Wish (empresa)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Wish
upright=!Artigos sem imagens

Evolução dos logos da Wish

Criação
Forma jurídica
corporação (d)
Sede social
Sectores de atividade
Fundador
Piotr Szulczewski (en)
Website


Wish é uma plataforma de comércio eletrônico que facilita as transações entre vendedores e compradores. A Wish foi fundada em 2010 por Piotr Szulczewski (CEO) e Danny Zhang (ex-CTO).

Wish é operado pela ContextLogic Inc. em São Francisco, Estados Unidos. A plataforma emprega tecnologias de navegação que personalizam as compras visualmente para cada cliente, ao invés de contar com um formato de barra de pesquisa. Ele permite que os vendedores listem seus produtos no Wish e vendam diretamente aos consumidores. A Wish trabalha com provedores de serviços de pagamento para lidar com os pagamentos e não estoca os produtos nem gerencia devoluções.

História[editar | editar código-fonte]

A Wish foi fundada por Piotr Szulczewski, um ex-engenheiro do Google, como uma empresa de software chamada ContextLogic. Em setembro de 2010, a ContextLogic recebeu US $ 1,7 milhão em investimentos e envolveu o CEO da Yelp, Jeremy Stoppelman.[1]

Em maio de 2011, Szulczewski convidou seu amigo de faculdade Danny Zhang par relançar a empresa como Wish.[1] Ele foi criado como um aplicativo que permitia aos compradores criar listas de desejos de seus produtos favoritos antes de combiná-los com os comerciantes. Eles também obtiveram receita com um modelo de pagamento por clique anunciando no Facebook.[2]

Em 2013, Szulczewski se reuniu com Hans Tung, um investidor da GGV Capital em Menlo Park, Califórnia, e observou que um grande número de vendas vinha da Flórida, Texas e do meio-oeste, em vez de Nova York ou Califórnia.[1] Wish tornou-se um site de comércio eletrônico depois de pedir aos comerciantes para hospedar seus produtos diretamente no aplicativo Wish, com o Wish pegando uma parte de cada venda.[3]

Em 2017, o Wish foi o aplicativo de e-commerce mais baixado dos Estados Unidos.[4] Ele assinou uma parceria de vários anos com a NBA Los Angeles Lakers.[5][6] Wish conduziu uma campanha na Copa do Mundo em 2018, que contou com Neymar, Paul Pogba, Tim Howard, Gareth Bale, Robin van Persie, Claudio Bravo e Gianluigi Buffon.[7]

Em 2018, Wish foi o aplicativo de comércio eletrônico mais baixado em todo o mundo.[8] A empresa dobrou sua receita para US $ 1,9 bilhão.

Em 2019, Wish era o terceiro maior mercado de comércio eletrônico dos Estados Unidos em vendas.[1] Em agosto de 2019, a Wish recebeu uma rodada de financiamento da Série H, liderada pela firma de ações General Atlantic, elevando os ativos da empresa para US $ 11,2 bilhões.[9] JD.com é um investidor da Wish.[10]

Serviços[editar | editar código-fonte]

Mais de 1 milhão de comerciantes[11][12] listam seus produtos na plataforma da Wish para vendê-los diretamente aos consumidores, eliminando taxas de distribuição de baixo preço. A maior parte da mercadoria disponível por meio do aplicativo vem da China e de outros distribuidores estrangeiros.[13] Os produtos são geralmente itens menores que são mais baratos de enviar,[10] com a ajuda de um acordo entre a China Post e o Serviço Postal dos Estados Unidos que reduz os custos de envio de mercadorias com peso inferior a 2kg.[1] A Wish oferece frete expresso em 5 dias, ou 6-8 dias em alguns casos,[14] bem como o envio padrão que leva de 2 a 3 semanas, para clientes que priorizam a economia sobre a velocidade de entrega.[8]

O jogo estilo "Roda da Fortuna" da Wish, Blitz Buy, integra uma camada de gamificação para oferecer aos consumidores descontos adicionais nos itens mais vendidos.[15] O aplicativo Wish está disponível para download no iOS e Android.[4]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Wish foi criticado por listar produtos de baixa qualidade ou falsificados, uma preocupação comum entre os principais sites de comércio eletrônico que apresentam vendedores independentes.[16][17][18] Os clientes reclamaram da falta de comunicação dos vendedores e da qualidade. Como resultado, Szulczewski contratou Connie Chang do Facebook para organizar uma comunidade de certa de 10.000 usuários do Wish para expor revendedores insatisfatórios em troca de produtos grátis e descontos.[1]

É possível comprar itens da Wish que não são legais no país do comprador. Em janeiro de 2020, um homem de Nelson, Reino Unido foi condenado a 11 meses de prisão por comprar uma arma de choque via Wish.[19]

Referências

  1. a b c d e f Olson, Parmy (13 de março de 2019). «Meet The Billionaire Who Defied Amazon And Built Wish, The World's Most-Downloaded E-Commerce App». Forbes. Consultado em 16 de junho de 2021 
  2. «Meet Wish, the $3 Billion App That Could Be the Next Walmart». Recode. Consultado em 16 de junho de 2021 
  3. Del Ray, Jason (12 de julho de 2013). «Mobile-Commerce App Wish Says It Knows What Its Users Want to Buy». Wall Street Journal. All Things Direct. Consultado em 16 de junho de 2021 
  4. a b «Wish was most downloaded US shopping app in 2017». Tamebay. 17 de janeiro de 2018. Consultado em 17 de junho de 2021 
  5. Melton, James (22 de setembro de 2017). «Wish.com teams up with LA Lakers to put the online marketplace's logo on jerseys». Digitalcommerce360.com. Consultado em 16 de junho de 2021 
  6. «L.A. Lakers Partner Wish Jumps to No. 1 in Earned Social Media Value Among NBA Jersey Patch Sponsors». Martechseries.com. 7 de junho de 2019. Consultado em 16 de junho de 2021 
  7. Ostrander, Paris (13 de julho de 2018). «Wish Recruits Howard, Neymar For 'Time On Your Hands' Campaign». Sports Business Daily. Consultado em 16 de junho de 2021 
  8. a b George-Parkin, Hilary (17 de junho de 2019). «Wish, the super popular, ultra-cheap shopping app, explained». Vox.com. Consultado em 17 de junho de 2021 
  9. «Wish Valuation Rises to More Than $11 Billion Following Series H Financing Led by General Atlantic». Bloomberg. 1 de agosto de 2019. Consultado em 16 de junho de 2021 
  10. a b Loizos, Connie (1 de março de 2016). «The hot e-commerce app Wish has "hundreds of millions of users" (plus other fascinating stats)». Tech Crunch. Consultado em 16 de junho de 2021 
  11. «Step-by-Step Guide to Sell on Wish for Beginners (Products, Benefits & Comparison)». Chinabrands.com. 27 de outubro de 2018. Consultado em 17 de junho de 2021 
  12. Olson, Parmy (15 de junho de 2018). «Wish Founder Revamps 'Culture And Operations' To Tackle Walmart, Amazon». Forbes.com. Consultado em 17 de junho de 2021 
  13. «The Problem With Buying Cheap Stuff Online». The Atlantic. Consultado em 17 de junho de 2021 
  14. «Everything you need to know about Wish Express». Cedcommerce.com. 26 de setembro 2019. Consultado em 5 de novembro de 2019 
  15. Stevens, Ben (14 de junho de 2018). «Hands On with the Wish app». Retail Gazette. Consultado em 17 de junho de 2021 
  16. «Wish faces criticism over suspected counterfeits». Digital Commerce 360. 17 de junho de 2018. Consultado em 17 de junho de 2021 
  17. Semuels, Alana (22 de maio de 2018). «The Problem With Buying Cheap Stuff Online». The Atlantic (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2021 
  18. Hays, Kali (4 de abril de 2018). «Off-White Going After Fakes Being Sold on Wish.com With Lawsuit». WWD. Consultado em 17 de junho de 2021 
  19. Quaynor, Aban (14 de janeiro de 2020). «Man who bought £5 stun gun from wish.com to protect harassed girlfriend jailed». Lancashire Telegraph 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]