Wilhelm Cuno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Wilhelm Cuno
Wilhelm Cuno
15.º Chanceler da Alemanha
Período 22 de novembro de 1922
a 12 de agosto de 1923
Presidente Friedrich Ebert
Antecessor(a) Joseph Wirth
Sucessor(a) Gustav Stresemann
Dados pessoais
Nascimento 2 de julho de 1876
Morte 3 de janeiro de 1933 (56 anos)

Wilhelm Cuno (Suhl, 2 de julho 1876Aumühle, 3 de janeiro 1933) foi um empresário e político alemão que foi Chanceler da Alemanha de 1922 a 1923, por um total de 264 dias. Seu mandato incluiu o episódio conhecido como Ocupação do Ruhr pelas tropas francesas e belgas e o período em que a inflação na Alemanha se acelerou notavelmente, caminhando para a hiperinflação. Cuno também foi diretor geral da empresa de navegação Hapag.

Cerimônia de sepultamento de Wilhelm Cuno no Cemitério de Ohlsdorf, em 10 de janeiro de 1933

Início de carreira[editar | editar código-fonte]

Ele foi contratado pelo Reichsschatzamt (Tesouro) em 1907, inicialmente como Regierungsassessor. Cuno foi promovido em 1910 a Regierungsrat e em 1912 a Geheimer Regierungsrat. Suas tarefas envolviam principalmente preparar projetos de lei parlamentares e apresentá-los ao Reichstag.[1]

Durante a Primeira Guerra Mundial, Cuno esteve envolvido na organização de suprimentos de alimentos para o exército alemão, primeiro dirigindo o Reichsgetreidestelle desde seu início até julho de 1916. Ele então foi nomeado para o Secretário de Estado (ou seja, Ministro) Batocki para ajudar a organizar o Kriegsernährungsamt (departamento de alimentos de guerra) No final de 1916, Cuno foi encarregado do Generalreferat (seção) sobre questões econômicas relacionadas à guerra no Tesouro.

A pedido de Albert Ballin, Cuno deixou o serviço público para ingressar na empresa de navegação Hapag como diretor em novembro de 1917. Após a morte de Ballin em novembro de 1918, Cuno foi promovido a diretor geral da Hapag em dezembro.[1]

Como especialista econômico, Cuno participou das negociações do pós-guerra sobre o armistício, as reparações e os termos de paz e em outras conferências internacionais, incluindo a Conferência de Gênova, que deixou em protesto após a assinatura do Tratado de Rapallo com a União Soviética. Cuno foi também um importante negociador nas negociações entre os armadores alemães e o governo, a respeito da indenização dos navios mercantes entregues aos Aliados nos termos do tratado de paz (1920/21).

Em 1920, Cuno liderou a Hapag em uma aliança com a United American Lines, ajudando a restabelecer a Hapag como uma linha de passageiros. Ele também representou não oficialmente os interesses da política externa do Reich durante suas viagens ao exterior. Foi sepultado no Cemitério de Ohlsdorf.[1]

Chanceler[editar | editar código-fonte]

Cuno, à esquerda, com o presidente alemão Friedrich Ebert (1923)

Cuno rejeitou várias propostas para assumir o cargo de ministro das Relações Exteriores (outono 1922) ou ministro das finanças (após a renúncia de Matthias Erzberger em 1920), mas concordaram em formar um gabinete após a renúncia de Joseph Wirth. Cuno foi nomeado Reichskanzler em 22 de novembro de 1922, por decreto presidencial e sem votação no Reichstag. Ele foi o primeiro chanceler da República de Weimar que não era membro de um partido. Politicamente, ele estava muito longe do presidente, o social-democrata Friedrich Ebert, que o escolheu como chanceler. Cuno tinha uma posição um tanto indiferente em relação à república e seu sistema parlamentar. Cuno formou um governo maioritariamente composta por economistas sem partido e membros do Partido Popular Alemão, Partido Democrática Alemã, Partido do Centro Alemão e Partido da Baviera. O governo foi referido, alternativamente, como Geschäftsministerium, Regierung der Wirtschaft ou Kabinett der Persönlichkeiten, enfatizando que não era o resultado de uma coalizão explícita entre os partidos parlamentares.[1][2]

Havia grandes esperanças de que este governo de especialistas, liderado por um homem com excelentes conexões no exterior, avançasse nas difíceis negociações com os Aliados. Eles ficaram, no entanto, desapontados. O plano de Cuno para resolver a questão das reparações e estabilizar o marco no mercado de câmbio foi rejeitado pelos Aliados a pedido do primeiro-ministro / ministro das Relações Exteriores da França, Poincaré. Quando a Alemanha ficou um pouco para trás em seus embarques de madeira e carvão (feitos como reparação em vez da falta de ouro), os franceses declararam que isso era uma violação deliberada dos acordos e em 11 de janeiro de 1923 ordenou que tropas ocupassem o Ruhr (mais tarde juntaram-se aos belgas). Este movimento, visto amplamente como ilegal mesmo fora da Alemanha, fez com que o governo de Cuno indignado pedisse resistência passiva: os embarques de reparação para a França e a Bélgica foram interrompidos, as minas foram instruídas a não fazer mais entregas a esses estados, funcionários públicos e pessoal do Reichsbahn foram instruídos a desobedecer às ordens das autoridades de ocupação.

A economia do Ruhr, o coração industrial da Alemanha, quase parou completamente. Os pagamentos de apoio financeiro pelo governo do Reich aos habitantes da zona ocupada afetada pelo fechamento de empresas, deportações e prisões rapidamente somaram grandes somas, financiadas principalmente pela impressão de dinheiro. Isso fez com que a inflação aumentasse rapidamente e o marco entrasse em queda livre.[1]

As tentativas do governo de retomar as negociações sobre as reparações em maio e junho de 1923 fracassaram, pois Poincaré se recusou a negociar, a menos que a resistência passiva fosse encerrada primeiro. Uma onda de greves contra o governo começou em agosto de 1923. Em 12 de agosto de 1923, Cuno e seu gabinete renunciaram como resultado de um voto de não-confiança iniciado pelo SPD.[3]

Referências

  1. a b c d e Biographie, Deutsche. «Cuno, Wilhelm - Deutsche Biographie». www.deutsche-biographie.de (em alemão). Consultado em 1 de julho de 2021 
  2. «Das Kabinett Cuno (Edition "Akten der Reichskanzlei, Weimarer Republik")». ISBN: 978-3-486-41071-6 (em alemão). Consultado em 1 de julho de 2021 
  3. «Biografie Wilhelm Cuno (German)». Deutsches Historisches Museum. Consultado em 6 de janeiro de 2015 


Precedido por
Joseph Wirth
Chanceler da Alemanha
1922 — 1923
Sucedido por
Gustav Stresemann


Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.