Xerém (culinária)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura por outros significados de Xerém, veja Xerém.
Xarém algarvio

Xerém[1] ou xarém[2] é um prato típico de Portugal,[3] levado também para o Brasil e Cabo Verde, onde também é considerado tradicional.[4] Consiste numa papa feita à base de farinha de milho,[5] sendo acompanhado por ingredientes característicos de cada uma das regiões onde é preparado.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Os vocábulos "xerém" e "xarém" têm origem controversa. Existem pelo menos duas hipóteses etimológicas para a origem dos termos:

Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, é tradicional na região Nordeste, especialmente em Pernambuco. O prato é feito com grãos de milho seco quebrados no pilão, cozidos na água e sal. Também conhecido como "arroz de pobre", é servido com leite ou acompanhado de galinha guisada ou carne assada.

É também muito popular em Minas Gerais, porém não com o nome de "xerém" e sim de "canjiquinha", nome dado tanto ao milho quebrado que é o ingrediente básico do prato (conhecido como "quirera de milho" em São Paulo e outros Estados) quanto ao cozido propriamente dito.[7] Tradicionalmente, a canjiquinha mineira é cozida com costelinha de porco, havendo ainda variações bem menos comuns com outros cortes de porco, com galinha, carne bovina ou linguiça.

Este alimento surgiu graças aos bandeirantes e tropeiros que, em seus alojamentos, utilizavam o mesmo no preparo de angu de milho e papa preparado com outras especiarias.[carece de fontes?]

Cabo Verde[editar | editar código-fonte]

Em Cabo Verde, o xerém é também considerado um prato tradicional, podendo a farinha de milho ser cozida com água, louro, manteiga e sal.[8] Pode também ser preparado com atum fresco, leite de coco, cebola e gindungo.[4]

Existem variantes com designações mais específicas, como, por exemplo, o xerém de festa, que pode ser preparado com banha, carne de porco e cebola[9] ou, noutros casos, com favas, louro, pimenta e tomate [10]

É também, por vezes, consumido em festas de casamento, como acompanhamento.[11]

Na Ilha Brava, celebra-se no mês de junho a chamada festa do xarém, também designada por festa do tambor, assim duplamente designada por envolver uma preparação de xarém acompanhada por um tambor e, por vezes, por pessoas a dançar coladeiras.[12]

Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal, o xarém (ou xerém) é considerado um prato típico da região do Algarve, no sul do país, em particular da cidade de Olhão. Nesta cidade, é frequente prepará-lo com amêijoas, toucinho, presunto e chouriço.[3]

Pode também ser acompanhado por torresmos, carne de suíno ou sardinhas assadas.[3]

O prato xarém com conquilhas foi um dos candidatos finalistas às 7 Maravilhas da Gastronomia portuguesa.

Citações referentes ao xerém[editar | editar código-fonte]

  • "Ô piza o milho penerô xerém/ eu não vou criar galinha/ pra dar pinto pra ninguém". (Luiz Gonzaga)
  • "O arroz fica c'os branco/ pobre só come xerém". (Lopes Bogéa)
  • "O xerém era feito do milho quebrado num moinho - uma pedra redonda, puxado por um torno, girando sobre a outra". (Ulisses Lins de Albuquerque)
  • "Um olhanense passava/ Muito bem para onde fosse/ Com um prato de xarém/ E uma batatinha doce". (Ditado popular olhanense)[3]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre culinária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.