World Wide Fund for Nature

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
World Wide Fund For Nature
Logo da WWF.
Organização não governamental
Slogan A future for people and nature
Atividade Ambientalismo
Fundação 29 de abril de 1961
Fundador(es) Julian Huxley[1]
Edward Max Nicholson
Peter Scott
Guy Mountfort
Godfrey A. Rockefeller
Bernardo de Lipa-Biesterfeld
Filipe, Duque de Edimburgo[2]
Sede Gland, Suíça
Área(s) servida(s) Todo o planeta
Presidente Pavan Sukhdev
Pessoas-chave Marco Lambertini (Diretor Geral)
Produtos Pesquisa, desenvolvimento sustentável
Faturamento 654 milhões (2013)
Significado da sigla Fundo Mundial para a Natureza
Website oficial wwf.org

A World Wide Fund for Nature Inc. (WWF) é uma organização não-governamental internacional fundada em 1961 que trabalha na área de preservação da natureza e redução do impacto humano no meio ambiente.[3] Anteriormente, era chamado de World Wildlife Fund, o que continua sendo seu nome oficial no Canadá e nos Estados Unidos.

A WWF é a maior organização de conservação do mundo, com mais de cinco milhões de apoiadores em todo o mundo, trabalhando em mais de 100 países e apoiando cerca de 3.000 projetos ambientais e de conservação.[4] Eles investiram mais de US$ 1 bilhão em mais de 12.000 iniciativas de conservação desde 1995.[5] A WWF é uma fundação com 65% de financiamento de indivíduos e legados, 17% de fontes governamentais (como o Banco Mundial, DFID e USAID) e 8% de empresas em 2020.[6][7]

A WWF visa "parar a degradação do ambiente natural do planeta e construir um futuro em que os humanos vivam em harmonia com a natureza".[8] O Relatório Planeta Vivo é publicado a cada dois anos pela WWF desde 1998; baseia-se no Índice Planeta Vivo e no cálculo da pegada ecológica[3] Além disso, a WWF lançou várias campanhas mundiais notáveis, incluindo a Hora do Planeta, e seu trabalho atual está organizado em torno dessas seis áreas: alimentos, clima, água doce, vida selvagem, florestas e oceanos.[3][5]

A WWF recebeu críticas por seus supostos laços corporativos[9][10] e foi repreendido por apoiar os guardas ecológicos que perseguiam os moradores africanos da floresta no parque nacional Messok Dja proposto na República do Congo.[11]

A WWF faz parte do Steering Group da Foundations Platform F20, uma rede internacional de fundações e organizações filantrópicas.[12]

História[editar | editar código-fonte]

Fundação[editar | editar código-fonte]

A ideia de um fundo em nome dos animais ameaçados de extinção foi proposta oficialmente por Victor Stolan a Sir Julian Huxley em resposta a artigos que publicou no jornal britânico The Observer. Essa proposta levou Huxley a colocar Stolan em contato com Edward Max Nicholson, uma pessoa que tinha trinta anos de experiência em vincular intelectuais progressistas com interesses de grandes negócios através do think tank Planejamento Político e Econômico.[1][13][14] Nicholson pensou no nome da organização e o logotipo original do panda foi desenhado por Sir Peter Scott. A WWF foi concebido em 29 de abril de 1961, sob o nome de World Wildlife Fund. Seu primeiro escritório foi inaugurado em 11 de setembro na sede da IUCN em Morges, Suíça.

A WWF foi concebido para atuar como uma organização internacional de angariação de fundos para apoiar o trabalho de grupos de conservação existentes, principalmente a União Internacional para a Conservação da Natureza..[15] Sua criação foi marcada com a assinatura do Manifesto Morges, o documento fundador que estabeleceu o compromisso do fundo em ajudar organizações dignas que lutam para salvar a vida selvagem do mundo.[16]

O príncipe Bernhard de Lippe-Biesterfeld ajudou a fundar a WWF, tornando-se seu primeiro presidente em 1961. Em 1963, a Fundação realizou uma conferência e publicou um importante relatório alertando sobre o aquecimento global antropogênico , escrito por Noel Eichhorn com base no trabalho de Frank Fraser Darling (então vice-presidente da fundação), Edward Deevey, Erik Eriksson, Charles Keeling, Gilbert Plass, Lionel Walford e William Garnett.[17]

Em 1970, juntamente com o príncipe Philip, duque de Edimburgo, e alguns associados, Bernhard estabeleceu endowment da WWF, The 1001: A Nature Trust, para lidar com a administração e captação de recursos da organização. 1.001 membros contribuiram cada um com US $ 10.000 para o fundo.[18] O príncipe Bernhard renunciou ao cargo depois de se envolver no escândalo do suborno da Lockheed.[19]

Desenvolvimento recente[editar | editar código-fonte]

Um balão de ar quente WWF no México (2013)

Em 1986, a organização mudou seu nome para World Wide Fund for Nature, mantendo as iniciais WWF. No entanto, continuou naquela época a operar sob o nome original nos Estados Unidos e no Canadá.[20]

Em 1986 ocorreu o 25º aniversário da fundação da WWF, um evento marcado por um encontro em Assis, Itália, para o qual o presidente internacional da organização, príncipe Philip, duque de Edimburgo, convidou autoridades religiosas diversas. Esses líderes produziram as Declarações de Assis, declarações teológicas que mostram a relação espiritual entre seus seguidores e a natureza que desencadeou um crescimento no engajamento dessas religiões com a conservação em todo o mundo.[20]

Os pesquisadores da WWF e muitos outros identificaram 238 ecorregiões que representam os habitats terrestres, de água doce e marinhos mais biologicamente destacados do mundo, com base em uma análise de biodiversidade mundial que a organização diz ser a primeira desse tipo.[21] No início dos anos 2000 (década), seu trabalho estava focado em um subconjunto dessas ecorregiões, nas áreas de conservação de florestas, água doce e habitats marinhos, conservação de espécies ameaçadas, mudanças climáticas e eliminação dos produtos químicos mais tóxicos.

A Universidade de Harvard publicou um estudo de caso sobre a WWF chamado "Negociando os Acordos de Paris: WWF e o Papel das Florestas no Acordo Climático de 2015": [22]

Símbolo do panda[editar | editar código-fonte]

O panda gigante tornou-se o símbolo da WWF

O logotipo do panda gigante da WWF originou-se de um panda chamado Chi Chi que havia sido transferido do zoológico de Pequim para o zoológico de Londres em 1958, três anos antes da WWF ser estabelecido. Sendo famosa como a única panda que residia no mundo ocidental naquela época, suas características físicas reconhecíveis e seu status de espécie em extinção foram vistos como ideais para atender à necessidade da organização de um símbolo forte e reconhecível que superasse todas as barreiras linguísticas.[23] A organização também precisava de um animal que tivesse impacto na impressão em preto e branco. O logotipo foi então desenhado por Sir Peter Scott a partir de esboços preliminares de Gerald Watterson, um naturalista escocês.[24][25]

O logotipo foi ligeiramente simplificado e se tornou mais geométrico em 1978, sendo revisado significativamente novamente em 1986, na época em que a organização mudou seu nome, com a nova versão apresentando formas pretas sólidas para os olhos.[26] Em 2000, foi feita uma mudança na fonte usada para as iniciais "WWF" no logotipo.[27]

Organização e operação[editar | editar código-fonte]

Elaboração de políticas[editar | editar código-fonte]

A WWF se opôs à extração de petróleo das areias betuminosas canadenses e fez campanha sobre o tema. Entre 2008 e 2010, a WWF trabalhou com o The Co-operative Group, a maior cooperativa de consumidores do Reino Unido, para publicar relatórios que concluíram que: (1) explorar todo o potencial das areias betuminosas canadenses seria suficiente para realizar o que eles descrito como 'mudanças climáticas descontroladas;[28] (2) a tecnologia de captura e armazenamento de carbono (CCS) não pode ser usada para reduzir a liberação de dióxido de carbono na atmosfera a um nível comparável ao de outros métodos de extração de petróleo;[29] (3) os US$ 379 bilhões que devem ser gastos na extração de petróleo de areias betuminosas poderiam ser melhor gastos em pesquisa e desenvolvimento em tecnologia de energia renovável;[30] e (4) a expansão da extração de areias betuminosas representa uma séria ameaça para o caribu em Alberta.[31]

A organização convence e ajuda governos e outros órgãos políticos a adotar, fazer cumprir, fortalecer e/ou mudar políticas, diretrizes e leis que afetam a biodiversidade e o uso de recursos naturais. Também garante que governos mantenham seus compromissos com os instrumentos internacionais relacionados à proteção da biodiversidade e dos recursos naturais.[32][33]

Em 2012, David Nussbaum, CEO da WWF-UK, se manifestou contra a forma como o gás de xisto é usado no Reino Unido, dizendo: "... o governo deve reafirmar seu compromisso com o combate às mudanças climáticas e priorizar as energias renováveis e a eficiência energética."[34]

Colaboração[editar | editar código-fonte]

A organização trabalha em uma série de questões globais que impulsionam a perda de biodiversidade e o uso insustentável de recursos naturais, incluindo conservação de espécies, finanças, práticas comerciais, leis e escolhas de consumo. Os escritórios locais também trabalham em questões nacionais ou regionais.[35]

Em outubro de 2020, a WWF foi nomeado como um dos parceiros da aliança do Prêmio Earthshot do Príncipe William, para encontrar soluções para questões ambientais.[36]

Em março de 2021, a WWF anunciou uma extensão de sua parceria com a H&M para abordar práticas sustentáveis da cadeia de suprimentos.[37]

Lista de presidentes[editar | editar código-fonte]

Yolanda Kakabadse, presidenta da WWF de 2010 a 2017
Anos[38] Nome[38] País
 1961–1976 Príncipe Bernardo de Lippe-Biesterfeld  Netherlands
 1976-1981 John Hugo Loudon  Netherlands
 1981–1996 Príncipe Philip, Duque de Edimburgo  United Kingdom
 1996-1999 Syed Babar Ali  Pakistan
 2000– Ruud Lubbs  Netherlands
 2000–2001 Sara Morrison  United Kingdom
 2001–2010 Chefe Emeka Anyaoku  Nigeria
 2010–2017 Yolanda Kakabadse  Ecuador
 2018–presente  Pavan Sukhdev  India

Iniciativas e programas notáveis[editar | editar código-fonte]

Publicações[editar | editar código-fonte]

A WWF publica o Living Planet Index em colaboração com a Sociedade Zoológica de Londres. Juntamente com os cálculos da pegada ecológica, o Índice é usado para produzir um Relatório Planeta Vivo bi-anual dando uma visão geral do impacto da atividade humana no mundo.[39] Em 2019, a WWF e a Knorr publicaram em conjunto o relatório Future 50 Foods identificando "50 alimentos para pessoas mais saudáveis e um planeta mais saudável".[40]

A organização também publica regularmente relatórios, fichas informativas e outros documentos sobre questões relacionadas com o seu trabalho, para sensibilizar e fornecer informações a políticos e tomadores de decisão.[41]

Campanhas na mídia[editar | editar código-fonte]

  • No One's Gonna Change Our World foi um álbum de caridade lançado em 1969, em benefício da WWF.[42]
  • Peter Rose e Anne Conlon são escritores de teatro musical, conhecidos por seus musicais ambientais para crianças, que foram contratados pela WWF-UK para escrever vários musicais ambientais como parte de um plano educacional.[43] Alguns foram narrados por David Attenborough e transmitidos pela televisão em vários países.
  • O grupo pop britânico S Club 7 foram embaixadores da WWF-UK durante seu tempo juntos como banda (1999-2003).[44] Cada um dos membros patrocinou um animal em extinção e, em 2000, viajou para vários locais ao redor do mundo de seus animais escolhidos para uma série de documentários da BBC de sete partes intitulada S Club 7 Go Wild.
  • Environmentally Sound: A Select Anthology of Songs Inspired by the Earth é um álbum beneficente lançado em 2006, para a WWF-Filipinas, com artistas que incluíam Up Dharma Down, Radioactive Sago Project, Kala, Johnny Alegre Affinity, Cynthia Alexander e Joey Ayala.[45]
  • Em junho de 2012, a WWF lançou uma loja online de download de música com fairsharemusic, da qual 50% do lucro vai para a caridade.[46]
  • Em abril de 2015, Hailey Gardiner lançou seu EP solo, intitulado The Woods. Em homenagem ao Dia da Terra, 15% dos lucros obtidos com a compra do EP seriam doados aa WWF.[47]

Controvérsias e disputas[editar | editar código-fonte]

Documentário da ARD e livro PandaLeaks[editar | editar código-fonte]

A televisão pública alemã ARD exibiu um documentário em 22 de junho de 2011 que afirmava mostrar como a WWF coopera com corporações como a Monsanto, fornecendo certificação de sustentabilidade em troca de doações. – essencialmente greenwashing.[48] A WWF negou as acusações.[49] Ao incentivar o ecoturismo de alto impacto, o programa alega que a WWF contribui para a destruição do habitat e das espécies que afirma proteger, ao mesmo tempo em que prejudica os povos indígenas.[50]

O cineasta, o jornalista investigativo alemão Wilfried Huismann, foi processado pela WWF por causa de seu documentário e do livro Schwarzbuch WWF publicado em 2012, baseado no documentário. Em um acordo extrajudicial, ele concordou em remover ou revisar certas reivindicações. Falando em nome da WWF da Alemanha, Marco Vollmar indicou que "[Huismann] desenha uma imagem distorcida de declarações falsas, difamações e exageros, mas vamos aceitar isso como expressões de opinião". (Traduzido do alemão original: "ein Zerrbild aus falschen Aussagen, Diffamierungen und Übertreibungen, aber das werden wir als Meinungsäußerungen hinnehmen.") [51]

Em 2014, Huismann publicou uma edição revisada de seu livro de 2012, originalmente chamado O Silêncio dos Pandas. A edição original havia se tornado um best-seller na Alemanha, mas foi banida da Grã-Bretanha até 2014, quando foi lançada sob o título de PandaLeaks – The Dark Side of the WWF, após uma série de liminares e ordens judiciais.[52] O livro critica a WWF por seu envolvimento com corporações que são responsáveis pela destruição em larga escala do meio ambiente, como a Coca-Cola, e dá detalhes sobre a existência do secretoo Clube 1001, cujos membros, afirma Huismann, continuam a ter uma influência danosa na formulação de políticas da WWF.[52] A WWF negou as acusações feitas contra ele.[53]

Parcerias corporativas[editar | editar código-fonte]

A WWF foi acusado pelo grupo ativista Corporate Watch de estar muito próximo de certos negócios para fazer uma campanha objetiva.[9][10] A WWF afirma que a parceria com empresas como Coca-Cola, Lafarge, Carlos Slim e IKEA reduzirá o efeito das empresas sobre o meio ambiente.[54] A WWF recebeu € 56 milhões (US$ 80 milhões) de empresas em 2010 (um aumento de 8% no apoio de empresas em relação a 2009), representando 11% da receita total do ano.[7]

Para o ano fiscal de 2019, a WWF relatou 4% de sua receita operacional total proveniente de corporações.[55]

Violações dos direitos humanos por paramilitares[editar | editar código-fonte]

Em 2017, um relatório da Survival International afirmou que paramilitares financiados pela WWF estavam não só cometendo abusos contra os indígenas Baka e Bayaka na Bacia do Congo, que "enfrentam assédio e espancamentos, tortura e morte", mas também são corruptos e ajudam na destruição de áreas conservadas. O relatório acusou a WWF e seus guardas de parceria com várias empresas madeireiras que realizaram desmatamento, enquanto os guardas florestais ignoraram as redes de tráfico de animais selvagens.[56]

Em 2019, uma investigação do BuzzFeed News alegou que grupos paramilitares financiados pela organização estão envolvidos em sérias violações de direitos humanos, e a organização encobriu os incidentes e agiu para proteger os perpetradores da aplicação da lei. Esses grupos armados foram acusados de torturar, agredir sexualmente e executar aldeões com base em acusações falsas. Em um caso encontrado pelos investigadores do BuzzFeed News, um menino de 11 anos foi supostamente torturado por guardas florestais financiados pela WWF na frente de seus pais;[57] A WWF ignorou todas as reclamações contra os guardas florestais. Em outro incidente, um guarda florestal tentou estuprar uma mulher tharu e, quando ela resistiu, atacou-a com uma vara de bambu até ela perder a consciência. Enquanto o guarda foi preso, a mulher foi pressionada a não prestar queixa, resultando na libertação do guarda. Em 2010, guardas florestais patrocinados pela WWF mataram uma menina de 12 anos que estava coletando cascas de árvore no Parque Nacional de Bardiya. Funcionários de Park e da WWF supostamente obstruíram as investigações nesses casos, "falsificando e destruindo provas, alegando falsamente que as vítimas eram caçadores furtivos e pressionando as famílias das vítimas a retirar queixas criminais".[57][58]

Em julho de 2019, o Buzzfeed informou que um relatório vazado da WWF acusava guardas de espancar e estuprar mulheres, incluindo mulheres grávidas, enquanto torturavam homens amarrando seus pênis com linhas de pesca. As investigações foram interrompidas depois que grupos paramilitares ameaçaram os investigadores de morte. Os investigadores acusaram a WWF de encobrir os crimes. Emitindo uma declaração oficial, a WWF alegou que o relatório não foi divulgado para garantir a segurança das vítimas e que os guardas foram suspensos e aguardam julgamento. No entanto, o Buzzfeed acusou a WWF de tentar reter o relatório ao comitê do Congresso dos EUA que investiga as violações dos direitos humanos, fornecendo versões altamente redigidas.[59][60]

Na República Centro-Africana, há acusações de que oficiais da WWF estariam envolvidos em um negócio de armas, onde a organização pagou por 15 fuzis Kalashnikov e munição; mas parte do dinheiro não foi contabilizado e eles aparentemente foram fraudados pelos representantes do exército do país que vendiam as armas.[57]

O Kathmandu Post, que cooperou com o BuzzFeed News nas investigações no Nepal, alegou que havia intenso lobby e pressão política para libertar os guardas florestais financiados pela WWF presos por assassinato. Eles entrevistaram ativistas que alegaram ter recebido doações prometidas para pressionar as vítimas de abuso a retirar as acusações contra os guardas florestais. Quando a comunidade local de Tharu protestou, funcionários da WWF realizaram um contra-protesto em favor dos acusados e usaram elefantes do parque para bloquear a rodovia Prithvi.[61]

Uma investigação da Rainforest Foundation UK encontrou evidências de agressão física e sexual generalizada por 'eco-guardas' empregados pelo Parque Nacional de Salonga, na República Democrática do Congo, financiados pela WWF. Estes incluem dois casos de estupro coletivo, duas execuções e vários relatos de tortura e outras formas de maus-tratos cometidos por guardas do parque.[62]

Em resposta às investigações, a WWF afirmou que leva a sério todas as alegações e lançaria uma revisão independente dos casos levantados. A organização afirmou que possui políticas rigorosas projetadas para garantir que ela e seus parceiros protejam os direitos e o bem-estar dos povos indígenas e comunidades locais e, caso a revisão descubra quaisquer violações, está comprometida em tomar medidas rápidas.[63]

Essas acusações foram centrais para um protesto de quatro dias realizado por membros da XR Youth Solidarity Network da Extinction Rebellion na sede da WWF-UK em setembro de 2021.[64]

Disputa de inicialismo[editar | editar código-fonte]

Em 2000, o World Wide Fund for Nature processou a World Wrestling Federation (agora chamada WWE) por práticas comerciais desleais. Ambas as partes compartilhavam as iniciais "WWF" desde 1979. A organização de conservação alegou que a empresa de luta livre profissional havia violado um acordo de 1994 sobre o uso internacional das iniciais da WWF.[65][66]

Relatório dos golfinhos do rio Mekong[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2009, Touch Seang Tana, presidente da Comissão do Camboja para Conservação e Desenvolvimento da Zona de Ecoturismo dos Golfinhos do Rio Mekong, argumentou que a WWF havia deturpado o perigo de extinção do golfinho do Mekong para aumentar a arrecadação de fundos.[67] O relatório afirmou que as mortes foram causadas por uma doença bacteriana que se tornou fatal devido a contaminantes ambientais que suprimem o sistema imunológico dos golfinhos.[68] Ele chamou o relatório de não científico e prejudicial ao governo cambojano e ameaçou a filial cambojana da WWF com suspensão, a menos que se encontrassem com ele para discutir suas reivindicações.[69] Touch Seang Tana disse mais tarde que não apresentaria acusações de fornecimento de informações falsas e não faria qualquer tentativa de impedir a WWF de continuar seu trabalho no Camboja, mas aconselhou a WWF a explicar adequadamente suas descobertas e verificar com a comissão antes de publicar outro relatório. Críticas à validade de relatórios negativos em relação ao governo, onde a 'aprovação' não foi solicitada antes da publicação, é comum no Camboja.[70]

Em janeiro de 2012, Touch Seang Tana assinou a "Declaração Kratie sobre a Conservação do Golfinho Irrawaddy do Rio Mekong" junto com a WWF e a Administração de Pesca do Camboja, um acordo que obriga as partes a trabalharem juntas em um "roteiro" abordando a conservação dos golfinhos no Mekong Rio.[71]

Responsabilidade fiscal[editar | editar código-fonte]

O Charity Navigator deu aa WWF uma classificação geral de 3 estrelas, uma classificação financeira de 2 estrelas e uma classificação de responsabilidade e transparência de 4 estrelas para o ano fiscal de 2018.[72]

Manipulação de dados de emissões de CO2 da energia nuclear[editar | editar código-fonte]

Em 2009, em um relatório sobre as emissões de carbono nos países do G8, a WWF retratou as emissões de gases de efeito estufa dos países que usam energia nuclear de baixo carbono em sua mistura como uma quantidade maior de emissões do que o calculado realisticamente. Por exemplo, para a França, a WWF apresentou um valor falso de 362 gCO2eq/kWh, que é mais de 400% maior do que as emissões reais na França. Por considerar a energia nuclear inviável, atribuiu uma emissão maior que a real, equivalente a emissão por geração por gás natural.[73][74]

A pontuação para a Suécia também foi "ajustada" de maneira semelhante, onde a WWF substituiu as emissões reais de 47 gCO2eq/kWh por 212 gCO2eq/kWh.[74]

Envolvimento do Nord Stream[editar | editar código-fonte]

Em 2011, Jochen Lamp, chefe da WWF Alemanha, também foi chefe da Conservation Foundation German Baltic, patrocinada pela empresa Nord Stream, que mantém um controverso gasoduto da Rússia para a Alemanha. Enquanto a WWF liderado por Lamp tem bloqueado ativamente o projeto usando processos judiciais, a Nord Stream chegou a "um acordo extrajudicial" com a Fundação, também liderada por Lamp, envolvendo a transferência de 10 milhões de euros, após o qual a WWF retirou o caso.[75][76]

Controvérsia sobre investimentos em múltiplos desenvolvimentos de combustíveis fósseis[editar | editar código-fonte]

O jornalismo investigativo pela NBC e mais tarde por Naomi Klein, em 2008 e 2013, respectivamente, descobriu que a WWF investiu e lucra com contratos de investimento multimilionários que colocou em desenvolvimentos de petróleo, gás, carvão e areias betuminosas e não se retirou do estes, desinvestindo, quando confrontados, mas indicaram que esperariam no mínimo até 2020 para fazê-lo, em alguns de seus empreendimentos de combustíveis fósseis, pois o término antecipado não teria sido tão lucrativo para eles. A WWF não se opõe aos combustíveis fósseis, mas se engaja no que, internamente, chama de "desenvolvimento responsável" dos combustíveis fósseis.[77]

Proposta para vender tokens não fungíveis[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2022, a WWF UK divulgou planos para arrecadar fundos por meio da venda de NFTs.[78] NFT é uma unidade de dados armazenada em uma blockchain. Os críticos apontam que as transações de NFTs causa impacto ambiental significativo.[79][80]

A WWF no Brasil[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Preservação ambiental no Brasil

A WWF-Brasil, criado em 1996 e sediado em Brasília, desenvolve projetos em todo o país e integra a Rede WWF. A missão da organização é contribuir para que a sociedade brasileira conserve a natureza, harmonizando a atividade humana com a preservação da biodiversidade e com uso racional dos recursos naturais, para o benefício dos cidadãos de hoje e das futuras gerações.[81]

Referências

  1. a b «WWF in the 60s». World Wide Fund for Nature. Consultado em 19 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 26 de janeiro de 2011 
  2. In Memoriam: Godfrey A. Rockefeller, World Wildlife Fund, 29 January 2010.
  3. a b c «History | WWF». World Wildlife Fund. Consultado em 22 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 13 de abril de 2020 
  4. «WWF conservation projects around the world». Consultado em 6 de fevereiro de 2009. Arquivado do original em 12 de fevereiro de 2021 
  5. a b «WWF – Endangered Species Conservation». World Wildlife Fund. Consultado em 18 de abril de 2018. Arquivado do original em 17 de abril de 2018 
  6. «How is WWF run?» (PDF). Consultado em 13 de junho de 2022. Arquivado do original em 13 de junho de 2022 
  7. a b WWFN-International Annual Review (PDF). [S.l.]: World Wide Fund for Nature. 2020. Consultado em 13 de junho de 2022 
  8. «WWF's Mission, Guiding Principles and Goals». WWF. Consultado em 13 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 13 de janeiro de 2019 
  9. a b «PANDA-ING TO THE SOYA BARONS?». Corporate Watch. 30 de setembro de 2009. Consultado em 9 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 25 de julho de 2011 
  10. a b Fred Pearce (2 de abril de 2009). «Ikea – you can't build a green reputation with a flatpack DIY manual». London: Guardian UK. Consultado em 9 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 5 de novembro de 2013 
  11. «Green Violence: 'Eco-Guards' Are Abusing Indigenous Groups in Africa». Yale E360. Consultado em 7 de julho de 2020. Arquivado do original em 19 de julho de 2020 
  12. «F20 – For a transformation that leaves no one behind – F20 – For a transformation that leaves no one behind». Consultado em 18 de novembro de 2020. Arquivado do original em 18 de novembro de 2020 
  13. Kate Kellaway (7 November 2010). How the Observer brought the WWF into being Arquivado 9 dezembro 2019 no Wayback Machine The Observer.
  14. Scott, P. (1965). The launching of a new ark: first report of the President and Trustees of the World Wildlife Fund, an international foundation for saving the world's wildlife and wild places; 1962–1965 (Collins).
  15. «History – WWF». World Wildlife Fund. Consultado em 27 de março de 2015. Arquivado do original em 13 de abril de 2020 
  16. "History: Fifty Years of Environmental Conservation Arquivado 3 janeiro 2013 no Wayback Machine". With link to PDF Arquivado 15 março 2012 no Wayback Machine of "Morges Manisto". World Wide Fund for Nature. wwf.panda.org. Retrieved 20 June 2017.
  17. Eichhorn, Noel (1963). Implications of Rising Carbon Dioxide Content of the Atmosphere: A statement of trends and implications of carbon dioxide research reviewed at a conference of scientists. New York: The Conservation Foundation. Consultado em 27 de março de 2015. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2015 
  18. (em inglês) WWF Finland – History of WWF International
  19. «Obituary: HRH Prince Bernhard of the Netherlands». The Telegraph. 4 de dezembro de 2004. Consultado em 30 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2008 
  20. a b «WWF in the 80's». WWF. Consultado em 13 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 13 de janeiro de 2019 
  21. «About global ecoregions». World Wide Fund for Nature. Consultado em 19 de agosto de 2012. Arquivado do original em 22 de abril de 2010 
  22. «Negotiating Toward the Paris Accords: WWF & the Role of Forests in the 2015 Climate Agreement». HKS Case Program. Consultado em 13 de maio de 2021. Arquivado do original em 29 de março de 2021 
  23. «WWF – WWF in the 60's». WWF. Consultado em 10 de agosto de 2014. Arquivado do original em 26 de janeiro de 2011 
  24. «WWF in the 60's». Consultado em 7 de novembro de 2010. Arquivado do original em 26 de janeiro de 2011 
  25. «WWF – Giant Panda – Overview». Worldwildlife.org. Consultado em 19 de agosto de 2012. Arquivado do original em 9 de agosto de 2012 
  26. "World Wildlife Fund logo sketches Arquivado 26 setembro 2019 no Wayback Machine". Logo Design Love. 7 June 2011; updated by Jerry Kuyper, 9 June2011. logodesignlove.com. Retrieved 21 June 2017.
  27. "WWF Logo Arquivado 14 outubro 2019 no Wayback Machine". Famous Logos. famouslogos.us. Retrieved 21 June 2017.
  28. «Archived copy» (PDF). Consultado em 5 de junho de 2015. Arquivado do original (PDF) em 8 de julho de 2015 
  29. «Archived copy» (PDF). Consultado em 5 de junho de 2015. Arquivado do original (PDF) em 23 de setembro de 2015 
  30. «Opportunity cost of tar sands development» (PDF). co-operative.coop. Consultado em 25 de setembro de 2018. Arquivado do original (PDF) em 6 de setembro de 2015 
  31. «Archived copy» (PDF). Consultado em 5 de junho de 2015. Arquivado do original (PDF) em 4 de março de 2016 
  32. «Tackling the Causes». Consultado em 13 de dezembro de 2010. Arquivado do original em 2 de janeiro de 2011 
  33. «Advocacy & policy». Consultado em 13 de dezembro de 2010. Arquivado do original em 28 de dezembro de 2010 
  34. Buckler, Scott. «'Take foot off the pedal on shale gas', charities warn Government». www.securingthefuture.co.uk. Consultado em 10 de setembro de 2012. Arquivado do original em 1 de janeiro de 2013 
  35. «What does the World Wild Life Fund do?». World Wide Fund for Nature. Consultado em 19 de agosto de 2012. Arquivado do original em 19 de abril de 2010 
  36. Frangoul, Anmar (8 de outubro de 2020). «Prince William launches £50 million Earthshot Prize, with a nod to John F. Kennedy». CNBC. Consultado em 14 de outubro de 2020. Arquivado do original em 14 de outubro de 2020 
  37. Glover, Simon. «H&M extends partnership with WWF». Ecotextile News. Consultado em 26 de março de 2021. Arquivado do original em 30 de março de 2021 
  38. a b Presidents – past and present Arquivado 10 outubro 2014 no Wayback Machine, official website of the World Wide Fund for Nature (page visited on 4 March 2018).
  39. «Living Planet Report». World Wide Fund for Nature. Consultado em 19 de agosto de 2012. Arquivado do original em 19 de abril de 2010 
  40. Drewnowski, Adam (fevereiro de 2019). «Future 50 Foods: 50 foods for healthier people and a healthier planet» (PDF). World Wide Fund for Nature. Consultado em 4 de abril de 2019. Arquivado do original (PDF) em 25 de março de 2019 
  41. «Publication & Resources». Consultado em 28 de março de 2010. Arquivado do original em 25 de abril de 2010 
  42. «Story of the Song: Across the Universe by The Beatles in 1968 and». The Independent. 8 de abril de 2011. Consultado em 6 de março de 2019. Arquivado do original em 7 de março de 2019 
  43. Rose, Peter; Conlon, Anne; Dept, World Wide Fund for Nature UK Education (1993). Yanomamo : an ecological musical for soloists, chorus, narrator & stage band. [S.l.]: London : Josef Weinberger in association with the World Wide Fund for Nature. Consultado em 6 de março de 2019. Cópia arquivada em 23 de março de 2022 
  44. Golden, Anna Louise (17 de junho de 2014). S Club 7. [S.l.]: St. Martin's Press. ISBN 9781466873940. Consultado em 29 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 23 de março de 2022 
  45. «The Harmonics of being Environmentally Sound». World Wide Fund for Nature – Philippines. 18 de agosto de 2006. Consultado em 30 de junho de 2010. Arquivado do original em 20 de julho de 2011 
  46. Trachtenberg, Bruce S. (22 de junho de 2010). «Nonprofit Newswire | British Website Connects Music Lovers and Charities». Non Profit News | Nonprofit Quarterly. Consultado em 6 de março de 2019. Arquivado do original em 6 de março de 2019 
  47. «The Woods». Gardiner Sisters. Consultado em 6 de março de 2019. Arquivado do original em 6 de março de 2019 
  48. «Der Pakt mit dem Panda: Was uns der WWF verschweigt (Pact with the Panda: What the WWF conceals)». DasErste.de. tagesschau.de ARD. 22 de junho de 2011. Consultado em 25 de julho de 2011. Cópia arquivada em 28 de julho de 2011  See also: program overview for rebroadcast Arquivado 2 abril 2018 no Wayback Machine, 2 April 2012, programm.ARD.de, noting the objections raised by WWF supporters after the initial broadcast, and retracting two claims made in the film; retrieved 16 July 2017.
  49. WWF. «WWF-Mitarbeiter treffen Chief Kasimirus Sangara». Consultado em 9 de julho de 2011. Arquivado do original em 9 de julho de 2011 
  50. Harryman, Ian. Ecological Problem Solving: A Comparative Study of Primate Conservation (Undergraduate Honors) 
  51. Seidler, Christoph (20 de julho de 2012). «environmental organization and critics before agreement». www.spiegel.de. Spiegel Online. Consultado em 15 de julho de 2019. Arquivado do original em 12 de março de 2019 
  52. a b Vidal, John (4 de outubro de 2014). «WWF International accused of 'selling its soul' to corporations». The Guardian. Consultado em 13 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 12 de outubro de 2014 
  53. «A quick guide to the silence of the pandas documentary». WWF. Consultado em 26 de março de 2015. Arquivado do original em 2 de abril de 2015 
  54. «Changing the nature of business». World Wide Fund for Nature. Consultado em 19 de agosto de 2012. Arquivado do original em 23 de abril de 2010 
  55. «Funding and Financial Overview | WWF». World Wildlife Fund. Consultado em 19 de fevereiro de 2020. Arquivado do original em 28 de março de 2020 
  56. «How will we survive?» (PDF). Survival International. 2017. Consultado em 6 de março de 2019. Arquivado do original (PDF) em 6 de janeiro de 2019 
  57. a b c Warren, Tom; Baker, Katie J. M. (4 de março de 2019). «WWF Funds Guards Who Have Tortured And Killed People». www.buzzfeednews.com. Consultado em 4 de março de 2019. Arquivado do original em 4 de março de 2019 
  58. McVeigh, Karen (4 de março de 2019). «WWF accused of funding guards who 'tortured and killed scores of people'». The Guardian. Consultado em 4 de março de 2019. Arquivado do original em 4 de março de 2019 
  59. «Leaked Report: WWF-Backed Guards Raped Pregnant Women And Tortured Villagers At A Wildlife Park Funded By The US Government». BuzzFeed News. Consultado em 19 de julho de 2019. Arquivado do original em 19 de julho de 2019 
  60. «Statement on safeguarding human rights in conservation, and addressing allegations of human rights abuse | WWF». wwf.panda.org. Consultado em 19 de julho de 2019. Arquivado do original em 6 de agosto de 2019 
  61. «Nepali park officials tortured a man to death. Then, the government and the World Wide Fund for Nature rewarded them.». Kathmandu Post. 3 de março de 2019. Consultado em 5 de março de 2019. Arquivado do original em 5 de março de 2019 
  62. «Widespread human rights abuses in Africa's largest forest park». Rainforest Foundation UK. 4 de março de 2019. Consultado em 7 de março de 2019. Arquivado do original em 8 de março de 2019 
  63. «WWF response to Buzzfeed reports». wwf.panda.org. 4 de março de 2019. Consultado em 6 de março de 2019. Arquivado do original em 6 de outubro de 2021 
  64. «WWF office sit-in enters second day as XR keeps up London protests». The Guardian. 1 de setembro de 2021. Consultado em 20 de outubro de 2021. Arquivado do original em 21 de outubro de 2021 
  65. InternetNews Realtime IT News – Wildlife Fund Pins Wrestling Federation Arquivado 14 novembro 2006 no Wayback Machine
  66. Text of the 1994 legal agreement with the World Wrestling Federation Arquivado 13 outubro 2006 no Wayback Machine
  67. «Cambodia Rejects CNN, WWF Reports about Mekong Dolphin». CRIEnglish.com. 24 de junho de 2009. Consultado em 2 de março de 2013. Arquivado do original em 20 de outubro de 2012 
  68. «Mekong dolphins on the brink of extinction». Consultado em 21 de setembro de 2016. Arquivado do original em 16 de setembro de 2016 
  69. «Cambodia threatens to suspend WWF after dolphin report». 24 de junho de 2009. Consultado em 2 de agosto de 2017. Arquivado do original em 3 de agosto de 2017 
  70. «Cambodian Government's Request for 'Meetings' Seen as Intimidation». Consultado em 24 de abril de 2020. Arquivado do original em 25 de fevereiro de 2020 
  71. «Authors of report on dolphins will not face charges official says». Consultado em 22 de agosto de 2009. Arquivado do original em 25 de fevereiro de 2014 
  72. World Wide Fund Arquivado 1 novembro 2020 no Wayback Machine – Charity Navigator
  73. «G8 Climate Scorecards» (PDF). WWF. 2009. Consultado em 1 de abril de 2021. Arquivado do original (PDF) em 2 de agosto de 2021  Alt URL
  74. a b «The WWF cheats on the climate scorecards | Nuclear Power? Yes Please». Consultado em 1 de abril de 2021. Arquivado do original em 14 de janeiro de 2012 
  75. KAMIŃSKI, Michał Tomasz. «Parliamentary question | Funding of German ecologists by Nord Stream | E-004021/2011 | European Parliament». www.europarl.europa.eu (em inglês). Consultado em 1 de setembro de 2022 
  76. «Parliamentary question | Answer to Question No E-004021/11 | E-004021/2011(ASW) | European Parliament». www.europarl.europa.eu (em inglês). Consultado em 1 de setembro de 2022 
  77. «WWF scandal (Part 9): WWF invested US million in an oil and gas fund | REDD-Monitor» 
  78. «Tokens for Nature». WWF. Consultado em 2 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2022 
  79. Seabrook, Victoria (2 de fevereiro de 2022). «WWF UK faces backlash over 'destructive' plans to sell 'eco-friendly' NFTs». Sky News. Consultado em 2 de fevereiro de 2022. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2022 
  80. Stewart, Josh (25 de outubro de 2021). «World Wildlife Foundation Launches NFT to Help Protect Endangered Species». NFT Magazine. Consultado em 18 de janeiro de 2022. Arquivado do original em 1 de janeiro de 2022 
  81. «WWF-Brasil: Uma Organização Nacional». www.wwf.org.br. WWF-Brasil. Consultado em 7 de junho de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre World Wide Fund for Nature