Wilhelm Bittrich

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wilhelm Bittrich
Nascimento 26 de fevereiro de 1894
Wernigerode
Morte 19 de abril de 1979 (85 anos)
Wolfratshausen
Nacionalidade alemão
Serviço militar
Lealdade  Império Alemão
 República de Weimar
 Alemanha Nazista
Serviço Exército prussiano
Luftstreitkräfte
Reichswehr
Waffen-SS
Tempo de serviço 1914–45
Patente SS-Obergruppenführer
Comando 8.ª Divisão de Cavalaria SS Florian Geyer
Batalhas/Guerras Primeira Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial

Wilhelm Bittrich (Wernigerode; 26 de Fevereiro de 1894; – Wolfratshausen; 19 de Abril de 1979) foi um SS-Obergruppenführer alemão e comandante das Waffen-SS durante a Segunda Guerra Mundial.

Vida[editar | editar código-fonte]

Primeira Guerra Mundial e anos pós-guerra[editar | editar código-fonte]

Bittrich alistou-se como voluntário em 1914 para servir na guerra e já em 15 de Setembro de 1915 foi promovido a tenente da reserva. Em 1916 ele ingressou na recém formada Tropa de aviadores. Lutou na frente de combate oeste e sul até o momento da capitulação da Alemanha em 1918. Recebeu como piloto da 4ª esquadrilha as duas classes da medalha da “Cruz de Ferro”. Imediatamente após o término da Primeira Guerra Mundial Bittrich juntou-se ao Corpo de voluntários von Hülsen, e a partir de 1920 ao Regimento de granadeiros Großberlin. Em 29 de Dezembro de 1922 casou-se com Käte Blume e no ano de 1923, por vontade própria, filiou-se ao quadro de oficiais do Exército dos 100.000 homens das Forças do Reich. A partir de 1925 Bittrich trabalhou como instrutor de vôo na secreta formação da Força Aérea alemã em solo soviético.

A carreira no Terceiro Reich[editar | editar código-fonte]

Depois que a Central de Vôo alemã na URSS em 1933 foi desativada pelo Ministério das Forças do Reich, ele ingressou em 1934 na SS como SS-Untersturmführer. A direção da SS já trabalhava, nesse momento, na formação das SS-Divisões armadas e estava precisando de militares especializados para isso. Bittrich atuou primeiramente na formação do 1º Regimento SS Germania e já fez antes mesmo da eclosão da Segunda Guerra Mundial uma brilhante carreira. Em 1º de Outubro de 1936 foi promovido a SS-Sturmbannführer e em 30 de Janeiro de 1938 a SS-Obersturmbannführer. Ele participou no mesmo ano da SS Division Wiking. Em 1º de Junho de 1939 recebeu a promoção de SS-Standartenführer. Seu Regimento contava com as melhores Divisões do Exército, quando do início da guerra, devido a uma formação rígida e severa seleção de seus soldados.

Comandante de tropas na Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Bittrich participou do ataque de surpresa a Polônia quando servia no Estado-Maior do Leibstandarte SS Adolf Hitler, onde ele deveria auxiliar o comandante do Regimento Sepp Dietrich na direção das Unidades. Em 1º de Fevereiro de 1940 ele foi transferido para o Comando Central-SS em Berlim, a fim de trabalhar na formação das Divisões da Waffen-SS conhecidas como SS-Verfügungstruppe. Em 1º de Setembro de 1940 foi promovido a SS-Oberführer e em 1º de Dezembro, recebeu o comando da SS-Standarte Deutschland, novamente um comando na linha de frente da guerra. Bittrich dirigiu essa Unidade em campanha contra a União Soviética até Outubro de 1941, quando assumiu o comando da SS-Divisão Das Reich em substituição ao ferido Paul Hausser próxima a Moscou. Em 19 de Outubro de 1941 recebeu a promoção de SS-Brigadeführer e major-general da Waffen-SS. Por sua própria determinação, para romper a posição de defesa moscovita, ele recebeu em 14 de Dezembro de 1941 a "Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro".

Em 1º de Maio de 1942 ele foi encarregado, de formar a 8ª Divisão de cavalaria-SS Florian Geyer, com a qual ele lutou até o início de 1943 na parte central da linha de frente leste. A partir de Fevereiro de 1943 ele atuou como comandante da 9ª Divisão Panzer SS Hohenstaufen e foi promovido em 1º de Maio de 1943 a SS-Gruppenführer e tenente-general da Waffen-SS. Sua Divisão permaneceu primeiramente na Bélgica e França, onde ela em Outubro de 1943 foi transformada em uma Divisão Blindada. A partir de Março de 1944 ela participou da elite do II Corpo de Blindados-SS na linha de frente leste na região de Tarnopol, Ucrânia, onde teve sucesso em resgatar o 1º Exército de Blindados que estava sitiado.

Depois da invasão dos Aliados em 6 de Junho de 1944 o II Corpo de Blindados-SS com a 9ª e 10ª SS-Divisões Blindadas (Frundsberg) transferiram-se para a França, onde Bittrich em 29 de Junho de 1944 foi nomeado general do Corpo de Blindados. Sob seu comando lutou-se primeiramente na linha de frente da invasão na região de Caen, França, mais tarde, em 20 / 21 de Agosto ele levantou sob grandes baixas o cerco a Falaise e libertou o 7º Exército e o 5º Exército de Blindados. Por seu desempenho na direção dessa operação ele recebeu em 28 de Agosto de 1944 a “Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro com Folhas de Carvalho”, depois de ser promovido em 1º de Agosto de 1944 a SS-Obergruppenführer e general da Waffen-SS.

O II SS-Corpo de Blindados transferiu-se no início de Setembro de 1944 para o norte dos Países Baixos na região de Arnhem, a fim de renovar suas Unidades. Em 17 de Setembro de 1944 iniciou-se por lá a operação aeroterrestre dos Aliados Market Garden com o desembarque dos pára-quedistas britânicos bem na região de preparação do II SS-Corpo de Blindados, que logo notou a presença das Divisões de reconhecimento aliadas. O Corpo de Blindados de Bittrich conseguiu cercar a 1ª Divisão Aerotransportada britânica e impôs-lhe grandes baixas durante a batalha. Por solicitação das Divisões médicas da 1ª Divisão Aerotransportada, ordenou Bittrich em 24 de Setembro de 1944 um cessar-fogo de duas horas, para que 2.000 feridos britânicos fossem retirados do cerco e transportados até os hospitais de suas Divisões para que fossem cuidados.

A partir de 16 de Dezembro de 1944 o II SS-Corpo de Blindados juntamente com o 6º SS-Exército de Blindados sob o comando de Sepp Dietrich participaram da Ofensiva das Ardenas na Bélgica. Bittrich seguiu para a operação ao lado da 9ª SS-Divisão de Blindados Hohenstaufen, da 2ª SS-Divisão de Blindados Das Reich e da Brigada Führer-Begleit. Depois de um início cheio de sucessos, receberam os tanques alemães contra-ataques cada vez mais fortes e sofreram grandes baixas devido aos constantes ataques aéreos dos Aliados.

Devido ao fracasso da Ofensiva das Ardenas e da iminente ofensiva soviética no sul da linha de frente leste foram deslocados o 6º Exército-SS de Blindados juntamente com o Corpo de Blindados de Bittrich em Fevereiro de 1945 para a Hungria, mas não puderam impedir o avanço do Exército Vermelho. O II Corpo-SS de Blindados foi encarregado da defesa de Viena. Depois de 2 de Abril de 1945 o ataque a cidade começou. Recebeu então Bittrich no dia 9 de Abril de 1945 a ordem do Oberkommando der Wehrmacht (OKW), para defender Viena “até o último suspiro “. Mas ainda no mesmo dia ele retirou suas Unidades de Viena e as transferiu para trás do canal do rio Danúbio, para evitar uma insensata destruição da cidade histórica e o derramamento de sangue de suas Divisões. Uma nova ordem do OKW, para reconquistar Viena, não surtiu nenhum efeito. Continuada a luta Bittrich retornou com seu Corpo de Blindados para o oeste e foi feito prisioneiro dos americanos em 8 de Maio de 1945.

O pós-guerra[editar | editar código-fonte]

Em Janeiro de 1948 Bittrich foi entregue às autoridades militares francesas, que o acusavam de crimes de guerra na França. O processo começou, depois que um tribunal militar francês lhe negou a condição de prisioneiro de guerra, em 16 de Junho de 1953 em Marselha. A acusação dizia respeito ao fuzilamento de 17 membros da Resistência em Nimes por um pelotão da Companhia da 9ª Divisão Panzer SS Hohenstaufen, que na ocasião estava sob o comando de Bittrich. O debate mostrou, que Bittrich apenas teve conhecimento do fuzilamento posteriormente ao fato, e que havia imediatamente mandado instaurar um processo contra os soldados envolvidos. Finalmente Bittrich foi condenado a cinco anos de prisão, porque ele, assim como o Tribunal, entenderam que os soldados estavam subordinados a ele, como comandante da Divisão. Sua prisão preventiva valeu pelo tempo da pena. O co-acusado, Comandante do pelotão, recebeu uma pena maior de 20 anos por sua responsabilidade no episódio.

Bittrich instalou-se, após sua libertação, próximo ao lago Starnberger, no sul da Alemanha. Nunca mais desempenhou uma profissão. Bittrich engajou-se na Organização dos Veteranos da antiga Waffen-SS e foi após a morte de Paul Hausser seu primeiro-presidente.

Em 19 de Abril de 1979 faleceu Wilhelm Bittrich, com a idade de 85 anos, em Wolfratshausen na Alta Baviera.

Condecorações[editar | editar código-fonte]

  • Cruz de Ferro 1ª Classe (1918)
  • Cruz de Ferro 2ª Classe (1918)
  • Cruz honorífica pela luta na frente de combate 1914 - 18
  • Insígnia de ferido em combate
  • Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro (1941)
  • Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro com Folhas de Carvalho (1944)
  • SS Anel de Honra
  • SS Espada de Honra

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SILVEIRA, Joel; Segunda Guerra - Momentos Críticos; Mauad; 1995; ISBN 8585756071.
  • BEEVOR, Antony; Berlim 1945: A Queda; Record; 2004; ISBN 8501066710.
  • BEEVOR, Antony; Stalingrado; Record; 2ª Edição; 2002; ISBN 850105805X.

Ver também[editar | editar código-fonte]