Assassinato de Selena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Yolanda Saldívar)
Ir para: navegação, pesquisa
Assassinato de Selena
Túmulo de Selena situado em Corpus Christi, Texas, onde fãs deixam flores e moedas.
Local Days Inn, Corpus Christi, Texas
Coordenadas 27° 48' 08" N 97° 27' 12" O
Data 31 de março de 1995 (1995-03-31)
11:48 (CST)
Tipo de ataque assassinato com revólver
Arma(s) calibre .38 special
Mortes 1 (Selena)
Vítima Selena
Responsável(is) Yolanda Saldívar

Selena (16 de abril de 1971 – 31 de março de 1995) foi uma cantora, porta-voz, atriz e estilista estadunidense, que conquistou fama mundial como uma das integrantes da banda Selena y Los Dinos, e com sua subsequente carreira solo. Seu pai e empresário Abraham Quintanilla, Jr. decidiu nomear Yolanda Saldívar como a presidente do fã-clube da cantora em 1991, depois de Saldívar ter pedido permissão constantemente para iniciar um. Em janeiro de 1994, ela foi promovida como a gerente das butiques de Selena. A intérprete começou a receber reclamações de empresários, de sua estilista associada e de sua prima sobre os estilos de gestão de Saldívar. Em janeiro de 1995, o pai da artista começou a receber telefonemas e cartas de fãs irritados que enviaram seus pagamentos de adesão do fã-clube e não receberam nada. Ele deu início a uma investigação e encontrou evidências que comprovaram que Saldívar havia desviado US$ 60 mil em cheques falsificados do fã-clube e das butiques. Saldívar comprou um revólver depois de ser confrontada pela família Quintanilla. Ela atraiu Selena ao seu quarto no hotel Days Inn, onde estava hospedada, e atirou nas costas da cantora. Apesar de médicos terem tentado reanimar a artista por 50 minutos, a artista foi declarada morta às 13:05 (CST) por perda de sangue e parada cardiorrespiratória.

A comunidade hispânica foi a mais afetada pelas notícias da morte de Selena. Muitos viajaram milhares de quilômetros até a casa da cantora e suas butiques, bem como até a cena do crime, enquanto igrejas com uma grande população de hispânicos fizeram orações em seu nome. Todas as grandes redes nos Estados Unidos interromperam suas programações para dar a notícia da morte da intérprete. As reações da morte da artista foram comparadas com as dos músicos John Lennon e Elvis Presley, bem como com a do presidente dos Estados Unidos John F. Kennedy. Alguns americanos brancos e europeus-americanos, no entanto, reagiram às noticias de forma diferente, definindo a artista como "sem importância" e dizendo aos hispânicos para "esquecê-la". O radialista Howard Stern zombou da morte e do funeral de Selena, bem como da tristeza de seus fãs, criticou sua música e tocou suas canções com ruídos de tiros no fundo, causando um alvoroço entre os hispânicos. Em 12 de abril de 1995, duas semanas após a morte da cantora, o então governador do Texas George W. Bush declarou que o aniversário da artista seria comemorado como o Dia de Selena no estado supracitado. Este ato causou uma reação negativa de alguns estadunidenses, que ficaram ofendidos com o fato de que o Dia de Selena ocorreria no Domingo de Páscoa.

Na época da morte de Selena, a música texana estava entre os gêneros de música latina mais populares nos Estados Unidos. A artista foi denominada a "rainha da música texana" e tornou-se a primeira artista hispânica a debutar no topo da Billboard 200 com Dreaming of You (1995), seu álbum crossover lançado postumamente em julho de 1995. Após a morte da cantora, o mercado da música texana sofreu e sua popularidade caiu. Saldívar declarou que, em uma tentativa de suicídio, ela acidentalmente atirou em Selena, mas o júri de seu julgamento não acreditou em suas palavras e a condenou à prisão perpétua, com possibilidade de liberdade condicional em 30 de março de 2025. O julgamento do assassinato da intérprete foi descrito como o "julgamento do século", bem como o mais importante para a população hispânica. A cantora e atriz Jennifer Lopez foi selecionada para interpretar Selena no filme biográfico que retratou sua vida, e conquistou grande fama após seu lançamento. Redes de língua espanhola transmitem frequentemente documentários sobre Selena a cada ano, marcando o aniversário de sua morte. Estes especais estão entre os programas mais assistidos na história da televisão estadunidense, e frequentemente batem recordes de audiência para alguns canais.

Eventos precedentes[editar | editar código-fonte]

Vida inicial de Selena e fã-clube[editar | editar código-fonte]

Selena nasceu em 16 de abril de 1971 em Lake Jackson, Texas, filha de Abraham Quintanilla Jr., um ex-músico, e Marcella Ofélia Quintanilla.[1] [2] Ela foi introduzida à indústria musical por seu pai, que dizia em entrevistas que viu "uma maneira de voltar aos negócios da música" depois de descobrir "o tempo e a altura perfeita" de Selena.[3] Quintanilla, Jr. rapidamente juntou seus filhos como uma banda chamada Selena y Los Dinos, que incluía A.B. Quintanilla III no baixo, Suzette Quintanilla na bateria, e Selena como a vocalista.[3] O grupo rapidamente tornou-se a principal fonte de renda da família, após esta ter sido despejada de sua casa durante a crise do petróleo ocorrida em 1982 no Texas.[3] Quintanilla, Jr. entrou com um pedido de falência depois que seu restaurante mexicano sofreu uma consequência da crise. A família mudou-se para Corpus Christi, Texas, e o conjunto começou a gravar música profissionalmente.[3] [4] Em 1984, a banda lançou seu primeiro álbum, Selena y Los Dinos, sob uma pequena gravadora independente.[5] Abraham queria que suas crianças gravassem canções de música texana — um gênero musical dominado por homens e popularizado por mexicanos-americanos nos Estados Unidos.[6] [7] A popularidade de Selena cresceu depois de conquistar o prêmio de Female Vocalist of the Year no Tejano Music Award de 1987.[8] A cantora conseguiu seu primeiro contrato com uma grande gravadora em 1989, quando foi contratada pela Capitol EMI Latin.[9]

Em meados de 1991, Yolanda Saldívar, que havia se tornado fã da música texana na década de 1980,[10] [11] foi a um dos concertos de Selena em San Antonio, Texas.[10] Ela não gostava da artista porque esta venceu prêmios nos quais seus artistas favoritos de música texana estavam concorrendo.[12] Saldívar, no entanto, decidiu "dar uma chance" à Selena depois que sua sobrinha lhe convidou para a apresentação.[10] Depois de assistir ao show, Saldívar tornou-se uma grande fã da intérprete e expressou que havia gostado de sua presença de palco;[10] uma de suas canções favoritas da cantora era "Baila esta cumbia".[12] No dia seguinte, ela procurou notícias relacionadas ao concerto como uma lembrança, mas não encontrou.[10] Saldívar teve a ideia de começar um fã-clube de Selena na área onde morava, uma vez que os jornais não estavam promovendo a cantora.[10] De acordo com o pai da artista, Saldívar tentou contatá-lo e lhe enviou um total de 15 mensagens, embora ela tenha declarado que havia enviado apenas três.[10] Quintanilla, Jr. falou com Saldívar, que pediu-lhe a permissão de começar um fã-clube em San Antonio.[10] Ele decidiu marcar uma reunião com Saldívar, durante a qual aprovou suas intenções e ambos chegaram a um acordo.[10]

Em junho de 1991, Saldívar tornou-se fundadora e presidenta do fã-clube de Selena em San Antonio. Como presidenta, ela foi a responsável pelos benefícios dos membros do fã-clube, cobrando uma taxa de US$ 22 para os fãs que recebiam produtos que promoviam Selena,[13] uma camiseta com o nome da cantora, entrevistas exclusivas com a banda, uma ficha técnica sobre o grupo, e notificações sobre futuros concertos.[12] A arrecadação das taxas era doada para caridades.[13] Suzette era a pessoa que fazia contatos entre Saldívar e a família Quintanilla. Saldívar não conheceu Selena até dezembro de 1991.[13] Saldívar tornou-se amiga íntima de Suzette, e foi aceita na família Quintanilla.[12] [14] Até 1994, ela havia inscrito mais de 8 mil integrantes para o fã-clube.[13] Em seu livro Selena's Secret: The Revealing Story Behind Her Tragic Death, a repórter e apresentadora televisiva María Celeste Arrarás, Saldívar se tornou a "assistente mais eficiente" que Selena teve.[15] Ela escreveu que as pessoas notavam o quão ansiosa Saldívar estava para tentar impressionar a cantora, e que ela fazia tudo que Selena lhe pedia. Uma pessoa disse à Arrarás: "Se Selena dissesse 'pule', [Saldívar] pularia três vezes".[15] Yolanda desistiu de sua carreira como uma enfermeira de pacientes com câncer terminal e que cuidava de pessoas com doenças respiratórias, tuberculose e câncer de pulmão.[16] Saldívar decidiu se dedicar somente no fã-clube, embora estivesse recebendo menos do que recebia quando era enfermeira.[17]

Butiques Selena Etc.[editar | editar código-fonte]

Em 1994, Selena abriu duas butiques equipadas internamente com salões de beleza chamadas Selena Etc., sendo uma em Corpus Christi e outra em San Antonio. Seu pai apontou Saldívar como uma potencial candidata para administrar as butiques, pois a família iria viajar.[14] Ele acreditou que ela era a melhor escolha devido ao seu bem sucedido trabalho como presidenta e fundadora do fã-clube de Selena. A família concordou, e Saldívar tornou-se a gerente do fã-clube e das butiques em janeiro de 1994. Em setembro seguinte, a cantora contratou Saldívar como sua agente registrada em San Antonio. Depois de ser contratada para as butiques, Saldívar mudou-se do sul de San Antonio para Corpus Christi, para se aproximar de Selena.[18] Em entrevista com o jornal Primer Impacto em 1995, Quintanilla, Jr. expressou que "sempre desconfiava de Saldívar", embora a família nunca tenha encontrado nada de estranho em seu comportamento.[14] Mais tarde, Saldívar conseguiu a autorização de assinar e receber cheques e teve acesso à todas as contas bancárias associadas com o fã-clube e as butiques.[19]

Selena deu a Saldívar seu cartão de crédito da American Express, com a finalidade de conduzir os negócios da butiques. Saldívar usou-o cartão para comprar carros Lincoln Town e dois celulares que carregava, além de gastar em entretenimento associado com restaurantes de luxo.[20] Ela também alterou as jaquetas da desenhista Ellen Tracy feitas para as butiques, pois sua autoridade com o cartão também a permitia de fazer isso.[20] Funcionários da Selena Etc. reclamavam que Saldívar sempre estava "boa" quando Selena estava por perto; quando ela não estava, Saldívar tratava todos terrivelmente.[21] [22] Em dezembro de 1994, as butiques começaram a passar por uma crise. As contas bancárias da empresa não tinham recursos suficientes para pagar cheques pedidos pelo banco.[23] O número de funcionários de ambas as butiques reduziram de 38 para 14, principalmente porque Saldívar demitiu aqueles de quem não gostava.[24] Os empregados restantes começaram a reclamar de Saldívar para Selena, mas esta não acreditou que sua amiga faria qualquer coisa para prejudicá-la ou prejudicar seu negócio.[24] Em seguida, os funcionários começaram a reclamar para Quintanilla, Jr., que advertiu à Selena que Saldívar poderia ser uma pessoa perigosa. A intérprete, no entanto, não suspeitou de Saldívar, pois seu pai sempre desconfiava de alguém.[24]

Debra Ramirez, prima de Selena, foi contratada para trabalhar nas butiques em janeiro de 1995, e para ajudar a artista a expandir o empreendimento de moda no México.[22] Ramirez desistiu do trabalho em uma semana, dizendo à Saldívar que estava insatisfeita com o fracasso dos funcionários de relatar as vendas.[25] Ela também encontrou recibos relacionados às vendas de diversos itens que estavam em falta nas butiques.[22] Saldívar disse à Ramirez que ela deveria "mudar [seus] negócios" e que não precisava se preocupar.[22] Saldívar e Martin Gomez, desenhista associado de Selena, discutiram diversas vez, com o desenhista reclamando que Saldívar administrava mal os negócios de Selena. A animosidade de Saldívar e Gomez intensificou durante os desfiles de moda da intérprete; o desenhista acusou Saldívar de mutilar (ou destruir) algumas de suas criações originais, e declarou que ela nunca pagava as contas.[25] Gomez disse que Saldívar havia "estabilizado um reinado de terror", e os dois estavam constantemente reclamando sobre o outro para Selena.[19] Saldívar começou a gravar conversas de Gomez, sem que ele soubesse, a fim de convencer a cantora de que o desenhista não queria o melhor para as butiques.[19] Em seguida, Gomez foi rebaixado, já que Selena se convenceu que ela poderia desenhar suas roupas por conta própria.[19] Entre meados de 1994 e 1995, Saldívar viajou muitas vezes para Monterrei, México, para agilizar o processo de abrir outra sede da Selena Etc.[26] Ao visitar a fábrica no México, ela intimidou os funcionários, dizendo a eles para se afastarem.[25]

Relação entre Selena e Saldívar[editar | editar código-fonte]

Saldívar estava recebendo "sinais de afeição [de Selena]", com os quais não estava acostumada.[17] Seu quarto estava coberto com pôsteres e imagens da cantora, velas votivas em chamas e uma estante de vídeos da artista — a qual ela usava para entreter visitas. Em entrevista com Saldívar em 1995, repórteres do jornal The Dallas Morning News acreditaram que a devoção de Saldívar em relação à Selena poderia ser uma obsessão.[18] Empregados da Selena Etc. foram informados por Saldívar que ela queria "ser como Selena".[20] Segundo um funcionário não identificado, Saldívar estava "possesiva" por sua relação com Selena e tentava afastar a intérprete dos outros empregados. O funcionário também acreditou que Saldívar usou táticas para "ter mais controle [dos empregados] e de Selena".[22] Ela disse que sua razão de distanciar os funcionários de Selena foi "proteger" a cantora das "questões mesquinhas" da gestão de suas butiques.[22] Além das responsabilidades de administrar as lojas, Saldívar acompanhou Selena em viagens e tinha a chave da casa da artista.[19]

Quando Saldívar tornou-se uma parceira dos negócios das butiques, sua relação com a cantora começou a decair.[18] Em setembro de 1994, Selena encontrou-se com Dr. Ricardo Martinez, que vivia em Moterrei.[27] Selena queria abrir uma filial da Sela Etc. na cidade, além de um mercado de massa para suas butiques.[27] De acordo com Martinez, ele tinha contatos no México que poderiam ajudar a artista em abrir uma loja que não fosse excessiva para ela.[27] Martinez tornou-se um consultor dos negócios de Selena,[27] embora a família da intérprete tenha declarado que ele era apenas um fã que havia posado em diversas fotos com a artista. Saldívar ficou com inveja da dependência de Selena em Martinez,[28] que começou a enviar flores para o quarto do hotel da cantora. Saldívar alertou a intérprete, dizendo-lhe que o médico poderia ter intenções que não fossem profissionais.[28] Selena começou a visitar Monterrei de forma mais frequente, porém disfarçada.[28] Sebastian D'Silva, então assistente do médico, recebeu Selena no aeroporto diversas vezes e disse que notou que a musicista estava usando perucas e usando o sobrenome de seu marido Chris Pérez, para que as pessoas não desconfiassem de quem ela era.[28] De acordo com Martinez, ele emprestou milhares de dólares para a intérprete, pois esta estava com pouco dinheiro.[23]

Término do emprego de Saldívar[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 1995, o pai da cantora começou a receber telefonas e cartas de fãs irritados que afirmaram ter pago suas taxas de membros do fã-clube e não receberam os produtos prometidos.[29] Após diversas investigações, Quintanilla, Jr. descobriu que Saldívar havia desviado mais de US$ 60 mil em cheques falsificados do fã-clube e das butiques.[30] O irmão de Saldívar, Armando, teria supostamente contatado Gomez e "inventado uma história" de que Saldívar estava roubando dinheiro do fã-clube.[29] Em seguida, o médico falou com um dos tios de Selena sobre a ligação, e logo depois, informou Quintanilla, Jr..[29] Armando declarou que estava zangado com Saldívar sobre um problema que teve com ela e não queria que o problema se tornasse público, vindo a afirmar mais tarde que se sentiu culpado por iniciar o boato.[29] Ele concedeu uma entrevista ao Primer Impacto, onde repórteres descreveram seus comentários como "sem lógica".[29]

Em 9 de março de 1995, Quintanilla, Jr. teve uma reunião com Selena e Suzette Quintanilla na Q-Productions, para confrontar Saldívar.[31] [32] Ele apresentou à Saldívar as inconsistências relacionadas ao desaparecimento dos fundos do fã-clube e das butiques.[31] Abraham relatou que ela simplesmente lhe olhou sem responder nenhuma das perguntas.[31] O pai da cantora disse à Saldívar que se ela não apresentasse evidências que negasse as acusações, ele iria chamar a polícia.[31] Quando Quintanilla, Jr. lhe perguntou porque os fãs não estavam recebendo seus produtos prometidos, Saldívar disse que esses fãs estavam tentando obter os presentes de graça.[32] Quintanilla, Jr. descobriu que Saldívar abriu a conta do banco do fã-clube sob o nome de "Maria Elida", que era irmã de Saldívar.[33] Abraham perguntou-lhe porque ela havia feito isso, e Saldívar respondeu que o banco não a permitiu de abrir uma conta sob seu nome, o que ela não compreendeu.[33] Sem dizer uma palavra, Saldívar deixou a reunião. Quintanilla, Jr. proibiu-a de falar com Selena. A intérprete, não entanto, não queria acabar com a amizade, sentindo que Saldívar era essencial para saber se a filial da Selena Etc. iria abrir no México. Selena também queria manter Saldívar perto porque ela tinha registros bancários, extratos e registros financeiros necessários para a preparação do imposto.[31]

Após o encontro, Quintanilla, Jr. descobriu que os cheques do fã-clube foram assinados com a assinatura de Maria Elida, cuja letra era igual à de Saldívar.[33] Ele concluiu que Saldívar estava assinando cheques falsos usando o nome de sua irmã, descontando-os e mantendo os fundos.[30] Ao tentar recuperar extratos bancários do fã-clube, o pai da artista notou que eles haviam "desaparecido".[34] Ele encontrou uma carta escrita com a letra de Saldívar, na qual é dita que Maria Elida teve que fechar a conta bancária devido à um problema grave.[34] De acordo com a carta, uma integrante do fã-clube chamada Yvonne Perales foi ao banco para depositar US$ 3 mil; no entanto, ela não depositou o dinheiro e estava longe de ser encontrada.[34] Na carta, Elida também afirma que descobriu a situação "tarde demais" e que Perales e o dinheiro estavam desaparecidos, e então assinou cheques que deveriam ser recebidos por Saldívar, embora a conta bancária não tivesse fundos.[34] Além disso, Elida explica que fechou a conta por esse motivo, e que o banco teria que cobrir os cheques.[34] Quintanilla, Jr. confrontou Saldívar para saber quem era Perales, e relatou que Saldívar não sabia nada sobre ela.[34] Ele noticiou que Saldívar não confiava no tesoureiro do fã-clube, mas que ela confiava em um estranho para depositar US$ 3 mil. Quintanilla, Jr. disse à Saldívar para "dizer essa mentira para outra pessoa",[34] e concluiu que Perales não existia, uma vez que ninguém que trabalhava no fã-clube havia sequer encontrado com ela.[35]

Tentativas falhadas de matar Selena[editar | editar código-fonte]

Uma bala de ponta oca antes e depois de sua expansão. Este tipo de balas, semelhante às compradas por Saldívar, são especialmente designadas para expandir o tipo de lesão que seria provocada por uma bala normal, causando danos potencialmente mais graves.

Um dia depois de proibir Saldívar de contatar Selena, Quintanilla, Jr. foi para a Q-Productions e a perseguiu fora das instalações. Ele lhe disse que ela não era bem vinda no local.[31] No mesmo dia, Selena e Saldívar discutiram em uma ligação; a cantora desligou e disse à Pérez que não poderia mais confiar em Saldívar.[31] De acordo com o pai da artista, houve quatro tentativas de assassinar Selena.[36] Ela removeu o nome de Saldívar das contas bancárias da butique em 10 de maço de 1995,[36] e colocou Irene Herrera como a presidenta do fã-clube.[37] No dia seguinte, Saldívar comprou uma arma na A Place to Shoot, uma loja de armas e um campo de tiro situado no sul de San Antonio, e comprou um revólver Taurus Model 85 de calibre .38 special.[31] Ela também comprou balas de ponta oca do calibre .38 special. Estas balas são especificamente designadas para expandir o tipo de lesão que seria provocada por uma bala normal, causando danos potencialmente mais graves.[31] Saldívar disse ao funcionário que precisava de proteção por seu trabalho — como uma enfermeira que cuida de pacientes com doenças terminais —, pois os parentes de um de seus pacientes a ameaçaram.[31]

Em 13 de março de 1995, Saldívar abordou seu advogado e escreveu sua demissão, a qual Quintanilla, Jr. acreditou ser uma forma de desculpa.[36] No mesmo dia, ela dirigiu até Corpus Christi e registrou-se no hotel Sand and Sea; contudo, na época, a cantora estava em Miami, Flórida.[38] O pai de Selena acreditou que esta foi a primeira tentativa de matar a artista.[38] Quando chegou em Corpush Christi no dia seguinte, Selena recebeu uma ligação de Saldívar, que queria marcar uma reunião.[38] Saldívar lhe disse que havia muito tráfego e pediu para se encontrar com a artista em um estacionamento, que situava-se a 25 quilômetros de Corpus Christi.[38] Ao chegar, Selena disse à Saldívar que ela poderia continuar administrando seus negócios no México.[38] De acordo com seu pai, a intérprete queria manter Saldívar até encontrar outra pessoa que a substituísse. Saldívar mostrou à Selena a arma que havia comprado. Ela lhe disse para "livrar-se dela" e que a protegeria de seu pai, segundo Pérez e Saldívar.[38] [39] [40] Quintanilla, Jr. acreditou e acalmou Saldívar, e esta foi a razão pela qual ela não matou Selena no estacionamento.[38] No dia seguinte, Saldívar devolveu a arma, declarando que seu pai havia lhe dado uma pistola de calibre .22.[37] Em 26 de março, ela roubou uma amostra de perfume e mais extratos bancários de Selena no México.[41]

Saldívar acompanhou Selena em sua viagem para Tennessee, para que a cantora pudesse finalizar a gravação de uma das canções para seu álbum crossover.[38] A artista disse à Saldívar que haviam extratos bancários desaparecidos e pediu para devolvê-los assim que elas voltassem ao Texas.[38] Saldívar comprou a arma novamente em 27 de março e pediu para Selena encontrar-se com ela sozinha no quarto do hotel onde estava hospedada, sendo esta a segunda tentativa de assassiná-la.[38] Quando a artista chegou, notícias sobre a sua chegada espalharam-se e ela logo foi assediada por fãs.[42] Seu pai acreditou que os fãs de Selena a salvaram naquele dia, já que haviam "muitas testemunhas".[42] Segundo Quintanilla, Jr., a terceira tentativa de matar Selena ocorreu durante a viagem da intérprete à Monterrei, feita na última semana de março.[42] Em 29 de março,[41] Martinez recebeu ligações de Saldívar, que estava chorando histericamente e dizendo que havia sido estuprada.[42] No dia seguinte, ela fez outra ligação ao médico, que disse que as chamadas pareciam ter sido feitas enquanto alguém estava pegando o telefone de Saldívar.[42] Ele enviou um funcionário ao quarto do hotel onde Saldívar estava hospedada e descobriu que ela havia deixado o hotel alguns minutos antes.[42]

Em 30 de março, Saldívar retornou de Monterrei e registrou-se no hotel Days Inn.[42] Ela contatou Selena e lhe disse que havia sido estuprada.[42] De acordo com Quintanilla, Jr., esta foi a última mensagem que eles receberam de Saldívar, a qual ele acreditou ser uma nova forma de desculpa.[42] Saldívar pediu para Selena visitá-la no seu quarto do hotel sozinha, porém Pérez acompanhou-a.[43] De acordo com Pérez, ele esperou pela cantora em seu caminhão, ao passo em que ela entrou no quarto onde Saldívar estava hospedada.[43] Ao passo em que Pérez estava dirigindo de volta para sua casa, Selena notou que Saldívar não lhe entregou os extratos bancários exatos de que precisava. Saldívar tentou falar com Selena através de seu bipe; ela queria desesperadamente que a cantora a levasse ao hospital naquela noite.[43] Saldívar disse à Selena que estava sangrando devido ao estupro, e Quintanilla. Jr. acreditou que ela estava tentando fazer com que a intérprete retornasse ao hotel sozinha.[43] Pérez disse à Selena que era "tarde demais" e não queria que ela fosse ao local sozinha. Selena concordou em encontrar-se com Saldívar na manhã seguinte, o que Pérez não sabia.[43] [44]

Assassinato[editar | editar código-fonte]

Exemplo de um hotel Days Inn, semelhante ao situado em Corpus Christi, onde Selena foi assassinada e chegou a correr depois de ser baleada.

Em 30 de março de 1995, Selena contatou Leonard Wong para falar sobre os projetos de um perfume que ele havia feito para ela.[45] De acordo com Wong, a cantora lhe disse que iria se encontrar com Saldívar na manhã seguinte para pegar as amostras de perfume que ela havia roubado.[45] Ela disse à um funcionário das butiques no mesmo dia que iria demitir Saldívar.[46] Às 7:30 da manhã (CST) de 31 de março, Selena saiu da cama e vestiu uma roupa esportiva verde e saiu de sua casa para ir ao quarto do hotel onde Saldívar estava hospedada.[46] Lá, Saldívar disse à artista que havia sido estuprada no México.[47] [48] Selena levou-a para o Doctors Regional Hospital, onde a equipe médica percebeu que Saldívar apresentava sintomas de depressão.[49] Saldívar disse ao médico que havia sangrado "um pouco".[49] O médico notou que Selena estava zangada com Saldívar e lhe disse que esta última estava sangrando abundantemente no dia anterior.[49] Ainda no hospital, o profissional não encontrou nenhum sinal de estupro e disse à Saldívar que ela teria que ir até San Antonio para fazer um exame ginecológico. De acordo com a lei do Texas em casos de estupros, Saldívar não poderia fazer o exame porque, embora ela fosse uma residente de San Antonio, o estupro ocorreu fora do país.[49] [47] Enquanto dirigia para voltar ao hotel Days Inn, Selena disse à Saldívar que seria melhor se elas se afastassem uma da outra por um tempo, pois assim seu pai não se preocuparia.[47] Segundo Martinez, a cantora tentou falar com ele naquela manhã, mas não pôde pegar o celular porque estava fazendo uma cirurgia.[50] Às 10:00 da manhã (CST), Quintanilla, Jr. contatou Pérez para discutir o paradeiro de Selena; ela deveria estar gravando uma canção na Q-Productions naquela manhã, mas não apareceu.[47] Pérez chamou a intérprete em seu celular e falou sobre a gravação agendada; Selena lhe disse que esqueceu, pois estava "cuidando de um último negócio", e que apareceria no local mais tarde. Esta foi a última ligação respondida pela intérprete, e foi a última vez que Pérez ouviu sua voz.[47]

Ao retornarem ao quarto do hotel, Selena e Saldívar começaram a discutir.[47] Hóspedes do hotel reclamaram sobre barulhos vindos do quarto de Saldívar. Eles disseram que ouviram duas mulheres discutindo sobre material relacionado com negócios. A cantora disse à Saldívar que ela não era mais confiável,[51] e exigiu que lhe devolvesse seus papéis financeiros.[4] A artista então colocou a bolsa de Saldívar que continha os extratos bancários na cama e viu a arma. Às 11:48 (CST), Saldívar apontou a arma para Selena.[47] [4] Enquanto tentava fugir, Selena foi baleada no canto inferior de seu obro esquerdo;[47] [52] a bala atingiu uma artéria e resultou em uma grande perda de sangue.[51] Trinidad Espinoza, zeladora do hotel, ouviu um "estrondo", acreditando que poderia ser uma explosão de luz.[53] Gravemente ferida, Selena correu até a porta de entrada do hotel, deixando um rastro de sangue de 119 metros.[51] Ela foi vista apertando o peito e gritando "Me ajude! Me ajude! Eu fui baleada!", enquanto Saldívar ainda estava correndo atrás dela com o revólver, apontando-o para ela e chamando-a de "vadia".[54] [55] [56] A cantora caiu no chão, e a funcionária do hotel fez uma ligação ao número de emergência 911. Selena identificou Saldívar como a responsável pelo tiro e deu o número do quarto onde foi baleada.[54] [57] Ela chegou na entrada do hotel às 11:49 (CST), ao passo em que Shawna Vela e o gerente do hotel Ruben DeLeon tentaram controlar o derramamento de sangue.[54] A condição de Selena começou a deteriorar rapidamente, enquanto os funcionários do hotel a ajudavam.[51] Ela gritou aos funcionários do hotel, dizendo-os: "Tranquem a porta, ela irá atirar em mim novamente".[58] DeLeon tentou falar com ela, mas notou que estava desfalecendo; ele declarou que estava gemendo e se movendo menos. Ele notou que os olhos da artista se reverteram e que ela estava mole.[53]

Cena computadoriza do programa Famous Crime Scene, mostrando como a bala entrou e saiu da cavidade torácica de Selena conforme ela tentava correr de Saldívar.

Uma ambulância chegou no local em um minuto e 55 segundos.[51] Os paramédicos rasgaram a roupa verde, onde o sangramento estava ocorrendo, e aplicaram uma gaze com vaselina no ferimento de Selena, que parou o sangramento na superfície.[51] Os batimentos cardíacos da cantora diminuíram, e um paramédico fez ressuscitação cardiopulmonar para manter a circulação sanguínea.[51] Segundo o paramédico Richard Frederickson, "era tarde demais" quando ele chegou na entrada do hotel, encontrando sangue "espesso do pescoço até os joelhos dela, ao redor de todo o caminho em ambos os lados". Fredrickson não conseguiu localizar um pulso; ao colocar os dedos em seu pescoço, ele sentiu apenas contrações musculares.[59]

Durante esse tempo, um paramédico tentou inserir uma agulha intravenosa em Selena, mas devido à grande perda de segue e a baixa pressão sanguínea, as veias da cantora deterioraram, fazendo com que a inserção fosse extremamente difícil.[51] A Navigation Boulevard foi fechada pela polícia local.[51] Quando paramédicos chegaram com Selena no Corpus Christi Memoriam Hospital ao meio-dia (CST), suas pupilas estavam fixas e desatadas, não havia nenhuma evidência de função neurológica, e ela já não tinha mais sinais vitais.[60] Médicos conseguiram estabilizar um "batimento cardíaco errático" por tempo suficiente para transferir Selena para a sala de ferimentos.[61] Cirurgiões e médicos começaram transfusões de sangue, na tentativa de reestabilizar a circulação sanguínea depois de abrir o peito de Selena e encontrar grande sangramento interno.[51] O pulmão direito da artista foi danificado, sua clavícula quebrou e suas veias não tinham mais sangue.[60] Médicos ampliaram seu peito, colocaram medicamentos em seu coração e fizeram pressão em suas feridas. O médico Louis Ekins disse que uma "artéria do tamanho de um lápis que conduz [sangue] do coração foi atingida pela balada de ponta oca" e que as seis unidades de sangue da transfusão não entraram no sistema sanguíneo da intérprete e derramaram.[62] Depois de 50 minutos, os médicos perceberam que o dano era irreparável.[51] Selena foi declarada morta às 13:05 por perda de sangue e parada cardiorrespiratória.[51] [63] [64] [65]

Impasse de Saldívar e autópsia[editar | editar código-fonte]

Após o evento, Saldívar entrou em sua caminhonete e tentou fugir do hotel.[51] Rosario Garza, empresário do local, disse que viu-a sair de seu quarto com uma toalha enrolada.[55] [66] Posteriormente, foi pensado que ela estava prestes a ir para a Q-Productions para assassinar Quintanilla, Jr. e outros que estavam esperando por Selena.[67] Entretanto, Saldívar foi flagrada por um carro da polícia. Um policial saiu do local, sacou a arma e mandou Saldívar sair do veículo, o que não foi cumprido. Em vez disso, ela recuou e estacionou ao lado de dois carros; sua caminhonete foi então bloqueada pelo carro da polícia.[51] Saldívar pegou a arma, apontou-a para sua têmpora direita, e ameaçou suicidar-se.[64] Uma equipe da SWAT e o FBI Crisis Negotiation Unit foram chamados.[64] O musicólogo Himilce Novas comentou que o evento era reminiscente ao planejado suicídio de O.J. Simpson dez meses antes.[68]

Larry Young e Isaac Valencia começaram a negociar com Saldívar. Eles fizeram uma chamada para sua base de operações ao lado da caminhonete de Saldívar, conforme o impasse continuava.[51] Young, negociador principal, tentou estabilizar uma harmonia com Saldívar e convencê-la a se entregar.[51] Valencia sugeriu que o assassinato foi acidental; Saldívar mais tarde mudou sua história, declarando que "a arma disparou" por si só.[51] Os hóspedes do hotel foram obrigados a permanecer em seus quartos até que a polícia os escoltassem.[69] Durante a terceira hora de negociações, uma autópsia foi feita devido ao grande interesse da mídia.[51] Foi revelado que a bala havia entrado na parte inferior das costas de Selena, passou por sua cavidade torácica, cortando a artéria subclávia direita, e saiu da parte inferior de seu seio direitos.[51] Os médicos descobriram que se a bala tivesse sido atirada um milímetro a menos ou a mais, a ferida não teria sido tão grave.[51]

Após o impasse completar quatro horas, Valencia conseguiu fazer Saldívar confessar que ela queria matar a si mesma.[51] Saldívar declarou que Selena tentou lhe dizer a não se matar quando colocou a arma em sua cabeça. Quando a cantora abriu a porta para sair, Saldívar afirmou que tinha dito para a artista fechá-la.[51] Ela também disse que a arma disparou quando Selena abriu a porta. Durante a sexta hora de negociações, Saldívar concordou em entregar-se; contudo, quando viu um policial apontando um rifle para ela, entrou em pânico e correu de volta para a caminhonete, pegou o revólver e apontou-o novamente para sua cabeça.[51] Saldívar finalmente se rendeu após mais de nove horas.[4] Até então, centenas de fãs se reuniram no local; muitos choravam enquanto a polícia prendia Saldívar.[4] [51] Horas após o assassinato de Selena, foi feita uma coletiva de imprensa. Ken Bung, assistente do chefe de polícia, e Quintanilla, Jr. informaram que o possível motivo foi que a intérprete havia ido ao hotel Days Inn para terminar "seu" emprego; Saldívar ainda estava sem identificação em reportagens da mídia. Rudy Treviño, diretor da Texas Talent Music Association e patrocinador do Tejano Music Awards, declarou que 31 de março de 1995 passaria a ser conhecido como "Black Friday" ("Sexta-feira negra").[70] [71] [72]

Impacto[editar | editar código-fonte]

Recepção da mídia[editar | editar código-fonte]

Quanto a estação de rádio KEDA-AM informou a morte de Selena, muitas pessoas acusaram a equipe de mentir, pois o dia seguinte era o Dia da Mentira.[73] Em San Antonio, grandes rádios de língua castelhana incluindo Tejano 107, KXTN-FM, KRIO-FM e a supracitada KEDA-AM, começaram a monitoram os desenvolvimentos posteriores à notícia do assassinato da artista.[73] Todas as grandes redes de televisão dos Estados Unidos interromperam sua programação normal para informar a morte da cantora.[74] O item principal dos noticiários noturnos estadunidenses era o fim da greve de 1994-95 da Major League Baseball; dentro de 30 minutos, o assassinato de Selena passou a ser a principal notícia em todas as redes de televisão no sul do Texas.[70] Sua morte foi notícia de primeira página do The New York Times por dois dias,[75] e foi apresentada predominantemente na BBC World News.[76] As notícias da morte da intérprete chegaram até o Japão, onde o músico David Byrne ouviu falar do assassinato pela primeira vez.[77] Juntamente com repórteres locais, a Univision e a Telemundo estiveram entre as primeiras grandes redes de notícia a chegarem na cena do crime.[78] Bancas foram cercadas por pessoas procurando sobre qualquer coisa relacionada a Selena.[79] Uma edição da revista People foi lançada dias após o assassinato. Seus editores acreditavam que o interesse diminuiria em breve; no entanto, foi lançada uma edição comemorativa uma semana depois, quanto tornou-se evidente que a procura estava aumentando. O número vendeu cerca de um milhão de cópias,[80] com suas primeira e segunda edições vendendo por completo em duas semanas. Esta revista tornou-se um item de colecionador, até então inédito na história da publicação.[79] Betty Cortina, editora da People, disse para o Biography que era "inédito" ter uma edição completamente esgotada.[79] Nos meses seguintes, devido ao sucesso da edição de Selena, a empresa lançou a People en Español, voltada para o mercado hispânico,[79] seguida das revistas Newsweek en Español e Latina.[81] A atriz estadunidense Jennifer Lopez foi selecionada para interpretar Selena no filme biográfico sobre sua vida, lançado em 1997; a escolha foi criticada devido à ascendência da atriz.[82] Após o lançamento do trabalho, fãs mudaram suas opiniões em relação à Lopez após verem sua performance no filme.[83] [84] Lopez conquistou grande fama depois que o filme foi lançado.[85] [86] [87] [88] [89]

A vida e a carreira de Selena foram cobertas por uma série de programas, incluindo The Oprah Winfrey Show,[90] E! True Hollywood Story, Behind the Music, American Justice, Snapped e Famous Crime Scene.[91] [92] [93] Outros canais de TV que transmitiram especiais sobre a artista incluem MTV,[91] Investigation Discovery, The Biography Channel e A&E Network,[92] [94] enquanto redes em língua espanhola exibem especiais da cantora anualmente, marcando o aniversário de sua morte.[95] Alguns documentários em espanhol transmitidos em 31 de março de vários anos entraram para a lista dos mais assistidos da história da televisão dos Estados Unidos, e frequentemente batem recordes de audiência para alguns canais.[96] [97] [98] Um dos primeiros documentários, intitulado Selena, A Star is Dimmed, foi exibido em 4 de abril de 1995 pela Univision, através do programa Primer Impacto; acompanhado por 2.09 milhões de espectadores, tornou-se a segunda transmissão em língua espanhola mais assistida da TV estadunidense na época.[99] Diversas empresas televisivas chegaram a competir para entrevistar Saldívar.[100] Quando foi revelado que Arrarás a entrevistaria, a Univision recebeu pedidos de emissoras de todo o globo, que requisitavam o uso das imagens.[100] A entrevista, também exibida no Primer Impacto, teve uma audiência de 4.5 milhões de pessoas, tornando-se o programa o mais assistido da noite, segundo o Nielsen Ratings, e entrando para a lista de mais vistos em espanhol dos Estados Unidos.[97]

Comunidade hispânica[editar | editar código-fonte]

As notícias afetaram muito a comunidade hispânica; muitos fãs viajaram milhares de quilômetros até a casa de Selena e suas butiques, bem como a cena do crime.[73] [101] No meio da tarde, a polícia teve que fazer um desvio, já que uma linha de carros começou a congestionar o tráfego a partir da casa dos Quintanilla.[70] Na rua onde a cantora morava, grupos de grafiteiros e cactos distinguiram os trabalhadores de colarinho azul de outras subdivisões ao longo dos Estados Unidos.[70] A cerca de arame na frente de sua casa tornou-se um santuário e foi enfeitada com lembranças[102] feitas por fãs desde Porto Rico até Wisconsin, que deixaram mensagens e bilhetes para Selena e a família Quintanilla.[103] Grande parte dos carros de Corpus Christi, além de veículos que estavam viajando na Insterstate 37 do México, desligaram seus faróis na memória da cantora.[104] Fãs deixaram bilhetes e mensagens na porta do quarto onde Selena foi baleada, e deixaram mensagens escritas a mão no degrau da porta.[105] Pouco após saberem da morte de Selena, pessoas começaram a teorizar sobre quem havia a assassinado. A esposa de Emilio Navaira foi considerada por alguns fãs como a responsável pelo assassinato; eles acreditaram que ela tinha ciúmes da relação dos cantores.[73] Johnny Pasillas, cunhado e empresário de Emilio, contatou estações de rádio freneticamente na tentativa de descartar o rumor de ciúmes.[73] Celebridades que acreditaram no boato incluem o produtor Manny Guerra, Pete Rodriguez e o cantor estadunidense Ramon Hernandez.[106] De acordo com Arrarás, a morte de Selena tornou-se "a notícia mais importante do ano para os hispânicos".[107] Pamela Colloff, editora da Texas Monthly, escreveu que "as reações da morte da intérprete eram equivalentes às aquelas após um assassinato de um político".[108] As reações foram comparadas com as mortes dos músicos John Lennon e Elvis Presley, bem como com a do presidente dos Estados Unidos John F. Kennedy.[109] [110]

Selena tornou-se uma pessoa "culta" entre os hispânicos[111] [112] e um nome familiar nos Estados Unidos após sua morte, bem como parte da cultura popular americana.[113] Ela tornou-se mais popular no país depois de sua morte.[114] [108] A cantora também veio a se tornar um ícone cultural para os latinos e foi vista como "uma mulher que tinha orgulho de suas raízes [e que] alcançou seus sonhos".[115] Para o periodista do Santa Fe New Mexican Antonio Lopez, o dia em que Selena foi assassinada "é um marcador do tempo nas memórias de muitos latinos".[116] De acordo com Arrarás, "mulheres a imitavam e homens a adoravam".[117] Duas mortes na Califórnia foram noticiadas, na sequência da morte da cantora.[118] Uma drag queen que planejou se vestir como Selena em uma de suas futuras performances foi atropelada e deixada para morrer.[118] Gloria de la Cruz fez um teste para interpretar a artista em seu filme autobiográfico; no entanto, ela foi encontrada jogada em uma lixeira de Los Angeles. Seu assassinado a estrangulou e queimou seu corpo.[118]

Reações de celebridades e políticos[editar | editar código-fonte]

O cantor espanhol Julio Iglesias interrompeu uma sessão de gravação em Miami para prestar um minuto de silêncio à Selena. Além dele, outras celebridades que contataram a família Quintanilla após as notícias foram Gloria Estefan, Celia Cruz e Madonna.[78] Concertos agendados no Texas foram cancelados.[102] O grupo La Mafia cancelou seu show na Guatemala e voou de volta para o Texas.[102] O cantor de música texana Ramiro Herrera e dezenas de outros artistas desse gênero cancelaram suas apresentações.[119] O compositor e produtor Rhett Lawrence publicou o seguinte anúncio relacionado à Selena na edição de 22 de abril de 1995 da revista Billboard: "A música que eu ouvi com você era mais do que música. Você fará muita falta".[120] Outras celebridades entrevistadas em rádios expressaram seus sentimentos sobre a morte da cantora, incluindo Stefanie Ridel, Jaime DeAnda (da banda Los Chamacos) e Shelly Lares.[102] A apresentadora Oprah Winfrey citou a vida "curta mas significante" de Selena em um episódio de seu programa de entrevistas transmitido em março de 1997.[90] A intérprete estadunidense Mariah Carey disse para a MTV que a morte da musicista foi chocante para ela, devido à "maneira que aconteceu tão abruptamente em uma vida jovem".[121] O senador estadual Carlos Truan e o representante estadual Solomon P. Ortiz teriam lamentado a morte da artista.[122] Daniel Glass, executivo da indústria musical, afirmou para a Texas Monthly que acreditou que Selena teria conquistado maior sucesso em sua carreira se não fosse por sua morte.[108]

Poucos dias depois, o radialista Howard Stern zombou do assassinato de Selena, bem como da tristeza de seus fãs, e criticou sua música. Ele disse: "Essa música não faz absolutamente nada para mim. Alvin e os Esquilos têm mais alma. (...) O povo espanhol têm o pior gosto musical. Eles não têm profundidade". Os comentários de Stern indignou e enfureceu a comunidade hispânica do Texas.[123] Além disso, o radialista tocou as músicas da cantora com ruídos de tiros no fundo.[124] [125] Depois de receber um mandado de prisão por conduta desordenada, Stern fez uma declaração em espanhol durante seu programa de rádio, dizendo que seus comentários não foram feitos para causar "mais angústia para sua família, amigos e aqueles que a amavam".[126] [127] A League of United Latin American Citizens pediu um boicote ao programa de Stern, descrevendo suas desculpas como "inaceitáveis".[128] Lojistas do Texas removeram todos os produtos relacionados ao radialista. As empresas Sears e McDonalds enviaram uma nota para a imprensa expressando suas desaprovações aos comentários de Stern, pois fãs acreditaram que elas patrocinavam seu programa.[129] Dentro de uma semana, Stern e Robin Quivers, seu co-apresentador afro-americano, foram questionados no programa The Tonight Show with Jay Leno se as declarações do radialista em relação à Selena eram aceitáveis. Quivers decidiu não falar sobre a situação, a fim de evitar discussão com Stern. Quando a cantora pop de ascendência mexicana Linda Ronstadt apareceu na atração, Ronstadt e Quivers rapidamente iniciaram uma discussão quando ela defendeu Selena.[130]

Outras reações[editar | editar código-fonte]

Eu cresci em torno dessas pessoas. A reação foi típica da maioria dos texanos, aos quais o assassinato de Selena foi apenas mais um assassinato sem sentido. Porém, para essas pessoas, os cinco milhões de texanos de ascendência mexicana, a morte de Selena era a Black Friday (Sexta-feira negra), um dia de infâmia ainda mais obscuro e malvado do que o assassinato de John F. Kennedy.

—Fã europeu-americano de Selena explicando as diferenças nas reações à morte da artista entre europeus-americanos e mexicanos-americanos no Texas.[131]

Em 12 de abril de 1995, duas semanas após a morte da cantora, o então governador do Texas George W. Bush declarou que o aniversário da artista seria comemorado como o Dia de Selena no estado supracitado,[132] [133] [134] dizendo que ela representava "a essência da cultura do sul do Texas". No Dia de Selena, mil fãs foram até seu túmulo e começaram a cantar canções folk mexicanas tradicionais; a polícia foi chamada até o local para controlar a multidão.[135] No mesmo dia, três mil pessoas foram à uma missa organizada da ressureição da artista no Johnnyland Concert Park.[135]

Alguns europeus-americanos do Texas escreveram cartas ao jornal Brazosport Facts durante abril e maio de 1995, questionando o alarde em relação à morte da intérprete; alguns deles também ficaram ofendidos com o fato de que o Dia de Selena ocorreria no Domingo de Páscoa. Outro sentiram que a "Páscoa é mais importante do que o Dia de Selena", e acreditaram que todos deveriam deixar a cantora descansar em paz e continuar com suas vidas.[136] Mexicanos-americanos que viviam no Texas também enviaram cartas ao periódico; alguns concordaram que as pessoas estavam muito críticas em relação ao Dia de Selena, afirmando que não era necessário celebrar a data, e que não deveriam responder ao anúncio de Bush tão rudemente.[137] A cineasta hispânica Lourdes Portillo declarou que ela não sabia quem era a artista até descobrir que ela havia sido baleada.[138]

Quando a morte de Selena foi noticiada, muitos americanos brancos se perguntaram quem era ela e a descreveram como "sem importância", dizendo aos hispânicos para "esquecê-la".[139] [140] Joe Nick Patoski, escritor e colaborador da revista Texas Monthly, declarou que os anglos-americanos e os mexicanos-americanos dividiram-se em suas reações à morte de Selena, acrescentando que a primeira população "não entendia sobre o que era todo aquele alarde".[108] No filme biográfico sobre a cantora lançado em 1997, um gerente de loja — de ascendência americana branca — pergunta a um hispânico que corre até a artista para lhe pedir um autógrafo: "Quem é Selena?".[141] Em outra cena, uma empregada de ascendência anglo-americana diz à personagem de Selena que não acreditava que ela estaria interessada em um vestido particular porque custava mais de US$ 800.[142] Um espectador disse que esse tipo de atitude "acontece o tempo todo" com os hispânicos, e que sua comunidade havia sido "ignorada".[142] Lauraine Miller, fã da cantora, afirmou que "Selena abriu meus olhos" e que ela havia se tornado "mais americana". De acordo com outro fã, "ninguém lhe esquece que vocês são mexicanos-americanos" nos Estados Unidos.[142]

Indústria musical[editar | editar código-fonte]

Na época da morte de Selena, 52% de todas as vendas de música latina foram geradas pela música regional mexicana, principalmente a música texana, que tornou-se um dos gêneros latinos mais populares.[143] [144] A música de Selena liderou o renascimento do gênero na década de 1990 e tornou a música texana comercializável pela primeira vez.[119] [145] [146] [147] [148] A cantora foi descrita como a "rainha da música texana" por diversas publicações.[nota 1] Grandes gravadoras como EMI Records, SBK Records, Warner Music Group, CBS Records e Sony Music Entertainment começaram a contratar artistas de música texana para competirem no mercado musical latino.[154] [155] [156] Após a morte de Selena, o mercado da música texana sofreu e sua popularidade caiu. Estações de rádio nos Estados Unidos que tocavam música texana começaram a tocar música regional mexicana e, em 1997, a KQQK tornou-se a única rádio a tocar música texana sem parar.[143] Em meados da década de 2000, rádios estadunidenses já não tocavam mais a música texana, grandes estádios pararam de receber artistas desse gêneros em 2007,[157] e grandes gravadoras abandonaram seus artistas de música texana após 1995.[158] Selena continua sendo a artista de música texana com maior número de vendas de todos os tempos[145] [159] [160] e vende mais do que artistas desse gênero vivos,[155] sendo a última musicista desse estilo musical a aparecer na Billboard 200 desde 2000.[155] Após sua morte, a música texana foi substituída pelo pop latino como o gênero latino mais popular nos Estados Unidos.[155]

No dia da morte da cantora, os seus discos começaram a esgotar nas lojas; a EMI Latin começou a encomendar milhares de cópias em CD e cassete para cobrir a demanda.[119] [76] Gloria Ballesteros, uma representante da Southwestern Wholesalers em San Antonio, informou à Billboard que seu arsenal de cinco mil cópias de álbuns de Selena foi completamente vendido na tarde do dia 31. A EMI Latin informou às empresas que não seria capaz de estocar por alguns dias.[119] A EMI enviou 500 mil unidades dos trabalhos da artista para lojas duas semanas após sua morte.[120] Sua canção "Fotos y recuerdos" estava na quarta posição da Hot Latin Tracks, tabela compilada pela Billboard, e atingiu o topo do gráfico na semana de 15 de abril de 1995.[161] Quatro de seus singles, nomeadamente "No me queda mas", "Bidi bidi bom bom", "Como la flor" e "Amor prohibido", reentraram na Hot Latin Tracks e na Regional Mexican Airplay na edição de 15 de abril de 1995.[161] Amor prohibido, álbum lançado por Selena em 1994, reentrou na 92ª colocação da Billboard 200 com um aumento de 520% em vendas, comercializando 12.040 unidades na semana em que ela foi assassinada.[161] Na semana seguinte, o disco subiu para o 32º posto com 28 238 cópias vendidas, representando um ganho de 135%.[161] Além disso, o trabalho estava na quarta colocação da edição de 31 de março de 1995 da Top Latin Albums, e subiu para o cume da tabela em 15 de abril.[161] Outros três projetos da artista, Entre a mi mundo, Selena Live! e 12 Super Exitos (1994) reentraram no gráfico supracitado, enquanto os álbuns de Selena ocuparam as primeira, segunda, terceira e quarta posições na Regional Mexican Albums na mesma semana.[161] Seus discos provocaram uma febre de música latina na Alemanha, na China e no Japão.[162]

Dreaming of You, álbum crossover que Selena estava gravando na época de sua morte, foi postumamente lançado em julho de 1995. O disco vendeu 175 mil cópias em seu primeiro dia de distribuição nos Estados Unidos (um recorde para uma cantora na época), e comercializou 331 mil unidades em sua semana de lançamento.[163] [164] Selena tornou-se a segunda cantora a vender 300 mil exemplares em sete dias — depois de Janet Jackson com Janet (1993), que vendeu 350 mil cópias em sua semana de lançamento.[165] Como resultado, Dreaming of You debutou no topo da Billboard 200, convertendo-se no primeiro disco de uma artista hispânica a atingir tal feito,[166] [167] [168] bem como o primeiro álbum póstumo de um artista solo a estrear no topo do periódico.[169] O trabalho esteve entre as dez melhores estreias na tabela na época, sendo a melhor estreia de um álbum feminino em 1995.[170] Além disso, esteve com os outros quatro álbuns de estúdio de Selena na Billboard 200 simultaneamente, tornando-a a primeira cantora a ter cinco discos no gráfico ao mesmo tempo.[80] O material foi certificado com 35 discos de platina pela Recording Industry Association of America (RIAA) devido às vendas de 3.5 milhões de réplicas em território estadunidense e veio a se tornar o álbum latino mais vendido na nação; em 2015, suas vendas mundiais foram avaliadas em cinco milhões de unidades.[nota 2] [172] [173] [174] Cinco dos álbuns da cantora geraram US$ 4 milhões em vendas dentro de cinco anos.[175] Ela foi induzida nos corredores da fama Billboard Latin Music Hall of Fame e Hard Rock Cafe Hall of Fame em 1995,[176] [177] e nos South Texas Music Hall of Fame e Tejano Music Hall of Fame em 2001.[178] [179] Em dezembro de 1999, Selena foi nomeada pela Billboard "artista latina mais bem sucedida nos anos 1990" e "a artista latina com mais vendas na década", devido aos seus 14 singles que listaram-se nas dez primeiras posições da Hot Latin Tracks, com sete deles atingindo o ápice.[180]

Funeral e homenagens[editar | editar código-fonte]

Lápide de Selena no Seaside Memorial Cemetery, localizado em Corpus Christi, Texas.

No dia em que Selena foi assassinada, vigílias e memoriais em sua homenagem foram feitos nos estados do Texas e da Califórnia.[105] A Tejano 107 patrocinou uma vigília com velas no Sunken Gardens, enquanto a KRIO-FM fez sua própria vigília no South Park Mall, que contou com a participação de cinco mil pessoas.[102] Rádios do Texas tocaram suas canções sem parar.[48] Em 1º de abril de 1995, o hotel Bayfront Plaza, situado em Corpus Christi, fez uma vigília na qual três mil fãs participaram.[181] [182] Durante o evento, foi anunciado que a exibição pública do caixão seria feita no Bayfront Auditorium no dia seguinte. Fãs alinharam-se por quase uma milha.[181] Uma hora antes de as portas serem abertas, começaram a circular rumores de que o caixão estava vazio, fazendo com que a família Quintanilla fizesse uma visualização aberta do caixão.[76] [183] Entre 30 e 40 mil fãs passaram pelo caixão de Selena,[183] [184] [185] e mais de 78 assinaram um livro de condolência.[186] No mesmo dia, uma missa de sétimo dia bilíngue para a artista foi feita na San Fernando Cathedral, localizada no centro de San Antonio, apresentando um coral mariachi.[181] Igrejas dos Estados Unidos com uma grande população de hispânicos fizeram orações para a cantora.[187] Um repórter notou o excesso de "símbolos míticos" que foram "ligados a Selena" por fãs, como símbolos cristãos de anjos, santos, curandeiros e salvadores.[188] Uma homenagem para intérprete foi feita durante uma festa de Dia de São Patrício em uma igreja católica situada em Houston, Texas.[189] O Pai Sal DeGeorge decidiu fazer um tributo para Selena naquele dia depois que diversas pessoas, principalmente crianças, perguntaram-lhe o que seria planejado para ela.[189] No mesmo dia, um DJ tocou músicas da cantora em um pequeno parque perto da igreja.[189]

Em 3 de abril de 1995, 600 convidados, com a maioria deles sendo membros de família, foram ao funeral de Selena no Saside Memorial Park, que foi transmitido ao vivo por rádios de Corpus Christi e San Antonio sem o consentimento da família.[190] Um ministro das testemunhas de Jeová vindo de Lake Jackson rezou em inglês, citando as palavras do apóstolo Paulo no 15º capítulo da primeira epístola aos Coríntios.[190] Centenas de carros começaram a circular a área.[190] Uma missa especial foi feita nos Los Angeles Sports Arena e teve a participação de quatro mil pessoas.[191] A cantora havia se apresentado naquele local um ano antes como parte de sua turnê Amor Prohibido Tour.[76] O promotor do evento cobrou entradas, o que irritou Quintanilla, Jr..[76] Modesto Lopez Portillo viajou de El Salvador até Los Angeles para ser o sacerdote oficiante para a reunião; o cônsul geral de El Salvador também esteve no funeral.[191] Em Lake Jackson, milhares de fãs e amigos de Selena foram ao parque municipal na vizinhança Clute, onde ela havia cantado no Mosquito Festival que ocorreu em julho do ano anterior.[192] No dia seguinte, a igreja espanhola Nuestra Señora del Pillar fez uma missa para a intérprete que atraiu 450 pessoas — 125 a mais do número total de assentos do local.[187] Nas semanas seguintes, carros ao longo do Texas foram vistos com imagens de Selena neles.[189] Em 28 de abril, durante uma exibição de fogos de artifícios na Buccaneer Days em Corpus Christi, a música foi retrabalhada para incluir "Bidi bidi bom bom" na memória da artista.[193] As butiques Selena Etc. se toraram "santuários" da cantora, com fãs deixando balões, flores, fotos e poemas.[142] Murais de rua com ilustrações de Selena foram encontrados em diversos locais do Texas após sua morte.[142] Meses após a morte da musicista, cerca de 12 mil pessoas visitaram o hotel Days Inn, local no qual foi assassinada.[194] O gerente do hotel reordenou os números dos quartos, para que as pessoas não soubessem em qual quarto ocorreu o assassinato.[195] A intérprete tornou-se parte da celebração do Dia dos Mortos.[142] Em 1997, ela foi comemorada com um museu e uma estátua de bronze em tamanho natural chamada Mirador de la Flor; situados na baía de Corpus Christi, esses locais são visitados por centenas de fãs a cada semana.[196] Admiradores reuniram-se ao redor da estátua e murais, vendo-os como símbolos de auto-identidade, sindicalismo, expressão religiosa, resistência, auto-expressão, igualdade, liberdade, paixão, otimismo, possibilidade e "encorajamento e esperança aos pobres".[196]

A estátua Mirador de la Flor, situada na baía de Corpus Christi.

Músicos utilizaram suas canções para expressar seus pensamentos em relação à Selena ou gravaram composições como tributos para ela, como o artista country estadunidense Tony Joe White,[197] o cantor e compositor haitiano Wyclef Jean,[198] os artistas estadunidenses de música texana Pete Astudillo, Jennifer Peña, Emilio Navaria, Bobby Pulido, o grupo porto-riquenho americano e colombiano-americano Barrio Boyzz, a cantora mexicana-americana Graciela Beltrán, o cantor estadunidense de hip hop Lil Ray,[199] a cantora cubana de salsa Celia Cruz, o cantor dominicano de salsa José Alberto "El Canario", os cantores porto-riquenhos americanos Ray Sepúlveda, Michael Stuart, Manny Manuel, o cantor porto-riquenho americano de jazz Hilton Ruiz,[200] a cantora estadunidense Jenni Rivera,[201] o cantor mexicano Lupillo Rivera,[202] o cantor venezuelano de rock Mikel Erentxun,[203] o cantor porto-riquenho americano Tony Garcia[204] e o rapper estadunidense King L.[205]

A família de Selena e sua antiga banda fizeram um concerto em sua homenagem uma semana após seu assassinato completar 10 anos, em 7 de abril de 1995. A apresentação, intitulada Selena ¡VIVE!, foi transmitido ao vivo pela Univision e obteve uma audiência doméstica de 35.9 pontos.[96] [206] Esse foi o especial televisivo em espanhol mais visto na história da TV estadunidense.[174] O especial também foi o mais visto (independente de idioma) entre adultos de 18 a 34 anos em Los Angeles, Chicago e San Francisco; também foi o mais assistido em Nova Iorque, vencendo o episódio do reality show American Idol exibido naquela noite.[96] Entre os espectadores hispânicos, o show ultrapassou o Super Bowl XLV entre os Green Bay Packers e os Pittsburgh Steelers, e a telenovela Soy tu dueña durante "a temporada da NFL mais vista de todos os tempos entre hispânicos".[207] [208]

Em janeiro de 2015, foi anunciado que Selena seria comemorada com um evento de dois dias em Corpus Christi chamado Fiesta de la Flor, marcando 20 anos de sua morte. A Convenção de Corpus Christi e o Departamento de Visitantes acreditaram que o evento atrairia cerca de 50 mil visitantes e traria US$ 1 milhão para a economia local. Artistas musicais que participaram do evento incluem Kumbia All-Starz, Chris e Jay Perez, Los Lobos, Little Joe y la Familia, Los Palominos, Stefani Montiel do grupo Las 3 Divas, Nina Dias do Girl in a Coma, Las Fenix e a ex-competidora do The Voice Clarissa Serna.[209] [210] [174]

Julgamento de Saldívar[editar | editar código-fonte]

20 minutos após ser presa, Saldívar foi levada à delegacia e colocada em uma sala de interrogatório com Paul e Ray Rivera.[211] O primeiro, que investigou homicídios desde 1978, informou-a de seu direito de ter um advogado, o que ela revogou.[211] Quando investigadores da policia cercaram a caminhonete de Saldívar, ela chorou e disse: "Eu não acredito que matei minha melhor amiga".[212] Horas depois, Saldívar declarou que o tiro foi acidental.[213] Inicialmente, a fiança de Saldívar teria o valor de US$ 100 mil, mas o promotor Carlos Valdez convenceu o juiz a elevá-la para US$ 500 mil.[211] Quando a fiança foi anunciada, pessoas questionaram porque a penalidade de morte não havia sido cogitada.[214] A cadeia do Condado de Nueces recebeu diversas ameaças de morte, e houve chamadas públicas para justiça com as próprias mãos. Foi noticiado que alguns membros de gangues do Texas estavam recolhendo dinheiro para pagar a fiança de Saldívar, com o intuito de matá-la quando fosse solta.[211] Na prisão, Saldívar enfrentou ameaças de morte dos presos. A Máfia Mexicana, uma gangue dominante no sistema penal do Texas, teria oferecido uma recompensa para aqueles que matassem Saldívar e espalharam que quem cometesse o crime seria um herói.[211]

Mountain View Unit, onde Saldívar atualmente cumpre sua pena.

O crime de Saldívar era punível com 99 anos de prisão e uma multa de US$ 10 mil.[215] Ela foi mantida na cadeia do condado de Nueces County sob uma vigilância de suicídio antes de ser julgada.[183] O Estado teve dificuldade em arranjar um advogado de defesa para Saldívar;[216] um porta-voz comentou que qualquer advogado que a defendesse poderia receber ameaças de morte.[216] Saldívar foi defendida por Douglas Tinker, um advogado que havia trabalhado para pessoas do Texas. Sua esposa temeu que eles sofressem retribuição da comunidade e pediu-lhe para não defender Saldívar.[217] Arnold Garcia, um ex-promotor distrital, foi selecionado por Tinker como seu advogado.[218] Valdez, que vivia a alguns quarteirões de distância da família Quintanilla, escolheu Mark Skurka como seu advogado.[218] Mike Westergren presidiu o caso, que foi mudado para o Tribuna do Condado de Harris em Houston, Texas, com o intuito de não ter um júri imparcial.[218] De acordo com o Chicago Tribune, a publicidade do julgamento do assassinato de Selena "rivalizou com o processo [do assassinato] de O.J. Simpson".[219] Westergren pediu que o julgamento não fosse televisionado ou gravado, e limitou o número de repórteres no tribunal para evitar uma "repetição do circo de Simpson".[219] O jornal supracitado notou a divisão do interesse no julgamento do assassinato da cantora entre hispânicos e americanos brancos. Donna Dickerson, uma editora de revista americana branca, disse para o periódico que não tinha interesse no julgamento devido à "antecedência hispânica" de Selena e argumentou que os mexicanos-americanos não demonstraram o mesmo interesse quando Elvis Presley foi encontrado morto.[219] O julgamento foi descrito como o "julgamento do século" e o mais importante para a população hispânica.[142] [220] [221] [222] O julgamento gerou interesse na América do Sul, na Austrália, na Europa e no Japão.[108]

Saldívar se declarou inocente, explicando que o tiro foi acidental.[219] Em seu discurso de abertura, Valdez disse acreditar que Saldívar "matou Selena deliberadamente". Ele também descreveu o assassinato como um ato "covarde e sem sentido" porque Selena foi baleada nas costas.[219] Tinker afirmou que o tiro foi acidental e negou rumores de que Saldívar queria estar romanticamente envolvida com a artista.[219] Em 23 de outubro de 1995, o júri deliberou durante duas horas antes de declarar Saldívar como culpada por assassinato.[223] Ela recebeu a sentença máxima de prisão perpétua, com possibilidade de liberdade condicional 30 anos depois.[224] Em 22 de novembro seguinte, ela foi para a Gatesville Unit, situada em Gatesville, Texas, para processamento.[225] Atualmente, Saldívar está cumprindo sua pena na Mountain View Unit em Gatesville, operada pelo Texas Department of Criminal Justice.[226] Devido às múltiplas ameaças de morte dos fãs de Selena presos no local onde cumpre sua pena, Saldívar foi colocada em isolamento e passa 23 horas por dia sozinha em sua cela de 2,7 por 1,8 metros.[227]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Estas publicações incluem as revistas Entertainment Weekly,[149] Billboard,[150] Los Angeles[151] e Vibe,[152] e os jornais The Huffington Post[153] e The New York Times.[4]
  2. Até dezembro de 2008, a RIAA considerava 60 mil unidades de um disco de língua espanhola para certificá-lo com um disco de platina.[171]

Referências

  1. Angie Pérez Dávila (31 de março de 2005). A 10 años de la muerte de Selena [ligação inativa] (em espanhol) Noticieros Televisa Esmas.com. Televisa. Visitado em 15 de julho de 2015. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2005.
  2. Selena, the Queen of Tejano Music (em inglês) Legacy.com. Visitado em 15 de julho de 2015.
  3. a b c d Bill Hewitt (17 de abril de 1995). Before Her Time (em inglês) People Time Inc.. Visitado em 15 de julho de 2015.
  4. a b c d e f Sam Howe Verhovek (1º de abril de 1995). Grammy Winning Singer Selena Killed in Shooting at Texas Motel (em inglês) The New York Times The New York Times Company. Visitado em 15 de julho de 2015.
  5. Mark Schone (31 de outubro de 2004). Sweet Music (em inglês) Bloomberg Businessweek Bloomberg L.P.. Visitado em 15 de julho de 2015.
  6. Miguel 2002, p. 118
  7. "Latin Music USA". Latin Music USA. Public Broadcasting Service. 30 minutos.
  8. Tatiana Morales (16 de outubro de 2002). Fans, Family Remember Selena (em inglês) CBS News Columbia Broadcasting System. Visitado em 15 de julho de 2015.
  9. Enrique Lopetegui (8 de abril de 1995). A Crossover Dream Halted Prematurely, Tragically Some Ambitions Plans Were Under Way to Bring Selena to Mainstream U.S. Audience (em inglês) Los Angeles Times Tribune Company. Visitado em 15 de julho de 2015.
  10. a b c d e f g h i Arrarás 1997, p. 72
  11. Patoski 1996, p. 110
  12. a b c d Patoski 1996, p. 111
  13. a b c d Arrarás 1997, p. 73
  14. a b c Arrarás 1997, p. 77
  15. a b Arrarás 1997, p. 74
  16. Arrarás 1997, pp. 71, 75
  17. a b Arrarás 1997, p. 75
  18. a b c Patoski 1996, p. 146
  19. a b c d e Arrarás 1997, p. 79
  20. a b c Patoski 1996, p. 147
  21. Patoski 1996, p. 169
  22. a b c d e f Arrarás 1997, p. 78
  23. a b Arrarás 1997, p. 82
  24. a b c Patoski 1996, p. 182
  25. a b c Patoski 1996, p. 170
  26. Arrarás 1997, p. 83
  27. a b c d Arrarás 1997, p. 80
  28. a b c d Arrarás 1997, p. 81
  29. a b c d e Arrarás 1997, p. 84
  30. a b Arrarás 1997, pp. 228-229
  31. a b c d e f g h i j Patoski 1996, p. 183
  32. a b Arrarás 1997, p. 85
  33. a b c Arrarás 1997, p. 228
  34. a b c d e f g Arrarás 1997, p. 229
  35. Arrarás 1997, p. 230
  36. a b c Arrarás 1997, p. 231
  37. a b Patoski 1996, p. 184
  38. a b c d e f g h i j Arrarás 1997, p. 232
  39. Arrarás 1997, p. 86
  40. Chris Perez publishes Selena book (em inglês) San Antonio Current Michael Wagner (28 de fevereiro de 2012). Visitado em 15 de julho de 2015.
  41. a b Patoski 1996, p. 185
  42. a b c d e f g h i Arrarás 1997, p. 233
  43. a b c d e Arrarás 1997, p. 234
  44. Testimony of Richard Frederickson [ligação inativa] (em inglês) Houston Chronicle Hearst Corporation (13 de outubro de 1995). Visitado em 15 de julho de 2015. Cópia arquivada em 5 de abril de 2007.
  45. a b Patoski 1996, p. 157
  46. a b Patoski 1996, p. 158
  47. a b c d e f g h Patoski 1996, p. 160
  48. a b Rick Mitchell (21 de maio de 1995). Selena [ligação inativa] (em inglês) Houston Chronicle Hearst Corporation. Visitado em 18 de julho de 2015. Cópia arquivada em 9 de julho de 2007.
  49. a b c d Arrarás 1997, pp. 39-40
  50. Arrarás 1997, p. 181
  51. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x "Selena". Famous Crime Scene. VH1. 30 minutos.
  52. Doeden 2012, p. 39
  53. a b "Selena: Death of a Superstar". Erin Brockovich (produtor). Reel Crime Reel Story. Investigation Discovery. 60 minutos.
  54. a b c Patoski 1996, p. 161
  55. a b Arrarás 1997, p. 37
  56. Testimony of Norma Martinez [ligação inativa] (em inglês) Houston Chronicle Hearst Corporation. Visitado em 22 de julho de 2015. Cópia arquivada em 1º de dezembro de 2005.
  57. Arrarás 1997, p. 132
  58. Arrarás 1997, p. 133
  59. Mike Schwartz; Wendell Jaimeson (14 de outubro de 1995). Selena's Last Cries Shot Singer Begged Help, Named Suspect (em inglês) New York Daily News Mortimer Zuckermann. Visitado em 15 de julho de 2015.
  60. a b Arrarás 1997, p. 154
  61. Rick Mitchel (25 de março de 2005). In life, she was the queen of Tejano music. In death, the 23-year-old singer became a legend (em inglês) Houston Chronicle. Visitado em 15 de julho de 2015.
  62. Patty Reinert. (19 de outubro de 1995). "Selena was beyond aid, doctor says". Houston Chronicle.
  63. Arrarás 1997, p. 155
  64. a b c Patoski 1996, p. 162
  65. Armando Villafranca; Patty Reinert (1º de abril de 1995). Singer Selena shot to death [ligação inativa] (em inglês) Houston Chronicle Tribune Company. Visitado em 22 de julho de 2015.
  66. Novas 1995, p. 8
  67. Arrarás 1997, p. 235
  68. Novas 1995, p. 10
  69. Novas 1995, p. 12
  70. a b c d Patoski 1996, p. 200
  71. Sue Anne Pressley (1º de abril de 1995). Singer Selena Shot to Death in Texas (em inglês) The Washington Post The Washington Post Company. Visitado em 16 de julho de 2015.
  72. Michael Corcoran (3 de abril de 2005). Dreaming of Selena (em inglês) Austin American-Statesman. Visitado em 16 de julho de 2015.
  73. a b c d e Patoski 1996, p. 199
  74. Gregory Rodriguez (21 de março de 1997). Selena's Story — "Pochos" Have Come of Age [ligação inativa] (em inglês) Pacific News Pacific News Serrvice. Visitado em 16 de julho de 2015. Cópia arquivada em 13 de março de 2008.
  75. Patoski 1996, p. 174
  76. a b c d e Patoski 1996, p. 211
  77. Patoski 1996, p. 164
  78. a b Patoski 1996, p. 165
  79. a b c d "Selena: Biography". Biography. A&E. 60 minutos.
  80. a b John Lannert. (10 de junho de 1995). "Selena: A Heartfelt Appreciation - Retrospective". Billboard 107 (23) p. 112. ISSN 0006-2510. Visitado em 16 de julho de 2015.
  81. Janet Muniz. Bidi Bidi Bom Bom: The Audiotopias of Selena Across the Americas (em inglês) Claremont Graduate University. Visitado em 16 de julho de 2015.
  82. Tracy 2008, p. 53
  83. Mitchell & Reid-Valsh 2007, p. 387
  84. Miranda Noland (19 de dezembro de 2011). Breakout Roles: Jennifer Lopez (em inglês) Latina Latina Media Ventures, LLC. Visitado em 16 de julho de 2015.
  85. Nancy Jo Sales. Vida Lopez (em inglês) New York New York Media, LLC. Visitado em 16 de julho de 2015.
  86. 'The Box Next Door' Trailer Launched, Release Date Officially Set, And Updates: Ryan Guzman Talks About His Love Scene With Jennifer Lopez (em inglês) Franchise Herald (13 de setembro de 2014). Visitado em 16 de julho de 2015.
  87. Frederica Longo (4 de abril de 2013). Jenni Rivera Movie: Who Will Play The Leading Lady? (em inglês) The Huffington Post AOL. Visitado em 16 de julho de 2015.
  88. Jenni Rivera Movie: Jennifer Lopez Wants to Produce Biopic On Deceased Singer (em inglês) Latinos Post Latin Post Company, LLC (15 de fevereiro de 2013). Visitado em 16 de julho de 2015.
  89. Oscar Lopez (1º de maio de 2014). Edward James Olmos Vs. Jennifer Lopez: 'Not Latina Enough', Says Actor Who Played Her Dad In 'Selena' (em inglês) Latin Times IBT Media. Visitado em 16 de julho de 2015.
  90. a b "The Oprah Winfrey Show". The Oprah Winfrey Show. ABC. 60 minutos.
  91. a b Selena Murder Case (em inglês) TV Guide. Visitado em 16 de julho de 2015.
  92. a b Famous Crime Scene (em inglês) TV Guide. Visitado em 16 de julho de 2015.
  93. Reel Crime/Reel Story episode guide [ligação inativa] (em inglês) Investigation Discovery. Visitado em 16 de julho de 2015. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2015.
  94. Selena on TV Guide (em inglês) TV Guide. Visitado em 16 de julho de 2015.
  95. Soundtrack doesn't catch Selena's allure (em inglês) San Jose Mercury News (21 de março de 1997). Visitado em 16 de julho de 2015.
  96. a b c Leila Cobo. (23 de abril de 2005). "Selena's Appeal Still Strong". Billboard 117 (17) p. 21. ISSN 0006-2510. Visitado em 16 de julho de 2015.
  97. a b Arrarás 1997, pp. 218-219
  98. Robert Seidman (26 de fevereiro de 2010). Telefutura's "Buscando La Doble de Selena" Delivers Record Ratings (em inglês) TV by the Numbers Zap2it. Visitado em 16 de julho de 2015.
  99. Arrarás 1997, p. 41
  100. a b Arrarás 1997, p. 218
  101. Jesse Katz (2 de abril de 1995). For Barrio, Selena's Death Strikes a Poignant Chord Tragedy: Fans descend on superstar's home in Texas community. Idolized singer didn't forget her roots. (em inglês) Los Angeles Times Tribune Company. Visitado em 16 de julho de 2015.
  102. a b c d e Patoski 1996, p. 201
  103. Patoski 1996, p. 210
  104. Patoski 1996, p. 211
  105. a b Patoski 1996, p. 214
  106. Patoski 1996, p. 163
  107. Arrarás 1997, p. 14
  108. a b c d e Pamela Colloff (abril de 2010). Dreaming of Her (em inglês) Texas Monthly Emmis Communications. Visitado em 16 de julho de 2015.
  109. Jasinski 2012, p. 254
  110. Stacy 2002, p. 746
  111. Espinosa 2009, p. 377
  112. Clark 2013, p. 121
  113. Mitchell 2007, p. 387
  114. Espinosa 2009, p. 364
  115. Olga Rodriguez. Selena's legacy still growing 10 years after death (em inglês) Baylor University Southern Association of Colleges and Schools. Visitado em 16 de julho de 2015.
  116. Antonio Lopez (9 de julho de 1999). Exploring Selena in epic dimensions of myth (em inglês) Santa Fe New Mexican Ginny Sohn. Visitado em 16 de julho de 2015.
  117. Arrarás 1997, p. 31
  118. a b c Arrarás 1997, p. 32
  119. a b c d Ramiro Burr; John Lannert. (15 de abril de 1995). "EMI Sets Honors Selena's Memory". Billboard 107 (15) p. 29. ISSN 0006-2510. Visitado em 16 de julho de 2015.
  120. a b John Lannert. (22 de abril de 1995). "Selena Album's Soar; EMI Rushes Shipments". Billboard 107 (16) p. 8. ISSN 0006-2510. Visitado em 16 de julho de 2015.
  121. "No. 60 – 41". 101 Most Shocking Moments in Entertainment. MTV. Episódio número 3, 1ª temporada. 60 minutos.
  122. Associated Press (2 de abril de 1995). Thousands Mourn Slain Singer Selena (em inglês) The New York Times The New York Times Company. Visitado em 16 de julho de 2015.
  123. Stephanie Asin e R.A. Dyer (6 de abril de 1995). Selena's public outraged: Shock jock Howard Stern's comments hit rraw nerve [ligação inativa] (em inglês) Houston Chronicle Hearst Corporation. Visitado em 16 de julho de 2015. Cópia arquivada em 10 de julho de 2007.
  124. Arrarás 1997, p. 24
  125. Bill Keveney (26 de março de 1996). Howard Stern Returns, by Syndication to Hartford Station he left in 1980 (em inglês) Hartford Courant Tribune Company. Visitado em 16 de julho de 2015.
  126. Laura Williams (7 de abril de 1995). A real shocker from Stern: Apology for Selena comments (em inglês) New York Daily News Mortimer Zuckermann. Visitado em 16 de julho de 2015.
  127. Sheila Marikar (14 de maio de 2012). Howard Stern's Five Most Outrageous Offenses (em inglês) ABC News. American Broadcasting Company. Visitado em 16 de julho de 2015.
  128. Hispanics call Stern's apology for Selena remarks unacceptable (em inglês) Fort Worth Star-Telegram (7 de abril de 1995). Visitado em 16 de julho de 2015.
  129. Arrarás 1997, pp. 26-27
  130. Patoski 1996, p. 227
  131. Patoski 1996, p. 207
  132. Cynthia E. Orozco. Quintanilla Pérez, Selena [ligação inativa] (em inglês) The Handbook of Texas. Visitado em 17 de julho de 2015. Cópia arquivada em 25 de junho de 2015.
  133. Quintanilla Pérez, Selena (em inglês) Texas State Historical Association. Visitado em 17 de julho de 2015.
  134. Wire Reports (14 de abril de 1995). Sunday's Selena Day (em inglês) San Antonio Express-News. Visitado em 17 de julho de 2015.
  135. a b Patoski 1996, p. 222
  136. Patoski 1996, p. 225
  137. Patoski 1996, p. 226
  138. Corpus: A Home Movie For Selena (em inglês) Public Broadcasting Service. Visitado em 17 de julho de 2015.
  139. Misemer 2008, p. 145
  140. Julia Prodis (7 de abril de 1995). Many Americans Asking 'Who's Selena?' (em inglês) Park City Daily News. Visitado em 17 de julho de 2015.
  141. Jennifer Lopez (atriz), Edward James Olmos (ator), Abraham Quintanilla, Jr. (produtor executivo), Gregory Nava (diretor). (1997). Selena (DVD) [filme]. Corpus Christi, Texas, San Antonio, Texas e Los Angeles, Califórnia: Warner Bros..
  142. a b c d e f g Karen Anijar. Selena-Prophet, Profit, Princess (PDF) (em inglês) Virginia Wesleyan College. Visitado em 17 de julho de 2015.
  143. a b Guadalupe San Miguel Jr.. When Tejano Ruled The Airways: The Rise and Fall of KQQK in Houston, Texas (PDF) (em inglês) San Jose State University Western Association of Schools and Colleges. Visitado em 17 de julho de 2015.
  144. Hernandez 2010, p. 147
  145. a b Untiedt 2013, p. 127
  146. Mark Schone (20 de abril de 1995). A Post Mortem Star In death, Selena is a crossover success (em inglês) Newsday Cablevision. Visitado em 17 de julho de 2015.
  147. Shaw 2005, p. 50
  148. Miguel 2002, p. 110
  149. Betty Cortina (26 de março de 1999). Four years after Selena's death (em inglês) Entertainment Weekly Time Inc.. Visitado em 17 de julho de 2015.
  150. John Lannert. (6 de abril de 1998). "Tejano Music Awards: Bigger, But Not Necessarily Better". Billboard 108 (14) p. 37. ISSN 0006-2510. Visitado em 18 de julho de 2015.
  151. Jesse Katz. (dezembro de 2002). "The Curse of Zapata". Los Angeles 47 (12) p. 104. ISSN 1522-9149. Visitado em 18 de julho de 2015.
  152. (setembro de 1998) "This Year in Review" 6 (7) p. 167. ISSN 1070-4701.
  153. Lee Hernandez (15 de abril de 2012). Selena Quintanilla: Remembering The Queen Of Tejano Music On Her Birthday (em inglês) The Huffington Post AOL. Visitado em 18 de julho de 2015.
  154. Untiedt 2013, p. 126
  155. a b c d Joe Nick Patoski (maio de 2000). Tuned Out (em inglês) Texas Monthly Emmis Communications. Visitado em 17 de julho de 2015.
  156. Belinda Acosta (17 de fevereiro de 2006). Outlaw Onda: If you don't hear Tejano music on the radio, does it exist? (em inglês) The Austin Chronicle Austin Chronicle Corporation. Visitado em 17 de julho de 2015.
  157. Marco Torres (8 de outubro de 2012). Is Tejano Music Completely Dead? We Ask The Experts? (em inglês) Houston Press Stuart Folb. Visitado em 17 de julho de 2015.
  158. Candelaria 2004, p. 831
  159. Doeden 2012, p. 38
  160. Candelaria 2004, p. 755
  161. a b c d e f John Lannert. (15 de abril de 1995). "Latin Notas". Billboard 107 (15) p. 23. ISSN 006-2510. Visitado em 18 de julho de 2015.
  162. Untiedt 2013, p. 128
  163. Edna Gundersen (27 de julho de 1995). No. 1 start of Selena's 'Dreaming' (em inglês) USA Today Gannett Company. Visitado em 18 de julho de 2015.
  164. Selena's Popularity Grows (em inglês) The Hour Chet Valiante (24 de março de 2005). Visitado em 18 de julho de 2015.
  165. Ramiro Burr (25 de julho de 1995). Selling like a dream - Selena CD outpaces previous top sellers (em inglês) San Antonio Express-News. Visitado em 18 de julho de 2015.
  166. Anthony Bruno (28 de fevereiro de 2011). AllMusic.com Folding Into AllRovi.com for One-Stop Entertainment Shop (em inglês) Billboard Prometheus Global Media. Visitado em 18 de julho de 2015.
  167. Letisha Marrero. (novembro de 2003). "Ritmo Roundup". Vibe 13 (13) p. 172. ISSN 1070-4701. Visitado em 18 de julho de 2015.
  168. Ramiro Burr. (26 de março de 2005). "Still in Love with Selena". Billboard 117 (13) p. 56. ISSN 0006-2510. Visitado em 18 de julho de 2015.
  169. John Lannert. (5 de agosto de 1995). "Selena's 'Dreaming of You' Set Is Bittersweet Hit for Late EMI Star". Billboard 107 (31) p. 1. ISSN 0006-2510. Visitado em 18 de julho de 2015.
  170. John Lannert. (2 de setembro de 1995). "The Selena Phenomenon". Billboard 107 (35) p. 41. ISSN 0005-2510. Visitado em 18 de julho de 2015.
  171. Jonathan Lamy; Cara Duckworth; Liz Kennedy (14 de fevereiro de 2008). Country Takes The Top (em inglês) Recording Industry Association of America. Visitado em 21 de julho de 2015.
  172. RIAA – Gold & Platinum – Dreaming of You (em inglês) Recording Industry Association of America. Visitado em 18 de julho de 2015.
  173. (4 de maio de 1996) "Awards Show". Billboard 108 (18) p. 122. ISSN 0006-2510. Visitado em 18 de julho de 2015.
  174. a b c Joey Guerra (28 de janeiro de 2015). Selena to be honored at Fiesta de la Flor in Corpus Christi (em inglês) Houston Chronicle Hearst Corporation. Visitado em 20 de julho de 2015.
  175. Arrarás 1997, p. 61
  176. John Lannert. (10 de junho de 1995). "Beloved Selena Enters the Latin Music Hall of Fame". Billboard 108 (23) p. 58. ISSN 0006-2510. Visitado em 18 de julho de 2015.
  177. Arrarás 1997, p. 34
  178. Jasinski, Laurie E.. Handbook of Texas Music. [S.l.]: Texas A&M University Press, 2012. ISBN 0876112971
  179. Meier 2003, p. 372
  180. Geoff Mayfield. (25 de dezembro de 1999). "Totally '90s: Diary of a Decade". Billboard 111 (52) p. YE-16-18. ISSN 0006-2510. Visitado em 18 de julho de 2015.
  181. a b c Patoski 1996, p. 108
  182. Tejano fans mourning for Selena - Yolanda Saldívar, who held a Corpus Christi police SWAT team at bay for nearly 10 hours after the shooting, has been charged with murder (em inglês) Fort Worth Star-Telegram (2 de abril de 1995). Visitado em 18 de julho de 2015.
  183. a b c Ross E. Milloy (3 de abril de 1995). For Slain Singer's Father Memories, and Questions (em inglês) The New York Times The New York Times Company. Visitado em 19 de julho de 2015.
  184. Thousands Mourn Selena's Death (em inglês) Charlotte Observer (3 de abril de 1995). Visitado em 19 de julho de 2015.
  185. More than 30,000 view Selena's casket (em inglês) (3 de abril de 1995). Visitado em 19 de julho de 2015.
  186. Arrarás 1997, p. 28
  187. a b Patoski 1996, p. 218
  188. Mazur 2001, p. 85
  189. a b c d Armando Villafranca. (18 de março de 1996). "Young, old remember slain singer". Houston Chronicle.
  190. a b c Patoski 1996, p. 215
  191. a b Frank B. Williams; Enrique Lopetegui (3 de abril de 1995). Mouring Selena: Nearly 4,000 Gather at L.A. Sports Arena Memorial for Slain Singer (em inglês) Los Angeles Times Tribune Company. Visitado em 19 de julho de 2015.
  192. Tribune to Selena set (em inglês) San Antonio Express-News (7 de abril de 1995). Visitado em 19 de julho de 2015.
  193. Patoski 1996, p. 223
  194. Arrarás 1997, p. 28
  195. Arrarás 1997, p. 29
  196. a b Parédez 2009, p. 259
  197. (1999) Créditos do álbum One Hot July por Tony Joe White. Mercury Records (731455889420).
  198. (2007) Créditos do álbum Carnival Vol. II: Memoirs of an Imigrant por Wyclef Jean. Columbia Records (886971569629).
  199. (1997) Créditos do álbum Selena: The Original Motion Picture Soundtrack por Vários artistas. EMI Latin/Warner Bros. Records (724354097003).
  200. (1996) Créditos do álbum Recordando a Selena por Vários artistas. RMM Records (602828201326).
  201. (2011) Créditos do álbum El Columpio por Jenni Rivera. Cintas Acuario (B00EHF5YF0).
  202. (1995) Créditos do álbum Selena La Estrella: Lupillo Rivera Con La Rebelion Norteña por Lupillo Rivera. Conscious Dreams (B00PL24EVS).
  203. (1998) Créditos do álbum Acrobatas por Mikel Erentxun. Warner Music Spain (B0013JVDV2).
  204. (1996) Créditos do álbum Real Love por Tony Garcia. High Power Records.
  205. Drake pays tribute to Selena Quintanilla (em inglês) Hollywood.com. Visitado em 19 de julho de 2015.
  206. Univision's "Selena ¡Vive!" Breaks Audience Records (em inglês) Univision (abril de 2005). Visitado em 20 de julho de 2015.
  207. Robert Seidman (8 de fevereiro de 2011). Super Bowl XLV Most-Watched Show in U.S. TV History Among Hispanic Viewers; Tops World Cup Final (em inglês) TV by the Numbers Zap2it. Visitado em 20 de julho de 2015.
  208. Bill Gorman (16 de fevereiro de 2011). NFL 2010 Hispanic TV Recap, Most-Watched NFL Season Ever Among Hispanics (em inglês) TV by the Numbers Zap2it. Visitado em 20 de julho de 2015.
  209. Alana Nunez (28 de janeiro de 2015). Selena Is Getting Her Own Festival to Honor the 20th Anniversary of Her Death (em inglês) Cosmopolitan Hearst Corporation. Visitado em 20 de julho de 2015.
  210. Adolfo Flores (28 de janeiro de 2015). Mexican-American Icon Selena Will Be Honored In Texas Festival 20 Years After Her Deat (em inglês) BuzzFeed. Visitado em 20 de julho de 2015.
  211. a b c d e Patoski 1996, p. 203
  212. "20/20: Selena's Killer". Deborah Roberts (repórter). 20/20. CBS. 30 minutos.
  213. Star's Death: An Accident Or a Murder? (em inglês) The New York Times The New York Times Company (22 de outubro de 1995). Visitado em 20 de julho de 2015.
  214. Arrarás 1997, pp. 43-44
  215. Fan club presidente admits shooting of Tejano singer Selena, police say (em inglês) (4 de abril de 1995). Visitado em 20 de julho de 2015.
  216. a b Attorney sought for Selena slaying defendant death threats reported in case (em inglês) The Dallas Morning News A. H. Belo Corporation (5 de abril de 1995). Visitado em 20 de julho de 2015.
  217. Arrarás 1997, p. 42
  218. a b c Arrarás 1997, p. 43
  219. a b c d e f Paul de la Gaza (12 de outubro de 1995). Trail In Selena's Killing Exposes Cultural Divide (em inglês) Chicago Tribune Tribune Company. Visitado em 20 de julho de 2015.
  220. Mazur 2001, p. 83
  221. Jeordan Legon (16 de outubro de 1995). Selena trial becomes obsession to Latinos (em inglês) Sun Jornal Sun Media Group. Visitado em 20 de julho de 2015.
  222. Lationos Eagerly Await Trail Of Selena's Accused Killer (em inglês) Orlando Sentinel Tribune Publishing (16 de outubro de 1995). Visitado em 20 de julho de 2015.
  223. Yolanda Saldivar found guilty of Selena's murder (em inglês) CNN (23 de outubro de 1995). Visitado em 21 de julho de 2015.
  224. Yolanda Saldivar found guilty of Selena's murder (em inglês) CNN (23 de outubro de 1995). Visitado em 21 de julho de 2015.
  225. David Bennett (23 de novembro de 1995). Somber Saldívar delivered to prision - Convicted murderer of Tejano star Selena keeps head down during processing (em inglês) San Antonio Express-News. Visitado em 21 de julho de 2015.
  226. Offender Information Details (em inglês) Texas Department of Criminal Justice. Visitado em 21 de julho de 2015.
  227. Michael Gracyzk (28 de outubro de 1995). A grim, isolated life in prison seems likely for Selena's killer (em inglês) The Dallas Morning News A. H. Belo Corporation. Visitado em 21 de julho de 2015.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Arrarás, María Celeste. Selena's Secret: The Revealing Story Behind Her Tragic Death. [S.l.]: Simon and Schuster, 1997. ISBN 0684831937
  • Canderlaria, Cordelia. Encyclopedia of Latino Popular Culture, Volume 1. [S.l.]: Greenwood Publishing Group, 2004. ISBN 031333210X
  • Clark, Walter Aaron. From Tejano to Tango: Essays on Latin American Popular Music. [S.l.]: Routledge, 2013. ISBN 1136536876
  • Doeden, Matt. American Latin Music: Rumba Rhythms, Bossa Nova, and the Salsa Sound. [S.l.]: Twenty-First Century Books. ISBN 1467701475
  • Espinosa, Gastón. Mexican American Religions: Spirituality, Activism, and Culture. [S.l.]: Duke university Press, 2009. ISBN 0822388952
  • Hernandez, Deborah Pacini. Oye Como Va!: Hybridity and Identity in Latino Popular Music. [S.l.]: Temple University Press, 2010. ISBN 1439900914
  • Mazur, Eric Michael. God in the Details: American Religion in Popular Culture. [S.l.]: Psychology Press, 2001. ISBN 0415925649
  • Meier, Matt S.. The Mexican American Experience: An Encyclopedia. [S.l.]: Greenwood Publishing Group, 2005. ISBN 0313316430
  • Miguel, Guadalupe San. Tejano Proud: Tex-Mex Music in the Twentieth Century. [S.l.]: Texas A&M University Press, 2002. ISBN 1585441880
  • Misemer, Sarah M.. Secular Saints: Performing Frida Kahlo, Carlos Gardel, Eva Perón, and Selena. [S.l.]: Tamesis Books, 2008. ISBN 1855661616
  • Mitchell, Claudia. Girl Culture: An Encyclopedia. [S.l.]: Greenwood Publishing Group, 2007. ISBN 0313084440
  • Novas, Himilce. Remebering Selena. [S.l.]: Turtleback Books, 1995. ISBN 031355150
  • Parédez, Deborah. Selenidad: Selena, Latinos, and the Performance of Memory. [S.l.]: Duke University Press, 2009. ISBN 9780822345022
  • Patoski, Joe Nick. Selena: Como La Flor. [S.l.]: Little Brown and Company, 1996. ISBN 0316693782
  • Shaw, Lisa. Pop Culture Latin America!: Media, Arts, and Lifestyle. [S.l.]: ABC-CLIO, 2005. ISBN 1851095047
  • Stacy, Lee. Mexico and the United States. [S.l.]: Marshall Cavendish, 2002. ISBN 0761474021
  • Tracy, Kathleen. Jennifer Lopez: A Biography. [S.l.]: Greenwood Publishing Group, 2008. ISBN 0313355150
  • Untiedt, Kenneth L.. Cowboys, Cops, Killers, and Ghosts: Legends and Lore in Texas. [S.l.]: University of North Texas Press, 2013. ISBN 1574415328