Xamã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Doutor xamânico do Kyzyl

Xamã (do tungus siberiano "aquele que enxerga no escuro") é um portador de função religiosa, um sacerdote do xamanismo, que podem acessar outras dimensões, através de um estado extático e fazer contato com aliados (animais, vegetais, minerais) e espíritos ancestrais.[1] Este entra em estado transe ou êxtase durante rituais xamânicos, manifestando poderes sobrenaturais e invocação de espíritos da natureza, ocorrendo a incorporação em seu corpo. Este contato permite a recepção de orientações e ajudas dos espíritos para resolver situações que desafiam o ser humano e seus grupos sociais. [2]

Conceituação[editar | editar código-fonte]

A conceituação antropológica de xamã ainda não é consensual. Diz-se ser uma espécie de sacerdote, médico, curandeiro, conselheiro e adivinho. É um líder espiritual com funções e poderes de natureza ritualística, mágica e religiosa que tem a capacidade de, por meio de êxtase, manter contato com o universo sobrenatural e com as forças da natureza.

Xamã Buriate.

Segundo Eliade, desde o início do século XX, os etnólogos se habituaram a utilizar os termos xamã, medicine-man, feiticeiro e mago para designar certos indivíduos dotados de prestígio mágico-religioso encontrados em todas as sociedades primitivas. Por extensão, aplicou-se a mesma terminologia ao estudo da história religiosa dos povos civilizados. Ainda segundo esse autor, essa extensão do termo só pode prejudicar a compreensão do fenômeno xamânico, que envolve aspectos particulares situados entre a medicina e religião, especialmente as técnicas do êxtase.[3]

Cabe, aqui, a observação de Laplantine quanto à pertinência científica da divisão das pesquisas sobre o xamanismo, que possuem um duplo procedimento com relação a um mesmo fenômeno: o xamanismo pode ser estudado tanto na área da antropologia médica quanto na área da antropologia da religião. É surpreendente constatar, segundo ele, que o que um pesquisador considera um ritual religioso será estudado por outro como uma prática médica.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. DEAN, Bartholomew 2009 Urarina Society, Cosmology, and History in Peruvian Amazonia, Gainesville: University Press of Florida ISBN 978-081303378 [1]
  2. ELIADE, Mircea. O xamanismo e as técnicas arcaicas do êxtase. SP, Martins Fontes, 2002
  3. LAPLANTINE, François. Antropologia da doença. SP, Martins Fontes, 1991

Ligações externas[editar | editar código-fonte]