudo no que se trata da abolição das "consoantes mudas" pois na realidade nem todas são mudas no português cá falado (Eu ainda vi uma reportagem da RTP2 com um jornalista a pronunciar o p em Egipto). Aquelas consoantes têm uma função fundamental no português europeu pois esta variante tende para a consonantização (como quem diz, andamos a comer as vogais). É por isso que o Acordo Ortográfico não tem nenhuma base linguística credível que indica a sua aplicação no âmbito internacional pois a escrita que é proposta simplesmente não reflete a fonética praticada aqui. É esse um dos pontos mais contraditórios além das incríveis duplas e triplas grafias que ao ser aplicado podemos escrever várias palavras até de seis aneiras possíveis, pode ver aqui. As explicações contra o acordo podiam demorar um século inteiro mas o melhor é ficarmos por aqui, ;) Fique bem… PTJoel (discussão) 01h51min de 1 de Julho de 2008 (UTC)
Concordo plenamente com o que o Joel disse. Não há uma mais correta que a outra. Só acrescentaria à influência indígena que ele apontou na evolução do português brasileiro a influência dos idiomas e vocábulos africanos, bem como das línguas faladas pelos imigrantes europeus não-lusos (italianos, espanhóis, etc). Acho que todos deixaram, de maneira equivalente, sua marca na maneira de falar o português do Brasil.
Sobre uma possível confusão entre "ato", cada uma das subdivisões duma peça teatral, e "ato", primeira pessoa singular do verbo "atar", nunca havia nem me dado conta da possibilidade de confusão. É uma coisa que simplesmente não ocorre, o contexto em que a palavra é usada diz tudo. RafaAzevedo msg 02h04min de 1 de Julho de 2008 (UTC)
Pessoal, detesto ser chato, mas lembro que o objectivo desta página é apenas o de discutir o artigo Wikipedia:Versões da língua portuguesa e não o de ser propriamente um blogue opinativo sobre a preponderância da uma variedade de língua portuguesa sobre a outra, a utilidade (ou não) do acordo ortográfico e quejandos… A Internet está cheia de espaços onde as opiniões de cada um se podem expressar livremente. Aqui devemo-nos concentrar em escrever bons artigos e melhorá-los constantemente. Um abraço, Manuel de Sousa (discussão) 20h22min de 1 de Julho de 2008 (UTC)

Por favor, podiam mudar a frase inicial de:

"O Português escrito em Portugal, Cabo Verde, S. Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Angola, Moçambique, Timor-Leste e Macau (chamado de "português europeu") tem diferença sensível em relação ao português escrito no Brasil (chamado de "português brasileiro")."

para

"A variante escrita em Portugal, Cabo Verde, S. Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Angola, Moçambique, Timor-Leste e Macau tem diferença sensível em relação à variante escrita no Brasil."?

É porque "português europeu" é o termo usado pelos linguistas para descrever exclusivamente a variante falada em Portugal Continental e Regiões Autónomas e, se não me engano, o que está em discussão aqui são as variantes escritas. Obrigado. 195.23.218.199 (discussão) 10h20min de 5 de Agosto de 2008 (UTC)

Discordo de que não seja "bem vinda" a passagem da norma A para a norma B, dado que em muitos casos verifico que muitos textos em Português do Brasil estão repletos de termos de gíria e expressões idiomáticas que os tornam completamente incompreenssíveis para outros lusofonos. Já para não falar que há uma grande tendencia para abordar muitos temas com uma perspectiva nacional.

Acho que há de facto uma norma correcta e que é a norma literária, seja brasileira seja portuguesa. Infelizmente poucos colaboradores dominam cabalmente a norma literária, pelo que tem dificuladade em evitar a utilização de expressões exclusivas da sua versão da língua portuguesa. É por demais óbvio que necessitamos de uma ferramenta que dado um mesmo conteúdo possa apresentar ao leitor o texto na sua versão da língua. Outra razão muito importante tem a ver com a pesquisa e navegação nos menus, nenhum Português consegue encontrar, por exemplo, o termo hadrão, se o conteúdo na wikipédia estiver sobre a designação brasileira hádron. De acordo com as regras básicas da língua o termo brasileiro nem sequer é correcto já que em português este tipo de nomes terminam em ão e não em on. É tão absurdo como chamar ao trovão, trovon, ou ao canhão canhon. É claro que a versão brasileira da língua nunca respeitou muito estas regras. Mas os restantes povos não tem que se sujeitar à desrregulação brasileira. Acho impossível continuarmos a pensar que a wikipedia portuguesa existe enquanto não tivermos uma solução para este problema, o que existe neste momento é uma manta de retalhos, com bocados em brasileiro e outros em português.

Uma solução simples mas creio que pouco feliz seria separar as duas normas e passar a existir uma wiki brasileira. Perdiamos todos com isso, pelo que a melhor solução será uma que nos permita a coexistência. Esta solução pode passar por isto:

-um tradutor automático que traduza as palavaras discordantes entre as duas normas (e até pode ir mais além e traduzir para as sub-normas regionais de cada um dos PALOPs, e para Timor Leste). Isto só por sí resolveria o problema da navegação e até da pesquisa. Este tradutor deverá estar associado a uma notação especial para indicar que a palavra deve ser traduzida.

-notações especiais para indicar que um determinado bloco do texto possui versões em várias normas de forma a que a versão correcta seja apresentada ao leitor.

-um bot que percorra a wikipédia e para cada entrada que inclua palavras divergentes envolvê-la na notação atrás indicada de forma a que seja traduzida.

creio que estas três ferramentas seriam de muita valia na resolução deste desafio o comentário precedente não foi assinado por 62.28.10.43 (discussão • contrib.) 08h13min de 10 de Setembro de 2008

O anónimo 62.28.10.43 considere-se, desde já, convidado a arregaçar as mangas e começar a desenvolver as soluções que preconiza acima. É que a Wikipédia não é obra de uma qualquer empresa ou empório editorial, mas sim de um pequeno grupo de lusófonos que, voluntária e gratuitamente, sacrifica milhares de horas dos seus tempos livres em prol deste projecto que — bem o sabemos — está longe de ser perfeito. Um abraço, Manuel de Sousa (discussão) 21h16min de 10 de Setembro de 2008 (UTC)

Criação de uma Wikipédia para o Brasil, outra para Portugal e outra para cada um dos países da CPLP[editar código-fonte]

O texto que aqui estava foi movido para: Wikipedia:Temas recorrentes/Cisão da Wikipédia lusófona/Arquivo 3#Criação de uma Wikipédia para o Brasil, outra para Portugal e outra para cada um dos países da CPLP

aceder a lista ou aceder à lista[editar código-fonte]

Logo no início do texto está a seguinte nota "acesse aqui rapidamente a lista de equivalências." Isto está correcto ou não? Em português europeu não. Alguém que me confirme que está correcto no Português do Brasil.JF (discussão) 00h29min de 24 de março de 2009 (UTC)

Movicons2-hello.gif Que eu saiba, o verbo acessar é transitivo direto: "acessei o registro", por exemplo. "Aceder" é outro verbo, e é transitivo indireto, embora possa ser empregado para os mesmos fins, em algumas situações. Ruy Pugliesi discussão 00h45min de 24 de março de 2009 (UTC)

Eu não queria levar a discussão para esse assunto, mas na minha opinião acessar e aceder são equivalentes, não digo sinónimos, porque o meu corrector ortográfico está a dizer-me que essa palavra não existe. Voltando ao assunto pretendido, eu digo "acedi ao registo" ou mais correctamente "eu tive acesso ao registo". Eu sei que aqui deve haver uma diferença entre o pt-br e o pt-pt, só queria que mais alguém ma confirmasse.JF (discussão) 01h08min de 24 de março de 2009 (UTC)
Eu concordo que o o verbo acessar seja transitivo, mas o que é que tem a ver? Quando se diz Eu "acesso…", evidentemente, visto que é um verbo transitivo, alguém pergunta "Acessas o quê?" ou será que dizem "Acessas quê?"?.JF (discussão) 11h48min de 26 de março de 2009 (UTC)

Parece que não há consenso. Independentemente de terem todos razão ou não ou melhor é usar termos neutros. Alterei para "consulte também a". Se não concordarem coloquem algo semelhante mas que não leve a dúvidas destas e a consequente guerra de edições. Mosca (discussão) 11h50min de 26 de março de 2009 (UTC)

A solução do Mosca foi a melhor de todas!JF (discussão) 11h51min de 26 de março de 2009 (UTC)

Wikipédia Portguesa Vs Wikipédia Brasileira[editar código-fonte]

Acho que o assunto da Wikipédia Portuguesa vs Wikipédia Brasileira pode (e deve) ser facilmente resolvido criando uma para Portugal e uma para o Brasil. A razão principal para tal, já passo às secundárias, está no facto de o português de Portugal ser, nesta altura, suficientemente diferente do português do Brasil para que os Portugueses sintam consideráveis dificuldades ao ler artigos escritos por brasileiros e os brasileiros ao lerem artigos escritos por portugueses. Ao contrário do que se passa com o Inglês, que é praticamente o mesmo em todo o mundo, com diferenças muito raras e insignificantes, quando se muda de um país para outros. Outra razão é o facto de não haver acordo em relação ao facto de dever haver só uma, ou se deverá haver várias. Havendo diferentes opiniões e não sendo conciliáveis, cada um deve seguir o seu caminho. É muito bonito que digam que a Wikipédia única ajuda a contribuir para a harmonia entre os dois povos, mas, não só, isso não é verdade, como se pode ver pela discussão nesta página, em que alguns dos autores são extremamente mal educados, como não é esse o objectivo do projecto. O objectivo é transmitir conhecimento e, quando isso é dificultado devido à forma como artigo é escrita, algo está mal.

Finalmente, a única razão porque se utiliza mais o português do Brasil do que o de Portugal não tem nada a ver com o facto de o Brasil ser mais influente do que Portugal e, segundo alguns dos autores, praticamente a segunda potência mundial a seguir aos EUA. Deve unicamente ao facto de ser o único país de língua portuguesa na América e estando no mesmo continente que a maior potência mundial, EUA, naturalmente que, para ensinar português, lhes fica mais barato ir buscar um cidadão brasileiro que está mesmo ao lado, do que atravessar o Atlântico. O mesmo se passa quando se quer traduzir um livro, uma página de Internet, etc… Basicamente, a única razão porque o português do Brasil está mais difundido do que o de Portugal deve-se unicamente ao facto de ficar mais barato! Não quero com isto insultar ninguém, mas parece-me que é altura de pôr os factos em cima da mesa.


Guilherme o comentário precedente não foi assinado por 193.136.33.219 (discussão • contrib.) ~

"O autor do comentário acima certamente desconsidera ou desconhece a distância espacial existente entre EUA e Brasil. De Nova Iorque a Lisboa temos apenas 2/3 do itinerário Nova Iorque - Rio de Janeiro a cobrir, trajeto este que normalmente se realiza por meio de avião ou navio. As nomenclaturas geográficas não fazem com que a América do Norte seja mais unida à do Sul do que é a Europa à África ou Ásia, seja considerado aí qualquer aspecto; físico, geográfico, natural, humano... A América do Norte é tão diversa da América do Sul quanto é a Europa da África.
O que faz o português brasileiro ser a referência principal é certamente a maior base instalada de usuários, em números absolutos, muito maior que a de Portugal. A quantidade de domínios com registro brasileiro (br) é muitíssimo maior que "pt""
J.I.P.


Frequentemente se lê nessas páginas de discussão que o PB e o PE são hoje "línguas distintas" e, portanto, que cada uma merecia a sua própria wikipédia. Mas, usando a mesma linha de raciocínio, não deveria haver uma wikipédia norte-americana separada da wikipédia britânica ? Afinal, o inglês americano (en-US) difere significativamente do britânico (en-GB) não só em fonética, vocabulário e ortografia, como também em gramática (sintaxe e morfologia). Por exemplo, os americanos dizem: "I think I'll stay home", ou "the crowd protested the decision", ou "he graduated high school", enquanto os ingleses diriam: "stay at home", "protested against the decision", e "graduated from high school". Os americanos usam "dove", "snuck" , "gotten" e "dreamed", enquanto os ingleses preferem "dived", "sneaked", "got" e "dreamt". Não cabe aqui dissertar longamente sobre o assunto, mas maiores detalhes podem ser lidos em Differences between American and British English.
O ponto realmente importante é que, ainda que numerosas, as diferenças entre en-GB e en-US não são consideradas grandes o suficiente a ponto de impedir a inteligibilidade mútua e justificar a existência de duas wikipédias separadas. "Mutatis mutandis", o mesmo se aplica às diferentes variedades da língua portuguesa. O que, ao meu ver, realmente difere significamente do PE a ponto de parecer "outra língua" não é propriamente o PB padrão, mas sim o vernáculo popular brasileiro (p.ex. "nóis vai", "chamou eu", "as casa", "eles foi", etc.). Essa, porém, não é a língua em que os brasileiros escrevem na wikipédia e, se porventura alguém brasileiro quisesse usá-la em algum artigo, não faltariam editores para corrigir-lhe a "má gramática". 200.168.21.50 (discussão) 19h17min de 23 de julho de 2009 (UTC)

Português Portugal x Português Brasil: Uma solução?[editar código-fonte]

Não sei se é de algum interesse, mas talvez o uso das mensagens de sistema, como comentei na esplanada do Wikilivros, possa trazer alguns benefícios no sentido de evitar "brigas" por causa das variações de uma palavra conforme o português seja o do Brasil ou o de Portugal. Para facilitar, coloco uma cópia abaixo:

Acabou de me ocorrer que podemos usar mensagens de sistema para lidar com as diferentes versões do nosso idioma (pt x pt-br) também no conteúdo das páginas (não só na interface do projeto). Eu fiz um pequeno teste na página Wikilivros:Bem-vindos, novatos!, trocando todas as ocorrências de "projecto" por uma chamada para a mensagem de sistema "MediaWiki:Project" (criada para outro propósito, mas que veio a calhar), assim: {{int:Project}}. O resultado é simplesmente o texto da mensagem de sistema "⧼Project⧽", que muda conforme seja escolhido pt ou pt-br na página Especial:Preferências.
Pensei no seguinte: já que de tempos em tempos aparecem pessoas, possivelmente querendo ajudar, e editam páginas do projeto trocando de uma versão do português para outra. Podíamos começar a criar mensagens de sistema sob nomes como "MediaWiki:Variação-palavra", cujo conteúdo seria a versão portuguesa da "palavra", juntamente com "MediaWiki:Variação-palavra/pt-br", contendo a versão brasileira. O prefixo "Variação" é só um exemplo, o importante é usar sempre um mesmo prefixo para podermos consultar as palavras cujas variações já registramos via Especial:Índice de prefixo/MediaWiki:Variação-.
Talvez isso, ou uma variação disso possa ser a solução para as brigas de edição relacionadas às versões da língua portuguesa.
O que acham?

Comentários (críticas e sugestões) serão bem vindos por lá: Língua portuguesa.

Até mais! Helder19h05min de 26 de junho de 2009 (UTC)

Erro grave[editar código-fonte]

Esta secção de texto sob o título Diferenças na Língua está errada: Exemplo contrário é açougue, vulgarmente usado no Brasil, mas raro em Portugal, onde se prefere a palavra talho. Quando isso acontece, os diferentes sentidos da palavra devem ser explicados no texto.

Um açougue, em Portugal, não é um talho mas sim um matadouro, e é um termo bastante usado em círculos mais eruditos. A confusão que pode fazer-se reside no facto dos talhos terem sido uma vez matadouros, e alguns anda hoje, em regiões mais provincianas do país, servirem igualmente de açougue, ou matadouro. Por isso um açougue também pode ser um talho e essa difinição não estará incorrecta. Mas um açougue em Portugal, para precisar mais, não significa talho e sim matadouro, sendo que nos dias que correm os animais são mortos antes de irem para os talhos para serem cortados (talhados) [[1]]

Sara Soares Ferreira 04h50min de 7 de julho de 2009 (UTC)

Gerúndio vs infinitivo e Colocação pronominal[editar código-fonte]

Por favor, àqueles que têm autorização para editar este artigo. A se(c)cão deste artigo "Preferências" está escrita de forma muito superficial e apresenta algumas informações incorretas. Em minha opinião, seria aconselhável tirarmos a informação deste artigo: http://pt.wikipedia.org/wiki/Portugues_brasileiro#Pronomes_obl.C3.ADquos

Obrigado pela atenção, até mais. Feduol 23h31min de 12 de agosto de 2009 (UTC)

Em busca de um dialeto padrão[editar código-fonte]

Não seria maravilhoso se pudéssemos encontrar em português livros, revistas, filmes e uma wikipédia tão bons quanto encontramos em inglês, francês ou alemão?

Hoje eu me sinto uma pessoa sem lingua. Eu falo bom dia e até logo em português, mas tudo o mais eu faço em inglês. Mesmo a wikipédia, confesso, só consulto em inglês e francês. Já fiz mais contribuições à wikipédia em lingua inglesa do que à em português! E acredito que a grande maioria de vocês passam pela mesma experiência.

Isso só vai mudar se conseguirmos criar o que alguns chamam de "dialeto padrão". E isso é dificil, porque o português foi absorvido de forma diferente entre nós. Se em Portugal a história da lingua se confunde com a história do país, no Brasil, por exemplo, ela chegou a ser imposta por força de lei. Barreiras psicológicas, às vezes inconscientes, podem ser mais dificeis de superar do que as ortográficas.

Gostaria de sugerir o seguinte: ao invés de discutirmos qual português adotar, porque não "decretamos" um período de descoberta mútua? Se você é brasileiro, procure conhecer Portugal, ler jornais diários de Portugal para conhecer seu dia a dia. Procure usar o português de Portugal, mesmo que por brincadeira. Tu podes redescobrir coisas interessantes que no Brasil se perderam (como o uso da segunda pessoa, que acabei de arriscar). Se você é de Portugal, procure conhecer um outro país onde se fala o português! "Adota" algumas palavras novas ao seu dia a dia, talvez tu gostes de alguma!

Se disso nascer um entendimento sobre o que deve ser o nosso português comum, é só questão de tempo pra que possamos estudar, trabalhar e pesquisar numa lingua que nos pertence. Até quem briga, aqui na wikipédia, sobre as regras do português, deve achar isso mais divertido do que ficar procurando palavras em inglês no dicionário pra dizer as coisas mais básicas.

Discussão relevante[editar código-fonte]

Wikipedia:Esplanada/geral/Mudanças na versão de língua nos títulos dos artigos (1mar2010). GoEThe (discussão) 18h04min de 1 de março de 2010 (UTC)