Xenobot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Esquerda: o design descoberto pelo método de pesquisa computacional em simulação. Direita: o organismo físico implantado, construído completamente a partir de tecido biológico (pele de sapo [verde] e músculo cardíaco [vermelho]).

Os Xenobotes, nomeados em homenagem a rã-de-unhas-africana (Xenopus laevis), são microrrobôs de autocura.[1] Xenobot é uma máquina biológica com menos de um milímetro de largura - pequeno o suficiente para viajar dentro dos corpos humanos. Eles são constituído por cerca de 2.000 células da pele e células cardíacas, células-tronco colhidas de embriões de sapos.[2][3] Xenobotes podem caminhar e nadar, sobreviver por semanas sem comida e trabalhar juntos em grupos, podem curar-se sozinhos e continuar trabalhando.[4]

A geração de xenobots de 2021 tomou forma por conta própria, totalmente sem orientação ou assistência humana.[5][6]

Aplicações[editar | editar código-fonte]

Os xenobots podem ser usados para limpar resíduos radioativos, coletar microplásticos nos oceanos, transportar remédios para dentro de corpos humanos ou até mesmo viajar para nossas artérias para remover a placa. Os xenobots podem sobreviver em ambientes aquosos sem nutrientes adicionais por dias ou semanas - tornando-os adequados para a administração interna de medicamentos.[7]

Ser vivo artificial[editar | editar código-fonte]

O Xenobot não é o primeiro corpo vivo artificial do mundo, e a vida artificial com biossíntese pura existe desde 1995. Craig Venter e Hamilton Smith, criaram as primeiras bactérias com um genoma artificial (cromossomo), um tipo que não dependia da geração anterior para se reproduzir. Em 20 de maio de 2010, uma equipe de 46 cientistas desenvolveu a primeira célula artificial do planeta, uma cabra de micoplasma, chamada Synthia ("Síntese"), cujo material genético é baseado em outra espécie. Em 2 de agosto de 2018, a Nature publicou simultaneamente dois artigos de pesquisadores nos Estados Unidos e na China, ambos resultantes da fusão de cromossomos de levedura.[8]

Referências

  1. «Meet the xenobot: world's first living, self-healing robots created from frog stem cells». WREG.com (em inglês). 14 de janeiro de 2020. Consultado em 14 de janeiro de 2020 
  2. Sokol, Joshua (3 de abril de 2020). «Meet the Xenobots, Virtual Creatures Brought to Life». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  3. «Meet Xenobot, an Eerie New Kind of Programmable Organism». Wired (em inglês). ISSN 1059-1028 
  4. «Scientists created a microscopic robot – and it's alive». 10NEWS. Consultado em 15 de janeiro de 2020 
  5. «Cells Form Into 'Xenobots' nn Their Own». Quanta Magazine (em inglês). Consultado em 6 de abril de 2021 
  6. Gent, Edd (2 de abril de 2021). «Xenobots 2.0: These Living Robots Self-Assemble From Frog Skin Cells». Singularity Hub (em inglês). Consultado em 6 de abril de 2021 
  7. CNN, Jessie Yeung. «Scientists have built the world's first living, self-healing robots». CNN. Consultado em 15 de janeiro de 2020 
  8. WANG, Hai (24 de março de 2020). «生物机器人Xenobot来了!天使还是魔鬼?» [Aí vem o robô biológico Xenobot! Anjo ou demônio?]. 北京日报 北京晚报 
Ícone de esboço Este artigo sobre microbiologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.