Iúçufe ibne Taxufine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Yusuf ben Tasufin)
Ir para: navegação, pesquisa
Iúçufe ibne Taxufine
Emir almorávida do Magrebe e al-Andalus
Quirate emitido durante reinado de Iúçufe ibne Taxufine
1061-02 de setembro de 1106
Antecessor(a) Abu Baquir ibne Omar
Sucessor(a) Ali ibne Iúçufe
Casa Almorávida
Nome completo
يوسف بن تاشفين ناصر الدين بن تالاكاكينن
Nascimento 1061
Morte 2 de setembro de 1106
Pai Taxufine


Iúçufe ibn(e) Taxufine[1][2][3][4] (em árabe: يوسف بن تاشفين ناصر الدين بن تالاكاكينن; transl.: Yûsuf bnu Tâšfîn Nâçereddîn bnu Tâlâkâkîn as-Sanhâjî; 10612 de setembro de 1106), também conhecido como Iúçufe ibn(e) Texufine,[5][6][7] Iúçufe ibne Taxfine,[8] Iúçufe ibne Texefine,[9] Iúçufe ben Texufin[10] e Iúçufe ben Taxefine,[11] foi um emir almorávida, o primeiro da dinastia berbere dos almorávidas que reinou sobre parte do Magrebe (os atuais Marrocos, Mauritânia, Senegal e oeste da Argélia) e Al-Andalus até 1147. Este império recebia também o nome de Império ou Reino de Marraquexe.

Vida[editar | editar código-fonte]

Iúçufe foi chamado pelo rei al-Mu'tamid da Taifa de Sevilha e o rei da Taifa de Badajoz para os auxiliar frente ao monarca Afonso VI de Leão e Castela após a queda da taifa de Toledo, da qual ambos os soberanos eram tributários. Foi enviado pelo seu primo Abu Baquir ibne Omar (r. 1056–1087), chefe dos almorávidas, contra o qual posteriormente se insubordinou, tolerando o anterior a insubordinação para evitar assim a fragmentação do reino.

A Taifa de Sevilha vinha pagando párias desde a época de Fernando I, que transmitiu o direito de cobro ao seu filho Garcia da Galiza e que, finalmente, recaiu em Afonso VI. No princípio de 1086 Afonso enviou um grupo de comissionados, encabeçados pelo judeu ibne Salibe, para efetuarem o cobro anual. Este cobro não foi realizado devidamente, o qual provocou as iras do enviado real; al-Mu'tamid apresou os emissários e deu morte a ibne Salibe. A ameaça de retaliações por parte de Afonso VI fez com que o rei de Sevilha enviasse uma petição de ajuda a Iúçufe, que se encontrava sitiando Ceuta, no norte africano.

Este emir declarara a jiade ao norte da África, com tanto fervor que em poucos anos converteu ao Islão quase todo o Saara. A extensão dos seus domínios era de seis meses de caminho ao longo e quatro ao largo. Iúçufe venceu o rei Afonso VI na batalha de Zalaca, a 23 de outubro de 1086, embora a morte do seu filho o levasse a abandonar precipitadamente o al-Andalus, regressando para o Magrebe, pelo qual as consequências da derrota para o Reino de Leão não foram muito apreciáveis.

Quatro anos depois regressou e foi ocupando as diversas taifas do al-Andalus: Granada, Sevilha, Badajoz e Valência. Em 1062, mandou edificar a sua capital, Marraquexe (donde provém o nome de "Marrocos"). Será daí desde onde conduzirá as suas campanhas, sobretudo na península Ibérica. A sua tumba encontra-se em Marraquexe.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Abu Baquir ibne Omar
Emir almorávida
Sucedido por
Ali ibne Iúçufe

Referências

  1. Revista de Portugal. Ser.A. Lingua portuguesa, Edições 261-270. [S.l.: s.n.], 1968. p. 99.
  2. O Arquéologo portugués. [S.l.]: Museu Nacional de Arqueologia e Etnologia, 1967. p. 331.
  3. Revista. [S.l.]: Universidade de Lisboa. Faculdade de Letras, 1962. p. 311.
  4. Alves 2014, p. 571.
  5. Lopes 1924, p. 7.
  6. Soares 1989, p. 38.
  7. Campos 1970, p. 389.
  8. Santos 1944, p. 388; 392.
  9. Coelho 1973, p. 101.
  10. Portucale, Volume 4. [S.l.]: Emp. Indust. Gráfica, 1931. p. 237; 240.
  11. Grande enciclopédia portuguesa e brasileira. [S.l.]: Editorial Enciclopédia, 1931. p. 421; 424. vol. 16.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Alves, Adalberto. Dicionário de Arabismos da Língua Portuguesa. [S.l.]: Leya, 2014. ISBN 9722721798
  • Campos, José Augusto Correia de. Monumentos da antiguidade árabe em Portugal. [S.l.]: Autor, 1970.
  • Coelho, António Borges. Comunas ou concelhos. [S.l.]: Prelo, 1973.
  • Lopes, David. História de Arzila durante o domínio português: (1471-1550 e 1577-1589). [S.l.]: Imprensa da Universidade de Coimbra, 1924.
  • Reilly, Bernard F.. In: Lynch, John. Historia de España. Madri: El Pais, 2007. Capítulo: Reconquista y repoblación de la Península. vol. 7. ISBN 978-84-9815-768-0
  • Reilly, Bernard F.. Cristianos y musulmanes 1031-1157. Barcelona: Crítica, 1992. 96–136 p. ISBN 978-84-7423-555-5
  • Santos, Domingos Maurício Gomes dos. (1944). "". Brotéria: cultura e informação 38.
  • Soares, Torquato de Sousa. Formaçaõ do estado português: (1096-1179). [S.l.]: Sòlivros de Portugal, 1989.
  • Viguera, María Jesús. Los reinos de taifas y las invasiones magrebíes : (Al-Andalus del XI al XIII). Madri: Mapfre, 1992. 167–178 p. ISBN 84-7100-431-3