Xi Jinping

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Este é um nome chinês; o nome de família é Xi (习).
Xi Jinping
习近平
Xi Jinping, atual Presidente da República Popular da China
7Presidente da China
Período 15 de março de 2013
a atualidade
Vice-presidente Li Yuanchao (2013-2018)
Wang Qishan (2018-presente)
Antecessor Hu Jintao
11º Secretário-Geral do Partido Comunista da China
Período 15 de novembro de 2012
a atualidade
Antecessor Hu Jintao
Presidente da Comissão Militar Central
Período 15 de novembro de 2012
a atualidade
Antecessor Hu Jintao
Vice-presidente da República Popular da China
Período 15 de março de 2008
a 15 de março de 2013
Antecessor Zeng Qinghong
Sucessor Li Yuanchao
Dados pessoais
Nascimento 15 de junho de 1953 (67 anos)
Pequim, China
Nacionalidade Chinês
Alma mater Universidade Tsinghua
Cônjuge Ke Lingling (1979-1982)
Peng Liyuan (desde 1987)
Filhos Xi Mingze
Xi Haun
Partido Partido Comunista da China
Religião Ateu
Profissão Engenheiro químico
Político
Residência Zhongnanhai
Assinatura Assinatura de Xi Jinping
Serviço militar
Lealdade Partido Comunista da China
Serviço/ramo Flag of the People's Liberation Army.svg Exército de Libertação Popular
Anos de serviço 1979–1982
Unidade Escritório Geral da Comissão Militar Central (como secretário do Ministro da Defesa Geng Biao)

Xi Jinping (/ˌʃiː dʒɪnˈpɪŋ/ SHEE jin-PING; Chinês: 习近平; nascido a 15 de Junho de 1953) é um político chinês que tem servido como Secretário Geral do Partido Comunista da China (PCC) e Presidente da Comissão Militar Central (CMC) desde 2012, e Presidente da República Popular da China (RPC) desde 2013. Xi tem sido, desde 2012, o líder político mais proeminente da China.

Filho do veterano comunista chinês Xi Zhongxun, foi exilado para o condado rural de Yanchuan na adolescência, após a purga do seu pai durante a Revolução Cultural, e viveu numa caverna na aldeia de Liangjiahe, onde aderiu ao PCC e trabalhou como secretário do partido. Depois de estudar engenharia química na Universidade de Tsinghua como "estudante trabalhador-camponês-soldado", Xi ascendeu politicamente às fileiras nas províncias costeiras da China. Xi foi Governador de Fuquiém de 1999 a 2002, antes de se tornar Governador e Secretário do Partido do vizinho Chequião de 2002 a 2007. Após a demissão do Secretário do Partido de Xangai, Chen Liangyu, Xi foi transferido para o substituir por um breve período em 2007. Posteriormente, juntou-se ao Comité Permanente do Politburo e serviu como primeiro secretário do Secretariado Central em outubro de 2007. Em 2008 foi designado como presumível sucessor de Hu Jintao como líder supremo; para esse fim, Xi foi nomeado Vice-Presidente da República Popular da China e Vice-Presidente da Comissão Militar Central. Recebeu oficialmente o título de "núcleo de liderança" do Partido Comunista Chinês (PCC) em 2016. Xi foi mesmo membro do 17º, 18º e 19º Comité Permanente do Politburo do PCC desde 2007. Em 2018, foram abolidos os limites de mandato presidencial.

Xi é o primeiro Secretário-Geral do PCC nascido após o estabelecimento da República Popular da China. Desde que assumiu o poder, Xi introduziu medidas de grande alcance para impor a disciplina do partido e impor a unidade interna. A sua campanha anti-corrupção levou à queda de altos funcionários do Partido Comunista em exercício e reformados, incluindo membros do Comité Permanente do Politburo. Também decretou ou promoveu uma política externa mais assertiva, particularmente no que diz respeito às relações China-Japão, às reivindicações da China no Mar do Sul da China. Tem procurado expandir a influência africana e eurasiática da China através da Iniciativa "Nova Rota da Seda".

Como figura central da quinta geração de liderança da República Popular, Xi tem centralizado significativamente o poder institucional, assumindo uma vasta gama de posições de liderança, incluindo a presidência da recém-formada Comissão de Segurança Nacional do PCC, bem como novos comités directivos sobre reformas económicas e sociais, reestruturação e modernização militar, e a Internet.[1]

História

Xi Jinping nasceu em 15 de junho de 1953, em Pequim, e sua família tem raízes ancestrais em Fuping, Weinan, província de Shanxi. É o filho mais novo de Xi Zhongxun, um dos fundadores da guerrilha comunista em Shaanxi e ex-vice-primeiro-ministro do país. À época do nascimento de Xi Jinping, seu pai era o chefe do departamento de propaganda do Partido Comunista, e mais tarde vice-presidente do Congresso Nacional do Povo. Quando Xi tinha 10 anos de idade, durante a Revolução Cultural, seu pai foi expurgado e foi enviado para trabalhar numa fábrica em Luoyang, sendo preso em 1968. Sem a proteção do pai, Xi Jinping foi trabalhar em Yanchuan, Shanxi, em 1969, durante a Campanha de Envio ao Campo de Mao Tsé Tung. Xi Jinping tornou-se secretário da equipe de produção do ramo local do Partido. Quando saiu, em 1975, ele tinha apenas 22 anos. Perguntado a respeito dessa experiência pela televisão estatal chinesa, Xi lembrou-a dizendo que "foi emocionante. Foi comovente. E quando os ideais da Revolução Cultural não puderam ser realizados, ela se transformou numa ilusão."[2] De 1975 a 1979, Xi estudou engenharia química na Universidade de Tsinghua.[3]

Futuro político

Xi foi nomeado como uma das pessoas mais influentes do mundo em 2009, 2011 e 2012, pela revista Time. Em setembro de 2009, no Plenário Quarta do Comitê Central de 17 do Partido Comunista da China, Xi Jinping não foi escolhido como o vice-presidente da Comissão Militar Central (CMC) como esperado, levantando algumas questões sobre sua sucessão. O analista político Cheng Li acredita que a falha de Xi para garantir a promoção CMC havia provas de que o Partido Comunista foi o desenvolvimento de controles internos, dando lugar a mecanismos mais sofisticados para a sucessão de liderança. Xi Jinping foi oficialmente nomeado para a vice-presidência em 18 de outubro de 2010, uma posição de Hu Jintao, uma vez realizada em 1999, antes de assumir a secretaria e os anos da presidência depois. No 18.º Congresso do Partido Comunista Chinês em 8 de novembro de 2012, Xi foi escolhido para ser o Secretário-Geral do Partido Comunista da China e presidente da China, cargo que assumiu em 14 de março de 2013.

Formação e personalidade

Xi tem doutorados em engenharia química e ciência política.

Xi foi descrito em um 2011 em um artigo do Washington Post por aqueles que o conhecem como "pragmático, sério, cauteloso, trabalhador e discreto". Xi também foi descrito como uma boa mão na solução de problemas e "aparentemente desinteressado nas armadilhas do alto cargo". Ele também é conhecido por adorar filmes de Hollywood, como O Resgate do Soldado Ryan e Os Infiltrados, elogiando também o cineasta independente Jia Zhangke.

Os membros da família de Xi têm interesses comerciais substanciais, embora não haja nenhuma evidência de que eles foram assistidos por posição política de Xi.

Literatura

Em 2014, Xi lançou o primeiro volume do livro A governança da China em que debate o futuro e uma série de políticas públicas chinesas.[4]

Em 2017, lançou o segundo volume.[5]

Em 2019, o livro foi lançado no Brasil, no Palácio dos Bandeirantes, palácio do governador do estado de São Paulo, com presença do governador João Dória (PSDB).[6][7]

Xi Jinping

Xi Jinping (Chinese characters).svg

"Xi Jinping" em chinês simplificado (cima) e chinês tradicional (baixo)
Chinês tradicional: 習近平
Chinês simplificado: 习近平

Vida pessoal

Xi casou com a famosa cantora folk chinesa Peng Liyuan (彭丽媛) em 1987. Peng Liyuan, um nome familiar na China, era muito mais conhecida para o público do que Xi, até sua ascensão política. O casal frequentemente vivia separado devido em grande parte às suas distintas vidas profissionais. Eles têm um filho chamado Xi Haun ( 席歡 ) e uma filha chamada Xi Mingze (习 明泽), que é caloura da Universidade de Harvard no outono de 2010 sob um pseudônimo para não ter nenhum favor.[8]

Xi incentivou a prática de futebol país, fazendo o esporte se tornar um ícone obrigatório nas escolas chinesas, construindo milhares de campos de futebol espalhados pelo país oriental.[9] Além de valorizar o Campeonato Chinês de Futebol.

Controvérsias

Direitos Humanos

Segundo a americana Human Rights Watch, Xi "iniciou uma ampla e sustentada ofensiva sobre os direitos humanos" desde que se tornou líder em 2012.[10] Presidiu as medidas 709 em 9 de Julho de 2015, que viu mais de 300 advogados, assistentes jurídicos e activistas serem detidos. Embora a maioria tenha sido libertada, pelo menos três estão detidos enquanto aguardam julgamento e outros dois estão a cumprir penas de prisão.[11] O seu mandato assistiu à detenção e prisão de activistas como Xu Zhiyong, bem como de numerosos outros que se identificaram com o Movimento dos Novos Cidadãos. O proeminente activista legal Pu Zhiqiang do movimento Weiquan também foi detido e preso.[12]

Após vários ataques terroristas em Xinjiang em 2013 e 2014, Xi lançou a "guerra popular ao terrorismo" em 2014, que envolveu detenções em massa, e vigilância da etnia Uyghurs no local.[13][14] Xi fez uma visita de inspecção em Xinjiang entre 27 de Abril e 30 de Abril em 2014. É estimado que 1 milhão de Uyghurs estão detidos em campos de re-educação, 11% da população do total de 11,460,00 Uyghurs que vivem em Sinquião.[15][16] Embaixadores americanos descreveram-os como "campos de concentração", onde uigures e outras minorias alegadamente são assimilados à força na sociedade chinesa de etnia Han, maioritária.[17] Documentos internos do governo chinês vazados à imprensa em Novembro de 2019 mostraram que Xi ordenou pessoalmente uma repressão de segurança em Xinjiang, dizendo que o partido não deve mostrar "absolutamente nenhuma piedade" e que os oficiais usam todas as "armas da ditadura democrática popular" para suprimir os "infectados com o vírus do extremismo" (religioso).[18][19] Os documentos também mostraram que Xi discutiu repetidamente sobre o extremismo islâmico nos seus discursos, comparando-o a um "vírus" ou a uma "droga" que só poderia ser abordado por "um período de tratamento doloroso e intervencionista".[20] No entanto, também advertiu contra a discriminação contra os Uyghurs e rejeitou propostas para erradicar completamente o Islão na China, chamando a esse tipo de ponto de vista "tendencioso, até mesmo errado".[21]

Em 8 de Julho de 2019, 22 países assinaram uma declaração ao Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, na qual apelaram ao fim das detenções em massa na China e exprimiram a sua preocupação com a vigilância e repressão generalizadas em Xinjiang.[22][23][24] A 13 de Junho de 2019, a China convida a ONU a visitar os 'Centros de Educação' em Xinjiang, e afirma estar a ajudar a erradicar o extremismo e a dar novas competências às pessoas. Em março do mesmo ano, o vice-ministro dos negócios estrangeiros Le Yucheng afirmou que os "campus" seriam encerrados gradualmente à medida que a ideologia extremista fosse vencida na região.[25]

Em resposta, 50 países assinaram uma carta conjunta ao CDHNU elogiando as "realizações notáveis da China no domínio dos direitos humanos" sob Xi Jinping, afirmando "Agora a segurança e a protecção regressou a Xinjiang e os direitos humanos fundamentais das pessoas de todos os grupos étnicos estão salvaguardados". Também criticaram a prática de "politização das questões dos direitos humanos".[26][27][28]

Em Outubro de 2019, 23 países emitiram uma declaração conjunta à ONU instando a China a "manter as suas obrigações e compromissos nacionais e internacionais de respeito pelos direitos humanos".[29][30]

Em resposta, 54 países emitiram uma declaração conjunta de apoio às políticas chinesas de Xinjiang. A declaração "falou positivamente dos resultados das medidas antiterroristas e de desradicalização em Xinjiang e observou que estas medidas salvaguardaram efectivamente os direitos humanos básicos das pessoas de todos os grupos étnicos".[30][31]

A 22 de Setembro de 2020, um bilionário chinês, Ren Zhiqiang, foi condenado a 18 anos de prisão por multiplas acusações, incluindo o desvio de cerca de 16,3 milhões de dólares (110,6 milhões de yuan) em fundos públicos, aceitação de subornos, e abuso de poder que causou perdas no total de 17,2 milhões de dólares (116,7 milhões de yuan) para a empresa de propriedade estatal que um dia chefiou. O antigo magnata imobiliário tinha desaparecido em Março, depois de escrever um artigo online, criticando a forma como Xi Jinping lidou com a pandemia da COVID-19.[32]

Pandemia do novo coronavírus

Interpretações de um documento divulgado pelo Partido Comunista da China sugerem que Xi Jinping pode ter escondido por duas semanas as infecções pelo novo coronavírus, causador da COVID-19. Xi Jinping falou pela primeira vez em público sobre o assunto em um discurso à nação no dia 20 de janeiro, sete dias antes de Zhou Xianwang, então prefeito de Wuhan (epicentro da epidemia), renunciar ao admitir ter escondido informações sobre o surto.


"A revelação levanta questões sobre se foi o governo central, e não as autoridades de Hubei, que hesitaram em agir, permitindo que o vírus se espalhasse pelo país e, eventualmente, pelo mundo", avalia o colunista James Griffiths, da rede americana CNN. A transcrição do discurso, publicado pelo Qiushi, jornal oficial do Partido Comunista, informa que Xi Jinping "emitiu requisitos para a prevenção e controle do novo coronavírus" durante uma reunião do Comitê Permanente do Politburo, o mais poderoso órgão decisório da China, em 7 de janeiro.[33]

Entretanto, a China já havia notificado a OMS sobre a existência e os riscos do coronavírus em 31 de dezembro de 2019.[34] Além disso, já estava agindo internamente para conter o vírus, e isso foi amplamente noticiado. Um anúncio oficial não havia sido feito no início de dezembro por falta de informações confiáveis a respeito das características do vírus e incertezas sobre seu potencial de contágio. Após a compreensão da gravidade do problema, o mundo já havia ficado sabendo ainda em 2019 sobre a ocorrência, fato suficiente para eliminar a controvérsia criada pelas lideranças políticas dos Estados Unidos para culpar o governo chinês pela pandemia (algo que vem sendo bastante explorado por Donald Trump desde que o vírus chegou nos EUA).

Cronologia

Segue abaixo a cronologia da vida de Xi Jinping:[35]

Data Nota
1953 Nasce em Fuping, província de Shaanxi.
1969–1975 Trabalhou como um jovem educado enviado para o campo de Liangjiahe, Comuna de Wen'anyi, Condado de Yanchuan, província de Shaanxi, e serviu como secretário do Partido.
1975–1979 Estudante de síntese orgânica básica no Departamento de Engenharia Química da Universidade de Tsinghua.
1979–1982 Secretário na Secretaria-Geral do Conselho de Estado e do Gabinete Geral da Comissão Militar Central (como um oficial em serviço ativo).
1982–1983 Secretário-adjunto do comitê do PCC de Zhengding, província de Hebei
1983–1985 Secretário do Comitê Municipal de Hengding, província de Hebei.
1985–1988 Membro do Comité Permanente do Comitê do Partido Municipal e vice-prefeito de Xiamen, província de Fujian.
1988–1990 Secretário Comitê do PCC da Prefeitura Ningde, Província de Fujian.
1990–1993 Secretário do Comitê Municipal de Fuzhou PCC e presidente do Comitê Permanente da Assembléia Popular Municipal de Fuzhou, província de Fujian.
1993–1995 Membro da Comissão Permanente do Comité Provincial de Fujian PCC, secretário do Comitê Municipal de Fuzhou CPC e presidente do Comitê Permanente da Assembléia Popular Municipal de Fuzhou.
1995–1996 O secretário-adjunto do Comité Provincial de Fujian PCC, secretário do Comitê Municipal de Fuzhou e presidente do Comitê Permanente da Assembleia Popular Municipal de Fuzhou.
1996–1999 Secretário-adjunto da Comissão Provincial PCC Fujian.
1999–2000 Secretário-adjunto do Comité Provincial de Fujian PCC e governador em exercício da província de Fujian.
2000–2002 Secretário-adjunto da Comissão Provincial de Fujian PCC e governador da província de Fujian (1998-2002 Estudou teoria marxista e educação ideológica em um on-the-job programa de pós-graduação da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade de Tsinghua e se formou com um grau LLD).
2002–2002 Secretário-adjunto do Comité Provincial de Zhejiang CPC e governador em exercício da província de Zhejiang.
2002–2003 Secretário do Comité Provincial de Zhejiang PCC e governador em exercício da província de Zhejiang.
2003–2007 Secretário da Comissão Provincial de Zhejiang PCC e presidente do Comité Permanente da Assembleia Popular Provincial de Zhejiang.
2007–2007 Secretário do Comitê Municipal de Shanghai PCC.
2007–2008 Membro do Comitê Permanente do Birô Político do Comitê Central do PCC, membro do Secretariado do Comitê Central do PCC e presidente do Partido Escola do Comitê Central do PCC.
2008–2010 Membro do Comitê Permanente do Birô Político do Comitê Central do PCC, membro do Secretariado do Comitê Central do PCC, vice-presidente da República Popular da China e presidente da Escola do Partido do Comitê Central do PCC.
2010 Vice-presidente da Comissão Militar Central PCC.
2012 Nomeado Secretário-Geral do Partido Comunista da China e Presidente, sucedendo Hu Jintao.
2014 Lança o livro A Governança da China
2018 É nomeado pelo Parlamento Chinês presidente vitalício da China.

Referências

  1. "Journal of Current Chinese Affairs" (PDF). giga-hamburg.de. May 2009. Archived (PDF) from the original on 17 February 2012. Retrieved 20 October 2010.
  2. Most corrupt officials are from poor families but Chinese royals have a spirit that is not dominated by money. The Guardian, outubro de 2007.
  3. «Quicktake: Xi Jinping» (em inglês). [[Bloomberg]. 11 de Março de 2018. Consultado em 23 de Outubro de 2018 
  4. Xi, Jinping,; 习近平,. The governance of China First edition ed. Beijing, China: [s.n.] ISBN 7-119-09023-2. OCLC 893632728 
  5. Xi, Jinping,; 习近平,. The governance of China First edition ed. Beijing, China: [s.n.] ISBN 7-119-09023-2. OCLC 893632728 
  6. «Doria lança livro de Xi Jinping no Palácio dos Bandeirantes | Radar». VEJA. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  7. Silva, Tayguara Ribeiro da (9 de dezembro de 2014). «"A Governança da China", o novo livro de Xi Jinping». Vermelho. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  8. Popular, futura primeira-dama da China foi cantora. Folha de S.Paulo, novembro de 2012.
  9. Obrigatório nas escolas, futebol vira prioridade de Estado na China. Folha de S.Paulo, junho de 2014.
  10. "World Report 2018: Rights Trends in China". Human Rights Watch. 9 January 2018. Archived from the original on 28 August 2019. Retrieved 7 September 2019.
  11. https://www.hrw.org/news/2017/07/07/china-709-anniversary-legal-crackdown-continues
  12. https://www.bangkokpost.com/world/419842/chinese-dream-turns-sour-for-activists-under-xi-jinping
  13. Shepherd, Christian (12 September 2019). "Fear and oppression in Xinjiang: China's war on Uighur culture". Financial Times. Retrieved 19 January 2020.
  14. Ramzy, Austin; Buckley, Chris (16 November 2019). "'Absolutely No Mercy': Leaked Files Expose How China Organized Mass Detentions of Muslims". The New York Times. Retrieved 6 December 2019.
  15. https://www.nytimes.com/2019/10/01/opinion/xi-jinping-china.html
  16. https://theasiadialogue.com/2016/03/07/spatial-results-of-the-2010-census-in-xinjiang/
  17. https://www.theguardian.com/world/2019/jul/11/more-than-20-ambassadors-condemn-chinas-treatment-of-uighurs-in-xinjiang
  18. https://www.nytimes.com/interactive/2019/11/16/world/asia/china-xinjiang-documents.html
  19. https://hongkongfp.com/2020/01/19/huaweis-human-rights-record-needs-scrutiny-britain-signs-5g-contracts/
  20. https://www.nytimes.com/interactive/2019/11/16/world/asia/china-xinjiang-documents.html
  21. https://www.nytimes.com/interactive/2019/11/16/world/asia/china-xinjiang-documents.html
  22. https://jamestown.org/program/the-22-vs-50-diplomatic-split-between-the-west-and-china-over-xinjiang-and-human-rights/
  23. https://www.nytimes.com/2019/07/10/world/asia/china-xinjiang-rights.html
  24. https://www.economist.com/sites/default/files/images/print-edition/20190727_CNM997.png
  25. https://www.telesurenglish.net/news/China-Invites-UN-to-Visit-Education-Centers-in-Xinjiang-20190613-0004.html
  26. "Letter to UNHRC". Office of the United Nations High Commissioner for Human Rights. 9 August 2019.
  27. Putz, Catherine. "Which Countries Are For or Against China's Xinjiang Policies?". thediplomat.com. Retrieved 10 January 2020.
  28. "Joint Statement, Delivered by UK Rep to UN, on Xinjiang at the Third Committee Dialogue of the Committee for the Elimination of Racial Discrimination". United States Mission to the United Nations. 29 October 2019. Retrieved 13 August 2020.
  29. "Joint Statement, Delivered by UK Rep to UN, on Xinjiang at the Third Committee Dialogue of the Committee for the Elimination of Racial Discrimination". United States Mission to the United Nations. 29 October 2019. Retrieved 13 August 2020.
  30. a b Ben Westcott and Richard Roth. "China's treatment of Uyghurs in Xinjiang divides UN members". CNN. Retrieved 30 October 2019.
  31. 张悦. "Statement at UN supports China on Xinjiang". www.chinadaily.com.cn. Retrieved 12 August 2020.
  32. https://edition.cnn.com/2020/09/22/asia/china-ren-zhiqiang-xi-jinping-intl-hnk/index.html
  33. «Documento indica que Xi Jinping sabia do coronavírus desde o começo do ano» 
  34. «O que aconteceu desde que o novo coronavírus foi descoberto na China» 
  35. Who's Who in China's Leadership: Xi Jinping. Acesso em 14 de novembro de 2012.

Ligações externas

Precedido por
Hu Jintao
Presidente da República Popular da China
2013 - atualidade
Sucedido por
Atualidade