Xauar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Xauar ibne Mujir Alçadi (em árabe: شاور بن مجير السعدي; transl.: Shawar ibn Mujir al-Sa'di; m. 18 de janeiro de 1169) foi um vizir governante do Egito, a partir de dezembro 1162 até que ele foi assassinado em 1169[1] Ele é mais conhecido por fazer parte de uma luta de poder entre três partes, o rei cristão Amalrico I de Jerusalém e Xircu, um general sírio e o tio do homem que viria a se tornar o famoso líder muçulmano, Saladino.[2] Xauar era notório por mudar continuamente de aliança, aliando-se primeiro com um lado, e depois como outro,[3] e mesmo ordenar a queima de sua própria capital, Fostate, apenas para que o inimigo não podesse tê-la.[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Xauar foi o vizir no final do califado Fatímida, enquanto que Aladide era o califa (1160-1171). Em meados do século XII, o califado Fatímida estava desmoronando e o Egito tinha descido a uma condição de quase anarquia. O oficial chefe de Estado era o Califa, mas o verdadeiro poder era o egípcio vizir, vários governadores egípcios competiam entre si para a posição, muitas vezes com grande violência.

Queima de Fostate[editar | editar código-fonte]

Xauar é famoso por, em 1168 ter ordenando a queima de sua próprio capital Fostate (os restos dos quais estão hoje no que é conhecido como Cairo Velho) simplesmente para evitar que o seu ex-aliado, o rei Amalrico I, de capturar a sua riqueza. Segundo o historiador egípcio Almacrizi (1346-1442):

Xauar ordenou que Fostate fosse evacuada. Ele obrigou [os cidadãos] a deixar seu dinheiro e bens para trás e fugir para salvar suas vidas com seus filhos. No pânico e caos do êxodo, a multidão em fuga parecia um enorme exército de fantasmas .... Alguns se refugiaram em mesquitas e balneários ... aguardando uma investida cristã semelhante ao de Bilbeis. Xauar enviou 20.000 potes de nafta e 10.000 bombas [mish'al] e os distribuiu por toda a cidade. Chamas e fumaça envolveram a cidade em uma cena aterrorizante. O incêndio durou 54 dias ....[4]

Impacto Cultural[editar | editar código-fonte]

A luta pelo poder entre Xauar, Amalrico e Xircu foi o cenário de uma das histórias de Robert E. Howard (1906-1936), no livro "Gates of Empire".

Referências

  1. Amin Maalouf (1984). The Crusades Through Arab Eyes. [S.l.]: Al Saqi Books. pp. 159–161. ISBN 0-8052-0898-4 
  2. Beeson, Irene (Setembro/Outubro). «Cairo, a Millennial». Saudi Aramco World: 24, 26–30. Consultado em 9 de agosto de 2008. Arquivado do original em 30 de setembro de 2007  Verifique data em: |data=, |ano= / |data= mismatch (ajuda)
  3. Ismail Abaza. touregypt.net, ed. «Saladin and his Cairo». Consultado em 28 de julho de 2007 
  4. a b Dr. Zayn Bilkadi (Janeiro/Fevereiro 1995). Saudi Aramco World, ed. «The Oil Weapons». pp. 20–27. Consultado em 27 de março de 2013. Arquivado do original em 9 de junho de 2011  Verifique data em: |data= (ajuda)

Ver também[editar | editar código-fonte]