William Alexander Morgan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
William Alexander Morgan
Nascimento 19 de abril de 1928
Cleveland, Ohio
Morte 11 de março de 1961 (32 anos)
Nacionalidade Estados Unidos Estadunidense
Cônjuge Olga Morgan
Causa da morte Fuzilamento

William Alexander Morgan (19 de abril de 1928 - 11 de março de 1961) foi um americano que combateu o ditador Fulgencio Batista durante a Revolução cubana[1]. Declarado herói nacional, é acusado de ser um agente da CIA e é fuzilado a 11 de março de 1961.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Chegado a cuba em 1958, não luta ao lado de Fidel Castro e sim na segunda frente, ao lado de Santa-Clara. Junta as suas forças com as de Che Guevara para tomar a cidade a 31 de dezembro de 1958. Morgan e suas tropas tomam a cidade de Cienfuegos a 2 de janeiro de 1959[2].

Conhecido por ser anti-comunista e opondo-se a Che Guevara, ele é contactado pelos membros do antigo regime que preparam uma invasão a partir de São Domingos. Morgan que não acredita que Castro irá implementar um governo comunista, denuncia a tentativa de invasão e a 12 de agosto de 1959 todos os invasores são presos no aeroporto de Trinidad. A 15 de agosto Fidel Castro declara William Morgan como "herói nacional".

Opondo-se à orientação cada vez mais pro-soviética do governo, Margan prepara, juntamente com outros membros do exército, um movimento para remover o regisme castrista, e fornece armamento aos guerrilheiros anti-castristas. Morgan é preso em outubro de 1960 e é enviado para a fortaleza de la Cabaña.

A 11 de março de 1961 ele é executado, acusado de ser um agente da CIA e de ter participado na explosão do la Coubre. A sua esposa Olga Morgan, uma cubana que conhecera quando guerrilheiro, é presa durante 12 anos.

Referências

  1. «An 'Americano' Revolutionary in Castro's Cuba». National Public Radio. 19 de agosto de 2007. Consultado em 19 de agosto de 2007 
  2. Miguel A.Faria, Jr., Cuba in Revolution--Escape from a Lost Paradise, (2002), p.69

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Aran Shetterly, (2007) The Americano: Fighting for Freedom in Castro's Cuba. Algonquin Books (ISBN 1-56512-458-8).
  • Alex Abella (2000) The Great American: A Novel. Simon & Schuster (ISBN 0-7432-0548-0).
  • Jornal Toledo Blade (2002); The Miami Herald, 2007.
  • Miguel A. Faria (2002) Cuba in Revolution-- Escape from a Lost Paradise. p. 69, 107. (ISBN 0-9641077-3-2)