William Joseph Murray

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
William Joseph Murray
Taxoimagem.png
Nascimento: William J. Murray III
25 de maio de 1946 (72 anos)
Condado de Ashland, Ohio, EUA
Ocupação: autor
ministro
lobista
Organização: Religious Freedom Coalition
Conhecido por: Abington School District v. Schempp
filho de Madalyn Murray O'Hair
My Life Without God
Título: presidente
Filhos: Robin + 1
Pais: William J. Murray, Jr.
Madalyn Murray O'Hair
Parentes: Jon Garth Murray (meio irmão)
Site: wjmurray.com

William Joseph "Bill" Murray III (25 de Maio de 1946) é um autor estadounidense, ministro batista e lobista conservador social que atualmente atua como presidente da Religious Freedom Coalition, uma organização sem fins lucrativos em Washington, D.C., ativa em questões relacionadas a ajudar os cristãos nos países islâmicos e comunistas. Filho da ativista atéia Madalyn Murray O'Hair, Murray desempenhou um papel importante ao lado da mãe para o fim da oração obrigatória nas escolas públicas em 1963.

Biografia[editar | editar código-fonte]

William J. Murray III nasceu em Ohio em 1946, filho de William J. Murray Jr. e Madalyn Murray O'Hair, uma ativista atéia [1] que ganhou à atenção nacional em 1960 quando iniciou com um processo judicial no Supremo Tribunal dos Estados Unidos, afirmando que a oração compulsória e a leitura da Bíblia nas escolas públicas eram inconstitucionais. O caso dos Murrays, Murray v. Curlett, foi finalmente desdobrado no Abington School District v. Schempp, uma decisão histórica de 1963 que impediu a leitura bíblica obrigatória nas escolas públicas porque esta seria inconstitucional.

Ao longo de sua vida, Murray trabalhou em várias indústrias no setor privado, incluindo a indústria aeronáutica.[2]

Murray tornou-se cristão em 1980. Ao saber sobre sua conversão, sua mãe comentou:

Pode-se chamar isso de aborto pós-natal por parte de uma mãe, eu acho; repudio-o inteira e completamente agora e por todos os tempos. Ele está além do perdão humano.[3]

Madalyn, seu filho Jon Garth Murray e sua neta Robin (filha de William), foram sequestrados e posteriormente assassinados pelo ex-funcionário dos American Atheists, David Roland Waters em 1995.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The Austin Chronicle - Preying on Atheists. The Oldest Motive: Revenge. Robert Bryce, 4 de Junho de 1999, (em inglês) Acessado em 26/09/2017.
  2. World News - My Life without God by John Murray. Vídeo (em inglês) publicado em 11 de Junho de 2012. Acessado em 26/09/2017.
  3. Ungodly: The Passions, Torments, and Murder of Atheist Madalyn Murray O'Hair. Autor: Ted Dracos. Free Press, 2003, pág. 138, (em inglês) ISBN 9780743228336 Adicionado em 26/09/2017.
  4. Dallas Observer - True Confession. John MacCormack, 10 de Julho de 2003, (em inglês) Acessado em 26/09/2017.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]