William Brereton

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
William Brereton
Nascimento 1490
Cheshire
Morte 17 de maio de 1536 (46 anos)
Tower Hill
Sepultamento Torre de Londres
Cidadania Reino da Inglaterra
Ocupação empregado doméstico
Causa da morte decapitação

Sir William Brereton (? - 17 de maio de 1536), nasceu no seio de uma família latifundária de Cheshire, e foi um Oficial da Casa Real de Henrique VIII de Inglaterra. Ele foi apanhado nas acusações contra Ana Bolena, julgado por traição e executado com a rainha e outros quatro. Os historiadores pensam agora que, juntamente com os outros, ele era certamente inocente.

Vida[editar | editar código-fonte]

Willam Brereton era o sexto filho de Sir Randle Brereton de Ipstones, Shocklach, e Malpas, Cavaleiro Camareiro de Chester, cavaleiro estandarte e cavaleiro de corpo de Henrique VII. A sua mãe era Eleanor Dutton. Juntamente com três dos seus irmãos, William entrou no serviço real. Em 1521, ele tornou-se oficial da Câmara do Rei, e a partir de 1524, da Câmara Privada.

Em 1529, Brereton casou-se com uma viúva, Elizabeth Savage, filha de Charles Somerset, 1.º Conde de Worcester e prima em segundo grau de Henrique VIII. O primeiro marido de Lady Savage foi o neto de Sir John Savage, que tinha sido comandante de Lancaster na Batalha de Bosworth, em 1485. Quando o neto ficou cheio de dívidas e estando também preso na Torre de Londres por assassinato, todas as suas propriedades foram confiscadas a favor da Coroa, e Brereton, como oficial do rei, em Cheshire, ficou encarregue de cuidar delas. Savage morreu e o casamento de Bereton com Lady Savage estabeleceu uma relação de parentesco com o rei e, assim, consolidou a posição de Brereton como oficial real.

Como recompensa pelo seu trabalho para com o Rei, Brereton ganhou muitas concessões em Cheshire e no País de Gales. Estas, eventualmente, renderam-lhe mais de 10 mil libras por ano. No entanto, ele exercia o poder sem escrúpulos. Por exemplo, ele projetou a execução de Sir John Eyton por instigar o assassinato de um dos seus próprios homens que tinha estado envolvido em distúrbios durante o roubo de gado.

O Secretário de Estado, Thomas Cromwell, comandou a conspiração contra Ana Bolena. A alegação contra Brereton foi a de que Ana o seduziu em 16 de Novembro de 1533, e ambos se encontraram intimamente no dia 27 de novembro seguinte. No entanto, a futura rainha Isabel I tinha nascido a 7 de setembro. Isso teria mantido Ana em reclusão por muito tempo. Outras acusações de má conduta em Hampton Court certamente não terão acontecido, porque no momento em questão, a Corte estava em Greenwich. O historiador Eric Ives argumenta que Cromwell juntou Brereton à sua trama contra Ana a fim de acabar com a Brereton, que estava causando problemas em Gales, bem como na reorganização (e centralização) do governo local dessa área.

As palavras de Brereton quando ele enfrentou o machado do carrasco foram "A causa pela qual eu vou morrer, eu não a julgo. Mas se você julgar, o juízo será melhor". Estas são interpretadas como uma declaração cautelosa da sua inocência, que evitaria a perda das suas propriedades.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ives, Eric: The Life and Death of Anne Boleyn, Blackwell Publishing . ISBN 978-1-4051-3463-7 Paperback 2005.
  • Letters and Accounts of William Brereton, ed Ives, Eric, Record Society of Lancashire and Cheshire, Vol 116, (1976).