Iúçufe ibne Taxufine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Yusuf ben Tasufin)
Ir para: navegação, pesquisa
Iúçufe ibne Taxufine
Emir almorávida do Magrebe e al-Andalus
Quirate emitido durante reinado de Iúçufe ibne Taxufine
1061-02 de setembro de 1106
Predecessor Abu Baquir ibne Omar
Sucessor Ali ibne Iúçufe
Nome completo
يوسف بن تاشفين ناصر الدين بن تالاكاكينن
Casa Almorávida
Pai Taxufine
Nascimento 1061
Morte 2 de setembro de 1106
Religião Islamismo

Iúçufe ibn(e) Taxufine[1] [2] [3] [4] (em árabe: يوسف بن تاشفين ناصر الدين بن تالاكاكينن; transl.: Yûsuf bnu Tâšfîn Nâçereddîn bnu Tâlâkâkîn as-Sanhâjî; 10612 de setembro de 1106), também conhecido como Iúçufe ibn(e) Texufine,[5] [6] [7] Iúçufe ibne Taxfine,[8] Iúçufe ibne Texefine,[9] Iúçufe ben Texufin[10] e Iúçufe ben Taxefine,[11] foi um emir almorávida, o primeiro da dinastia berbere dos almorávidas que reinou sobre parte do Magrebe (os atuais Marrocos, Mauritânia, Senegal e oeste da Argélia) e Al-Andalus até 1147. Este império recebia também o nome de Império ou Reino de Marraquexe.

Vida[editar | editar código-fonte]

Iúçufe foi chamado pelo rei al-Mu'tamid da Taifa de Sevilha e o rei da Taifa de Badajoz para os auxiliar frente ao monarca Afonso VI de Leão e Castela após a queda da taifa de Toledo, da qual ambos os soberanos eram tributários. Foi enviado pelo seu primo Abu Baquir ibne Omar (r. 1056–1087), chefe dos almorávidas, contra o qual posteriormente se insubordinou, tolerando o anterior a insubordinação para evitar assim a fragmentação do reino.

A Taifa de Sevilha vinha pagando párias desde a época de Fernando I, que transmitiu o direito de cobro ao seu filho Garcia da Galiza e que, finalmente, recaiu em Afonso VI. No princípio de 1086 Afonso enviou um grupo de comissionados, encabeçados pelo judeu ibne Salibe, para efetuarem o cobro anual. Este cobro não foi realizado devidamente, o qual provocou as iras do enviado real; al-Mu'tamid apresou os emissários e deu morte a ibne Salibe. A ameaça de retaliações por parte de Afonso VI fez com que o rei de Sevilha enviasse uma petição de ajuda a Iúçufe, que se encontrava sitiando Ceuta, no norte africano.

Este emir declarara a jiade ao norte da África, com tanto fervor que em poucos anos converteu ao Islão quase todo o Saara. A extensão dos seus domínios era de seis meses de caminho ao longo e quatro ao largo. Iúçufe venceu o rei Afonso VI na batalha de Zalaca, a 23 de outubro de 1086, embora a morte do seu filho o levasse a abandonar precipitadamente o al-Andalus, regressando para o Magrebe, pelo qual as consequências da derrota para o Reino de Leão não foram muito apreciáveis.

Quatro anos depois regressou e foi ocupando as diversas taifas do al-Andalus: Granada, Sevilha, Badajoz e Valência. Em 1062, mandou edificar a sua capital, Marraquexe (donde provém o nome de "Marrocos"). Será daí desde onde conduzirá as suas campanhas, sobretudo na península Ibérica. A sua tumba encontra-se em Marraquexe.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Abu Baquir ibne Omar
Emir almorávida
Sucedido por
Ali ibne Iúçufe

Referências

  1. Revista de Portugal. Ser.A. Lingua portuguesa, Edições 261-270. [S.l.: s.n.], 1968. p. 99.
  2. O Arquéologo portugués. [S.l.]: Museu Nacional de Arqueologia e Etnologia, 1967. p. 331.
  3. Revista. [S.l.]: Universidade de Lisboa. Faculdade de Letras, 1962. p. 311.
  4. Alves 2014, p. 571
  5. Lopes 1924, p. 7
  6. Soares 1989, p. 38
  7. Campos 1970, p. 389
  8. Santos 1944, p. 388; 392
  9. Coelho 1973, p. 101
  10. Portucale, Volume 4. [S.l.]: Emp. Indust. Gráfica, 1931. p. 237; 240.
  11. Grande enciclopédia portuguesa e brasileira. [S.l.]: Editorial Enciclopédia, 1931. p. 421; 424. vol. 16.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Alves, Adalberto. Dicionário de Arabismos da Língua Portuguesa. [S.l.]: Leya, 2014. ISBN 9722721798
  • Campos, José Augusto Correia de. Monumentos da antiguidade árabe em Portugal. [S.l.]: Autor, 1970.
  • Coelho, António Borges. Comunas ou concelhos. [S.l.]: Prelo, 1973.
  • Lopes, David. História de Arzila durante o domínio português: (1471-1550 e 1577-1589). [S.l.]: Imprensa da Universidade de Coimbra, 1924.
  • Reilly, Bernard F.. In: Lynch, John. Historia de España. Madri: El Pais, 2007. Capítulo: Reconquista y repoblación de la Península. , vol. 7. ISBN 978-84-9815-768-0
  • Reilly, Bernard F.. Cristianos y musulmanes 1031-1157. Barcelona: Crítica, 1992. 96–136 p. ISBN 978-84-7423-555-5
  • Santos, Domingos Maurício Gomes dos. (1944). "". Brotéria: cultura e informação 38.
  • Soares, Torquato de Sousa. Formaçaõ do estado português: (1096-1179). [S.l.]: Sòlivros de Portugal, 1989.
  • Viguera, María Jesús. Los reinos de taifas y las invasiones magrebíes : (Al-Andalus del XI al XIII). Madri: Mapfre, 1992. 167–178 p. ISBN 84-7100-431-3