Xerox

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela técnica de reprodução, veja fotocópia.
Xerox Corporation
Empresa de capital aberto
Slogan The Document Company
Cotação NYSE: XRX
Indústria Tecnologia da informação
Gênero Incorporation
Fundação 1906 (112 anos) em Rochester, N.Y., como The Haloid Company
Fundador(es) Joseph C. Wilson
Chester Carlson
Sede Norwalk, Connecticut
Área(s) servida(s) Mundo
Proprietário(s) Fujifilm
Pessoas-chave Robert J. (Bob) Keegan (Presidente do conselho de administração)
Jeff Jacobson (Diretor executivo)
Empregados 131,800 (2016)
Produtos Impressoras de escritório, Impressoras de produção e impressoras digitais, impressoras multifuncionais, impressoras de grande formato, projetores, scanners Copiadores e outros equipamentos de escritório
Serviços Soluções de documentos e serviços.
Lucro Baixa US$616 milhões (2016)[1]
LAJIR Baixa US$768 milhões (2016)[1]
Faturamento Baixa US$10.77 bilhões (2016)[1]
Website oficial www.xerox.com

Xerox Corporation é uma empresa americana baseada em Stamford (Connecticut) que atua no setor de tecnologia da informação e documentação. É mundialmente conhecida como a inventora da fotocopiadora, embora também desenvolva e fabrique outros produtos, como impressoras.

História[editar | editar código-fonte]

Foi no final dos anos 1940 que uma pequena fábrica de produtos fotográficos de Rochester chamada Haloid decide aproveitar a invenção feita 10 anos antes por Chester Carlson, a xerografia. O projeto da primeira fotocopiadora, o XeroX Model A, e o sucesso dos modelos seguintes levaram a companhia a trocar seu nome em 1958 para Haloid Xerox, e em 1961, tornando-se simplesmente Xerox. O último X de Xerox foi acrescentado para dar ao nome um aspecto similar ao de outra famosa empresa de Rochester, a Kodak.

O desenvolvimento de Xerox origina-se assim do uso da patente de reprodução xerográfica (ou xerocópia), permitindo a fotocópia de documentos em papel ordinário. Essa patente dava à empresa o direito exclusivo do procedimento durante vinte anos, mas ela se organizou de maneira a sobreviver além desse período.

A Xerox consagrou, por essa razão, muito tempo e dinheiro à diversificação e à inovação, apesar de nem sempre saber como rentabilizar suas aquisições (Scientific Data Systems, transformada em Xerox Data Systems), nem comercializar suas invenções.

PARC[editar | editar código-fonte]

Na década de 1970, o centro de pesquisas Xerox em Palo Alto - o Xerox PARC (Xerox Palo Alto Research Center) - inventa a interface gráfica moderna, os ícones e o revolucionario mouse. Essas ideias serão aproveitadas em máquinas experimentais como o Alto, e mais tarde comercializadas como o Star. Mas estas máquinas revolucionárias são muito caras e lentas demais com as tecnologias e custos da época.

Alguns anos mais tarde, o sistema é apresentado a Steve Jobs, que viera visitar o laboratório. Jobs fez os engenheiros da Apple Inc. melhorarem o conceito, e eles acabaram projetando um modelo duas vezes mais barato que o Star, batizado Lisa. Depois, em 1984, os engenheiros da Apple dividem os custos pela metade mais uma vez e apresentam o Macintosh, que vem salvar o prestígio da Apple do fracasso comercial do Apple III.

Xerox não ousa atacar a Apple Inc. na justiça por violação de propriedade intelectual, o que não impede a Apple de atacar a Digital Research na justiça, que realizara uma cópia idêntica da interface para o PC: Digital Research é obrigada pela justiça e degradar sua interface até torná-la inutilizável. Alguns anos mais tarde, a Apple faria um processo similar contra a Microsoft pelo Windows 3.0 e, principalmente, Windows 3.1, mas a opinião dos juízes sobre a propriedade das ideias de interface (e não do código que a implementa) mudou consideravelmante, e a Apple não ganharia a causa.

Xerox como verbo e substantivo comum[editar | editar código-fonte]

A marca Xerox ficou tão associada à ideia de fotocópia que é comum o uso da palavra xerox como sinônimo de máquina fotocopiadora ou como verbo significando fazer uma fotocópia, nos Estados Unidos. Também é comum, no Brasil, o uso da palavra xerox ou xérox como sinônimo de máquina fotocopiadora ou de fotocópia, assim como o uso do verbo xerocar como sinônimo de fazer uma fotocópia.[2]

Entretanto, a empresa não endossa o uso da palavra xerox nesses casos[3]. A principal preocupação é que a palavra se torne uma marca genérica, acarretando riscos relativos aos direitos sobre a marca.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Em 2008 a empresa contava com 57 100 empregados.

Em junho 2002, a empresa confessou ter manipulado sua contabilidade em US$ 1,9 bilhões, principalmente na América Latina. Essas declarações causaram uma queda importante na bolsa de valores de Nova Iorque, amplificada pelas recomendações de venda da Merrill Lynch.

A imprensa comparou este episódio ocorrido com Xerox com o de duas outras empresas, a Enron, que faliu após manipulações contábeis em parceria com a Arthur Andersen, e WorldCom.

Em 2006 a empresa começa a investir no futebol brasileiro, sendo o patrocinador do uniforme do Cruzeiro. Em 2007 o patrocínio foi trocado pelo da Tenda, empresa construtora de casas.

No início de 2018, a empresa foi adquirida pela japonesa Fujifilm por $6.1 bilhões de dólares.[4][5]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Xerox

Referências

  1. a b c «Annual Report 2016, Financial Highlights». Xerox Corporation 
  2. Lista de casos de degenerescência de marca
  3. Online Fact Book: Overview. Visitado em 6 de setembro de 2007.
  4. Brigatto, Gustavo. (1 de Fevereiro de 2018). «Fujifilm compra controle da Xerox por US$ 6 bi.». Valor Econômico. Consultado em 1 de Fevereiro de 2018. 
  5. Fontanella-Khan, James; Inagaki, Kana. (1 de Fevereiro de 2018). «Japan's Fujifilm to take control of Xerox.». Finantial Times. Consultado em 1 de Fevereiro de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]