Xiomara Castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Xiomara Castro
56ª Presidente de Honduras
(no cargo)
Período 27 de janeiro de 2022
(Até a atualidade)
Vice-presidente Salvador Nasralla
Antecessor(a) Juan Orlando Hernández
Primeira-dama de Honduras
Período 27 de janeiro de 2006
até 28 de junho de 2009
Presidente Manuel Zelaya
Antecessor(a) Aguas Ocaña
Sucessor(a) Siomara Girón
Dados pessoais
Nome completo Iris Xiomara Castro Sarmiento
Nascimento 30 de setembro de 1959 (62 anos)
Tegucigalpa, Honduras
Nacionalidade hondurenha
Alma mater Instituto Hondureno de Cultura Interamericana
Cônjuge Manuel Zelaya (c. 1976)
Filhos 4
Partido PLH (2005-2009)
Libre (2011-)
Religião católica
Ocupação empresária e política
Website xiomarapresidenta.com

Iris Xiomara Castro de Zelaya, nascida Iris Xiomara Castro Sarmiento[1] (Tegucigalpa, 30 de setembro de 1959) é uma política hondurenha. Filiada ao Partido Liberdade e Refundação, é a presidente de Honduras desde 22 de janeiro de 2022.[2] Anteriormente, foi candidata às eleições presidenciais de 2013 e 2017, representando o Partido Liberal de Honduras, de esquerda. Esposa do ex-presidente Manuel Zelaya, Castro foi uma líder do movimento de resistência ao golpe de Estado hondurenho de 2009, que tirou seu marido do poder prematuramente.

Juventude[editar | editar código-fonte]

Segunda de cinco filhos, ela frequentou a escola primária e secundária em Tegucigalpa no Instituto San Jose del Carmen e no Instituto Maria Auxiliadora, respectivamente, e se formou em Administração de Empresas sem frequentar a universidade.[3]

Em janeiro de 1976, Xiomara casou-se com Manuel Zelaya. Imediatamente após o casamento, eles se mudaram para Catacamas, Olancho.

Participou ativamente na “Associação de Cônjuges dos Sócios do Rotary Club de Catacamas” e também nas atividades desenvolvidas no grupo para o atendimento às crianças carentes do departamento de Olancho. Participou da criação do "Centro de Cuidado Diurno para Niños en Catacamas", com o objetivo de atender famílias monoparentais lideradas por mulheres inclusive por meio da criação de projetos de limpeza básica, semeadura de hortaliças e floricultura, como importantes projetos de desenvolvimento de empregos.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Em Catacamas, Castro organizou o braço feminino do Partido Liberal de Honduras e fez uma forte campanha a favor de seu marido nas eleições internas de fevereiro de 2005, ocasião em que esteve a cargo da coordenação subpolítica de Catacamas.

Como primeira-dama de Honduras, Castro era responsável pelos programas de desenvolvimento social e ela trabalhou com as Nações Unidas em coalizão com outras primeiras-damas para tratar dos problemas enfrentados pelas mulheres com HIV.[4]

Após a remoção de seu marido no golpe de estado de 28 de junho de 2009 , Castro liderou o movimento de resistência ao golpe de estado, juntando-se repetidamente a milhares de hondurenhos nas ruas que pediam o retorno de Zelaya.[5] Este movimento ficou conhecido como Frente Nacional de Resistência Popular (FNRP) e formou a base do partido político Libre.[5] Castro juntou-se ao marido na embaixada brasileira, onde ele se refugiou depois de retornar a Honduras antes de chegar a uma negociação com o regime de fato.[4]

Campanha presidencial em 2013[editar | editar código-fonte]

Em 1º de julho de 2012, Castro lançou oficialmente sua campanha presidencial em um evento no departamento de Santa Bárbara.[3] Ela então ganhou as primárias de seu partido em 18 de novembro de 2012,[6] e em 16 de junho de 2013, Castro foi oficialmente escolhido para representar Libre nas eleições presidenciais de 2013.[5] Castro expressou oposição ao neoliberalismo e à militarização da sociedade, e ela fez campanha por uma assembleia constituinte para escrever uma nova constituição.[5]

Antes da eleição, Castro liderava as pesquisas entre os oito candidatos durante os meses de março a outubro.[5][4][7] No entanto, na votação final antes da eleição, Castro caiu para o segundo lugar, atrás do Presidente do Congresso Nacional, Juan Orlando Hernández, do Partido Nacional de Honduras.[8] Castro e Hernández foram amplamente vistos como os dois principais candidatos a entrar nas eleições.[9][8] Castro ficou em segundo lugar atrás de Hernández com 896.498 votos (28,78%) contra 1.149.302 (36,89%) de Hernández.[10] Embora não tenha conquistado a presidência, ela foi amplamente vista como provocadora de uma ruptura no sistema bipartite de Honduras, pois o apoio ao seu partido Libre eclipsou o do Partido Liberal, com Libre conquistando a segunda maior cadeira no Congresso.[11]

Campanha presidencial em 2017[editar | editar código-fonte]

Para a eleição presidencial de 2017, Castro buscou novamente ser a candidata do Libre.[12] Ela facilmente venceu a primária,[13] mas quando Libre formou uma aliança com o Partido da Inovação e Unidade, ela concordou em se afastar e deixar Salvador Nasralla liderar a chapa presidencial da aliança.[14]

Campanha presidencial em 2021[editar | editar código-fonte]

Castro foi escolhida como a candidato presidencial de 2021 pelo Libre.[15][16] As pesquisas mostraram uma disputa acirrada entre Castro e seu oponente de direita Nasry Asfura, do governista Partido Nacional.[17][18][19] No entanto, Castro foi eleita por larga margem;[20] ​Asfura reconheceu sua derrota. Tornou-se, assim, a primeira mulher a ser eleita para a presidência do país.[21] Igualmente, sua eleição consolidou o término de doze anos do Partido Nacional no comando de Honduras.[22]

Referências

  1. «Xiomara Castro de Zelaya, Honduras' 1st female president?». The Washington Post. 29 de novembro de 2021. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  2. «Honduras elects democratic socialist as its first female president, unseating conservative ruling party». The Washington Post. 30 de novembro de 2021. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  3. a b «Proceso Digital - Elecciones Generales 2013». www.proceso.hn. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  4. a b c «Deposed Honduran leader's wife leads in polls». web.archive.org. 12 de novembro de 2013. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  5. a b c d e «Xiomara Castro lanza candidatura en Honduras - América Latina - ElNue…». archive.ph. 6 de novembro de 2013. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  6. «Abogados de derecha disputarán la presidencia a Xiomara Castro, la esposa de Mel Zelaya». elfaro.net (em inglês). Consultado em 29 de novembro de 2021 
  7. «A un mes de las elecciones, la izquierdista Xiomara Castro encabeza las encuestas». elfaro.net (em inglês). Consultado em 29 de novembro de 2021 
  8. a b «Bloomberg - Are you a robot?». www.bloomberg.com. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  9. «Election Update . . Chile, Honduras, and Venezuela». TransAtlantic Magazine (em inglês). Consultado em 29 de novembro de 2021 
  10. «Twitter Bootstrap for Symfony2». web.archive.org. 17 de dezembro de 2013. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  11. «Candidata opositora Xiomara Castro denuncia 'robo' de su triunfo en Honduras». La Nación (em espanhol). Consultado em 29 de novembro de 2021 
  12. «Xiomara Castro, una política decidida a cambiar a Honduras». Diario El Heraldo. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  13. «Xiomara Castro gana las primarias de Libre y apunta a la alianza». Diario El Heraldo. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  14. «Salvador Nasralla encabeza la alianza opositora | Radio HRN». web.archive.org. 22 de dezembro de 2017. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  15. Lopez, Oscar (28 de novembro de 2021). «What's at Stake in the Honduran Presidential Election?». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  16. «'She's the only option': Hondurans hope Xiomara Castro can lead the nation in a new direction». the Guardian (em inglês). 24 de novembro de 2021. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  17. Palencia, Gustavo (26 de novembro de 2021). «Honduran ruling party hopeful Asfura faces uphill climb». Reuters (em inglês). Consultado em 29 de novembro de 2021 
  18. García, Jacobo (28 de novembro de 2021). «Los modelos antagónicos de Xiomara Castro y Asfura se enfrentan en las urnas de Honduras». El País (em espanhol). Consultado em 29 de novembro de 2021 
  19. Presse, France (29 de novembro de 2021). «Xiomara Castro reinvindica vitória em Honduras; apuração prossegue». G1. Consultado em 29 de novembro de 2021 
  20. Daniel Uria (30 de novembro de 2021). «Opposition candidate Xiomara Castro elected Honduras' first female president». UPI. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  21. David Alire Garcia e Gustavo Palencia (1 de dezembro de 2021). «Honduras set for first woman president as ruling party concedes election defeat». Reuters. Consultado em 1 de dezembro de 2021 
  22. «Xiomara Castro: Honduras votes in first female president». BBC. 1 de dezembro de 2021. Consultado em 1 de dezembro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]