Yakov Blumkin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Yakov Blumkin
Nome completo Yakov Grigoryevich Blumkin
Nascimento 1898 (119 anos)
Odessa, Império Russo
Morte 3 de novembro de 1929 (31 anos)
Nacionalidade Soviético
Ocupação Ativista político e revolucionário
Filiação Socialistas Revolucionários de Esquerda

Yakov Grigoryevich Blumkin (em russo: Яков Григорьевич Блюмкин; 1898 – 3 de novembro de 1929) foi um Socialista Revolucionário da Esquerda, um bolchevique e um agente da Cheka e da Direção Política do Estado (DPE).[1]

Nasceu em uma família judaica, foi órfão no início de sua vida e foi criado em Odessa. Em 1914 juntou-se ao Partido Socialista Revolucionário. Após a Revolução de Outubro de 1917, tornou-se chefe do departamento de contra-espionagem da Cheka trabalhando para Félix Dzerjinsky.[2]

Como muitos funcionários da Cheka na época, politicamente era um Socialista Revolucionário de Esquerda, em vez de um bolchevique. Uma vez que este partido se opunha ao Tratado de Brest-Litovski, foi ordenado pelo seu comitê executivo a assassinar Wilhelm von Mirbach, embaixador alemão na Rússia;[2] eles esperavam por esta ação incitar uma guerra com a Alemanha. Este evento foi programado para ocorrer na abertura do Quinto Congresso dos Sovietes de Toda a Rússia no Teatro Bolshoi, em Moscou. Na tarde de 6 de julho de 1918, junto com um assessor, Nikolai Andreyev, foi para a residência do embaixador alemão em Denezhny Lane.[2] Ganhou entrada na embaixada apresentando documentos falsificados. Quando Mirbach entrou na sala de desenho, puxou uma arma de seu estojo e atirou no embaixador matando-o.[3]

Em uma missão de espionagem na Turquia em 1929, estava supostamente vendendo incunábulos em hebraico que colecionou de sinagogas na Ucrânia e no sul da Rússia e até mesmo de museus públicos para financiar uma rede de espionagem no Oriente Médio. O oficial soviético Pavel Sudoplatov, que organizou o assassinato de Leon Trótski, afirmou em sua autobiografia que Blumkin deu parte de sua vendas a Trótski, que estava em exílio na Turquia. Foi denunciado e chamado de volta a Moscou, sendo julgado e executado.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Brackman, Roman (2006). Israel at High Noon: From Stalin's Failed Satellite to the Challenge of Iran (em inglês). [S.l.]: Enigma Books. p. 41 
  2. a b c Schecter, Jerrold L.; Schecter, Leona (2002). Sacred Secrets: How Soviet Intelligence Operations Changed American History (em inglês). [S.l.]: Brassey's. p. 52 
  3. Homberger, Eric; Biggart, John; Monokroussos, Platon (1992). John Reed And The Russian Revolution: Uncollected Articles Letters And Speeches On Russia 1917-1920 (em inglês). Londres: Springer. p. 299. ISBN 978-1-349-21838-7 
  4. Britton, Frank L. (2012) [1952]. Behind Communism (em inglês). Raleigh, NC: Ostara Publications. p. 146. ISBN 978-1-300-06605-7 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]