Yamaga Soko

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Yagama Soko

Yamaga Sokō (山鹿素行, 21 de Setembro, 1622 - 23 de outubro, 1685) foi um filósofo japonês e estrategista militar durante o Shogunato Tokugawa. Ele foi um cunfucionista, e um homem aplicado a espalhar as idéias de "Homem superior" para a classe samurai do Japão. Isso resultou numa importante parte da vida e do código samurai conhecido como bushido.

Ao adaptar a tradição confucionista para suas próprias exigências, sofreu uma rejeição implícita de por parte de intelectuais e do clã Tokugawa. Yamaga Sokō foi o primeiro importante oficial a romper com com este maneira ortodoxa. Yamaga foi um estudante de Hayashi Razan, um japonês Neo-Confucionista e filosofo. Também foi aluno e adepto de uma ciência militar, ele estava preocupado em prolongar a inatividade da classe guerreira sob o governo Tokugawa.

História[editar | editar código-fonte]

Yamaga escreveu uma série de obras sobre o "A crença do Samurai" (bukyō) e "o caminho do cavaleiro" (shidō). Desta forma, ele descreveu de forma sublime a missão do guerreiro e sua obrigação, que se tornaram conhecidas como "Caminho dos Samurais" (bushidō). De acordo com William Scott Wilson, em seu texto "Idéias do Samurai": "Em sua teoria do Shido (uma teoria menos radical que o bushido), Soko definiu o guerreiro como um exemplo da pureza para o confucionismo e outras classes da sociedade, e como punidor para quem desviasse de seu caminho."

Wilson escreveu que Soko era um samurai com uma "espécie de gerreiro-Sage" e centrou seus escritos focando esses "Ideais transcendentais" de perfeição. Wilson também afirma que "esta direção de pensamento,no entanto, era típica de estudiosos da era Edo em sua tendência e especulação."

Ele coloca que as artes, letras e historia foram escenciais para a formação intelectual dos samurais. Yamaga assim, simboliza a transformação historica da classe samurais para uma aristocracia puramente militar para um aumento da liderança política e intelectual.[1] Um de seus alunos foi Daidōji Yūzan, um samurai da familia Daidōji, que passaria ser o autor de um importante texto bushidō, Budō shoshin shu. Ele também chamou a atenção para a necessidade de estudar e aprovar as armas e táticas ocidentais, assim como a introdução do Holandês.

Em 1665, Yamaga publicou sua antipatia pelo Neo-Confucionismo no Essencia do Confucionismo e foi preso no ano seguinte a mando de Hoshina Masayuki, Lord de Aizu. Yamaga proclamou a sua convicção de que a autêntico verdade só poderia ser encontrada nos ensinamentos da ética Confúcia, e que os desenvolvimentos posteriores na tradição confucionista representava a perversidade sobre a doutrina original. Hoshina, no entanto, viu esse ataque como um potencial desafio para a autoridade Tokugawa, Yamaga posteriormente foi exilado para ficar com o daimyo Asano, onde sua vida se intercala com os 47 Rōnin, que é posteriormente relatado nos clássicos da literatura japonesa.Chūshingura.[2]

A vida de seu próximo contemporâneo Matsudaira Sadanobu apresenta um contexto mais útil para a compreensão plena da vida de Yamaga. Ambos acreditavam inteiramente nos valores pessoais do Confucionismo, mas possuiam preceitos ligeiramente diferentes por causa da sociedade no período Edo.[3] Neste tempo, essa concepção dos valores do confucionismo, o que o fez sentir a necessidade de estudar e provar as táticas e armas ocidentais, assim como introduzido pelo holandês

A conceção do bushidō de Yamaga reinicia e codifica os escritos do século passado e, aponta o imperador como o centro de toda a lealdade. Seus ensinamentos, portanto, atingiram diretamente toda a atual estrutura feudal, e ele não chamava por mudanças no status do Imperador do Japão.


Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido (desde julho de 2009). Ajude e colabore com a tradução.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. De Bary, William et al. (2001). Sources Of Japanese Tradition: Volume 2, 1600 to 2000, p. 186.
  2. Trumbull, Stephen. (1996). O Samurai: Uma Historia Militar. p. 265; Tucker, John. (2002). "Historia intelectual de Tokugawa e a Ideologia: O caso de Inoue Tetsujirō, Yamaga Sokō, o os 47 Rōnin," nos Estudos Sino-Japanese. Vo. 14 , pp. 35-70.
  3. Shuzo Uenaka. (1977). "Last Testament in Exile. Yamaga Soko's Haisho Zampitsu", Monumenta Nipponica, 32:2, No. 2, pp. 125-152.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]