Xenicus longipes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCarriça-do-mato
Foto do X. l. longipes, tirada em 1911

Foto do X. l. longipes, tirada em 1911
Estado de conservação
Extinta
Extinta  (1972) (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Subordem: Acanthisitti
Família: Acanthisittidae
Género: Xenicus
Espécie: X. longipes
Nome binomial
Xenicus longipes
(Gmelin, 1789)

A carriça-do-mato (Xenicus longipes) ou mātuhituhi em língua maori, foi uma ave terrestre endêmica da Nova Zelândia.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Ilustração do Xenicus longipes longipes por John Gerrard Keulemans.

Cresceu para cerca de 9 cm de comprimento e 16 g em peso. Se alimentava principalmente de invertebrados que são capturados ao longo dos ramos de árvores. É aninhado perto do chão.

Extinção[editar | editar código-fonte]

Ovos de  X. l. longipes em 1911

Foi difundido durante todas as ilhas principais do país até o final do século XIX. Quando mamíferos invasores foram introduzidos, como mustelídeos e ratos como predadores, se deu início a sua extinção. Existem três subespécies do Xenicus longipes: Os relatórios autenticados da subespécie (X. l. Stokesi) na Ilha Norte desde 1900 eram do sul dos Montes Rimutaka em 1918 e os Ureweras até 1955, com avistamentos prováveis ​​em 13 de junho de 1949, perto do Lago Waikareiti, e várias vezes na primeira metade do século XX nos Montes Huiarau, e da Ilha Kapiti, em 1911 (Edgar, de 1949; St. Paul & McKenzie, 1977; Miskelly, 2003). Aparentemente, a última população vivia na área onde o Parque Nacional Te Urewera foi estabelecido, ironicamente apenas em torno do tempo de sua extinção.

Os últimos relatórios autenticadas da subespécie (X. l. Longipes) na Ilha Sul eram da passagem de Arthur em 1966 e do Nelson Lakes National Park, em 1968. Houve alguns relatos infundados, desde então, a partir de Fiordland e Nelson Lakes.

A terceira subespécie, X. l. variabilis, foi encontrada na Ilha Stewart/Rakiura e as ilhas próximas. Ela é conhecida por ter sobrevivido na Ilha Stewart até 1951 (Dawson, 1951), mas foi provavelmente exterminada pelos gatos selvagens. Viveu em Kotiwhenua (Ilhas Salomão), sendo razoavelmente comum, até o início dos anos 1960. Ela sobreviveu livre de predadores na Big South Cape Island, até os ratos pretos (R. rattus) invadirem em 1964. O Serviço de Vida Selvagem da Nova Zelândia tentou salvar a espécie realocando todas as aves que poderiam capturar. Eles pegaram seis aves e transferiu-as para a Ilha Kaimohu, onde não sobreviveram, e acabaram morrendo em 1972.

A espécie está provavelmente extinta, mas não é impossível que esta sobrevive.

Referências e bibliografia

  1. BirdLife International (2012). Xenicus longipes (em Inglês). IUCN . Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de Versão 2013.2. Página visitada em 26 de janeiro de 2016.
  • Dawson, E. W. (1951): Bird Notes from Stewart Island. Notornis 4(6): 146-150. Texto completo (em inglês) (PDF)
  • Edgar, A. T. (1949): Winter Notes on N.Z. Birds. New Zealand Bird Notes 3(7): 170-174. Texto completo (em inglês) (PDF)
  • Miskelly, Colin (2003): An historical record of bush wren (Xenicus longipes) on Kapiti Island. Notornis 50(2): 113–114. Texto completo (em inglês) (PDF)
  • St. Paul, R. & McKenzie, H. R. (1977): A bushman's seventeen years of noting birds. Part F (Conclusion of series) - Notes on other native birds. Notornis 24(2): 65–74. Texto completo (em inglês) (PDF)


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies
Ícone de esboço Este artigo sobre Aves, integrado no Projeto Aves é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.