Winnifred Quick

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Winnifred Quick
Nome completo Winnifred Quick Van Tongerloo
Nascimento 23 de janeiro de 1904
Plymouth, Inglaterra
Morte 4 de julho de 2002 (98 anos)
Lansing, Michigan
Progenitores Mãe: Jane Richards
Pai: Frederick Quick
Cônjuge Alois Van Tongerloo (1923–1987, morte dele)
Filho(s) 5

Winnifred Vera Quick (23 de janeiro de 1904 – 4 de julho de 2002) foi um dos últimos sobreviventes remanescentes do naufrágio do RMS Titanic em 15 de abril de 1912.

A bordo do Titanic[editar | editar código-fonte]

Winnifred, então com oito anos, juntamente com Jane e sua irmã Phyllis, embarcaram no Titanic como passageiros da segunda classe em Southampton, Inglaterra. Apesar dos mares calmos, ela ficou enjoada na maior parte dos primeiros quatro dias de viagem.[1]

Em 14 de abril, Winnifred e sua família foram para cama pouco depois das 21:30 h. Nem ela, Jane ou Phyllis, sentiram a colisão do navio com o iceberg às 23:40 h. Foi apenas depois de um passageiro bater na porta de sua cabine contando sobre o acidente, que elas perceberam algo de errado. Não achando que o navio tinha sido seriamente danificado, Jane levou algum tempo se vestindo. Um tripulante, colocando sua cabeça para dentro da cabine e vendo o quão lento Jane se preparava, ordenou que elas vestissem seus coletes salva-vidas pois o navio havia atingido um iceberg e estava afundando.[1] Winnifred e Phyllis foram acordadas e vestidas e junto com Jane, subiram por cinco lances de escadas até o Convés A. No Convés, um cavalheiro desconhecido ajudou a acalmar Winnifred, que chorava histericamente, e colocou o colete em Phyllis. Jane colocou Winnifred e Phyllis no Bote 11, mas inicialmente foi proibida sua entrada no bote quando o homem no comando do bote disse: 'espaço apenas para crianças'. Jane, segundo relatos, disse a ele: "ou vamos juntos ou ficamos juntos". Ele finalmente a deixou entrar no bote; ela foi a última permitida no bote que, segundo ela, tinha cerca de 50 pessoas. Mesmo lá, Winnifred continuou a chorar até que alguém percebeu que seus sapatos tinham caído e seus pés estavam na água congelante.[1]

Winnifred finalmente adormeceu mas foi acordada quanto as pessoas ao seu redor começaram a gritar quando o RMS Carpathia foi avistado. Ela e Phyllis foram colocadas em um saco e puxadas até o convés do navio de resgate. Mais tarde, lembrou-se de ver muitos sobreviventes que choravam e até mesmo observavam o enterro no mar de vários passageiros que morreram nos botes salva-vidas.[1] Seu pai ouviu as notícias do naufrágio, mas recebeu um mensagem por telegrama dizendo que sua família estava a salvo. Ele estava na doca em Nova Iorque em 18 de abril, quando o Carpathia chegou. A família passou a noite no Hebrew Sheltering and Immigrant Aid Society. Na manhã seguinte, eles deixaram Nova Iorque, partindo da estação central de trens e chegaram em Detroit em 20 de abril.[1]

Jane morreu em 1965 aos 84 anos e Phyllis morreu em 1954.

Referências

  1. a b c d e Quick's biodata Arquivado em 11 de janeiro de 2008 no Wayback Machine.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]