Wilder Morais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wilder Morais
Senador por Goiás
Período 12 de Julho de 2012
até a atualidade
Dados pessoais
Nascimento 29 de junho de 1968 (49 anos)
Taquaral de Goiás (GO), Brasil
Alma mater Universidade Católica de Goiás
Partido PP
Profissão Engenheiro
Ocupação Empresário

Wilder Pedro de Morais (Taquaral de Goiás, 29 de junho de 1968) é um empresário e político brasileiro.

É graduado em Engenharia civil pela então Universidade Católica de Goiás. Com pouco tempo de experiência profissional, criou juntamente com outros sócios, a Orca Construtora, que entre outros clientes, reformou e construiu edificações da rede Carrefour no país. Também possui participações como sócio em outros empreendimentos.[1] É pai de três filhos, dois com Andressa Alves Mendonça, com quem já foi casado. [2] Atualmente é presidente do Partido Progressista (sigla, PP) em Goiás.

Histórico político[editar | editar código-fonte]

Filiado ao DEM, fez nas eleições de 2010 sua primeira disputa eleitoral, como primeiro suplente de senador de Demóstenes Torres, que concorria a reeleição.[3] Na campanha de Demóstenes, que o convenceu a entrar na política e de quem era admirador,[1] contribuiu com a doação de R$ 700 mil reais.[4] Essa doação caracterizou-o como o segundo maior doador da campanha de Demóstenes de 2010.[5]

Com Demóstenes eleito, Wilder foi convidado a assumir a Secretaria de Infraestrutura do estado de Goiás no governo Marconi Perillo em 1º de janeiro de 2011.[6] Com a cassação do mandato de Demóstenes Torres pelo Senado Federal, deixou a Secretaria para assumir como senador efetivo de em 13 de julho de 2012.[7] Seu mandato irá até 31 de janeiro de 2019.

Em 14 de setembro de 2015, Wilder filiou-se ao PP [8], pelo qual tornou-se presidente estadual do partido.

Denúncias e acusações[editar | editar código-fonte]

Influência de Cachoeira para suplência de Demóstenes[editar | editar código-fonte]

Conversas telefônicas gravadas pela PF durante a Operação Monte Carlo revelam que Carlinhos Cachoeira atuou para que Wilder Pedro de Morais fosse o senador suplente de Demóstenes Torres.[5]

Devido à cassação de Demóstenes, no dia 13 de julho de 2012, Wilder assumiu o mandato no Senado.[9]

Conforme as escutas telefônicas, Wilder, então secretário de infraestrutura no governo de Marconi Perillo (PSDB) em Goiás, discutiu com Perillo assuntos tratados anteriormente com o bicheiro.[5]

A mulher do bicheiro Carlinhos Cachoeira, Andressa Mendonça, que foi casada com Wilder e com quem teve dois filhos, era dona de uma loja de lingerie no Shopping Bouganville (Goiânia), de propriedade de Wilder.[5]

Omissão de bens à Justiça Eleitoral[editar | editar código-fonte]

Wilder, um dos empresários mais ricos de Goiás, enfrenta denúncias relativas à omissão de grande parte de seus bens na prestação de contas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Apenas na Junta Comercial de Goiás, registros mostram que Wilder é sócio-proprietário de 24 empresas. Na declaração de bens ao TSE, são listadas somente 15 empresas e um patrimônio de apenas R$ 14,4 milhões.[5]

Segundo informações da Receita Federal, dois shopping centers estão ausentes da declaração de patrimônio e foram constituídos antes das eleições de 2010, portanto devendo ter sido informados ao TSE:[5]

  • Bouganville (Nove Administração e Participações), em Goiânia, inaugurado em 2006;
  • Brasil Park (Brasil Park Participação e Investimentos), em Anápolis, inaugurado em 2007.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]