Worney Almeida de Souza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Worney Almeida de Souza
Nome nativo Worney Almeida de Souza
Nascimento São Paulo
Cidadania Brasil
Ocupação jornalista, editor, Tecnico quimico
Página oficial
http://produtoraculturalwaz.blogspot.com/

Worney Almeida de Souza é um jornalista, editor fanzineiro e pesquisador de histórias em quadrinhos brasileiro.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Na década de 1980, fundou os fanzine Quadrix e Rabo de Peixe, o primeiro um fanzine "reportagem" sobre quadrinhos[2] e o segundo sobre os gêneros musicais rockabilly e psychobilly[3] organizou uma exposição sobre os oitenta anos da revista O Tico Tico,[1] em 1984, ao lado de Gualberto Costa, Jal e Franco de Rosa, ajudou a fundar a Associação dos Quadrinhistas e Caricaturistas do Estado de São Paulo (AQC - ESP), responsável pelo Prêmio Angelo Agostini,[4] No fanzine Quadrix, publicou as seguintes edições especiais: Cronologia HQ, série sobre a história das histórias em quadrinhos escrita pelo quadrinhista Floriano Hermeto de Almeida Filho, um dos responsáveis pelas histórias do super-herói Judoka encartado nas páginas de revistas da EBAL, num total de 54 página,[5] e edições dedicadas a revista Heavy Metal, Marilyn Monroe em quadrinhos, Batman e uma republicação das 100 páginas da tira A Garra Cinzenta[6] de Francisco Armond (roteiro) e Renato Silva (desenhos).[7]


Entre 1989 e 1999, assinou uma coluna sobre quadrinhos no jornal Hora do Povo, em 1995 lançou 30 anos do Ficção, dedicado ao primeiro fanzine brasileiro sobre quadrinhos, Ficção de Edson Rontani, com um texto escrito por ele e Edgard Guimarães sobre a história dos fanzines sobre quadrinhos no Brasil e a reprodução da primeira edição do Ficção.[8]

Colaborou com as editoras Press, Ícone, Nova Sampa, Canaã, Xanadu (selo da Editora Escala),[9] Minuano, Midwest e Opera Graphica, em 2011, foi responsável pela edição de A Garra Cinzenta publicada pela Conrad Editora.[7] Em 2011, deixou de organizar a apresentar o Prêmio Angelo Agostini[10] Atualmente, é responsável pela coluna "Mantenha o Contato" do fanzine QI de Edgard Guimarães.[1][11]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Opera lança livro sobre O Tico-Tico
  2. Henrique Magalhães (2013). Marca da Fantasia, ed. O rebuliço apaixonante dos fanzines. 3. [S.l.: s.n.] ISBN 978-85-7999-077-9 
  3. de Rosa, Franco (2017). «"Tá me tirando?». Tirinhas Ed.01. Col: Guia Curso de Desenho. [S.l.]: On Line Editora. pp. 6–9 
  4. A fundação da ABRADEMI, associação de mangá
  5. Júnior, Gonçalo (2006). Biblioteca dos Quadrinhos. São Paulo: Opera Graphica. p. 34. ISBN 85-89961-85-0 
  6. Magalhães, Henrique (2003). O rebuliço apaixonante dos fanzines. [S.l.]: Marca de Fantasia 
  7. a b Raquel Cozer (11 de junho de 2011). «O Mistério do Garra Cinzenta». O Estado de São Paulo 
  8. Guimarães, Edgard (2000). Fanzine. [S.l.]: independente. 36 páginas 
  9. Um retrato fiel do mercado
  10. “Faço o que acho correto”
  11. QI - Quadrinhos Independentes

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.