Wile E. Coyote

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o personagem da série televisiva. Para o animal, veja Coiote.


Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Janeiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Wile E. Coyote
Personagem fictícia de Looney Tunes
Coyote solitario (2359483236).jpg
Nome original Wile Etherlbert Coyote
Nascimento 16 de setembro de 1949 (68 anos)
Origem  Estados Unidos
Sexo Masculino
Espécie coiote
Olhos Negros
Inimigo(s) Papa-léguas
Pernalonga
Criado por Chuck Jones
Voz Mudo até 1952, Mel Blanc (1952-1961), Dee Bradley Baker, Maurice LaMarche Brasil Ionei Silva (1960-1985)
Pádua Moreira (1986-2011)
Léo Rabelo (2012-)
Primeira aparição Fast and Furry-ous (1949)
Última aparição Wabbit (2015)
Internet Movie Database IMDb
Espécie coiote

Wile E. Coyote (conhecido em português como Willy Coiote ou apenas Coiote) é um personagem de desenho animado criado em 1949 por Chuck Jones para os estúdios Warner Bros. Um dos mais conhecidos Looney Tunes, é basaedo num animal real nativo dos desertos do sudoeste americano, o coiote. Coyote é um animal faminto que tenta capturar o galo-corredor Papa-léguas. Muitos fãs já declararam que, "Coyote pode ser um vilão, mas ele ensina uma lição, para nunca parar de tentar."

Chuck Jones se inspirou na sua própria criação do Coiote para criar Ralph Wolf, lobo que tenta pegar as ovelhas vigiadas pelo cão Sam Sheepdog.

Origem[editar | editar código-fonte]

Quando os roteiristas da Warner Bros decidiram que precisavam de um novo tipo de curta, a única coisa que todos eles concordaram foi parodiar os desenhos de perseguição estilo Tom & Jerry.[1] Chuck Jones disse que "Embora muitas coisas me vieram à mente, a idéia de um coiote perseguindo um papa-léguas, eventualmente, veio para cima." O Coiote em particular é derivado de um canino similar no livro de Mark Twain Roughing It, onde um coiote é descrito como "um esqueleto alto, magrelo e doente, uma alegoria viva de Desejo. Ele está sempre faminto."[2] Sua aparência é baseada no animador Ken Harris.[3] Seu nome, "Wile E.", é um trocadilho com wily, "astuto".

Premissa[editar | editar código-fonte]

Em um deserto cheio de rodovias, o faminto Coiote sempre tenta capturar o Papa-Léguas, encomendando produtos ACME, uma empresa fictícia que fabrica de tudo.

O Papa-Léguas passa todos os episódios a ludibriar as tentativas do Coiote em capturá-lo. Contando com astúcia, velocidade ou uma sorte absurda, o Papa-Léguas sempre escapa ileso de todas as artimanhas altamente criativas de seu arqui-inimigo, porque este sempre acaba pego por sua própria armadilha, "morrendo" em todos os episódios. O mais inusitado é que a simpatia do público fica sempre com o predador frustrado. Em Wabbit - A Looney Tunes Production, seu papel é uma mistura de seu papel em foco no Pernalonga com o seu papel EM foco no Papa-Léguas tentando de novo caçar e comer o Pernalonga, mas acaba sempre se dando mal graças a esperteza do Pernalonga e também graças ao Papa-Léguas que muitas vezes sempre impede que o Willy E. Coiote acaba caçando o Pernalonga, carregando o coelho esperto nas costas surgindo rapidamente emitindo "bip-bip", mas Willy E. Coiote acaba decidindo tentar caçar e comer o Papa-Léguas também toda vez que Papa-Léguas surge para salvar o Pernalonga.

Quarenta e oito curta animados foram feitos com o Coyote perseguindo o Papa-Léguas, incluindo versões em computação gráfica na série animada O Show dos Looney Tunes.


Discurso[editar | editar código-fonte]

Coyote normalmente não faz um som, ao contrário do Papa-léguas, que emite o ocasional "bip-bip". Em vez disso, ele se comunica com placas que mostram a sua emoção, como "ai" ou "uh-oh". Ele tem sido conhecida a falar, no entanto, quando ele está em torno de Pernalonga (Nesse caso, foi dublado pela mesma voz do coelho, Mel Blanc).

Mel Blanc quando faz a voz de Pepé Le Pew fazia-a com sotaque francês e no mesmo tom de voz, enquanto que quando Coyote fala, com o mesmo tom de voz, mas geralmente com sotaque britânico, muitas vezes, proclamando ser um "gênio super".

Em Wabbit - A Looney Tunes Production, ele conversa com Pernalonga igual como nos desenhos clássicos, mas ele não fala usando sinais no lugar de qualquer fala e voz, mas também continua levantando placas com frases.

Nomes de episódios e Nomes científicos[editar | editar código-fonte]

No começo dos desenhos, há sempre um quadro parado em que o nome científico em pseudo-latim dos protagonistas surge, geralmente enfatizando a fome e estupidez do Coiote e a velocidade do Papa-Léguas.

Em Portugal, os episódios foram apenas dobrados para Home Media.

Lançamento (EUA)Títulos por idiomaNomes científicos
Desenho (título original [EUA])Desenho (título português)Papa-LéguasCoiote
(Nomes reais)(Nomes em português)Geococcyx californianus Canis latrans
16 de setembro de 1949 Fast and Furry-ousRápido e FuriosoAccelleratii Incredibus Carnivorous Vulgaris
24 de maio de 1952 Beep, BeepBip BipAccelerati Incredibilus Carnivorous Vulgaris
23 de agosto de 1952 Going! Going! Gosh!Era uma vez um CoioteAcceleratti Incredibilus Carnivorous Vulgaris
14 de setembro de 1953 Zipping AlongVamos na BroaVelocitus Tremenjus Road-Runnerus Digestus
14 de agosto de 1954 Stop! Look! And Hasten!Pare! Olhe e acelere!Hot-Roddicus Supersonicus Eatibus Anythingus
30 de abril de 1955 Ready, Set, Zoom!A grande perseguiçãoSpeedipus Rex Famishus-Famishus
10 de dezembro de 1955 Guided MuscleMusculos TeleguiadosVelocitus Delectiblus Eatibus Almost Anythingus
5 de maio de 1956 Gee Whiz-z-z-zVruuummm!Delicius-Delicius Eatius Birdius
10 de novembro de 1956 There They Go-Go-Go!As Mil e uma FalhasDig-Outius Tid-Bittius Famishius Fantasticus
26 de janeiro de 1957 Scrambled AchesA Estrada da MorteTastyus Supersonicus Eternalii Famishiis
4 de setembro de 1957 Zoom and BoredZoom e Boom!!Birdibus Zippibus Famishus Vulgarus
12 de abril de 1958 Whoa, Be GoneAdeus, Oh vai-te emboraBirdius High-Ballius Famishius Vulgaris Ingeniusi
11 de outubro de 1958 Hook, Line, and StinkerUma refeição rápidaBurnius-Roadibus Famishius-Famishius
6 de dezembro de 1958 Hip Hip-Hurry!Digoutius-Unbelieveus Eatius-Slobbius
9 de maio de 1959 Hot Rod and ReelE eu a vê-lo passar!Super-Sonicus-Tonicus Famishius-Famishius
10 de outubro de 1959 Wild About HurryBatoutahelius Hardheadipus Oedipus
19 de janeiro de 1960 Fastest with The MostestVelocidade AlucinanteVelocitus Incalculus Carnivorous Slobbius
8 de outubro de 1960 Hopalong CasualtySpeedipus-Rex Hard-Headipus Ravenus
21 de janeiro de 1961 Zip 'N' SnortÉ sempre a abrirDigoutius-Hot-Rodis Evereadii Eatibus
3 de junho de 1961 Lickety Splat*Fastius Tasty-us Apetitius Giganticus
11 de novembro de 1961 Beep Prepared2001: Coiote no EspaçoTid-Bittius Velocitus Hungrii Flea-Bagius
30 de junho de 1962 Zoom at the TopMais vale um coiote no chãoDisappearialis Quickius Overconfidentii Vulgaris
1962 Adventures of the Road-Runner*Super-Sonnicus Idioticus n/a
28 de dezembro de 1963 To Beep or Not to BeepEngenhocas Perigosasn/a n/a
6 de junho de 1964 War and PiecesBurn-em Upus Asphaltus Caninus Nervous Rex
27 de fevereiro de 1965 The Wild ChasePerseguição Selvagemn/a n/a
31 de julho de 1965 Rushing Rouletten/a n/a
21 de agosto de 1965 Run, Run, Sweet Road Runner"Raios partam o Coiote!"n/a n/a
18 de setembro de 1965 Tired and Featheredn/a n/a
9 de outubro de 1965 Boulder Wham!Pedregulho Buuum!!n/a n/a
30 de outubro de 1965 Just Plane Beepn/a n/a
13 de novembro de 1965 Hairied and Hurriedn/a n/a
11 de dezembro de 1965 Highway RunneryProibido Ultrapassarn/a n/a
25 de dezembro de 1965 Chaser On the Rocksn/a n/a
1965 Road Runner A-Go-Gon/a n/a
1965 Zip Zip Hoorayn/a n/a
8 de janeiro de 1966 Shot and Botheredn/a n/a
29 de janeiro de 1966 Out and Out Routn/a n/a
19 de fevereiro de 1966 The Solid Tin Coyoten/a n/a
12 de março de 1966 Clipperty ClobberedCoiote Invisíveln/a n/a
5 de novembro de 1966 Sugar and Spiesn/a n/a
27 de novembro de 1979 Freeze FrameSemper Food-Ellus Grotesques Appetitus
21 de maio de 1980 Soup or SonicUltra-Sonicus Ad Infinitum Nemesis Riduclii
Dezembro de 1994 Chariots of FurBoulevardius Burnupius Dogius Ignoramius
1999 Little Go BeepMorselus Babyfatius Tastius Poor Schnookius
2003 Wizzard of OwGeococcyx californianus Canis latrans
2003 Looney Tunes: Back in ActionLooney Tunes: De volta à açãon/a Desertus-operativus Idioticus


Mandamentos[editar | editar código-fonte]

Em seu livro Chuck Amuck de 1989, Chuck Jones escreveu os 10 mandamentos do desenho do Papa-Léguas:

  1. O Papa-Léguas não pode prejudicar o Coiote; ele só deve correr e fazer “beep-beep” (porém, há dois episódios em que o Papa-Léguas dirigindo um ônibus atropela o Coiote).
  2. O Coiote não pode ser afetado por nenhuma força externa: seu fracasso deve advir unicamente do uso de produtos Acme ou de sua própria estupidez. (uma vez violada por um trovão)
  3. Wile E. Coyote poderia acabar com sua caçada a qualquer momento – não fosse ele um fanático. Entretanto, ele jamais desistirá já que está sempre certo de que sua próxima tentativa será bem sucedida.
  4. Está vetado qualquer diálogo, com exceção de “beep-beep!”, além das placas do Coiote. (porém, em um curta o Coiote grita de dor e ri)
  5. O Papa-Léguas nunca deve deixar a estrada. (Violada ocasionalmente)
  6. Toda a ação deve se passar no habitat dos dois personagens: o deserto americano. (Violada uma vez, com constelações de Papa-Léguas e Coiote no céu)
  7. Todas as ferramentas, armas e outros artefatos devem ser de origem Acme.
  8. Sempre que possível, fazer da gravidade o pior inimigo do Coiote.
  9. O Coiote sempre sai mais humilhado do que ferido de suas armações.
  10. O público, no final das contas, é solidário ao Coiote.

Porém, o animador Michael Maltese disse nunca ter ouvido essas regras antes, explicando todas as violações.

Referências

  1. Barrier, Michael (6 de novembro de 2003). Hollywood Cartoons: American Animation in Its Golden Age. United States: Oxford University Press. p. 672. ISBN 978-0-19-516729-0. Consultado em 9 de março de 2008. 
  2. Collins, Glen (7 de novembro de 1989). «Chuck Jones on Life and Daffy Duck». The New York Times. 
  3. Wroe, Nicholas (19 de abril de 2013). «Richard Williams: the master animator». The Guardian. Consultado em 26 de abril de 2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma personagem de ficção é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.